segunda-feira, 30 de maio de 2011

Museus da política em AL: prédios estão conservados, mas falta acervo


Pequeno territorialmente e economicamente acanhado, Alagoas sempre chamou a atenção do restante do país por ser o berço de expressivas figuras do cenário político nacional. No mês dedicado aos museus, a reportagem de O JORNAL visitou os acervos dedicados à memória dos personagens da política que despontaram do nosso Estado para marcar o cenário político nacional. Um passeio que começa com o nascimento da República, proclamada pelo primeiro presidente do Brasil, marechal Deodoro da Fonseca; passando pelo seu sucessor, o também marechal Floriano Peixoto.  Personagens que são lembrados muito mais por dar nome a ruas e prédios públicos, como Tavares Bastos, que nomeia a Assembleia Legislativa. Os acervos visitados por O JORNAL, em geral, estão em bom estado de conservação, mas alguns sofrem da falta de peças, como é o caso da casa onde nasceu Marechal Deodoro, onde a mobília é composta de réplicas. Também em Marechal, a casa onde nasceu Tavares Bastos se prepara para se transformar em museu. O local não guarda peças, e atualmente serve de sede para uma colônia de pescadores.
Casa de Marechal: fora dos roteiros turísticos
Com pouco mais de 45 mil habitantes, a pequena Marechal Deodoro conserva em suas ruas estreitas a casa onde nasceu o homem que viria comandar a transposição do país do regime monárquico para o republicano. Nascido em 1827, quando a cidade ainda se chamava Cidade das Alagoas, Marechal Deodoro marcou sua gestão como primeiro presidente do país pelo esforço em consolidar o regime republicano, recém-instaurado.
Hoje, a casa onde nasceu Deodoro, no centro da cidade, de original conserva apenas a fachada em estilo colonial. Paredes e pisos forma reconstruídos em 1970. Dentro, móveis e utensílios são apenas replicas que tentam reproduzir objetos utilizados na época. A Casa de Marechal ainda guarda algumas fotográficas originais do proclamador da república, entre elas a única onde Deodoro aparece “a paisana”.

Lixo no jornal! (excelente idéia)

Onde você põe o seu lixo?
 
A grande justificativa das pessoas que dizem que "precisam" de sacolinhas plásticas é a embalagem do lixo. Tudo bem, não dá mesmo pra não colocar lixo em saco plástico, mas  “Sacos de lixo Biodegradáveis” que são feitos com materiais orgânicos e de fibras vegetais levam bem menos tempo para se degradarem no solo assim causando menos impacto na Natureza.
Além disso será que não dá pra diminuir a quantidade de plástico no lixo?
Melhor do que encher diversos saquinhos plásticos ao longo de uma semana éusar um único saco plástico dentro de uma lixeira grande na área de serviço, por exemplo, e ir enchendo-o por alguns dias com os pequenos lixinhos da casa (da pia, do banheiro, do escritório).
Se o lixo é limpo, como de escritório (papel de fax, pedaços de durex, etc), pode ir direto para a lixeira sem proteção.
No caso dos lixinhos da pia e do banheiro o melhor substituto da sacolinha é o saquinho de jornal. Ele mantém a lixeira limpa, facilita na hora de retirar o lixo e é facílimo de fazer.
Leva 20 segundos. A ideia veio do origami, que ensina essa dobradura como um copo. Em tamanho aumentado, feito de folhas de jornal, o copo cabe perfeitamente na maioria dos lixinhos de pia e banheiro que existem por aí. Veja:
Você pode usar uma, duas ou até três folhas de jornal juntas, para que o saquinho fique mais resistente. Tudo no origami começa com um quadrado, então faça uma dobra para marcar, no sentido vertical, a metade da página da direita e dobre a beirada dessa página para dentro até a marca. Você terá dobrado uma aba equivalente a um quarto da página da direita, e assim terá um quadrado.
 
saco jornal 1.jpg
 
 
Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um triângulo, e mantenha sua base para baixo.
saco jornal 2.jpg
 
 
Dobre a ponta inferior direita do triângulo até a lateral esquerda.
saco jornal 3.jpg
 
 
Vire a dobradura "de barriga para baixo", escondendo a aba que você acabou de dobrar.
saco jornal 4.jpg
 
 
 
Novamente dobre a ponta da direita até a lateral esquerda, e você terá a seguinte figura:
saco jornal 5.jpg
 
 
 
Para fazer a boca do saquinho, pegue uma parte da ponta de cima do jornal e enfie para dentro da aba que você dobrou por último, fazendo-a desaparecer lá dentro.
 
saco jornal 6.jpg
 
 
Sobrará a ponta de cima que deve ser enfiada dentro da aba do outro lado, então vire a dobradura para o outro lado e repita a operação.
 
 
saco jornal 7.jpg
 
 
 Se tudo deu certo, essa é a cara final da dobradura:

saco jornal 8.jpg
 
 
Abrindo a parte de cima, eis o saquinho!

saco jornal 9.jpg
 
 

É só encaixar dentro do seu cestinho e parar pra sempre de jogar mais plástico no lixo!
 
saco jornal 10.jpg
 
 
 Que tal?
 
saco jornal 11.jpg
 
 
Pode parecer complicado vendo as fotos e lendo as instruções, mas faça uma vez seguindo o passo a passo e você vai ver que depois de fazer um ou dois você pega o jeito e a coisa fica muito muito simples. Daí é só deixar vários preparados depois de ler o jornal de domingo!