sábado, 30 de janeiro de 2010

Palácio dos Bandeirantes – Estágio FUNDAP


Olá pessoas!!

Um tempo atrás a Josy me pediu para fazer um post sobre o estágio, acho que ela se sente solitária postando sozinha, vamos ajudá-la! kkk

Entrei no dia 12 de janeiro, ainda não completei um mês e já estou apaixonada, acho a área de restauro encantadora e tem muito a ver comigo, pois gosto da paz e da solidão de laboratórios (comentário antissocial). A área é muito interessante e espero que as aulas de conservação neste módulo sejam tão produtivas como a prática está sendo para mim.

O Palácio tem um acervo grande (mais de duas mil obras, pelo que ouvi dizer), pena que não tão aberto ao público, mas isso está mudando nos últimos tempos o que acaba gerando ainda mais trabalho de conservação. Naturalmente, queremos ver os objetos expostos, porém, expor é sempre um risco a mais para as peças e estou aprendendo um pouco sobre essas contradições todas e principalmente como expor causando o menor dano possível.
                                                                                                                      
Uma questão curiosa é a relação estreita entre restauro e química, a 
área mescla história, artes e "exatas" (aplicadas). No colégio, detestava química e agora sou obrigada a trabalhar com ela, estou percebendo mais sua importância e até gostando, pois quando aplicada, a matéria é bem mais interessante.

Como fui "possuída" por uma paixão avassaladora pela área, andei pesquisando mais sobre ela, cursos que podemos fazer e afins. Encontrei um curso de tecnologia recém-inaugurado pela PUC, realmente interessante. Existe curso técnico e oficinas também, mas não creio que sejam tão abrangente e preparatório como este.

Quando fui visitar a instituição, antes de concordar com o estágio, fiquei um pouco apreensiva, admito, visto que as restauradoras foram bem diretas quanto às dificuldades do trabalho, focando mais nestes "contras" do que nos "prós", eu diria. Resolvi tentar (Brasileiro não desiste nunca), e foi uma boa escolha, entretanto, é bom ressalvar as verdades em tudo que me disseram. Muitas vezes ouvimos falar em restauro e visualizamos um profissional “artistas”, criativo, com seu pincel, consertando as coisas calmamente e não é bem assim.O trabalho exige força, o profissional fica exposto a componentes químicos nada agradáveis e não altera uma obra por diversão, usando sua criatividade artística. Percebi, na verdade, que a intenção é deixar claro onde houve restauro, o trabalho precisa ser facilmente removido. 
Os materiais que conheci até agora revelam essa necessidade de remoção, é tudo o mais neutro possível, para não danificar a obra ou se sobrepor ao trabalho do artista. Vocês podem conhecer um pouco sobre estes materiais no dicionário de restauro: versão brasileira ou na íntegra, pela versão italiana.

Por ser interessada em história (o que me fez conhecer a museologia e ter interesse no nosso curso, diga-se de passagem), acho o restauro em papel fabuloso, totalmente complexo e delicado, imagino o quão prazeroso deve ser ver um documento histórico, antes totalmente deteriorado e no final restaurado por você, algo que servirá para muitas gerações e pode revelar informações de contextos históricos e importância social para a humanidade... deve ser um orgulho imenso.Mesmo não trabalhando com documentos no Palácio, procurei um pouco sobre isso também, vejam aqui.

Como não deixaria de ser, algumas coisas na área me incomodaram profundamente, a principal delas foi o uso da “Cola de Coelho” em reentelamento. Achei absurda a utilização de tal material, mesmo sendo ele muito interessante e útil, um substituto vegetal seria mais digno, ao meu ver (pensamento vegano, não precisam concordar, claro rs). Estou pesquisando métodos alternativos e aceito ajuda, certo? kkk. 
Apesar da cola, o preparo de telas é muito interessante, trabalhoso e divertido e o resultado final é incrível. Também conheci um pouco o trabalho de montagem, que é ótimo. 

Essas são minhas primeiras impressões sobre o estágio. Até agora, uma ótima experiência que vem aumentando minha vontade de conhecer mais e fazer parte deste mundo fabuloso que é a restauração.


Dia oito trocaremos mais experiências. Por enquanto, comentem! E aos colegas que estão trabalhando em outras áreas, escrevam também. ;)

Beijos,
Paty


PS: Fotos by Josy, ela me pegou desprevenida kkk

Outras referências: