domingo, 11 de setembro de 2011

O Instituto Brasileiro de Museus lançou na última quinta-feira (9), o Prêmio Ibram Feira ArtRio 2011

Prêmio Ibram

O Instituto Brasileiro de Museus lançou na última quinta-feira (9), o Prêmio Ibram Feira ArtRio 2011. O edital foi publicado na Seção 3, página 13, do Diário Oficial da União (DOU 174). Com o prêmio, o Ibram busca apoiar e incentivar novos artistas de arte contemporânea. O concurso premiará duas obras de arte contemporâneas produzidas no Brasil que serão incorporadas ao acervo de museus brasileiros, a serem definidos pelo Ibram.



Prêmio Ibram II

A premiação total é R$ 30 mil; sendo R$ 20 mil para o 1º lugar e R$ 10 mil para o 2º colocado. Interessados em participar podem fazer a inscrição até o dia 23 de outubro, através do Sistema SalicWeb, disponível na página do Ibram ( www.museus.gov.br ) e no Portal do MinC ( www.cultura.gov.br ). 



fonte:
http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=399021

Sistema Estadual de Museus tem novos representantes na região de Campinas


Renata Gava e Rodrigo Luiz dos Santos ficam no cargo até junho de 2012


A Secretaria de Estado da Cultura, por meio do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), elegeu nesta sexta-feira (9) Renata Graziela Gava (foto) e Rodrigo Luiz dos Santos como novos coordenadores na região de Campinas. Entre as atribuições dos representantes, está a articulação regional voltada para a qualificação dos museus paulistas.

Renata é historiadora do projeto de criação e implantação do Museu de Açúcar e Etanol de Piracicaba e terá Santos como adjunto. Ele é diretor do Museu Gustavo Teixeira, em São Pedro. Os mandatos vigoram até o 4º Encontro Paulista de Museus, que acontecerá em junho de 2012, em São Paulo.
A região de Campinas possui 81 museus, distribuídos em 42 cidades, como Águas de São Pedro, Americana, Amparo, Brotas, Holambra, Piracicaba, Pirassununga, São José do Rio Pardo e Sumaré.

fonte:

Exposição em São Paulo mostra processo de criação de Portinari


São Paulo – O pintor modernista Candido Portinari não costumava ouvir rádio, mas gostava de escutar música clássica, especialmente Bach e Beethoven, em sua vitrola. Essa mesma trilha sonora acompanha os visitantes da exposição No Ateliê de Portinari, que reúne obras do artista feitas de 1920 a 1945. A mostra pode ser vista no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), no Parque Ibirapuera, até o próximo dia 18.
O ambiente de criação da oficina do artista é revivido com a apresentação de estudos e esboços ao lado de trabalhos terminados. “Você tem a oportunidade de ver esse caminho de construção da obra. Isso é muito especial porque algumas obras são de colecionadores particulares e outras são de vários museus”, ressalta o educador do MAM, Leonardo Polo.
Exposição mostra processo de criação de Portinari
Exposição mostra processo de criação de Portinari
“Mas não dá para negar que esse estudo também vira uma obra”, completa Polo, explicando que o trabalho do pintor, nascido em Brodowski (SP) em 1903, é genial mesmo nas fases inicias de concepção. Pode ser visto, por exemplo, o estudo em crayon feito antes do famoso óleo sobre tela O Mulato. O trabalho combina a retratação de um modelo real com a criação de uma paisagem rural ao fundo.
Uma técnica um pouco mais ousada do que os retratos que podem ser vistos na primeira parte da exposição, quando o então jovem Portinari pintava quadros tendo principalmente amigos e parentes como modelo. São obras datadas da década de 1920, época em que o artista estudava na  Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e quando viajou para a Europa com o objetivo de aprimorar sua técnica.
Os retratos também dominam o segundo bloco da mostra, com a apresentação de pinturas que têm como tema a mulher do artista, Maria Portinari. Ela foi retratada por Portinari ao longo de toda a vida e com as diferentes técnicas usadas pelo pintor.
Em seguida, no terceiro bloco da exposição, vêm as obras com a temática do cotidiano brasileiro, mostrando cenas bucólicas de sua cidade natal, até quadros com temas mais fortes, como Criança Morta. A obra, que retrata a morte de um jovem retirante nordestino, teve inspiração na Guernica, painel pintado pelo espanhol Pablo Picasso.
A influência do estilo de Picasso pode ser notada nos estudos para os murais de azulejos, como os que decoram a Capela da Pampulha, em Belo Horizonte. O esboço para a pintura de São Francisco, que decora parte do templo, está entre os trabalhos de grandes dimensões do artista. Essa parte da exposição traz os desenhos que se tornaram painéis em edifícios públicos, sob encomenda do então presidente Getúlio Vargas. Uma série que remete aos ciclos econômicos brasileiros, com trabalhadores de lavouras de cacau e garimpeiros.
Por fim, o visitante pode conhecer uma faceta pouco difundida de Portinari: a abstração. Segundo Leonardo Polo, o pintor se aventurou nessa forma estética influenciado pela conjuntura artística do início da década de 1940. “Como muita gente no Brasil estava fazendo trabalhos abstratos, Portinari foi experimentar."

fonte: