sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Museu do Sexo - Sexo levado a sério




Só mesmo Nova York para oferecer uma atração tão inusitada assim. 


Museum of sex
Museum Of Sex, quando inaugurado em 2002, era o primeiro museu do mundo especializado no assunto. Localizado em Manhattan na região antigamente conhecida por Tenderloin – famosa no século 19 por seus bordéis, bares e saloons – o museu tem a missão de preservar a história, a evolução e o significado cultural da sexualidade humana.

Museum of Sex
A coleção permanente do museu é composta demais de 15.000 ítens entre objetos de arte, fotografias, vestimentas e invenções tecnológicas além de informações científicas e históricas. Uma biblioteca para pesquisas sobre o tema e material multimídia também ficam a disposição do visitante.

Museum of Sex
Museum of Sex
Museum of Sex
Museum of Sex
Da mais refinada arte a curiosidades históricas o Museu do Sexo preserva uma coleção,  cada vez maior, de objetos relacionados à sexualidade que talvez tivessem sido desprezados ou destruídos devido ao seu conteúdo sexual.

Museum of Sex
Museum of Sex
Na entrada do Museu há uma loja com os mais variados artigos – livros, DVDs, quadrinhos, objetos de decoração, jogos e acessórios – todos relacionados ao assunto. É tanto divertido quanto educativo.

Museum of Sex
Souvenirs do Museum of Sex
Souvenirs do Museum of Sex
Além das salas de exibição e da loja, há um bar no subsolo - o OralFix – especializado em drinks e petiscos afrodisíacos, como ostras e ashwagandha (erva usada como tônico e revigorante), que comprovadamente afetam a libido, a fertilidade e a potência sexual. O ambiente é sugestivo e estimulante. Vale conferir.

Bar do Museum of Sex

Serviço
Endereço: 233, 5th Avenue - New York
Horário: De domingo à quinta de 10h00 às 20h00
               Sexta e sábado de 10h00 às 21h00
Entrada:  US17,50 + taxas.
                 Estudantes e visitantes seniors pagam 15,25 + taxas.
                Só para maiores de 18 anos 



fonte:

Base Aérea do Amapá será museu a céu aberto


A Câmara Municipal do Município de Amapá vai sediar nesta sexta-feira, 7, a partir das 10h, reunião que irá debater o Projeto de “Transformação da Base Aérea em Museu”. Estarão presentes representantes do governo, prefeitura do município, vereadores, entidades, diretores escolares, estudantes, moradores da comunidade e imprensa.
A transformação da Base Aérea em Museu é um compromisso do governo do Estado. As discussões vêm acontecendo desde o início da nova gestão e ganhou força com a criação de uma Gerência específica para tratar o assunto. Seguindo o princípio de administrar com o povo, a reunião desta sexta-feira visa esclarecer à comunidade os objetivos do projeto e ouvir as demandas e posicionamento dos moradores.
De acordo com a gerente do projeto “Transformação da Base Aérea do Amapá em Museu”, Neidiane Sucupira Assunção, a determinação do governador Camilo Capiberibe foi organizar uma verdadeira força tarefa, para tornar o Museu à Céu Aberto realidade. A iniciativa ganhou parceiros fundamentais.
As instituições a seguir não estão medindo esforços para que a Base Aérea do Amapá seja entregue à população amapaense o quanto antes, são elas: Governo do Amapá, através da Gerência de Transformação da Base Aérea do Amapá em Museu; da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), Museu de Arqueologia e Etnologia; Secretaria de Estado da Infra-Estrutura (Seinf); Secretaria de Estado do Turismo (Setur); Agência de Desenvolvimento do Amapá (Adap); Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa); Universidade Federal do Amapá (Unifap); Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN); Prefeitura de Amapá; Secretaria de Cultura de Amapá; Ministério Público Federal.
“Temos certeza de que este Museu terá impacto direto na economia do município de Amapá e do Estado, pois vai fomentar o turismo, além de resgatar uma parte da história do Amapá, que está se perdendo com o tempo. Se não agirmos rápido, em breve, tudo que sobrará daquele espaço são mais e mais ruínas”, declara o secretário de Estado da Cultura, Zé Miguel.
Legado histórico Cultural
Os trabalhos de construção da Base Aérea de Amapá tiveram início em 1941. Após a guerra, em 1946, foi desativada e passou para as mãos da Força Aérea Brasileira (FAB), que montou ali o Centro Aéreo de Treinamento. Com a saída dos estrangeiros, a região entrou em decadência, passando a ser refúgio de garimpeiros que, até hoje, exploram ouro nos rios encachoeirados das redondezas.
Um dos marcos mais importantes desse tempo, ainda hoje de pé na base do Amapá, é a torre de atracação de dirigíveis – pequenos zeppelins, chamados de “blimps”, que faziam a patrulha anti-submarina e a escolta de comboios de navios no Atlântico. No Brasil, os americanos tinham 16 “blimps”, divididos em quatro esquadrões, um deles com atuação no Amapá. Em fevereiro de 1944, na costa amapaense, esses dirigíveis resgataram sobreviventes de dois aviões B-25 acidentados na selva.
O empenho em transformar a Base do Amapá em pólo cultural, para receber visitantes de várias partes do país e até do exterior faz sentido, tendo em vista que a rodovia que corta o município, e que está sendo asfaltada, é rota para a Guiana Francesa, território que ainda hoje é colônia da França.

Rita Torrinha/Secult

fonte: