quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Museus vão ajudar na terapia de doentes de Alzheimer

Três museus, dois em Pombal e um em Coimbra, vão ajudar na terapia de doentes de Alzheimer, disse à Lusa a responsável da delegação centro da Associação Alzheimer Portugal, Isabel Gonçalves.

Os técnicos do Museu Nacional Machado Castro (Coimbra), Marquês de Pombal e de Arte Popular Portuguesa (Pombal) vão receber formação específica para lidarem com os doentes de Alzheimer, que irão participar em oficinas de expressão plástica, como pintura e modelagem.

Isabel Gonçalves define o projecto como “terapia pela arte” e pioneiro em Portugal, nesta área, e está confiante que os utentes da associação “fiquem mais calmos, mais compreensivos no aceitar e comunicar”.

A responsável sublinha que “as acções serão integradas”, uma vez que se dirigem, para além daqueles que sofrem de Alzheimer, para as famílias e/ou cuidadores.

Na quarta-feira, Dia Mundial do Doente de Alzheimer, foram assinados protocolos entre a delegação centro da associação e os responsáveis pela gestão dos respectivos museus.

A directora do Museu Municipal de Pombal -- que integra os museus Marquês de Pombal e de Arte Popular Portuguesa -- disse à Lusa que o objectivo passa “por melhorar a qualidade de vida” dos doentes de Alzheimer.

Para isso, explica Cidália Botas, “os museus vão trabalhar com doentes e cuidadores que, em conjunto com os técnicos, irão explorar as obras de arte e interagir com as actividades nesses espaços”.

A directora informa que as acções vão realizar-se todas as primeiras terças-feiras de cada mês, num dia unicamente “dedicado a quem sofra deste problema” e no qual está prevista a realização das oficinas de expressão plástica.

A iniciativa mensal visa a promoção do bem-estar e integração social dos doentes de Alzheimer através de estímulos cognitivos e apoio aos seus cuidadores, mediante a fruição e interpretação de obras de arte.

Em Portugal estima-se que 90 mil pessoas sofram da doença de Alzheimer, um tipo de demência que provoca uma deterioração global, progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas, afectando a memória, atenção, concentração e a linguagem.

fonte:
http://www.publico.pt/Sociedade/museus-vao-ajudar-na-terapia-de-doentes-de-alzheimer--1513136

Curadora italiana feliz de expor Caravaggio em Cuba


Imagen activa
Havana, 21 set (Prensa Latina) A curadora italiana Rosella Vodret, comissária do Pólo de Museus e Patrimônio de Roma, mostrou-se feliz de exibir pela primeira vez em Cuba o óleo Narciso (1599-1600), do pioneiro do barroco Michelangelo Caravaggio.

 *Em processo de instalação de Caravaggio em Cuba
 *Em Cuba o Narciso de Caravaggio Gostamos de trazer o quadro de Caravaggio, e outros da primeira e segunda geração de seus seguidores, por ser hoje nosso melhor embaixador da arte italiana, o mais poderoso e caro, disse em exclusiva a Prensa Latina.

Vodret assegurou que na atualidade recebem convites de várias partes do mundo para apresentar a obra do artista, em sua opinião o de maior demanda nos últimos tempos, acima de outros grandes como Miguel Angel e Rafael.

No domingo último chegaram à ilha, em um contenair especial, o Narciso e outras 12 obras dos seguidores do pintor italiano, que se exibirão ao público desde o próximo dia 23, e até 27 de novembro, na sala de Arte Universal, do Museu Nacional de Belas Artes.

Depois a mostra regressará a Roma e em 2012 se exporá na Argentina e no Brasil, o primeiro país latino-americano onde viajou faz 12 anos.

A curadora espera que o intercâmbio cultural entre seu país e a ilha continue e poder levar muito cedo aos museus italianos a arte cubana.