quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Há um museu só da batata frita



Entre. Prometemos que não fica com cheiro a fritos. Na Bélgica abriu um museu dedicado à iguaria culinária que tem séculos e não conhece barreiras geográficas ou de classe

Por: Redacção / CF   |  28- 9- 2011  15: 23
Da próxima vez que comer uma batata frita vai pensar nisto. Pense mas coma, senão a batata fica fria. Até porque a história da batata frita é longa. Conhecidas como french fries, ou seja, batatas francesas, na verdade, a descoberta culinária surgiu um bocadinho mais ao lado, nos vizinhos belgas, que, por isso, agora abriram um museu dedicado a um dos produtos culinários mais conhecidos em todo o mundo. E, hoje, sem dúvida, a batata frita é incontornavelmente universal.

Universal e moderno. Dê as voltas que se dê, do bife ao hamburger e passando pelo frango, a batata frita vai com todos e não passa de moda, apesar dos anitos. Os belgas reclamam que a primeira batata foi frita lá pelo ano de 1680. 

E, por que não dizer que é para todas as classes sociais. Fica bem de smoking ou de ganga. Se o presidente dos Estados Unidos, Thomas Jefferson foi capaz de servi-las num jantar oficial na Casa Branca, em 1940, Hitler quis acabar com elas porque eram o principal sustento do exército belga.

Isto e muito mais pode ficar a saber no museu da Batata Frita , que abriu em Brugges, na Bélgica, o único inteiramente dedicado, claro está, à batata frita. Prometida uma visita altamente calórica a nível cultural e histórico. Com sabor, saber e sem cheiros.






fonte: