Listen to the text.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

MACC expõe obras do acervo do Museu de Arte Naïf do Brasil


O público poderá conhecer um pouco mais da técnica naïf.
A delicada e simples arte da pintura naïf está exposta no Museu de Arte Contemporânea de Campinas (MACC) José Pancetti com a mostra "Arte Naif – Com Açúcar e Com Afeto", que traz parte das obras do acervo do Museu Internacional de Arte Naïf no Brasil.
A mostra, que é resultado de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Cultura, Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, Sistema Estadual de Museus (Sisem-SP) e Associação Cultural de Amigos do Museu Casa de Portinari (Acam Portinari), retrata a diversidade e a beleza da paisagem brasileira, além das riquezas provenientes da agricultura.
Por meio da exposição, o público poderá conhecer um pouco mais da técnica naïf (que significa ingênuo em francês), considerada arte simplista e espontânea, por meio de obras de artistas pioneiros nessa técnica no Brasil, entre eles Cardosinho, Heitor dos Prazeres, Iracema e Júlio Martins da Silva.
As pinturas selecionadas para a exposição abordam, principalmente, as etapas do cultivo da cana-de-açúcar e outras culturas, desde o plantio até a industrialização. De acordo com a curadora da exposição, Mariza Campos da Paz, “a arte naïf encanta e cativa o público logo de cara, pois transmite uma visão idílica, encantadora e repleta de cores”.
O Museu de Arte Contemporânea de Campinas está localizado na rua Benjamin Constant, 1633, centro. A entrada é gratuita e pode ser vista até o dia 14 de agosto.

Serviço
Exposição Arte Naïf - Com Açúcar e Com Afeto
Período: de 1º de julho a 14 de agosto
Local: Museu de Arte Contemporânea de Campinas José Pancetti (rua Benjamin
Constant, 1633 – centro de Campinas)
Horário: de terça a sexta-feira, das 9 às 17 horas; aos sábados, das 9 às 16 horas; domingos e feriados, das 9 às 13 horas.
Mais informações: (19) 2116-0346
Entrada: gratuita

fonte:

...aproveitando a visita...

pegamos nossos diplomas.
Bacana!!

kiss

Mais uma turma de Técnicos em Museu

Hi Friends!



No último dia 28 foi a apresentação do TCC de mais uma (queridíssima) turma do curso técnico em Museu do Centro Paula Souza. O Trabalho de Conclusão de Curso deste semestre foi um projeto integrado entre os 3 módulos e o resultado final superou  as expectativas. Além da revitalização do Espaço Memória do Carandiru, o projeto incluiu um Centro de Referência e um Laboratório para os alunos do curso técnico.


 Todos sabem o quanto sou fã do curso e mais ainda de todos seus professores que com muito carinho e dedicação, doam parte das suas noites ao curso. Na última terça fiquei feliz e até emocionada de ver sua evolução, além de orgulhosa de ter feito parte dele!

Parabéns formandos!

kiss
J.M.T.

ps. breve mais fotos no FB

“As mulheres estão dominando.............."

Feminilidade e aprisionamento


A artista catalã Marisa Jorba traz a Fortaleza a mostra Esquartejada, com curadoria de Roberto Galvão

Pela primeira vez no Brasil, a artista apresenta obras que
refletem sobre o aprisionamento em que o ser humano se instala (YURI ALEXSANDER/ ESPECIAL PARA O POVO)Pela primeira vez no Brasil, a artista apresenta obras que refletem sobre o aprisionamento em que o ser humano se instala (YURI ALEXSANDER/ ESPECIAL PARA O POVO)
Basta uma volta despretensiosa pelo Museu de Arte Contemporânea (MAC) para perceber uma característica em comum nas mostras do mês de junho e que se estendem pelas férias. “As mulheres estão dominando o Dragão do Mar”, aponta José Guedes, diretor do MAC. A partir de hoje, mais uma artista terá seu trabalho exposto no espaço, ajudando a completar, com a feminilidade, todas as salas do museu, que já apresenta a mostra Identidade Feminina. 

A catalã Marisa Jorba, mais conhecida como Maïs, traz a Fortaleza a exposição Esquartejada, com curadoria de Roberto Galvão. As obras da artista, que já passaram pela Espanha, Alemanha, França, Suíça, Japão e Estados Unidos, ficarão em cartaz no MAC até 21 de agosto. “A exposição conta a história de várias fases da vida de uma mulher”, comenta Maïs, que acompanha a exposição até sábado. O trabalho, segundo ela, quer principalmente retratar as mulheres que sofrem maus tratos. “Isso acontece em todo lugar, a todo momento”, afirma.

Para homenagear essas mulheres maltratadas, três ambientes recebem obras produzidas desde 2002. As referências da obra são a casos específicos, como a instalação que remete a corpos de mulheres esquartejadas em um massacre no México ou as esculturas simbolizando o apedrejamento e o uso da burca em países islâmicos. “Mas a minha obra pode ser generalizada para todas as mulheres”. A trajetória de vida da artista também está presente nos trabalhos expostos: “A minha inspiração vem da minha vida e do meu entorno”.

O clima de sobriedade percorre toda a exposição, que também faz uma reflexão sobre o aprisionamento em que o próprio ser humano se instala. Jaulas de ferro montadas pela própria artista foram o meio encontrado para retratar a situação. “Nós mesmos fazemos as grades sobre nós, mas sabemos que sempre podemos sair”, explica. Para o curador Roberto Galvão, Maïs manifesta a realidade humana em sua essência: “Ela traz, na sua arte, a consciência da dificuldade sem ser pessimista”.

“O importante, pra mim, é fazer o que eu sinto”, afirma a artista, sem definir ao certo as expectativas para o público fortalezense. “Em geral, espero que as pessoas sintam algo, pois é para isso que trabalho. Gosto quando isso acontece”. A agressividade dos materiais utilizados — ferros, grades, pregos — divide espaço com o apelo sentimental despertado pelas cores fortes e pelo significado de cada obra. “Maïs consegue fazer uma relação entre o sentimento e a razão”, define o curador.

Segundo o curador, Maïs reúne, em sua obra “forma, conceito e matéria”. O contato para trazer a artista a Fortaleza começou três anos atrás, em uma exposição em Madri. Essa é a primeira vez que Maïs vem ao Brasil. A artista, que vive entre Barcelona, Paris e Nova York, diz que vê muitas semelhanças entre a cidade americana, sua obra e a capital cearense. “O que mais me chamou a atenção foi o contraste entre prédios grandes e casas pequenas”, conta a artista.

SERVIÇO
MOSTRA ESQUARTEJADA (MAÏS)
Onde: Museu de Arte Contemporânea (MAC) – Centro Cultural Dragão do Mar
Quando: Até 21 de agosto (terça a quinta, das 9h às 18h 30min; sexta a domingo, das 14h às 20h 30min)
Acesso livre.
Outras info.: 3488 8624

fonte:

Exposição de ideias em cenário deslumbrante



Painéis reproduzindo páginas de O DIA com 60 propostas inovadoras que estão mudando o Rio emolduraram a cerimônia no imponente Museu Histórico Nacional

Rio - Definitivamente, não era um cenário qualquer. E ninguém passou pela cerimônia sem ser impactado pela beleza do espaço que serviu de moldura para o encontro que celebrou os 60 anos do jornal O DIA. O governador Sérgio Cabral, por exemplo, começou seu discurso ressaltando “esta beleza de museu”, e a presidenta Dilma Rousseff também elogiou a escolha do local para a celebração. O Museu Histórico Nacional, criado em 1922, é um dos mais importantes do Brasil, reunindo um acervo de mais de 270 mil itens, entre documentos, imagens, moedas (está lá a maior coleção de numismática da América Latina), selos, móveis, armas e esculturas.
Além de tamanho tesouro histórico, os convidados também tiveram a oportunidade de conferir a exposição inspirada nas 60 ideias que estão mudando o Rio, publicadas no especial que circulou no dia de aniversário do jornal, no último dia 5. A edição mapeou projetos de ONGs, de pessoas físicas e dos setores público e privado, analisou o caminho que estão seguindo e os resultados dessas iniciativas. Os 60 painéis com as ideias ornamentaram o salão e despertaram a atenção dos presentes. 

“A partir de agora, toda iniciativa vitoriosa e empreendimento inovador vai ter largo espaço nas páginas do jornal”, prometeu Maria Alexandra Mascarenhas Vasconcellos, presidenta do Conselho de Administração da Empresa Jornalística Econômico S.A. (Ejesa). 

Beleza de cenário

O conjunto arquitetônico que abriga o Museu Histórico Nacional, localizado na Praça Marechal Âncora, próximo à Praça 15, era um dos pontos estratégicos para a defesa da cidade do Rio de Janeiro, à época capital do Brasil. Após deixar de ser área militar, o então presidente da República, Epitácio Pessoa (1919-1922), visando a dotar o País de um espaço destinado a abrigar um acervo voltado para a História do Brasil, criou ali o Museu Histórico Nacional. Atualmente, o espaço constitui-se no mais importante museu histórico do País. Abrigou o primeiro curso de Museologia do Brasil, mantendo-se até aos nossos dias como referência para a constituição de importantes museus brasileiros.

fonte:

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Cultura >> MIS abre exposição Lençóis Esquecidos do Rio Vermelho (GO)



O Museu da Imagem e do Som – MIS, unidade da Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira  - Agepel -recebe nesta quinta-feira, dia 30, às 19 horas, a instalação fotográfica Lençóis Esquecidos do Rio Vermelho, da artista goiana Selma Parreira. A exposição estará aberta para visitação a partir de sexta-feira, 1º de julho e fica em cartaz até 30 de setembro, na Sala de Eventos do MIS.

Fruto de um estudo imagético e histórico sobre a atividade das lavadeiras da cidade de Goiás, a instalação fotográfica (da qual também faz parte um vídeo-documentário) procura registrar e discutir, de forma poética, as transformações ocorridas na vida cotidiana das cidades.

A instalação é composta por imagens em preto e branco do início do século XX e de imagens coloridas recentes, feitas em 2009 a partir de uma intervenção da artista na cidade de Goiás. As imagens registram o trabalho de mulheres lavando roupas no Rio Vermelho, uma atividade que se extinguiu ao longo do tempo e compõe uma série fundamental para o trabalho da artista. Estas imagens são, em sua maioria, registros do fotógrafo pioneiro Alois Feichtenberger, que documentou a cidade vilaboense entre 1930 a 1950 (coleção do Acervo do Museu da Imagem e do Som de Goiás) e de Dom Candido Penso, bispo italiano e fotógrafo que viveu em Goiás (coleção do Museu de Arte Sacra da Boa Morte – Goiás).

Já as imagens em cores, feitas em setembro de 2009, de autoria dos fotógrafos Paulo Rezende e Vicente Sampaio, registram as alterações na paisagem do rio e da cidade provocadas pelo desenvolvimento urbano.

A oposição entre estes panoramas, realidades entrecortadas pelo tempo, procura desenvolver uma reflexão sobre a memória atrelada aos espaços. Uma proposta de vídeoarte também integra o projeto e tem a colaboração do cineasta Pedro Diniz.

O trabalho foi apresentado pela primeira vez na cidade de Goiás, especialmente para homenagear as lavadeiras de roupas de rio da cidade. A segunda foi realizada em Fortaleza (CE) no Centro Cultural Dragão do Mar, numa mostra coletiva em 2010. O Projeto é fruto do Edital Arte e Patrimônio 2009, uma iniciativa do IPHAN / Ministério da Cultura, com o patrocínio da Petrobras, apoio da Faculdade de Artes Visuais / UFG e PROEC.
Mais informações: (62) 3201-9857

fonte:

Para instituições que cuidam da memória, como o museu, é imprescindível que o acervo audiovisual...

Secretaria de Estado da Cultura realiza em Campinas oficina do MIS-SP


 
Atividade gratuita busca o aperfeiçoamento dos profissionais da área museológica na conservação, manutenção e manuseio de acervos audiovisuais, com base na experiência do museu paulistano

A Secretaria de Estado da Cultura, por meio do Sistema Estadual de Museus (SISEM), oferece para profissionais da área museológica, nos dias 29 e 30 de junho, uma oficina sobre a experiência do Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo. A temática será manuseio, conservação e aproveitamento de acervos audiovisuais. Com carga de 16 horas, a atividade acontece no Museu da Imagem e do Som de Campinas e a inscrição – gratuita – pode ser feita pelo telefone (19) 2116-0525.

Para instituições que cuidam da memória, como o museu, é imprescindível que o acervo audiovisual esteja em constante manutenção, pois são rica fonte de pesquisa para diversos tipos de pesquisadores. Dessa forma, é importante que as instituições estejam preparadas para atender a demanda, com um sistema de busca de informações rápido e eficiente, além de uma equipe treinada.

Na oficina, a palestrante Patricia Lira, historiadora e documentalista do MIS, discorre sobre os procedimentos básicos para conservação de acervos audiovisuais, como área de guarda para meios magnéticos e para películas cinematográficas, manuseio adequado do acervo e discos ópticos. Os participantes também têm a oportunidade de conhecer as etapas da documentação, por meio do preenchimento de fichas de registro de entrada, de inventário e de catalogação. Serão abordadas, ainda, as especificidades da documentação de diversos tipos de registros e suportes.

Sobre a digitalização de acervo, tema discutido à exaustão por centros de memória, arquivos e bibliotecas, a oficina mostra como avaliar a importância da atividade para que o profissional consiga tomar a decisão de quando digitalizar, os critérios e as prioridades para a digitalização, quais serão os meios de armazenamento e de difusão posterior desse acervo. A questão dos direitos autorais também será abordada, com a avaliação lei nº 9610.

fonte:

terça-feira, 28 de junho de 2011

Programa de rádio TALENTOS Museu2009 fala sobre Sevirologia e Mágica

Sevirologia - O Mágico com o Mister Basart


O mágico Mister Basart, há mais de vinte anos, diverte as crianças deste Brasil a fora. Atualmente faz apresentações de mágica para grupos de no mínimo dez pessoas. Mantém o Museu da Mágica em São Paulo, capital no bairro do Ipiranga. 


ouça:
http://pt.blaving.com/museu2009



Turismo - a base da riqueza de um país. Na Turquia, os 28.600 milhões de turistas...

Na Turquia, os 28.600 milhões de turistas deixaram no país 25 bilhões no orçamento


Camponesas do interior da Anatólia são responsáveis pela preparação das jóias mais tradicionais e belas da Turquia, tecendo fios de ouro em espetinhos de madeira, um artesanato milenar. (foto: Dayse Regina Ferreira)
Vinte e oito milhões, seiscentos mil visitantes foram até a Turquia em 2010. A projeção para 2011 é de  31 milhões de turistas.
Um número de fazer  inveja para o nosso país-continente, que nem sabe como resolver  seus aeroportos envelhecidos, seus problemas intermináveis a cada dia feriado ou a cada período alta temporada, seus hotéis que pararam no tempo, seus atendentes de companhias aéreas mal treinados e  ineptos, suas estradas esburacadas e portos  marítimos de quarto mundo, seu trânsito engarrafado nas grandes cidades, problema diário de quem usa carro ou viaja de ônibus e trem.E só se fala em Copa do Mundo e Olimpíadas.

Na Turquia, os 28.600 milhões de turistas deixaram no país 25 bilhões no orçamento do país. A terra de Atatürk projeta agora, para 2023, receber 50 milhões de visitantes. Um país que hoje ostenta uma das maiores economias da Europa – e também do mundo –  se coloca como um dos mais desenvolvidos no planeta e aposta a maioria de suas fichas no Turismo.  O primeiro passo para alcançar suas metas, é a diversificação: turismo de congressos, hotelaria, centros de eventos, como o Golden Horn Congress Center, que criou novos espaços. Também estão sendo providenciados eventos para o turismo de inverno, principalmente em  Erzurum, Isparta e Davras,  no sudeste da Anatólia. Cidades estão tendo avenidas alargadas, novos hotéis estão surgindo, iguais  aos da cadeia  Hilton em Mardin e em Urfa . Konya, a terra dos derviches rodopiantes, também já ganhou seu novo hotel e um cinco estrelas está em construção em Urfa. Nas grandes cidades, ou nas cidades do interior, estão sendo planejados bazares, caravanserais, pousadas e museus. Em Gaziantep foi inaugurado o maior museu de mosaicos do mundo e em Içkale toda uma  grande área será considerada como museu. Alguns museus serão ao ar livre e outros, dedicados ao turismo religioso. O turismo da fé revela prédios sagrados para todas as religiões em Trabzon, Mardin, Akdamar, Urfa, Tarsus, Konya e Istambul. Paganismo, cristianismo, tudo o que for ligado a Deus e ‘a natureza, será preservado, cuidando do futuro da humanidade. Antes, apenas Konya era conhecida no mundo como centro de religião (sufismo). Hoje Hajji Bektash, Hajji Bayram, São Nicolau em Demra começam a serem promovidos pelo mundo. Laodicea, perto de Hierapolis, em Pamukkale,  com as estruturas de sete igrejas sagradas para o cristianismo , em breve será lugar de peregrinação religiosa. Demra, a terra onde nasceu Papai Noel, já recebe 500 mil visitantes ao ano. Outro destaque é o turismo focando a terceira idade, com grupos de turistas idosos e ricos percorrendo as atrações principais da Turquia.Para tanto, aposta em cultura, turismo de fé, Spa, saúde, esportes em ambientes fechados ou ao ar livre, turismo arqueológico e até caçadas. O ponto alto de todo esse  desenvolvimento fica com as companhias aéreas, responsáveis por vôos diretos entre Istambul e Ancara, com conexões para todas as principais cidades e para outros continentes. Como os vôos entre Istambul e São Paulo, non stop, a Turkish Airlines. Apenas quatro horas de vôo, separam Istambul  das mais importantes cidades européias: Paris, Madri, Frankfurt. A Turquia olha o futuro  preparando sua infra estrutura, construindo marinas, portos para navios de cruzeiros, estradas, aeroportos modernos. Eventos são importantes, como provou o Istambul Shopping Fest, realizado durante quarenta dias, entre meados de março e fim de abril. O festival envolveu o Ministério da Cultura e Turismo, o governo estadual, a prefeitura de Istambul, a Associação de Exportadores Turcos e foi coordenado pela Associação dos Shopping Centers e Comerciantes e pela United Brands Association. O resultado dos 40 dias e 40 noites do evento, com maratonas, desfiles pelas ruas, shows, concertos, foi de 50 bilhões de dólares. Turistas gastaram 38% a mais do que no mesmo período em 2010, totalizando 20 milhões de liras turcas. Só na primeira semana do festival o setor de jóias teve um acréscimo de 26% nas vendas, chegando a 17,5 milhões de liras turcas. E alguns shoppings mantiveram suas lojas abertas até 2 horas da manhã, para atender ‘a demanda. Até as companhias aéreas tiveram que providenciar vôos extras a países vizinhos. O que provocou, também, lotação completa em hotéis durante o período. O próximo Festival de Compras em Istambul já tem data marcada para 2012: vai começar no dia 26 de abril. Anote.
Todos os grandes empreedimentos também têm data marcada: 2023, ano do centenário da República. Atualmente como a sexta maior economia da Europa, espera comemorar os cem anos da República com  500 bilhões de dólares em exportação e um PIB de  25 mil dólares anuais.

fonte:
http://www.bemparana.com.br/index.php?n=183975&t=turismo-a-base-da-riqueza-de-um-pais

Escavação no Amapá revela estilo de urna conservado apenas no exterior

Um estudo realizado em sítio arqueológico no Amapá revelou urnas funerárias que só eram conhecidas pelos pesquisadores por meio de peças expostas em museus na Europa.Coordenadas pelos arqueólogos João Saldanha e Mariana Cabral, do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA), as escavações desvendaram quatro urnas funerárias, uma delas com formas humanas, além de esqueletos de adultos e de uma criança.
Todo o material é de 1000 anos atrás, época tida pelos especialistas como o início do florescimento cultural na região amazônica. “A maior parte dos sítios, com grandes estruturas e materiais mais vistosos, é exatamente desta época”, afirma Saldanha, em entrevista ao G1. A descoberta aconteceu em um sítio arqueológico na periferia de Macapá, capital do estado.
As urnas têm entre 30 a 60 centímetros de altura e continham ossos humanos. A menor delas abrigava os restos de uma criança. Já a maior, com formas humanas, foi a estrutura que mais chamou a atenção dos especialistas.
Os pesquisadores normalmente procuram por vestígios funerários e outros indícios de ocupação humana como a terra preta arqueológica. “É um tipo de solo extremamente fértil, encontrado na Amazônia, manipulado pelos índios intencionalmente para recuperar um solo que é notoriamente pobre para a agricultura”, explica o arqueólogo.
No caso das urnas, a utilidade é a de preservar o corpo como forma de perpetuar os índios depois da morte. “Assim como existiam as múmias e os sarcófagos no Egito Antigo, aqui na Amazônia nós encontramos essas urnas antropomorfas [com formas humanas]. É uma forma de perpetuar o corpo depois do falecimento do indivíduo”, diz Saldanha.
A equipe não sabe afirmar como ocorreu o descarne – a retirada dos tecidos moles dos ossos -, mas possuem duas teorias. “Há vários relatos etnográficos que apontam o enterramento primário, ou seja, os índios soterravam o corpo, esperavam a carne apodrecer e depois recuperavam os ossos”, diz o pesquisador. “Há ainda casos nos quais os índios colocavam o corpo em uma plataforma, a carne saía nessas plataformas e eles conduziam os ossos às urnas.”
Conhecer no exterior – Indícios das presenças de culturas típicas na região como a marajoara, a maracá e a aristé, os vestígios de povos indígenas foram explorados no começo do século por escavações amadoras. O material era levado no começo do século 20 para acervos na Europa, durante uma época na qual não havia uma legislação específica para a conservação do patrimônio e da propriedade arqueológicas.
“A gente não conhecia bem este estilo de urna. Somente após essa escavação é que nós encontramos este tipo de cerâmica, que nós conhecíamos pelas exposições no exterior, a toda uma estrutura usada pelos índios daqui”, lembra o pesquisador.
No começo do século passado, escavações amadoras levavam peças arqueológicas de culturas amazônicas para apreciadores em mercados no exterior. “A legislação de propriedade e patrimônio é de 1961. Mas ainda temos esse problema”, afirma o pesquisador.
“Hoje em dia ainda há escavações clandestinas. Existe um mercado negro de peças que nós ficamos sabendo, apesar de não ver. Depois de um tempo, peças raras vão parar em museus na Europa ou em coleções particulares.”
(Fonte: Mário Barra/ G1)

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Foto rara de Billy the Kid é vendida por US$ 2,3 milhões e que planeja exibi-lo em acordo com alguns museus.



Uma das últimas fotos existentes do lendário pistoleiro Billy the Kid foi vendida por US$ 2,3 milhões num leilão em Denver neste fim de semana.
O retrato do jovem fora-da-lei foi adquirido por um colecionador particular, chamado William Koch, que planeja exibi-lo em acordo com alguns museus.
O valor ficou muito acima da expectativa dos leiloeiros, que esperavam faturar no máximo US$ 400 mil com a relíquia.
A imagem clássica teria sido tirada em Fort Sumner, em torno de 1880, e é supostamente a única foto autêntica do pistoleiro.
Dependendo de quem conta a lenda, Billy teria matado entre 8 e 22 pessoas. O cinema já o retratou como bandido comum e como herói, como coadjuvante e protagonista, em inúmeros filmes. Seu intérprete mais famoso foi Paul Newman, no clássico “Um de Nós Morrerá” (1958). A famosa música de Bon Jovi “Blaze of Glory” foi composta para um filme sobre o fora-da-lei, “Jovem Demais Para Morrer” (1990).

fonte:

4º Festival Cel.u.cine inscreve micrometragens a partir de hoje pelo site

Realizado pela Associação Revista do Cinema Brasileiro em parceria com o Oi Futuro, a quarta edição do Cel.u.cine - Festival de Micrometragens está com inscrições abertas a partir de hoje para profissionais e amadores



Tendo como objetivo maior revelar talentos e criar uma cultura de produção audiovisual em novos formatos, a quarta edição do Cel.u.cine - Festival de Micrometragens está com suas inscrições abertas a partir de hoje (27) pela Internet para profissionais e amadores.

O evento, realizado pela Associação Revista do Cinema Brasileiro em conjunto com o Oi Futuro, abre espaço para interessados maiores de 16 anos com seus respectivos filmes de 30 segundos a 3 minutos de duração, produzidos com suportes digitais (câmeras, celulares, smartphones, etc) e nos mais diversos gêneros (animação, ficção ou documentário).

Para além da competição, o 4º Cel.u.cine irá destacar uma Mostra Especial com a exibição de produções de seis diretores - Beto Brant, Lázaro Ramos, Jorge Furtado, Hector Babenco, David Rebordão e Mário Bastos (Angola) - sendo todos inéditos e disponíveis posteriormente no site do festival.

Com premiação em dinheiro para as três melhores produções, o melhor filme escolhido em votação popular também receberá um prêmio no valor de R$ 4 mil.

SERVIÇO

CEL.U.CINE - FESTIVAL DE MICROMETRAGENS
Inscrições: abertas a partir de hoje (27) pelo site www.celucine.com.br.
Pré-requisitos: profissionais ou amadores com mais de 16 anos podem se inscrever com filmes de 30 segundos a 3 minutos de duração, produzidos com suportes digitais e nos mais diversos gêneros.

As inscrições podem ser feitas no site oficial do festival.

domingo, 26 de junho de 2011

Taça da Libertadores já está em exposição na Vila



Jogadores exibiam placa na taça que indicava o Santos como o campeão da Libertadores da América de 2011. Foto: Celso Paiva/Terra
Taça da Copa Libertadores está exposta em Santos
Foto: Celso Paiva/Terra

A partir deste sábado, todos os torcedores santistas podem ver a taça da Copa Santander Libertadores de perto. O troféu já está em exposição no Memorial da Conquista, anexo à Vila Belmiro.
O Museu do Santos funciona das 9h às 19h, de terça-feira a sábados. Aos domingos, o Memorial funciona das 9 às 12h30 e das 13h30 às 19h. A meia entrada é válida para estudantes, professores, crianças de 7 a 17 anos e aposentados acima de 60 anos. Crianças menores de seis anos não pagam.
Confira os preços e tipo de visitas: 
Visita Monitorada: Memorial + Camarotes Térreos + Sala de Imprensa + Vestiário (Locker Room) + Campo = R$ 10,00. Meia entrada, Grupos, Empresas, Agências e Escolas = R$ 5,00
Visita Simples:Memorial + Arquibancadas do Estádio = R$ 6,00. Meia entrada = R$ 3,00

fonte: