sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Encontro de Arte de Belém chega a 38ª edição

Quarenta espetáculos, entre atrações nacionais e internacionais, do cinema e artes visuais, do jazz à música erudita, com entrada franca, nos principais palcos da cidade. O Encontro de Arte de Belém começa nesta quinta-feira (1º) e segue até o dia 9 de dezembro, em mais uma edição de um dos mais tradicionais eventos de arte da capital, realizado desde 1973.

Na extensa grade de programação, artistas consagrados no Brasil, como o violinista Fredi Gerling, a pianista Cristina Capparelli e a violoncelista Milene Aliverti, e as atrações internacionais: o regente francês Philippe Forget e o pianista americano Jeff Gardner, um dos ícones do jazz na atualidade.

Organizado pela UFPA, através do Instituto de Ciências da Arte e sua Escola de Música, o Enarte é realizado em sete dos principais teatros e espaços culturais da cidade: o Theatro da Paz, o Sesc Boulevard, Espaço São José Liberto e Arte Doce Hall estão entre eles.

Na Praça Batista Campos acontecerá um dos shows mais esperados: Derico, saxofonista do sexteto do Jô, se apresentará ao lado de seu irmão, o pianista Sérgio Sciotti, formando o Duo Sciotti. No mesmo palco se apresentará o grupo paraense de pop rock Beatles Forever, afirmando a superação do evento quanto a ultrapassadas divisões entre arte erudita e popular.

Ainda na linha da fusão das artes chamadas eruditas ou populares, se apresentará a Orquestra de Música Latina, com os arranjos do regente Leonardo Coelho de Sousa para salsa, merengue, samba, frevo e outros ritmos brasileiros e cubanos; e se apresentará no Theatro da Paz a Orquestra de Violoncelistas da Amazônia, consagrada por seus jovens violoncelistas roqueiros, que com idades entre 13 e 17 anos já possuem carreira internacional.

O pianista Leonardo Coelho também mostra seu mais novo trabalho, o disco “Joá”, ao lado de Ney Conceição e Lúcio Vieira, nomes de peso que já tocaram com Maria Betânia, Gilberto Gil, entre outros. “Joá” valoriza a música popular regional em diálogo com o jazz e o clássico mundial.

A programação traz ainda o Sexteto de Sete, grupo de câmara que valoriza a música clássica e moderna regional e brasileira; o recital de violões Ritmos da Amazônia de José Maria Bezerra; as Óperas Bastião e Bastiana de W. A. Mozart, coordenada e adaptada por Madalena Aliverti, e Orfeo, com regência de Philippe Forget; a Noite de Canto Lírico e o lançamento do CD e recital do Arcor Trio serão também alguns dos grandes momentos deste evento.

Cinema, música e ópera
OEnarte exibe também a mostra Cinema e Música organizada pelo curso Bacharelado em Cinema e Audiovisual da UFPA. A programação trará títulos de grandes personalidades da MPB, como Tim Maia, Jards Macalé, Walter Franco e Mutantes, e será o marco de lançamento do No Ar Cineclube, espaço de discussão sobre audiovisuais do Curso de Bacharelado em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Pará.

Entre os dias 2 e 4 de dezembro, serão exibidos, sempre às 16h, alguns dos mais importantes documentários nacionais sobre os ritmos brasileiros. Títulos raros, disponíveis graças a Programadora Brasil, serviço do Ministério da Cultura, criado pela Secretaria do Audiovisual, Cinemateca Brasileira e Sociedade Amigos da Cinemateca, ao qual o curso de Cinema e Audiovisual da UFPA é associado.

Na sexta-feira, abrindo a mostra, será projetado na capela do São José Liberto o filme “Música de Invenção”, que traz seis curtas metragens que apresentam a inventividade de que a música brasileira é capaz. Será exibido também “Ritmos Brasileiros”, no dia 4, que abre o debate sobre o talento do artista brasileiro para criar e combinar ritmos musicais.

ÓPERA
Coordenado pelas professoras Adriana Azulay e Adriana Couceiro, diretoras da Escola de Música do Instituto de Ciências da Arte da UFPA, o Enarte aposta ainda na música erudita. Entre os destaques, a ópera “Bastião e Bastiana”, dirigida pela cantora lírica Madalena Aliverti.

O espetáculo é a releitura amazônica de “Bastian und Bastienne”, de Mozart. Os protagonistas, antes camponeses, viraram caboclos. Já o mago Colas agora é um índio capaz das mais diversas encantarias para unir novamente o casal.

“A ópera foi livremente adaptada para o português, porém sem perder a melodia das músicas e a essência da história”, afirma a diretora, que também atua e canta no espetáculo, Madalena Aliverti, cantora lírica e professora de canto do Conservatório Carlos Gomes e da Universidade do Estado do Pará (Uepa), em Belém (PA). “O público se diverte e interage já que a música está em português e todo mundo capta a ideia bem rápido”, afirma.


fonte:

Encontro mostra manifestações da cultura popular do país, no Ceará



O VI Encontro Mestres do Mundo acontece em Limoeiro do Norte.
Manifestações vão retratar o Natal; evento vai até domingo (1º).


Mestre Expedita dos Santos se apresenta no Encontro dos Mestres do Mundo, em Limoeiro do Norte, no CE. (Foto: Governo do Estado/Divulgação)

O Encontro Mestres do Mundo, um dos principais eventos culturais do Estado do Ceará, começa nesta quinta-feira (1°) e vai até domingo (4) no município de Limoeiro do Norte, a 198 km de Fortaleza, no Vale do Jaguaribe. O evento reúne representantes da cultura popular tradicional do Ceará e de outros estados brasileiros para mostrar, discutir e trocar vivências entre si e o público geral sobre experiências nos artesanato,dança, música, oralidade e sagrado.

Este ano, o evento traz o tema “Autos de Natal” e traz uma programação com rodas de mestres, oficinas, apresentações e palestras no mesmo período da festa da padroeira de Limoeiro do Norte, Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Entre as atividades, o Seminário “Discutindo Políticas Publicas para o Patrimônio Cultural” discute a valorização das expressões artísticas de origem africanas.

O Estado do Ceará possui 58 Mestres da Cultura diplomados e reconhecidos pela Lei dos Tesouros Vivos. Com o diploma, os novos Mestres são contemplados com um salário mínimo mensal temporário ou vitalício. "O Mestres do Mundo representa a síntese da diversidade cultural brasileira, sendo um evento obrigatório no calendário do nosso Estado", afirma o secretário da Cultura do Ceará, Francisco Pinheiro.

Serviço
VI Encontro Mestres do Mundo
De 1 a 4 de dezembro - Gratuito
Local: Limoeiro do Norte – Ceará
Mais informações: 3246.2708.

fonte:

Encontro de Contadores de História perpetua a magia da oralidade amazônica

Toda a magia em torno da tradição da oralidade envolverá os participantes do I Encontro de Contadores de Histórias da Amazônia, realizado nesta quinta-feira (1º) e sexta-feira (2), na Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (Centro de Eventos Ismael Nery, 1º andar do Centur e na Praça da Palavra, andar térreo). O evento é organizado pela Fundação Tancredo Neves e pelo Movimento de Contadores de História da Amazônia (Mocoham).

Yandra Galuppo, arte-educadora, servidora da Fundação e membro da organização do Encontro, pensa que a magia da contação de uma história surge graças a sedução e ao encantamento: é preciso saber olhar, falar e gesticular de modo a conquistar o público para o que está sendo revelado. “Quando contamos uma história empregamos um poder que está dentro de nós e que muitos nem sabe que o tem. Através dessa forma de contar, a gente perpetua o poder da palavra”, afirma Galuppo.

A arte-educadora percebe com tristeza o desaparecimento deste hábito nas cidades. Segundo ela, as pessoas mais jovens estão tão acostumadas com o imediatismo da comunicação que se esquecem do quanto é prazeroso sentar para ouvir alguém falar. “No interior do Estado, ainda vimos aquele caboclo que acredita piamente em coisas que lhe contaram. E se ele repassa isso com tanta veemência, quem sou eu para dizer que aquele relato é uma mentira?”, desafia.

Com o I Encontro de Contadores de Histórias, Galuppo quer trazer esta tradição amazônica de volta. Resgatar a oralidade é resgatar a identidade não só da Amazônia como do Brasil, ela diz. “Quanto mais defendemos a oralidade, mais nos matemos atados à Amazônia. Precisamos reverenciar a nossa cultura. E eu me coloco à frente desse movimento de construção de um mundo melhor para os nossos filhos”.

Projetos

A relação de Yandra Galuppo com a contação de histórias é recente, porém intensa. Criada em São Paulo, a educadora veio para Belém lecionar na Universidade do Estado do Pará (Uepa) em 2001, e no ano seguinte também na Universidade Federal do Pará (Ufpa). Como sua disciplina era ligada ao mundo das artes, ela pediu aos alunos que levantassem informações sobre a cultura local. A professora recebeu várias gravações com pessoas comuns relatando os casos e as lendas mais curiosas: “aquele material continha elementos simbólicos e dramáticos muito fortes, fiquei impressionada”, lembra.

A pesquisa resultou em “rodas de contação com a turma, com direito à fogueira” e a organização de saraus aos finais de semestre, abertos para o campus. A paixão pela contação de histórias é tão grande que Galuppo deu aulas em várias unidades da Uepa no interior do Pará e hoje atua no grupo Teatro de Origem. “O grupo pesquisa a corporalidade do intérprete e sua mitologia pessoal na busca de um caminho singular de interpretação, e no resgate da memória e identidade cultural”, explica.

O elenco do Teatro de Origem também estará no Encontro de Contadores de Histórias, nesta quinta-feira. A educadora convida a todos para assistirem não só essa, mas  as outras apresentações do Encontro. E acrescenta que qualquer um tem capacidade para contar uma história: “Até algo aparentemente simples, como a origem do próprio nome, pode gerar algo interessante de se compartilhar. A contação é uma forma de perpetuar a existência das pessoas. Contar e ouvir é dar e receber”, conclui.

Serviço: O I Encontro de Contadores de Histórias da Amazônia acontece nos dias 1 e 2 de dezembro, na Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (Centro de Eventos Ismael Nery, 1º andar do Centur e Praça da Palavra, andar térreo do Centur). Contato: 3202 - 4332

Texto:
Hélio Granado - FCPTN
Fone:             (91) 3202 - 4391        /             (91) 8241-9421    
Email:  heliogranado08@gmail.com

Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves
Avenida Gentil Bittencourt, 650. Belém-PA. CEP: 66035-340
Fone: (91) 3202-4350/4349
Site: www.fcptn.pa.gov.br Email: presidencia@fcptn.pa.gov.br