sábado, 21 de maio de 2011

Proposta transforma programa Cultura Viva em lei

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 757/11, da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), que transforma em lei o programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura. O programa existe desde 2005. Segundo a deputada, o objetivo da é torná-lo uma política cultural permanente.
De acordo com o projeto, o programa é destinado a estudantes e jovens, comunidades tradicionais indígenas, rurais e quilombolas e agentes culturais, artistas e professores. Atualmente, o público prioritário do Cultura Viva é formado por população de baixa renda e moradores de áreas com baixa oferta de serviços públicos, habitantes de regiões com grande relevância para preservação do patrimônio histórico, cultural e ambiental brasileiro, além dos citados no projeto.
O programa tem objetivo de promover uma gestão compartilhada e participativa da cultura. A seleção dos beneficiários do Cultura Viva, segundo o projeto, será feita por editais analisados por comissão julgadora paritária entre membros do Poder Público e da sociedade civil.
A proposta mantém as ações do programa, como:
- Pontos de Cultura, para articular os trabalhos culturais;
- Pontões de Cultura, para gerenciar regionalmente os Pontos de Cultura;
- Pontos de Mídia Livre, para desenvolver novas mídias e ferramentas de comunicação compartilhadas e colaborativas;
- Escola Viva, para articular os Pontos de Cultura e instituições de ensino;
- Ação Griô, para valorizar a tradição oral;
- Cultura Digital, para desenvolver plataformas de produção e difusão cultural nos ambientes da internet e suportes audiovisuais;
- Interações Estéticas, para promover diálogo entre artista e comunidade;
- Agente Jovem de Cultura Viva, para estimular o protagonismo juvenil e difusão de bens e produtos culturais.
“O Cultura Viva, como política pública, potencializa a riqueza e a diversidade cultural brasileira, dando poder a atores, compartilhando ideias e valores e intensificando a interação entre os sujeitos e seu meio”, afirmou Jandira Feghali.
Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), citados pela deputada, há mais de 8 milhões de pessoas envolvidas na rede dos 3 mil Pontos de Cultura.
Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Educação e Cultura; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.


fonte:
http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/EDUCACAO-E-CULTURA/197374-PROPOSTA-TRANSFORMA-PROGRAMA-CULTURA-VIVA-EM-LEI.html

Alemanha é o país dos museus e reúne opções para todos os gostos

Na Alemanha há mais de 6.000 museus. Eles não se dedicam apenas à arte, tecnologia e história, mas também aos mais diversos tipos de comida, aos animais e até mesmo às salsichas, baralhos e placas de automóveis.


Em média, um alemão vai 1,3 vez por ano ao museu, quase tão frequentemente quanto ao cinema (1,5 vez por ano). Claro que os ingressos para museus são, geralmente, muito mais baratos do que os de cinema, e um terço dos museus do país nem cobra entrada. Mas os alemães são realmente curiosos e ansiosos por aprender. E como poderia ser diferente num país com mais de 6.000 museus.
Tamanha quantidade é um bom motivo para apresentar os mais famosos e interessantes museus alemães. Quais são os que mais atraem público? Quais museus estimulam as papilas gustativas? Quais os que trazem novidades? E onde estão as coleções mais curiosas da Alemanha?
fonte:

Museo Zio Minio, de Ibiraçu, participa da 9ª Semana de Museus

Veja o vídeo.
fonte: