Listen to the text.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Tiririca pode ser garoto-propaganda do Instituto Brasileiro de Museus

SÃO PAULO - Tiririca pode ser o novo garoto-propaganda do Ibram, Instituto Brasileiro de Museus, ligado ao Ministério da Cultura.

O deputado federal faria parte de campanha para incentivar os brasileiros a conhecerem os museus, chamando atenção com um slogan semelhante ao de sua campanha eleitoral, no ano passado. 'Você sabe o que é um museu? Eu também não, mas vamos descobrir'.

O convite surgiu durante uma conversa informal entre o ex-comediante e o presidente do Ibram José Nascimento, informou a assessoria de imprensa da instituição, que afirma que não é possível dizer se a campanha irá mesmo acontecer.

Titular das comissões de cultura e educação na Câmara dos Deputados, em Brasília, Tiririca defende outro movimento artístico, o circo, com projeto de lei para diminuir tributos aos profissionais circenses.

fonte:

http://estadao.br.msn.com/cultura/tiririca-pode-ser-garoto-propaganda-do-instituto-brasileiro-de-museus

Casa de Trem em SANTOS guarda arsenal cultural

A Casa do Trem, em Santos (SP), foi o primeiro equipamento santista da visita técnica realizada pelos participantes do 7º Seminário de Cidades Fortificadas e do 2º Encontro Técnico de Gestores de Fortificações, que aconteceu em Bertioga (SP), até o dia 1º. Reativado há dois anos após restauração, o espaço integra o patrimônio artístico e cultural da cidade de Santos e apresenta a mostra 'Armamentos Históricos', paralelamente à exposição permanente do antigo Sistema de Defesa do Porto de Santos por meio dos fortes da região.

Com o objetivo de traçar diretrizes para a otimização no uso dessas edificações seculares, o evento reuniu historiadores, museólogos, estudiosos e palestrantes do Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Santa Catarina), Uruguai, Portugal, Bélgica e Holanda. Eles também conheceram o Museu de Pesca, outrora Forte Augusto, que cruzava fogo com a Fortaleza da Barra e hoje se encontra em terras pertencentes à cidade de Guarujá, além de outros imóveis  militares remanescentes na Baixada Santista.


Para o diretor da New Holland Foundation, da Holanda, Oscar Hefting foi uma agradável surpresa constatar a preservação dessas construções. Ele considera bastante pertinente a nova destinação dada à Casa do Trem, antigo depósito das armas e munições que abasteciam fortalezas e quartéis do litoral paulista. “ A conservação é muito importante, pois em cada época o equipamento tem uma função específica. Agora a finalidade é totalmente cultural”, disse Hefting.



fonte:
http://www.brasilturis.com.br/diretodaredacao_materia.neo?Materia=29144

Literatura com batata frita

Tudo mundo sabe: nos bairros mais periféricos de São Paulo, mais afastados do centro da cidade, quase não há alternativas de lazer e cultura. Os parques são poucos. Não existem museus, teatros, salas de cinema. “O único espaço público que o Estado deu pra gente foi o bar”, diz o poeta e escritor Sérgio Vaz. “Pra quem pensava que a gente ia se acabar bebendo cachaça, a gente transformou o bar em centro cultural. Então, fodeu: não tem mais como controlar a gente, porque o que não falta na periferia é bar.”
Sérgio Vaz é um dos criadores da Cooperifa, precursora de um dos movimentos culturais mais importante da capital paulista — e do país — neste começo de século 21: os saraus da periferia. São apresentações de música, teatro e poesia feitas pelos (e destinadas aos) próprios moradores da comunidade. Começaram a ganhar força por volta de 2001, no Capão Redondo, bairro da Zona Sul de São Paulo até então conhecido apenas como uma das regiões mais violentas da cidade. Hoje em dia se multiplicaram por grupos e quebradas: Elo da Corrente, Sarau da Brasa, Sarau da Ademar, Sarau da Vila Fundão e Sarau do Binho são alguns de seus representantes.
São também tema do filme Curta Saraus, que oferece um panorama dos principais centros irradiadores da chamada “cultura de periferia” em São Paulo. “Antigamente a gente pensava assim: ah, o bairro não tem nada. Mas o que a gente pode fazer pra intervir no bairro? O sarau, hoje, é nossa alternativa”, diz o poeta Michel Yakini às câmeras do diretor David Alves da Silva, que contou com o apoio do Ministério da Cultura para rodar o vídeo de 15 minutos (acima).
Mas nem só de alternativas culturais para a população da periferia são feitos os saraus. “O Sarau é uma festa, um princípio de revolução, transformação”, atesta Binho, do Sarau do Binho. No filme, é possível perceber que, ao lado da expressão artística, os versos dos poetas ou as performances cênicas dos atores da periferia carregam uma imensa vontade de transformação social. “A gente está vivendo nossa Primavera de Praga, nossa Tropicália”, compara Sérgio Vaz.
Curta metragem oferece panorama do fenômeno cultural que ganha cada vez mais adeptos nas periferias de São Paulo — e fora delas também


E a riqueza do movimento há tempos foi percebida nas regiões centrais da cidade — e valorizada por setores da classe-média. Não que os saraus precisassem da aprovação intelectual de quem quer que seja para continuar existindo ou reafirmar sua importância cultural e social. Mas é um fato que chamaram a atenção. “A gente tá sendo estudado nas universidades”, lembra Férrez, escritor. “Em muito lugar que a gente nunca ia entrar como pessoa, a gente tá entrando como livro.”

fonte: