Listen to the text.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Entendendo a cultura digital brasileira

     Video mais genial, explicativo, verdadeiro, antropofagico, criativo e BRASILEIRO dos ultimos tempos: http://vimeo.com/24172300 (por @rodrigosavazoni e casa da cultura digita  

PRESERVAÇÃO E GESTÃO URBANA

Mesa de discussão sobre o tema Preservação e Gestão Urbana formada pelo Prof. Dr. Edésio Fernandes (jurista e urbanista, professor universitário e consultor internacional, membro do Conselho Consultivo da UN-HABITAT sobre Despejos Forçados) e pela Profa Dra. Ana Lúcia Duarte Lanna (FAU USP, com experiência na área de história do Brasil, atuando principalmente nos temas de história das cidades, patrimônio cultural, arquitetura, história urbana e história social ).

Na ocasião será lançada a Revista eletrônica CPC n.12 e o livro “Revisitando o Instituto do Tombamento” (Editora Fórum, Belo Horizonte, 2010, coordenadores Edésio Fernandes e Betânia de Moraes Alfonsin).


Data: 31/05/2011
Horário: 19h
Local: Os eventos são realizados na sede do CPC-USP / Casa de Dona Yayá, Rua Major Diogo, 353, Bela Vista, São Paulo, SP.

Artistas e gestores culturais esperados para o Encontro Rumo à Cidadania Cultural

O evento contará com as presenças da futura secretária de cidadania e diversidade cultural do Ministério da Cultura (MinC), Marta Porto e do Presidente da Funarte, Antonio Grassi. Serão debatidas as propostas de gestão da nova secretaria e assuntos ligados as políticas públicas do setor



O “Encontro Rumo à Cidadania Cultural” será realizado em Manaus na próxima terça-feira (31), no Palacete Providencial, na Praça Eliodoro Balbi, s/n – Centro, as 16h. Podem participar representantes de diversos segmentos culturais da sociedade, como artistas, produtores, gestores, coletivos e grupos do setor cultural, veículos de comunicação, universidades, participantes dos Programas “Cultura Viva” e “Brasil Plural”, e demais interessados.
O evento contará com as presenças da futura secretária de cidadania e diversidade cultural do Ministério da Cultura (MinC), Marta Porto e do Presidente da Funarte, Antonio Grassi.
Desde que foi indicada para assumir a pasta no MinC, Marta Porto passou a realizar o “Encontro Rumo à Cidadania Cultural” em várias cidades brasileiras. Ela chega à Manaus com o objetivo de levar aos gestores culturais as propostas de gestão da nova secretaria, e refletir sobre os caminhos para as políticas públicas do setor.
Os encontros tem se proposto a ampliar o diálogo com fóruns e dirigentes de cultura de estados e municípios de todo o país, com objetivo de fortalecer as ações e programas já existentes, repactuar estratégias e iniciar futuras parcerias, preparando o caminho para a implementação do Sistema Nacional de Cultura (SNC). Segundo Marta Porto, que será nomeada Secretária de Cidadania e Diversidade Cultural, o diálogo com os colegiados setoriais é fundamental para a construção de programas e ações de forma coletiva.

fonte:

Dezenas de fósseis de insetos são encontrados intactos no Peru

Fósseis de insetos e de algumas aranhas da época geológica do Mioceno estavan incrustados no âmbar


Vinte milhões de anos é o tempo que um conjunto de insetos fossilizados permaneceu conservado em um âmbar. A descoberta foi anunciada pelo Museu de Paleontologia Meyer Hönninger, na cidade de Chiclayo, no Peru.
Durante uma escavação na bacia do rio Santiago, região amazônica que faz fronteira com o Equador, o paleontólogo Klaus Hönninger encontrou a peça de 12 centímetros --o âmbar é só encontrado no Brasil, na Patagônia argentina e Guiana Francesa.
Havia vários insetos incrustados que pertencem à epoca geológica do Mioceno, da ordem Psocoptera, Diptera, Coleoptera, Hemiptera, além de algumas aranhas.


fonte
http://www.correiodoestado.com.br/noticias/dezenas-de-fosseis-de-insetos-sao-encontrados-intactos-no-pe_112271/

Artista dos EUA junta grafiteiros de SP para pintar mural em museu do Ibirapuera

Chanel Compton disse se surpreender com "tolerância" paulista ao grafite




Um grupo de artistas plásticos se reuniu no parque Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, nesta quarta-feira (25), ao som de Demônios da Garoa. Uma mulata com camiseta laranja e uma folgada calça camuflada com respingos de tinta andava perto de uma parede do Museu Afro Brasil. Embora ela não sambasse, com a mesma agilidade de uma passista, fazia gestos rápidos, de uma lado para o outro, com uma lata de tinta spray na mão.

Encantado com o "suingue" da jovem de 27 anos, o desavisado morador de rua Reginaldo Pereira dos Santos se derretia em elogios. Chegou a dar conselhos sobre como o spray deveria ser utilizado, mas logo percebeu que a moça não entendia nada. Arriscou, então, outro idioma.



Santos se esforçou, mas não conseguiu se comunicar usando "seu inglês" com a artista plástica Chanel Compton, norte-americana escalada pela Embaixada dos Estados Unidos para coordenar a pintura de um mural de 20 m de largura por 6,8 m de altura em uma parede externa do Museu Afro Brasil. A ação faz parte do 1º Encontro Afro-Atlântico de Museus, que acontece no Afro Brasil nesta semana (veja a programação).

O assanhado Santos não teve vez com Chanel, que logo foi se ocupar da imagem central da pintura, uma mulher com traços africanos usando um longo véu colorido. A proposta de trabalho é coletiva. Em volta do desenho de Chanel, outros 14 artistas de rua (que trabalham com grafite) de São Paulo - todos na faixa dos 20 anos - foram convidados para participar da obra. Esses, por sua vez, chamaram outros, segundo o artista de Guarulhos André Firmiano, de 26 anos.

– Teve gente que aproveitou para trazer mais pessoas. Hoje estamos trabalhando em uns 20 aqui. Todo mundo tem em comum o fato de ter militância negra.



Ocupação

Para orientar e entender a equipe diante do português cheio de gírias, Chanel recebe a ajuda da intérprete Mônika Camara Batista, 38 anos, braço-direito da norte-americana em sua primeira visita ao Brasil.

Não importa em qual idioma, a arte de rua (street art) é a melhor forma de uma comunidade reivindicar e ocupar os seus espaços, na opinião de Chanel, que desenvolve uma série de trabalhos sociais em seu país de origem. São Paulo é particularmente fácil de fazer essa ocupação.

– Aqui o grafite é visto como algo normal. Há uma tolerância interessante ao grafite, que é aceito como arte mesmo.

A decisão de pintar uma mulher africana foi coletiva. Ao redor dela são pintadas figuras desenhadas com estêncil, inspiradas nas obras que estão dentro do museu. Antes da pintura, todos fizeram visitas guiadas. O caso de um navio negreiro chamou particularmente a atenção do coletivo, que usou uma figura em duas dimensões de negros empilhados como moldura para a obra.

Até as 12h desta sexta-feira (27), tudo deve ficar pronto. A estimativa é que sejam usados cerca de 60 litros de tinta latex e 40 latas de spray.

O assanhado Santos, que acompanha a obra desde seu início, na segunda-feira (23), deixou o local da pintura no final da tarde da quarta-feira com um copo de café nas mãos. Mas, pelos comentários e histórias que contou, deve fazer visitas diárias aos artistas até a entrega do mural.