sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Resgate Histórico e Herbário Virtual para a Conservação da Flora Brasileira - REFLORA.

Jardim Botânico, Natura e CNPq se unem pelo projeto REFLORA


O Jardim Botânico do Rio de Janeiro mantém, atualmente, um herbário com mais de 500 mil amostras de plantas, recolhidas por pesquisadores desde o século XIX. Porém, uma boa parte de espécies da  flora brasileira foi descrita por pesquisadores estrangeiros, que levaram as amostras para os herbários de seus países de origem. Numa parceria com a empresa de cosméticos Natura e o CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - parte desse material será trazido de volta ao Brasil em formato digital.
Divulgação
A iniciativa faz parte do projeto Plantas do Brasil: Resgate Histórico e Herbário Virtual para a Conservação da Flora Brasileira - REFLORA.

Com o repatriamento, que envolve instituições no Brasil e no exterior, estima-se que podem ser obtidas 500 mil amostras digitais, em três anos. Na parceria com a Natura,as amostras repatriadas pertencem à coleção do Royal Botanic Gardens de Kew, na Inglaterra, e foram recolhidas nos séculos XVIII, XIX e XX, por importantes pesquisadores botânicos, como Spruce, Gardner, Sellow, Glaziou, Pringle, Riedel,

Lehmann, Pohl, Ducke, Bang, Ule, Tweedie, Burchell, Blanchet, Wright, Schomburgk, Jameson, entre outros. O projeto REFLORA, que conta também com recursos federais, da Faperj e da Fapemig, ainda prevê o repatriamento de material que está no Museu Nacional de História Natural de Paris.

Este resgate, esperado há tempos pela comunidade científica, servirá de alicerce para obtenção do conhecimento, uso sustentável e conservação da flora brasileira. Os estudos dessas plantas são fundamentais para futuros avanços científicos e tecnológicos para a ciência botânica no país. Dentre os espécimes a serem digitalizados, os que foram recolhidos antes de 1900 têm especial importância histórica, pois documentam a exploração botânica no Brasil.

De acordo com o CNPq, o Reflora "terá grande impacto na pesquisa botânica nacional, na formação de recursos humanos em taxonomia e facilitará a cooperação internacional entre pesquisadores e estudantes brasileiros e os mais destacados museus e coleções botânicas do mundo", devendo incluir, no futuro, outros herbários da Europa e dos Estados Unidos.

A pesquisadora Rafaela Campostrini Forzza, coordenadora do projeto no Jardim Botânico do Rio, explica que o Reflora também deve possibilitar ao Herbário do JBRJ concluir a digitação dos dados do acervo próprio da instituição e ampliar o número de imagens disponíveis para o público. Da atual coleção do JBRJ, 80% do material já foi informatizado e encontra-se disponível no site www.jbrj.gov.br/jabot. 

Além disso,aproximadamente 19 mil dessas amostras - chamadas tecnicamente de exsicatas - já foram digitalizadas e as imagens estão disponíveis no mesmo endereço. 

O diretor de Pesquisa Científica do JBRJ, Rogério Gribel, considera que a escolha da instituição para a coordenação executiva das atividades de repatriamento e para a construção do Herbário Virtual "é um reconhecimento da qualificação científica dos quadros e da experiência do JBRJ em coordenar projetos de grande escala sobre a diversidade florística brasileira".

"Participar deste projeto reforça nossas crenças e nosso compromisso em transformar desafios socioambientais em oportunidades de aprendizado e suporte para o desenvolvimento sustentável", afirma Victor Fernandes, diretor de Ciência e Tecnologia da Natura. "Um dos resultados será disseminação de conhecimento taxonômico sobre espécies de plantas brasileiras, fundamental para estudos dabiodiversidade, que ficará disponível para acesso de toda a comunidade científica em qualquer instituição de pesquisa e ensino do país, via internet". 

A empresa é parceira do Jardim Botânico desde 1998, e neste período já patrocinou outros importantes projetos da instituição, tais como a manutenção, conservação, pesquisa e difusão da Coleção Plantas Medicinais, o Banco de DNA de espécies da Flora Brasileira e a Trilha

Histórica, em comemoração aos 200 anos do JBRJ.
"O Royal Botanic Gardens, Kew tem trabalhado por muitos anos para tornar nosso importante material de referência sobre plantas brasileiras mais acessível àqueles que possam usá-lo no Brasil. Promovemos visitas de estudos de botânicos brasileiros a Kew e repatriamento de informações de Kew para o Brasil, com apoio financeiro do Reino Unido e de instituições internacionais. Estou especialmente entusiasmada com o programa Reflora, pois trata-se de uma grande oportunidade de realmente ampliar nossos esforços nessa área, a fim de que uma quantidade muito maior de informações guardadas em Kew torne-se acessível para aumentar a compreensão, a conservação e o uso sustentável da flora do Brasil, a mais importante do mundo", finaliza Eimear Nic Lughadha, da instituição inglesa.

fonte: