Listen to the text.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Pontos de Memória: museu comunitário no RS identifica 60 referências culturais

O Ponto de Memória Museu Comunitário da Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre (RS), lançou na quinta-feira (15) a exposição Lomba do Pinheiro – Patrimônio Inventariado e Itinerários culturais.


386036_256083161120980_100001578957643_687417_555046377_n
A solenidade de abertura contou com a presença de moradores e amigos do museu e de representantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), da  Regional do Ministério da Cultura e do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram MinC).
A mostra, também reproduzida em formato de mapa manual,  foi concebida a partir do resultado de pesquisas históricas e do processo de inventário participativo realizado nos últimos dois anos por moradores.
O resultado foi a identificação de 60 pontos culturais estratégicos, que unem as 26 vilas que formam a região. Dentre eles, destacam-se o Sítio Arqueológico Boqueirão,  as comunidades indígenas Charrua, Kaingang e M’byá Guarani, a Vinícula Bordignan, a Represa Lomba do Sabão a Associação dos Amigos da Vila São Francisco, o Centro Hípico Recanto do Pinheiro e o próprio museu comunitário.
De acordo com a historiadora e coordenadora da exposição, Cláudia Feijó, os símbolos locais comuns nos territórios e vilas são as paradas de ônibus, o macaco Bugio Ruivo, as nascentes, as figueiras e os pinheiros, que dão origem ao nome do bairro.
“Desejamos que a exposição continue seu percurso nas escolas, entidades, famílias e entidades associativas, servindo de ponto de memória e de partida para novos inventários, textos, músicas imagens e esperanças em comum”, enfatiza Feijó.

O museu foi inaugurado em 2006, com o intuito de ser um espaço de reflexão para os moradores se reconhecerem como agentes transformadores da realidade, por meio de suas histórias de vida e lutas comunitárias.
A instituição também é um dos 12 Pontos de Memória apoiados pelo Ibram/MinC, em parceria com o Ministério da Justiça e a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI). O museu fica na Estrada João de Oliveira Remião, 2874, Lomba do Pinheiro, Porto Alegre (RS).
Fonte: Divulgação Pontos de Memória

Dez mandamentos-Pergaminho com mais de 2000 anos exposto museu de NY-Confira…

O manuscrito mais antigo e melhor conservado sobre o que estão escritos os Dez Mandamentos que, segundo a fé judeo-cristã, Moisés recebeu no Monte Sinai, esta em exposição desde o dia 16 de dezembro no Museu Discovery de Nova York.Clique, leia e comente…
O pergaminho,  escrito em hebraico e de mais de 2.000 anos de antiguidade , mede ao redor de meio metro de comprimento (45 cms.)
por 7 centímetros de largura. Está no museu de Nova York formando parte de uma exposição mais ampla sobre os rolos do Mar Morto; na que que inclui mais de 500 objetos cedidos pela Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA, em sua sigla em inglês).
Seu estado de conservação é “excepcional”, está escrito em hebraico, e tem mais de 2.000 anos de antigüidade.
O pergaminho dos Dez Mandamentos se pode visitar somente até o próximo 2 de janeiro, enquanto que o resto da exposição -que foi inaugurada em 28 de outubro- permanecerá aberta até 15 de abril de 2012.
O pergaminho foi descoberto em 1954 e pertence, segundo indica o Museu Discovery em um comunicado, a uma coleção de mais de 900 rolos encontrados ao longo dos anos 40 e 50 em um sistema de covas de Qumram, situado próximo do Mar Morto.
Este conjunto de manuscritos, escritos em hebraico, aramaico e grego, são os documentos mais antigos encontrados até agora sobre a vida na Judeia e tempos de Jesus -de mais de 2.000 anos- e do Antigo Testamento cristão.

fonte:

Melhor café de SP chega à cafeteria do Museu

A cafeteria do Museu do Café, localizada no piso térreo do edifício da Bolsa Oficial de Café, no Centro Histórico de Santos, está coms boas novidades:  os grãos premiados durante o 10º Concurso Estadual de Qualidade do Café de São Paulo, realizado em novembro último.


O principal destaque é o grão Tejupá, grande campeão do concurso ao conquistar do júri especializado a maior nota da disputa: 9,06 em uma escala de 0 a 10. Na cafeteria do museu, o quilo do café premiado, que tem como característica o aroma adocicado e corpo médio, sai por R$ 150,00. A outra novidade é o café Vale da Grama, premiado na categoria Microlote, e que se destaca pela doçura e pouca acidez. Em grão ou moído, a embalagem de um quilo custa R$ 136,00. 

Os grãos premiados se juntam aos outros sete cafés gourmets comercializados pela cafeteria: Sul de Minas, Cerrado de Minas, Blend da Cafeteria, Chapadão do Ferro, Alta Mogiana, Orgânico e Jacú Bird Coffee. Este último é o café mais caro e raro do Brasil, obtido com os grãos expelidos pelo pássaro Jacú, que se alimenta dos frutos do café.

Este mês, a Cafeteria do Museu recebeu da revista Veja, pelo quinto ano consecutivo, o prêmio de melhor café do Litoral Sul de São Paulo.

O Museu do Café fica na rua XV de Novembro, 95, no Centro Histórico de Santos. O horário estendido de funcionamento, durante a temporada de verão é de segunda-feira a sábado das 9h às 17 horas, e aos domingos entre 10h e 17 horas. Os ingressos para visitação custam R$ 5,00. Estudantes e pessoas com mais de 60 anos pagam meia-entrada. 

Já a cafeteria do museu funciona de segunda a sábado das 8 às 18 horas, e aos domingos entre 10 e 18 horas. Outras informações site www.museudocafe.org.br


Museu da Música - Itu, uma feliz realidade

Há quatro anos, em 14 de dezembro de 2007, foi fundado por um grupo de cidadãos, o Museu da Música- Itu, uma instituição museológica cujo objetivo é a preservação da música enquanto patrimônio cultural e fonte de pesquisa e aprendizado. Passado o entusiasmo inicial, vieram as dificuldades com questões administrativas e de espaço. Mas vieram, também as parcerias que permitiram concretizar o projeto e viabilizar as iniciativas. A Associação Cultural Vozes de Itu foi a primeira entidade que se associou, juntamente com o Museu da Energia, aquela na divulgação de obras musicais preservadas no acervo e este abrigando pequenas mostras culturais. Quem quiser acompanhar a trajetória das atividades pode fazer uma busca nos arquivos deste www.itu.com.br, (outra entidade parceira desde a primeira hora), para conferir passo a passo como se foi constituindo o acervo, as exposições, palestras e encontros. O nosso endereço próprio www.museudamusicaitu.com.br também veio logo, onde está um tanto da história da música ituana, do museu, e estão postados os boletins mensais que se editou.

Quando o museu foi criado não se imaginava que a adesão a sua proposta seria tão rápida; objetos, fotografias, documentos textuais, gravações, discos, apareceram de toda parte; muitos cidadãos quiseram trazer um pouco da história da música em Itu para compor o acervo, para garantir que esteja preservado e disponível para pesquisa. As partituras, cerca de dez mil, estão em fase final de catalogação. Há um grupo de voluntários e estudantes trabalhando desde 2009 na organização de todo o material. Outra atividade importante é recolher depoimentos de músicos e cantores, que ficam registrados como mais uma fonte de pesquisa – oral – da história recente da nossa música.

2009 foi um ano fundamental para o Museu da Música, porque, em parceria com a Protur, abriu uma sede para a instituição, uma casa abrigando o acervo, exposições, ações educativas, enfim, um lugar significativo, historicamente ligado à música – casa do velho seresteiro Luís de Francisco. Naquele ano abriu a exposição ligada à ópera A Noite de São João, reunindo pesquisa sobre a obra de Elias Lobo.

Outra questão fundamental foi o início das ações educativas, na parceria com o SINCOMÉRCIO – ITU (as séries Diálogos 2009 e 2011) e as ações artísticas, na parceria com o SESC – Sorocaba. Há dois anos a música popular tem sido valorizada, seja nas séries de concertos, nas serestas no Largo do Bom Jesus ou na pesquisa sobre a atuação da gente de Itu nessa área riquíssima da cultura brasileira. Em cartaz, por todo 2012, está a mostra Seresteiros de Itu.

A obra inédita de Padre Jesuíno do Monte Carmelo, Elias Lobo e Tristão Mariano da Costa, tem voltado à vida, em concertos ou cerimônias, com destaque para os que contaram com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura, em 2011. Poder revelar o patrimônio à comunidade é a certeza de que estamos colaborando para fortalecer a identidade cultural de nossa gente.

Hoje o museu mantém a Orquestra Maestro Tristão Mariano, formada em 2009, e o Madrigal do Museu da Música – Itu, para repertório de sonoridade de pequeno grupo.

Como resultado de pesquisas no próprio acervo, neste ano, lançou o primeiro volume dos Cadernos de Música, para divulgação da história da música local, tendo como tema o papel feminino na música sacra em Itu. A parceria com o Grupo LORENZON possibilitou a distribuição do texto acompanhado de gravação de concerto ao vivo e roteiro de estudos para as escolas públicas municipais. O museu, desta forma, começa a participar ativamente da vida escolar. O material, se bem aplicado, tem possibilidade de atingir até 15.000 alunos por ano.

Na avaliação constante, do grupo diretor, impôs-se uma questão: como trazer público ao espaço do museu? Não se tratava somente da questão de que somos um povo sem tradição em visitar museus. Notou-se que a comunidade pouco sabia da existência do museu, apesar da divulgação constante dos meios de comunicação de Itu e região. Duas frentes de trabalho se abriram. A oficina Interpretando o acervo, para universitários e Escola de Jovens e Adultos trouxe quatro grupos entre outubro e novembro/2011 e trará outros vinte, ao longo de 2012, a fim de conhecer o acervo.

Outra proposta foi a construção de uma oficina lúdica para alunos do Ensino Fundamental I, através da contação de histórias. Estudantes previamente preparados, em sala de aula, vêm ao museu ouvir a história do “Nhonhô Tristão”, o seresteiro de Itu. Separados em grupo, os estudantes se preparam para promover uma seresta, os garotos ensaiam com o professor-músico e as garotas se vestem com “roupas de época”, a fim de receberem a seresta, (como uma paquera de outrora), iniciativa que também busca repensar, com os adolescentes, a relação de afetividade que se construirá em suas vidas. No final há uma animada gincana cooperativa (na qual todos os participantes são ganhadores), quando se faz a busca de informações na mostra Seresteiros de Itu. Essa atividade gratuita (como todas promovidas pelo museu), já iniciada em 2011, trará vinte turmas de alunos de escolas municipais em 2012. Também para o ano que vem vamos fortalecer as parcerias entre os museus da cidade, congregados no Forum Permanente de Museus.

De onde vem o recurso para levar adiante todas essas iniciativas? A única mantenedora do Museu da Música – Itu é o Instituto Cultural de Itu, associação de amigos, formada em 1999, cujos participantes não medem esforços para a concretização dos propósitos. Os recursos vêm de seus associados, de doações para atividades, ou iniciativas como a edição de livros, por exemplo, os que foram organizados pelo Engº Jair de Oliveira: Itu, 400 anos e Memória de Itu. O museu recebeu doação de grande número de exemplares. O recurso advindo da venda é destinado a sua manutenção.

Como presidente da instituição que mantém o museu, quero agradecer a todos os que colaboram, que abrem suas portas (como a Igreja do Carmo de Itu e a Chácara do Rosário), que acreditam na iniciativa pretensiosa de fazer a sociedade mais feliz a partir da sensibilização que proporciona a arte. Toda a equipe do Museu da Música – Itu, cuja Curadora é a Profa. Maria de Lourdes Figueiredo Sioli, colabora através do voluntariado, o que dignifica ainda mais a atuação. Obrigado a todos, associados, colaboradores, instituições parceiras, imprensa, comunidade. Obrigado aos profissionais que se juntaram a nós e aos estudantes, com quem temos aprendido muito. Obrigado aos velhos músicos ituanos que nos deixaram um patrimônio extraordinário e um passado exemplar. O mais marcante é que o grupo só está crescendo. O Museu da Música – Itu é uma feliz realidade!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

XV Salão de Artesanato da Paraíba em João Pessoa

No dia 22 de dezembro, às 18h, no Jangada Clube, na Praia de Cabo Branco, em João Pessoa, o XV Salão de Artesanato da Paraíba abre as suas portas ao público.

Realizado anualmente na Capital nos meses de dezembro e janeiro e, na temporada de São João em Campina Grande, é a grande vitrine do artesanato do Estado.

Nesta edição o tema é a Renda. Será prestada uma homenagem às rendeiras, com mostra de renda Renascença e  Labirinto, tradicionais no Estado.

O Salão mantêm o mesmo formato, agrupando os artesãos por tipologias (madeira, fibras, cerâmica, por exemplo). Será oferecido arte popular, artigos de decoração e de utilidade doméstica, confecções, acessórios e brinquedos populares.

Considerada um dos maiores eventos do gênero no país, este ano,  mais de 3 mil artesãos de 81 municípios estão cadastradas para expor e vender peças artesanais e quitutes da culinária  típica da Paraíba.


XV Salão de Artesanato da Paraíba

22 de dezembro a 22 de janeiro das 15h às 22h
O evento é na orla, mas não será permitida a entrada com trajes de banho
Nos dias 24 e 31 deste mês, vésperas de Natal e de Ano Novo, o evento funciona em horário especial, das 10h às 18h. Já nos dias 25 de dezembro e 1º de janeiro não haverá atividades
Rendas, tema deste ano do Salão

fonte babel das artes

Museu do Louvre adota Nintendo 3DS como guia virtual

MADRI - O austero museu do Louvre, em Paris, vai adotar o videogame portátil Nintendo 3DS como seu guia eletrônico a partir de março. Cinco mil unidades do console irão substituir gradualmente os audioguias tradicionais.

A tela dupla em 3D do portátil vai oferecer ao visitante, em oito idiomas, uma nova maneira de descobrir as obras que o museu abriga. Um dos motivos para o Louvre ter escolhido o videogame da Nintendo é a necessidade de convencer os jovens a acompanhar os pais durante as visitas.
Para evitar roubos, a versão do 3DS a ser usada pelo Louvre não rodará jogos. Seu empréstimo custará seis euros e exigirá apresentação de carteira de identidade.

A adoção do Nintendo 3DS faz parte da política do museu de explorar as opções tecnológicas para divulgar sua coleção. O Louvre prevê, por exemplo, investir um milhão de euros na melhoria dos seus aplicativos para celulares e tablets, e o uso do recurso de realidade aumentada está nos planos da instituição. Os apps do Louvre já foram baixados três milhões de vezes.

Lançado em fevereiro deste ano no Japão, o Nintendo 3DS permite ao usuário jogar com cenários 3D sem o uso de óculos especiais. O portátil vem com duas telas e possui acelerômetro e giroscópio. As vendas do aparelho atingiram três milhões de unidades no Japão, mas os consumidores americanos e europeus, em crise financeira, não estão comprando o 3DS no ritmo desejado pela Nintendo. O console chegou ao Brasil em junho.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/tecnologia/museu-do-louvre-adota-nintendo-3ds-como-guia-virtual-3479518#ixzz1hG8ZQXgK
 

Serralves promove exposição para visitar com tablet

Serralves está a promover uma visita multimédia à exposição «Thomas Struth: Fotografias 1978-2010», em que os visitantes percorrem a mostra com um tablet Samsung Galaxy que serve de guia e complemento.





Disponível em português e inglês, esta visita multimédia é uma proposta de percurso pela exposição com vídeos do director do Museu, João Fernandes; do comissário da exposição, James Lingwood; e do próprio artista Thomas Struth, segundo o divulgado em comunicado. 

Os conteúdos incluem ainda informações sobre as obras expostas. Desta forma, o visitante ficará com um retrato mais completo sobre o que está a ver. Os tablets podem ser levantados gratuitamente pelos visitantes na recepção do Museu, refere a organização. 

A iniciativa estará patente até 29 de Janeiro de 2012, reunindo mais de uma centena de obras e passando em revista a obra do artista ao longo de três décadas. 

A exposição inclui grupos alargados de cada uma das séries que constituem o corpo da obra do artista: fotografias a preto e branco de cidades europeias, asiáticas e americanas, retratos de família e impressões a cor em grande escala realizadas em selvas e florestas densas, no interior de alguns dos maiores museus do mundo e em locais de culto como templos e catedrais, lê-se ainda em comunicado. 


fonte:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=9&id_news=549252

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Lei Rouanet se aproxima do fim aos 20 anos

Nesta sexta-feira (23), a Lei Rouanet completa 20 anos prestes a ser revogada. Em duas décadas de elogios e críticas, a Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei 8.313/91) captou R$ 9,129 bilhões, via abatimento de até 6% do Imposto de Renda. Será substituída pelo projeto do governo que cria o Procultura (PL 6.722/10) e já foi aprovado na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados.

O objetivo do Procultura é promover mais equilíbrio, pois o sistema atual, em que empresas escolhem as produções que patrocinam, é acusado de privilegiar o eixo Rio-São Paulo e artistas que têm maior projeção. Nesses 20 anos, o Sudeste ficou com 80% da verba. Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte, com 10%, 6%, 3% e 1%. "Realmente é preciso que a lei passe por uma revisão, mas isso não quer dizer que ela não funcione", alega o secretário de Fomento e Incentivo do Ministério da Cultura, Henilton Menezes.

O Procultura deve destinar 20% da renúncia fiscal ao Fundo Nacional de Cultura, para que o governo decida onde, como e quando investi-lo. Uma das ideias é que cada estado receba pelo menos 2% do fundo. A expectativa é que o Procultura entre em vigor não antes de 2013, já que mudanças na arrecadação de impostos só podem passar a valer no ano fiscal subsequente. Menezes considera injustas as críticas ao patrocínio para artistas famosos e ­argumenta que a Lei Rouanet foi criada para todos. Ele acrescenta que o cenário cultural hoje é completamente diferente de 20 anos atrás e ressalta o resgate de patrimônios como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Dois perfis 

O economista Bruno Amaro, sócio-diretor da Mona Estratégia Cultural, enxerga dois perfis de patrocinadores: os que preferem o marketing imediato porque têm o grande público como cliente (bancos, operadoras de celular, lojas de varejo) e os que pensam mais em imagem institucional, porque trabalham com infraestrutura (construtoras, montadoras de automóveis). "O mercado ainda está imaturo para mudar. Hoje a Lei Rouanet financia metade dos projetos culturais no país", acredita Amaro, que intermedeia a relação entre produtores e ­patrocinadores.

A Meritor, empresa do setor de autopeças, prioriza a responsabilidade social quando usa a Lei Rouanet. "A lei permite conciliar exposição da marca e contribuição com as comunidades onde a gente atua", explica o gerente de Marketing, Luis Maurício Marques.

Este ano, a Meritor patrocinou o Núcleo Sebastian, que atende 80 crianças com aulas de dança em Osasco (SP) e eventos de grande público, como o filme O homem do futuro, com Wagner Moura e Alinne Moraes. "A ideia não é obter retorno financeiro, tem que acreditar que o investimento social é interessante para todos", afirma Marques. 


Da Agência Senado.



fonte:
http://www.pernambuco.com/ultimas/nota.asp?materia=20111220144730&assunto=27&onde=Politica

Ibermuseos lanza la 2° edición de Conversaciones, convocatoria de Ayudas a proyectos de curaduría.

- Con Conversaciones, Ibermuseos apoya y estimula la producción de proyectos de comisariado entre museos iberoamericanos.
- El lanzamiento y apertura del plazo de inscripción tendrán lugar el 20 de diciembre de 2011 en el Museo Histórico Nacional del Instituto Brasileño de Museos (IBRAM), en Río de Janeiro, como parte de las celebraciones del Día del Museólogo (18 de diciembre).
Presentación
www.ibermuseus.org

A partir de la Declaración de la Ciudad de Salvador de 2007 -documento fundacional del Programa Ibermuseos-, que recomienda el impulso de la cooperación internacional iberoamericana, Ibermuseos creó la convocatoria Conversaciones para fomentar el intercambio de acervos y exposiciones entre los países iberoamericanos y estimular la creación de proyectos multilaterales de curaduría.
Objetivo
Apoyar la conceptualización y la pre producción de proyectos expositivos entre instituciones de dos o más países (carácter bilateral o multilateral), sobre temas de interés para Iberoamérica que atiendan a la identidad y la diversidad cultural y natural que le son propias.
Participación
La convocatoria estará abierta, del 20 de diciembre de 2011 al 20 de abril de 2012, a museos de la Comunidad Iberoamericana, sin fines lucrativos y de cualquier temática, siendo posible concurrir en asociación con instituciones de países no iberoamericanos. El formulario de inscripción y la convocatoria oficial estarán disponibles próximamente en el Portal Ibermuseos.
Ejemplos de proyectos apoyados en 2010
- En agosto de 2011 se inauguró la exposición del proyecto para la creación de un Museo Rural Comunitario en el municipio de Villa Vil (provincia de Catamarca en los Andes argentinos), que atienda a las comunidades campesinas y los pueblos indígenas de la región.
- La exposición Da Cartografia do Poder aos Itinerários do Saber, colaboración entre Portugal y Brasil, presenta el papel de los científicos del siglo XVIII y su influencia en la diseminación de la cultura científica por las instituciones universitarias portuguesas y brasileñas. Hasta el 31 de diciembre de 2011 puede visitarse en la Facultad de Ciencias de la Universidad de Coimbra (Portugal), después viajará hasta Río de Janeiro (Brasil).
EL PROGRAMA IBERMUSEOS
Es un Programa intergubernamental de cooperación cultural para el fomento de la creación y el fortalecimiento de políticas públicas en el área de la museología y el patrimonio en Iberoamérica. Está vinculado a la Secretaría General Iberoamericana (SEGIB), cuenta con el apoyo técnico de la OEI y del IBRAM, y tiene el apoyo financiero de la Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo (AECID).
Responsable de comunicación de la Unidad Técnica de Ibermuseos:
Eduardo Pinillos
Tlf             +55 (61) 2024-4038       / 9619-6998
eduardo.pinillos@ibermuseos.org. Twitter: @ibermuseos

fonte:

Manaus ganhará “Museu da Navegação da Amazônia” em 2013

Conceito do museu não é voltado somente para objetos, e sim para a sua relação imediata com a sociedade


MANAUS – A capital amazonense ganhará, em 2013, o “Museu da Navegação da Amazônia”. A ideia é instalar um “Museu Conceitual”, que tenha relação imediata com a sociedade. A iniciativa é da Sociedade Amigos da Marinha do Brasil (Soamar). Os projetos museológico e museográfico estão a cargo da Museóloga Veralúcia Ferreira e da Técnica em Assuntos Culturais Cléia Viana.
De acordo com o presidente da Soamar no Amazonas, Mariano Rebelo, a casa onde será instalado o “Museu da Navegação da Amazônia” já foi adquirida. O espaço está situado próximo ao Comando do 9º Distrito Naval, na Rua Bernardo Ramos – Japiim.
O projeto arquitetônico está em processo de confecção pelo arquiteto Sérgio Andrade.  Recentemente, a museóloga Veralúcia  Ferreira foi até o “Memorial Amazônico da Navegação” do Mangal das Garças, em Belém, para agregar conhecimento ao projeto que fará em Manaus. “Cheguei ao Museu do Mangal através das minhas pesquisas e gostei muito do que encontrei. As peças restauradas mostram a preocupação em conservar a memória da navegação amazônica”, destaca.
Segundo a Museóloga Veralúcia, “a concepção do “Museu da Navegação da Amazônia” é diferente do museu tradicional implantado no Pará. ”Vamos partir de um conceito voltado para a educação e a atualidade da navegação na Amazônia”
O acervo do Museu projetado para o Amazonas está sendo construído, pesquisado e servirá de apoio a essa proposta de um museu conceitual. “O objetivo é atender à nova perspectiva da ‘Museologia Internacional’, que não se baseia mais no conceito do museu voltado para objetos e sim para a sua relação imediata com a sociedade”, explicou o empresário Mariano Rebelo.
O “Museu da Navegação da Amazônia” está previsto para inaugurar no início de 2013.

fonte:

MinC anuncia para 2012 investimento em museus

Instituto Brasileiro de Museus assumirá posição estratégica no MinC até a Copa do Mundo de 2014


Aproveitando o ensejo do Dia do Museólogo, comemorado no último domingo, dia 18, o Ministério da Cultura (MinC) anunciou um orçamento de R$129,5 milhões em 2012 para o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). A cifra representa um aumento de 36% em relação a 2011 e é apenas uma parte do montante almejado pela entidade para a preparação dos museus brasileiros para a Copa de 2014. Criado em 2009, o Ibram é uma autarquia federal ligada ao MinC responsável por coordenar ações da Política Nacional de Museus.

Entre as ações previstas para 2012 está uma segunda edição do Programa de Fomento ao Museus, que, em 2011, disponibilizou 16 milhões em 10 editais, voltados para viabilizar projetos de construção e modernização de museus, incentivo a artistas, divulgação do tema museu na mídia (premiando roteiristas, jornalistas e carnavalescos que divulgassem a temática) e apoio a experiências de memória social desenvolvidas por comunidades. A entidade prevê a manutenção do Programa de Qualificação em Museologia, que promove oficinas de capacitação nos Estados e um aumento de 20% no número de exposições realizadas nos 30 museus geridos pelo Ibram (nenhum deles no Ceará).

O instituto anunciou também a realização, de 14 a 20 de maio, da 10ª Semana Nacional de Museus, mobilizando anualmente instituições museológicas de todo o País. De 16 a 20 de julho será realizado também o Fórum Nacional de Museus, evento bienal para avaliar e estabelecer as diretrizes da Política Nacional de Museus; e, em setembro, a 6ª Primavera dos Museus.

Copa 2014
Vislumbrando o grande fluxo de turistas nos eventos esportivos internacionais sediados pelo Brasil nos próximos anos (Copa das Confederações, Copa do Mundo de Futebol e Olimpíadas), o Ibram negocia a aprovação do Projeto do Legado Cultural, que prevê um orçamento de R$ 200 milhões por ano destinados até 2014 para ações de modernização, qualificação e garantia de atratividade dos museus no País.

De acordo com dados do Instituto, as cidades sedes da Copa do Mundo somam 600 museus, que precisam ser qualificados para receber os turistas e desenvolver ações que divulguem o acervo e estimulem a visitação.

Um outro desafio do Instituto é descentralizar as instituições museológicas no País, onde 79% dos municípios não possuem museus.

Os dados são do Cadastro Nacional de Museus, que registrou mais de 3 mil museus, publicado em 2011 no Guia dos Museus Brasileiros (disponível para download na internet http://www.museus.gov.br/guia-dos-museus-brasileiros/). A publicação lista instituições museológicas de todo o País, organizadas por Estado, com informações sobre o acervo, funcionamento e a atual situação.



fonte:
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1086071