Listen to the text.

sábado, 30 de junho de 2012

Seminário: A ANTROPOLOGIA VAI AOS MUSEUS - OS MUSEUS VÃO À ANTROPOLOGIA. MASP - SP

Jamile (esquerda) e Livio Sansone (direita) da UFBA - Simone Pereira ao Centro Memorial do Consumo








Comélia Eckert (UFRGS), Antonio C. d M. Sartini - Museu da Lingua Portuguesa, Clara de Azevedo - Museu do Futebol, Marília Bonas - Museu da Imigração, José G. Magnani (USP), Ana L. C. da Rocha ( UFRGS)




Jamile, Antonio Motta (UFPE), Livio Sansone, Miryan S. dos Santos (UFRJ) Peter Fry e EMANUEL ARAUJO











Crianças (de ANGOLA) mostram talento durante maratona criativa





O “Criança Criativa”, projecto desenvolvido pelo atelier Susumuka Arte, juntamente com o Instituto Nacional da Criança (INAC), apresenta, amanhã, às 10h30, no Museu Nacional de História Natural, um conjunto de disciplinas artísticas da autoria de 200 crianças das comunidades e igrejas da capital, dos cinco aos 15 anos.

Fernando Nunes, artista plástico e promotor do projecto, disse que vão ser expostas 150 obras em desenho, cerâmica e objectos feitos com material reciclado. As peças, disse Fernando Nunes, foram elaboradas há um ano.

As crianças declamar poesia no auditório do Museu de História Natural e participar em espectáculos de dança e de música da sua própria autoria. Um atelier para os aspirantes a artistas desenharem, pintarem e esculpirem diante do público vai ser montado. “Vamos mostrar todos os trabalhos feitos pelas crianças do projecto para dar a conhecer ao público o que elas aprenderam durante um ano de aulas, incluindo as normas de produção artística”.

No final da actividade, o Instituto Nacional da Criança e o Atelier Susumuka Arte vão contemplar com certificados as crianças que mais evoluíram nas sessões de formação. A maratona cultural encerra um conjunto de actividades culturais elaboradas no quadro das festividades do mês da criança, que incluiu visitas aos museus de Luanda e exposições nos bairros da Boavista, Ingombota e Sequele, no Cacuaco.

Ecomuseu do sal


  Olá a todos, foi na sexta feira que fomos fazer uma visita ao ecomuseu do sal e de lá saímos para uma pequena volta de reconhecimento em kayak até ao moinho das marés.

O ecomuseu do sal é um local aprazível onde se pode descobrir e ver todo o processo de fabrico e recolha do sal. Quem por lá passa não fica indiferente a todo aquele complexo da "marinha da cobra".

Já nos kayaks rumamos no rio pranto até ao moinho das 12 pedras (único na península ibérica), assim denominado o moinho das marés da Figueira da Foz por este ter 12 moendas para a produção de farinha.
Mais para a frente informaremos de uma actividade a ter lugar nesse sitio, para já ficam umas fotos para aguçar o apetite...

https://plus.google.com/photos/113273919185643457584/albums/5759753109059716801?authkey=CMaGtfC_s7ChBA

Museu Parque Seringal promove Colônia de Férias

Estão abertas as inscrições para a Colônia de Férias no Seringal, que será realizada durante o mês de julho no Museu Parque Seringal, em Ananindeua. Diversas atividades culturais e de educação ambiental serão ofertadas gratuitamente ao público presente.


Museu Parque Seringal promove Colônia de Férias (Foto: Marco Santos)
(Foto: Marco Santos)

O objetivo é dar uma opção de lazer a meninos e meninas do município no período das férias, que vai envolvê-los com ações de entretenimento, cultura, esporte e de conscientização ambiental. A iniciativa é voltada para crianças de 5 a 12 anos, moradoras de Ananindeua.
Elas vão participar de brincadeiras e jogos educativos, teatro de fantoches e apresentação de filmes. Os destaques são as oficinas de manejo de muda e de fantoches de sucata, que além de divertir as crianças, vão ensinar sobre reutilização do lixo e sobre cuidados com a fauna.
Serão duas turmas, sendo a primeira no período de 2 a 5 de julho, e a segunda, de 9 a 12 de julho, ambas no horário de 9h às 11h30. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no Museu Parque Seringal (Conjunto Cidade Nova VIII, entre as WE´s 34 e 36, bairro Coqueiro) ou pelo telefone (91) 9229-4085.
A ação é promovida pela Prefeitura de Ananindeua, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, e em parceria com as secretarias municipais de Saúde e de Cultura. (Com informações da Prefeitura de Ananindeua)

fonte:

Ariquemes - Motor fabricado em 1935 é doado ao Museu Rondon



Um motor fabricado em 1935 foi doado à Funcel – Fundação de Cultura, Esporte e Lazer. O artefato em breve ficará à disposição da população no Museu Rondon e será mais um pedaço da história de Ariquemes.

A máquina estava abandonada na propriedade do senhor Antônio Ferreira dos Santos, na BR-421. Fabricado no ano de 1935, o motor é da marca Stabilni da Benz Lorenz Pujman, da Alemanha.

Segundo seu Antônio, que está com 61 anos de idade e não soube dizer desde quando o motor está instalado naquele local, aos 11 anos ele já brincava ao redor do motor. Ele recorda que o instrumento era usado para tocar uma moenda de cana.

O presidente da Funcel, Lafaiete Ribeiro, disse que a doação vai enriquecer ainda mais o acervo do Museu Rondon. “Hoje já temos vários artefatos que contam um pouco da história do município. Em breve estaremos levando esse motor para o museu, ele será mais uma atração especial”.



fonte:
http://www.rondoniadinamica.com/arquivo/ariquemes--motor-fabricado-em-1935-e-doado-ao-museu-rondon,36846.shtml

Museu José Antônio Pereira - Começa no domingo o projeto “Teatro no Museu”


A Fundação Municipal de Cultura (Fundac) lança neste domingo, dia 1º de julho, o projeto “Teatro no Museu”, onde diversos grupos regionais estarão se apresentando todo domingo, sempre a partir das 15h, espetáculos voltados para o público infantil.

“Teatro no Museu” surgiu da necessidade de levar cultura e entretenimento através da arte para a comunidade desta região. Eventualmente aconteciam no local algumas apresentações, já este projeto, será continuo, valorizando os artistas locais e proporcionando mais uma opção de lazer para a população.

Neste domingo (1), a estreia será com o grupo Circo Escola Pantanal, com “Mix: um espetáculo de circo, teatro e dança”. Apresentado através de vários números que se interligam e mesclam as linguagens cênicas do circo, teatro e dança.

Os artistas desenvolvem técnicas e habilidades circenses como acrobacias de solo, equilíbrio em perna-de-pau, malabarismo, acrobacia em lira e tecido, pirofagia e contorcionismo. Além de uma cena onde acontece a mais bizarra e irreverente partida de futebol, de todos os tempos.

Este espetáculo não tem restrição de idade, é destinado a todos que mantém vivo o bom humor e permitem-se envolver, sonhar e fantasiar a magia e alegria encantadora do mundo do circo.

O cenário é num importante ponto histórico de Campo Grande, o Museu José Antônio Pereira. No local encontram-se objetos do fundador da capital, e que já foi proprietário da então fazenda. O carro de boi, monjolo e a construção de pau a pique proporciona aos visitantes uma lembrança do século XIX.

A entrada é gratuita e o Museu José Antônio Pereira fica na Av. Gauicurus, s/n, Bairro Jardim Monte Alegre, aberto à visitação de terça-feira a domingo, das 9h às 17h. Para maiores informações 3314-3232.
A Critica


fonte:
http://www.aquidauananews.com/0,0,00,8769-203439-COMECA+NO+DOMINGO+O+PROJETO+%E2%80%9CTEATRO+NO+MUSEU%E2%80%9D.htm

Artes Visuais: o sertão, a urbe, a natureza e o tempo em João Pessoa-PB


Safra de exposições em João Pessoa-PB propõe reflexões sobre a cultura, a passagem do tempo e a ação do homem sobre o meio ambiente. As exposições são independentes e um autor não tem nada a ver com outro, mas as conexões entre elas é evidente.
Não perca! Algumas já estão na últimas semanas.

Tessituras Urbanas, de João Lobo trata das relações da malha urbana e das tensões entre as pessoas na cidade contemporânea. O formato, a apresentação e a montagem da exposição instigam o expectador a buscar novas formas de ver e sentir a fotografia.
Casa das Artes Visuais – CAV – Av. Esperança, 1143 – Manaíra.

Tessituras Urbanas de João Lobo na Casa das Artes Visuais
Velho Lua – Sertão é Inspiração é uma homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga. A exposição tem desenhos e reproduções de xilogravuras dos cordéis do músico e poeta popular Beto Brito e desenhos feitos com carvão de Percy Fragoso, inspirados no universo do Velho Lua.
Torre Mirante da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, Altiplano.
Terça a sexta-feira, 9h às 21h; sábado e domingo, das 10h às 21h. (83) 3214.8270 (até 8 de julho)
Beto Brito e Percy Fragoso homenageiam Luiz Gonzaga, o Velho Lua, na Torre Mirante Estação Cabo Branco
Tempo para o destino de Marlene Almeida trata da angústia do homem em relação a implacável passagem do tempo.  A exposição tem instalações com varas de sombra — relógios ancestrais — e pinturas com têmpera e pigmentos vegetais.
Usina Cultural Energisa – Av. Juarez Távora, 243, Torre. (83) 3221.6343. Terça a domingo, das 14h às 20h. Até 8 de julho.
Marlene Almeida em curta temporada na Usina Cultural Energisa.
A exposição Natureza Extrema de Frans Krajcberg tem esculturas e fotografias com vestígios de árvores, vítimas das queimadas.  A mostra revela a indigação do artista contra a violência e as barbaridades que o homem pratica contra a natureza.
Estação das Artes, novo prédio do complexo Estação Cabo Branco
Terça a sexta-feira: das 9h até 21h. Sábado e domingo das 10h até 21h.
Abertura hoje às 18h. A exposição está por lá até o dia 16 de setembro.
Natureza Extrema de Frans Krajcberg inaugura hoje novo prédio da Estação Cabo Branco.

fonte:
babeldasartes

Secretaria de Estado disponibiliza R$550 mil para museus do interior

Verba será destinada através do Proac.

A Secretaria de Estado da Cultura está com inscrições abertas para dois editais do Programa de Ação Cultural (ProAC) voltados especificamente para museus. Ao todo, são R$ 550 mil destinados a oito projetos voltados a preservar ou difundir acervos museológicos. Os museus interessados têm até os dias 15 e 17 de agosto, dependendo do edital escolhido, para elaborar e enviar seus projetos para a Secretaria de Estado da Cultura.

No caso do edital de Difusão de Acervos Museológicos, os projetos apresentados deverão contemplar uma ou mais das seguintes atividades: produção de exposição temporária, itinerância, catálogo de exposição ou acervo, produção e confecção de material educativo e ação educativa. Cinco projetos serão selecionados, sendo que cada um receberá o valor de R$ 50 mil para a execução da proposta. As inscrições devem ser feitas até o dia 15 de agosto.

Como contrapartida, os contemplados deverão prever a realização de atividades de capacitação profissional no interior e litoral do Estado, em temas relacionados ao projeto apresentado.

Já o edital de Preservação de Acervos Museológicos, com inscrições abertas até o dia 17 de agosto, irá contemplar três projetos de produção e execução de tratamento técnico, conservação ou documentação de acervo museológico. Os contemplados irão receber, cada um, R$ 100 mil para a concretização do trabalho. Como contrapartida, eles deverão executar ações de divulgação das atividades realizadas no acervo, tais como palestras, seminários e oficinas.

Os critérios de avaliação estão descritos nos editais e incluem a relevância do acervo, qualificação dos profissionais envolvidos no projeto, diversidade temática e estética, interesse público, entre outros.

 Os dois editais estão disponíveis no site da Secretaria de Estado da Cultura. SP

fonte:
http://www.itu.com.br/cultura/noticia/secretaria-de-estado-disponibiliza-r550-mil-para-museus-do-interior-20120629

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Cinco museus e galerias ”secretas” de Londres

Apesar de dona do título de capital mundial dos museus e galerias, por contar com o maior número de instituições no ranking das mais visitadas em todo o planeta (sete, mais do que Paris e Madrid juntas), Londres não apresenta apenas destinos consagrados como a Tate Modern e o British Museum. A capital britânica acena com uma série de atrações de menor porte, quase secretas por força da competição mais graúda de endereços mais famosos. Sua ausência de fama, porém, oculta coleções fascinantes que agora tentamos a ajudar a colocar em roteiros turísticos futuros.


Museum of Childhood

Apesar de fazer parte do Victoria and Albert, não poderia estar mais distante do suntuoso museu de South Kensington. Fica em Bethnal Green, na região leste de Londres. Uma jóia para quem se interessa pela história social de brinquedos e brincadeiras, ou mesmo da infância. O imenso acervo tem móveis e guarda-roupas infantis, uma incrível coleção de bonecas para lá de centenárias e jogos dos quatro cantos do mundo, como tabuleiros de xadrez e peças de dominó do século 17. Há ainda atividades interativas para as crianças visitantes, a maioria delas gratuitas. O museu fica a uma curta caminhada da estação de metrô de Bethnal Green.


Clink Prison

Para constatar a importância história do local, basta saber que foi por causa da notória prisão medieval britânica que surgiu a expressão ''to be sent to the clink'', uma forma generalizada de se referir ao encarceramento em inglês. Datando de 1144, a prisão era o destino de quem desobedecesse à lei no distrito medieval de Southwark, especialmente a clientela dos muitos bordéis da região. Hoje, oferece uma experiência meio educacional e meio ''thriller'', que inclui a manipulação de artefatos originais, como instrumentos de tortura. Naturalmente, o museu conta com algumas atrações não muito recomendáveis para crianças menores. Desça na estação de London Bridge. Os ingressos custam seis libras.


Museum of Brands, Packaging and Advertising

Fruto da paixão do historiador e colecionador Robert Opie, que deu início à empreitada com uma mera embalagem de chocolates, o museu abriu as portas em Gloucester, no sul da Inglaterra, em 1984. No final de 2005, instalou-se em Notting Hill para oferecer a um público muito maior uma verdadeira viagem ao mundo da publicidade e propaganda, que permite ainda uma espiadela por um outro ângulo no comportamento social de gerações passadas. Há também um olhar para o futuro: uma das principais exibições permanentes tem como tema o desenvolvimento de embalagens menos agressivas ao meio-ambiente. Com ingressos a 6,50 libras para adultos e 2,25 para crianças , o museu fica a uma curta caminhada da estação de metrô de Notting Hill Gate.


Wallace Collection

Embora esteja bem no centro de Londres e conte com um invejável acervo de obras que incluem pinturas de Grandes Mestres, a Wallace Collection não faz parte das 40 mais visitadas galerias e museus do Reino Unido. E a ausência de multidões surge como razão ainda maior para que turistas visitem a coleção particular do filantropo e aristocrata Richard Wallace (1818-1890), doada por sua viúva ao patrimônio histórico sob a condição de que nenhum objeto deixasse o palacete de Manchester Square, nem mesmo sob empréstimo. Como consequência, visitantes podem ver sob o mesmo teto tanto quadros de Rembrandt e Velázquez quanto uma seleção de armas e armaduras medievais. Tudo de graça e a uma curta caminhada de estações de metrô mais centrais como Oxford Circus e Bond Street.


Freud Museum

Localizado no sofisticado bairro londrino de Hampstead, o museu é mais do que a casa em que o pai da psicanálise viveu com sua família depois de fugir da Áustria por conta da ocupação nazista, em 1938: Sigmund Freud (1856-1939) era um colecionador inveterado de antiguidades e deixou mais de 2 mil objetos egípcios, gregos e romanos, muitos deles no escritório que ocupava e que permanece arrumado como nos tempos em que por lá vivia e trabalhava - sim, o famoso divã de Viena veio na mudança. O museu também tem uma série de memórias ligadas a Anna Freud, a filha mais jovem do psicanalista e ocupante do casarão de 20 Maresfield Gardens até sua morte, em 1982. A entrada é franca para crianças menores de 12 anos e adultos pagam seis libras. O museu fica a uma curta caminhada das estações de Finchley Road e Swiss Cottage.


fonte:
http://br.mulher.yahoo.com/blogs/visit-britain-br/cinco-museus-e-galerias-secretas-londres-093911589.html

Museu da Música – Itu oferece curso de Introdução à História da Música Popular Brasileira

Nos dias 4, 5 e 6 de julho, das 18h às 20h, o Museu da Música – Itu realizará um curso de introdução à História da Música Popular Brasileira, a cargo do professor Adélcio Camilo Machado. As inscrições, com taxa de R$ 20, podem ser feitas no site www.itu.com.br. A inscrição prévia é obrigatória.

O curso conta com apoio do Instituto Cultural de Itu, do Sincomércio – Itu e do site www.itu.com.br, pretende apresentar um panorama sobre uma parte da produção musical que convencionou se designar por música popular brasileira.

Durante as aulas serão abordados temas como: a “origem” da canção popular na modinha e no lundu do século XVIII; o maxixe e o choro na formatação de uma música popular brasileira instrumental; o samba e a construção da “identidade nacional” brasileira; “modernização” e “intelectualização” na MPB dos 1960.

O curso é indicado para estudantes de música e áreas afins, sobretudo das Artes e das Humanidades, bem como para o público em geral que se interessa por música. Estará dividido nos seguintes temas:

>>> Dia 4 (4ª feira): O início da canção popular e da música instrumental brasileira, a Modinha e o lundu, o Maxixe e as bandas de música, os “pianeiros”: Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth e o choro e Pixinguinha.

>>> Dia 5 (5ª feira): Samba. A “pequena África” do Rio de Janeiro e o “primeiro” samba gravado, sambistas do morro do Estácio, bando de Tangarás: Almirante, Noel Rosa e Wilson Batista, polêmica entre Noel Rosa e Wilson Batista, Ary Barroso, Radamés Gnattali e o samba-exaltação e o Samba-jazz

>>> Dia 6 (6ª feira): A Moderna Música Popular Brasileira. Bossa Nova, canção de protesto, Tropicália e os Festivais

O professor Adélcio Camilo Machado é Doutorando em Música (Unicamp), na modalidade de Música Popular. Recentemente defendeu, nesta mesma Universidade, sua dissertação de Mestrado intitulada “Quem te viu, quem te vê: o samba pede passagem para os anos 1970″. É professor de música no Colégio Almeida Júnior e trabalha na área de ação educativa no Museu da Música – Itu. O Auditório do Sincomércio fica na rua Maestro José Victório, 137, Centro.

fonte:
http://www.jornalperiscopio.com.br/?p=16928

Educação aprova novas normas para gestão de museus por entes públicos

A Comissão de Educação e Cultura aprovou, na quarta-feira (28), proposta que dá competência para cada ente público definir a forma de gestão dos seus museus, além de ampliar o rol de mecanismos de parceria que poderão ser utilizados pelas entidades.

A medida consta do Projeto de Lei 4977/09, dos deputados Angelo Vanhoni (PT-PR) e José Aníbal (licenciado), que altera o Estatuto de Museus (Lei 11.904/09). A lei em vigor define que os museus serão regidos por ato normativo específico, termo ampliado pelo projeto em análise.

O projeto determina que os museus sejam gerenciados por atos normativos, o que assegura a competência normativa de cada ente federativo sobre seus museus. Além disso, o texto autoriza os museus a estabelecer contratos, convênios, termos de parceria ou instrumentos semelhantes.

Interesse público
O texto foi aprovado com uma emenda do relator, deputado Jean Wyllys (Psol-RJ). Ele especificou no projeto que os contratos, convênios, termos de parceria ou instrumentos congêneres terão como objeto a execução de atividades de interesse público que apoiem a gestão pública da entidade.

“Tornar esse objetivo explícito pode contribuir para a melhor gestão dos museus e, portanto, para a disponibilização de seus acervos e serviços para fruição da comunidade”, justificou.


Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e já foi aprovada pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. Agora segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

fonte:
http://www.cenariomt.com.br/noticia.asp?cod=209336&codDep=1

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Primavera de Museus será realizada em setembro em Ouro Preto

O Sistema de Museus de Ouro Preto e a Secretaria de Cultura e Turismo de Ouro Preto promovem o evento ‘Primavera de Museus’ no mês de setembro. O 1º Salão de Humor do Museu do Inferno já está confirmado na programação. A exposição satiriza os museus.

O tema do Museu do Inferno surgiu baseado no artigo "Os museus de Ouro Preto" do museólogo Orlandino Seitas Fernandes. O artigo é sobre um museu montado em uma república de estudantes repleto de paródias dos acervos apresentados nas instituições tradicionais com muito humor e sarcasmo.

Para a divulgação do Salão de Humor, a exposição adquiriu caráter itinerante e passará por diversos museus de Ouro Preto. O Museu Casa dos Contos foi o primeiro a receber a exposição e ficará até o dia 7 de julho de 2012.

Em breve serão divulgadas mais informações sobre o evento e interessados em participar deverão preparar sátiras bem humoradas sobre os Museus de Ouro Preto. Mais informações no site ou pelo telefone (31) 3559-3118.

fonte:
http://www.ufop.br/index.php?option=com_content&task=view&id=11262&Itemid=196

Blumenau, cidade dos museus

Agora, com a reabertura do Museu Fritz Müller, Blumenau pode orgulhar-se de ser considerada a “cidade dos museus”.

O município abriga não só o “Fritz Müller”, mas também o Museu de Hábitos e Costumes, o Museu da Cerveja, o Museu da família Colonial, o do Cristal, de Arte, da Água, além do Mausoléu Dr.Blumenau e casa da Memória da Escola n° 1.

Este ano, pela segunda vez, a AMPE integrou-se à Semana Nacional dos Museus, através de um evento promovido pelo Núcleo da Mulher Empreendedora da entidade, que é presidido pela associada Susete Novaes.

No dia 15 de maio, o Núcleo e convidados reuniram-se na sede da AMPE para ouvir uma palestra, cujo tema “Como Manter a História e Resgatar um Passado Empreendedor, foi apresentado por Mariana Girardi Barbosa Silva, Historiadora e Mestre em Educação pela FURB, Coordenadora do Museu Hering, de Blumenau.
Durante a palestra, Mariana enfocou os principais passos para se resgatar a história de uma empresa centenária, mostrando a importância da preservação deste tipo de memória e patrimônio, ressaltando a relevância do papel dos museus na história de Blumenau.

Museu Hering

O Museu Hering fica situado na Rua Hermann Hering, n° 1.790, bairro Bom Retiro e ocupa um antigo prédio estilo enxaimel da Cia. Hering.
A exposição espelha a trajetória de vanguarda que a empresa sempre teve no cenário brasileiro da moda, da indústria, da economia e da responsabilidade sócio-ambiental.

Vale lembrar que no início, a Hering, fundada há 130 anos,era uma empresa muito pequena. Seria classificada hoje em dia como uma microempresa. Mas a persistência dos fundadores e a capacitação dos que a tocaram, transformaram-na em uma gigante do cenário nacional.


Museu da Hering, reformado, está aberto à comunidade




Mariana Girardi Barbosa Silva, Historiadora e Mestre em Educação pela FURB,Coordenadora do Museu Hering, proferiu palestra na Ampe Blumenau e recebeu certificado da coordenadora da Mulher Empreendedora, Susete Santos de Novaes

fonte:
http://www.ampeblumenau.com.br/portal/2012/blumenau-cidade-dos-museus/

Diálogos com o Patrimônio no Museu do Estado

Nesta quinta-feira, 28, o projeto "Diálogos com o Patrimônio" é realizado num dos prédios mais emblemáticos da cidade: o Museu Histórico do Estado do Pará (MHEP) - Palácio Lauro Sodré, das 15h às 17h, com a presença de estudantes, agentes culturais, profissionais que atuam na área, representantes de órgãos públicos, moradores e trabalhadores de centros históricos e demais interessados na questão que está sempre na ordem do dia: o patrimônio. Com o tema “Patrimônio Documental e Gestão da Memória”, o seminário irá abordar como diversos suportes concretizam o que entendemos como cidadania cultural.



O seminário conta com os seguintes expositores: Leonardo Torii, licenciado em História, especialista em Patrimônio Histórico e Cultural do Estado do Pará, pela UFPa; Doralice Romeira, especialista em Técnica e Didática em Arquivologia pela UFF e em Organização de Arquivos pela USP; Antonio Vieira Junior, doutor em História Social pela USP, com pós-doutorado em História na Universidade de Lisboa; e Miquéis Costa de Farias, graduado em Biblioteconomia pela UFPa e lotado no setor de biblioteca e arquivo do Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Estado (DPHAC).



O projeto Diálogos com o Patrimônio é uma realização da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), por meio do Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (DPHAC), em diversas ações que acontecem durante o ano em Belém e municípios paraenses.

Local: Museu Histórico do Estado do Pará (MHEP)
Endereço: Praça Dom Pedro II, s/n. Cidade Velha
Contatos: Sabrina Campos - 4009-9842

fonte:
http://www.agenciapara.com.br/pauta.asp?id_pauta=3963

Museu Nacional comemora 120 anos de instalação

O Museu Nacional fica na Quinta da Boa Vista, São Cristóvão, no Rio de Janeiro. Considerado o maior museu de história natural da América Latina, abriga um acervo de quatro milhões de objetos e pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Sua maior atração são os esqueletos de dinossauros.


ouça a rádio
Apresentação José Carlos Andrade

fonte:
http://radioagencianacional.ebc.com.br/materia/2012-06-25/museu-nacional-comemora-120-anos-de-instalação

Projeto Teatro no Museu começa neste domingo em Campo Grande

A Prefeitura Municipal de Campo Grande, por meio da Fundação Municipal de Cultura (Fundac), lança neste domingo, dia 01 de julho, o projeto “Teatro no Museu”, onde diversos grupos regionais estarão se apresentando todo domingo, sempre a partir das 15h, espetáculos voltados para o público infantil.

“Teatro no Museu” surgiu da necessidade de levar cultura e entretenimento através da arte para a comunidade desta região. Eventualmente aconteciam no local algumas apresentações, já este projeto, será continuo, valorizando os artistas locais e proporcionando mais uma opção de lazer para a população.

Neste domingo (1), a estreia será com o grupo Circo Escola Pantanal, com “Mix: um espetáculo de circo, teatro e dança”. Apresentado através de vários números que se interligam e mesclam as linguagens cênicas do circo, teatro e dança.

Os artistas desenvolvem técnicas e habilidades circenses como acrobacias de solo, equilíbrio em perna-de-pau, malabarismo, acrobacia em lira e tecido, pirofagia e contorcionismo. Além de uma cena onde acontece a mais bizarra e irreverente partida de futebol, de todos os tempos.

Este espetáculo não tem restrição de idade, é destinado a todos que mantém vivo o bom humor e permitem-se envolver, sonhar e fantasiar a magia e alegria encantadora do mundo do circo.

O cenário é num importante ponto histórico de Campo Grande, o Museu José Antônio Pereira. No local encontram-se objetos do fundador da capital, e que já foi proprietário da então fazenda. O carro de boi, monjolo e a construção de pau a pique proporciona aos visitantes uma lembrança do século XIX.

A entrada é gratuita e o Museu José Antônio Pereira fica na Av. Gauicurus, s/n, Bairro Jardim Monte Alegre, aberto à visitação de terça-feira a domingo, das 9h às 17h. Para maiores informações 3314-3232.

Entenda por que Museu Casa de Portinari está temporariamente fechado

Após constatação de desprendimento de pintura, espaço vai passar por reforma Museu Casa de Portinari


Na última sexta, 22, o Museu Casa de Portinari, em Brodowski, foi fechado temporariamente para reformas. A decisão tomada pela Secretaria da Cultura visa à proteção dos afrescos pintados pelo artista plástico Candido Portinari.


Durante uma inspeção de rotina, o restaurador Julio Moraes constatou na Capela da Nonna um processo chamado delaminação, que consiste no desprendimento da pintura. Segundo o laudo, não é possível afirmar com exatidão quais as causas da delaminação. É possível também que o problema esteja relacionado aos materiais usados por Portinari como aglutinantes da tinta - gema de ovo ou cola animal, que têm vida útil curta e são particularmente sensíveis a variações de umidade - ou mesmo à própria técnica de construção da casa, muito rudimentar.


Outro fator que pode ter contribuído para afetar as pinturas é o alto número de visitantes, uma vez que isso provoca mudança brusca de temperatura. Em 2011, o Museu Portinari recebeu público de mais de 114 mil pessoas, sendo considerado o mais freqüentado do interior de São Paulo. Um cuidado apontado por Moraes é para que os visitantes não tirem fotos com flash por causa da reação entre a tinta das pinturas e a radiação emitida pela câmera.


Desde a inauguração do museu, na década de 70, Moraes ressalta que esta é primeira vez que o local fecha para reforma. “Em mais de 40 anos, apenas foram realizados pequenos reparos como em 2004, numa parte do telhado”, diz o restaurador. Além disso, o museu é o primeiro no Estado a ter um plano de conservação permanente do acervo. A ação é realizada pela ACAM (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) que tem como objetivo o desenvolvimento da área cultural, particularmente a museológica, por meio da colaboração técnico-operacional e financeira.


Ainda não há uma data para a reabertura do museu, Atualmente, a Secretaria está concluindo os trâmites necessários para dar início à licitação do projeto executivo e da obra, o que deve ocorrer em julho. Enquanto isso, o assessor do Museu Casa Portinari, André Rezende, ressalta que as atividades pedagógicas continuarão, mas ainda não há nenhum local específico. Uma das opções é a esplanada em frente ao prédio do museu.


Museu Casa de Portinari


O museu Casa de Portinari foi inaugurado em 14 de março de 1970 e tem como edificação a casa onde residiu o artista. Seu acervo é formado principalmente por trabalhos realizados em pintura mural, ou seja, as pinturas têm por suporte as paredes da casa, nas técnicas de afresco e têmpera.


Do Portal do Governo do Estado

Edital Rumos Itaú Cultural – Audiovisual, Dança, Moda e Design

Em atividade desde 1997, o Rumos é um programa de apoio à produção artística e intelectual sintonizado com a criatividade brasileira. O caráter nacional do programa mobiliza artistas, especialistas, pesquisadores e instituições parceiras, que fazem da cultura uma linguagem comum de fortalecimento da cidadania e das características múltiplas do povo brasileiro. Confira os editais abertos.

Moda e Design: trabalhos acadêmicos da pós-graduação stricto sensu (teses ou dissertações) concluídos nos últimos 5 anos ou em andamento cujo tema moda e/ou design tenham como foco a cadeia produtiva dessas áreas e as características do cenário brasileiro e das relações internacionais de mercado: da criação ao consumo final.

Cinema e Vídeo e Cinema e Vídeo Documentarios para Web para filmes e vídeos que proponham, obrigatoriamente, experimentações de linguagem, novos modos de construção da narrativa, subversão dos meios de captação e finalização (câmeras multiformato, smartphones e dispositivos móveis) e demais aspectos de experimentação: ficção, ensaios, animação, videoarte, motion design, videodança, entre outros.

Dança O objetivo é estimular artistas consolidados que se dedicam a formar outros profissionais, jovens criadores que desejam aprender com seus pares, coreógrafos que compartilham conhecimentos por meio de suas criações e, além disso, uma carteira foi criada para incentivar aqueles que concebem dança para crianças. Serão selecionados no total 30 projetos nas categorias: Dança para Crianças, Dança para Formadores, Residência para Criadores e Desenvolvimento de Pesquisa para Criação.

Edital Rumos Itaú Cultural – Audiovisual, Dança, Moda e Design 

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Sistema multimídia Ford Sync ganha lugar de honra no Museu do Computador

Quem visita o Museu da História do Computador, em Mountain View, Califórnia, nos Estados Unidos, espera encontrar nomes como Microsoft, IBM, Apple e Google. Agora, essas marcas líderes da tecnologia têm a companhia da Ford, com a inclusão do sistema SYNC de comunicação e conectividade ao acervo permanente do museu.

"Estamos honrados. O SYNC nos ajudou a avançar mais rápido do que se poderia esperar de uma empresa automobilística, trazendo um novo grau de abertura e acesso que mudou para sempre a nossa visão de negócios para atender os consumidores", diz Paul Mascarenas, vice-presidente e chefe técnico de Pesquisa e Inovação da Ford. "O SYNC incorpora tudo o que a Ford representa: ir além para transformar ideias inovadoras em produtos acessíveis e valiosos para milhões de pessoas."

"Na medida em que os carros se transformaram em plataformas móveis para as necessidades de comunicação e entretenimento dos consumidores, a interseção entre o desenvolvimento dos automóveis e da computação tornou-se uma área importante de atenção para o museu", diz Alex Bichannek, curador e gerente do Museu da História do Computador.

"A parceria da Ford com a Microsoft na tecnologia SYNC é um exemplo desse novo cenário", ele acrescenta. "O Museu da História do Computador tem a satisfação de incluir a primeira geração do Ford SYNC ao seu acervo permanente, como parte do nosso esforço contínuo para documentar os efeitos da computação na sociedade em geral."

Comandos de voz

O SYNC é o premiado sistema de conectividade a bordo que oferece controle de voz para celular e tocadores de música digitais, conectados via Bluetooth ou USB. A Ford desenvolveu o sistema junto com a Microsoft, usando a plataforma Automotiva Embarcada Windows.

"Quando nos reunimos pela primeira vez com a Ford, há cerca de uma década, sabíamos que queríamos desenvolver um sistema que conectasse o estilo de vida digital dos consumidores com os veículos que eles têm hoje, e também pelos próximos anos – seja qual for o dispositivo", diz Kevin Dallas, gerente geral da plataforma Windows Embarcada na Microsoft. "Ter o SYNC incorporado à coleção do Museu da História do Computador é um reconhecimento da grande inovação do sistema e do trabalho duro de nossos engenheiros para entregar um produto que continua a atender as crescentes necessidades e expectativas dos consumidores."

4 milhões de unidades

O SYNC estreou no mercado norte-americano no Focus 2008, como opcional, com preço de US$395. Dois anos depois, ele se tornou disponível em todas as linhas de veículos da marca nos Estados Unidos. No começo de 2012, o SYNC já equipava mais de 4 milhões de veículos. Até 2015, a expectativa é que esse número cresça para 9 milhões, com a introdução dessa tecnologia em produtos ao redor do mundo.

Novos aplicativos

A lista de programas para a plataforma SYNC foi seguidamente ampliada com o lançamento de novos aplicativos, muitos deles oferecidos como upgrade para serem baixados e instalados em casa ou nos distribuidores Ford. Os principais são:

o "911 Assist" (2008) – liga automaticamente para os serviços de emergência quando o airbag do carro é disparado, usando o celular;

"Relatório de Saúde do Veículo" (2008) – relatório de diagnóstico do veículo, produzido a bordo e enviado pelo celular para ser acessado em um portal da web (www.syncmyride.com);

SYNC Services (2009) – com a adição de GPS ao SYNC, a Ford criou uma rede de serviços que podem ser acessados por comando de voz, como notícias personalizadas, informações de trânsito, orientação de rotas, previsão do tempo, informações de negócios e placares esportivos. Poucos meses depois, outros serviços foram adicionados a essa rede baseada na "nuvem", como horóscopo, mercado de ações, programação de filmes e informações de viagem;

"Sendo to SYNC" (2010) – usando o SYNC Services, permite enviar um endereço de destino pelo MapQuest ou Google Maps direto para o seu carro, com instruções rua a rua;

"Destinations App" (2010) – aproveitando os serviços baseados na nuvem, o primeiro aplicativo do SYNC para smartphone trouxe mais conveniência para os consumidores, permitindo buscar e definir seus destinos e até checar o trânsito quando estão fora do veículo;

"AppLink" (2010) – aplicativo inovador que ajudou a Ford a ser a primeira a oferecer aplicativos para smartphone ativados por voz, como Pandora e Stitcher, trabalhando com desenvolvedores em sua própria linguagem de programação e usando o aplicativo de interface de programação (API). Hoje, há 10 aplicativos do SYNC para smartphones disponíveis nas três principais plataformas: iOS, Android e BlackBerry OS.

O nascimento do SYNC

Em 2005, a Ford – há muito tempo considerada uma "fast-follower" (adepta rápida) em tecnologia – procurava caminhos para mudar a sua percepção e a sua cultura. "Nós vimos a conectividade como um caminho para mudar esse paradigma", diz Doug VanDagens, agora diretor global de Serviços Conectados Ford, um dos membros do time que iniciou o projeto SYNC.

Ao mesmo tempo, a Microsoft estava inovando no mercado automotivo com seu sistema operacional embarcado Windows CE. Um vídeo sobre o início do SYNC está disponível neste link: http://youtu.be/CGP9j9iYzww.

Em abril de 2005, Bill Ford, presidente do Conselho da Ford, e Bill Gates, então presidente da Microsoft, falaram na Cúpula Automotiva Global Microsoft, em Dearborn, EUA, sobre como poderiam colaborar para trazer o estado da arte da tecnologia para dentro dos carros.

Enquanto os consumidores trocam seus celulares e tocadores digitais a cada dois anos para se manter atualizados, os veículos normalmente duram uma década ou mais. Apostar em um sistema embarcado poderia deixar o carro inapelavelmente defasado muito antes do fim da sua vida útil.

Em vez de forçar o proprietário a comprar outro plano de conexão para o seu carro, a Ford buscou uma plataforma de conectividade que permitisse usar a tecnologia já instalada.

"Ao final de 2005, o grupo de Engenharia Eletrônica e Sistemas Elétricos da Ford começou a desenvolver ativamente uma plataforma que pudesse ser atualizada com as últimas tendências da tecnologia durante toda a vida do carro", diz VanDagens. "Tendo a Windows CE como base, podíamos adicionar novas funcionalidades com aplicativos que os proprietários poderiam baixar da web e instalar usando um dispositivo USB."

Colaborando com fornecedores, incluindo a líder em reconhecimento de voz Nuance, eles desenvolveram uma interface de voz robusta e fácil de usar. Ela permite aos motoristas fazer e receber chamadas, selecionar músicas, artistas, álbuns, gêneros e listas musicais, mantendo suas mãos no volante e os olhos na pista.

Projetar o sistema em torno dos dispositivos móveis mostrou imediatamente ser a escolha certa. Apenas dois dias depois do anúncio oficial do SYNC, a Apple introduziu o iPhone. Em poucos anos, os smartphones deixaram de ser um nicho para dominar o mercado de celulares.

Com centenas de milhões de pessoas usando celulares e uma ampla gama de aplicativos capazes de rodar em várias mídias em conexões rápidas sem fio, o SYNC saiu em vantagem.[6]

"O SYNC se tornou um marco na redefinição do automóvel, de um simples meio de transporte em uma plataforma tecnológica que permite ao consumidor aproveitar todos os seus recursos", diz Venkatesh Prasad, outro membro do time de desenvolvimento e agora líder técnico de inovação aberta de Pesquisa e Inovação da Ford.

fonte:
http://www.segs.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=80153:sistema-multimidia-ford-sync-ganha-lugar-de-honra-no-museu-do-computador&catid=71:categoria-veiculos&Itemid=367

Descoberta na Argentina nova espécie de dinossauro carnívoro



Pesquisadores argentinos anunciaram nesta terça-feira a descoberta de uma nova espécie de dinossauro carnívoro, que pode contribuir para novos estudos sobre a evolução dos grandes répteis. A nova espécie, apresentada nesta terça-feira por pesquisadores do Museu Argentino de Ciências Naturais (MACN) de Buenos Aires, foi batizada de "bicentenário argentino" e seus restos foram achados na província de Rio Negro.

"É muito provável que seja o primeiro representante encontrado de uma nova linhagem dentro da família dos celurossauros, dinossauros que eventualmente deram origem às aves", disse em comunicado o Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet) da Argentina, do qual faz parte o MACN.

O chefe do museu e pesquisador independente do Conicet, Fernando Novas, afirmou que, apesar de a espécie dos celurossauros incluir membros como o tiranossauro rex e o velociraptor, "não se sabe muito sobre as formas primitivas, os primeiros celurossauros".

Os dinossauros adultos do "bicentenário" teriam entre 2,5 e 3 m de comprimento, eram ágeis e magros e, pela forma de seus dentes e a presença das garras, teriam sido caçadores. "Podemos suspeitar que se alimentavam de pequenos dinossauros, herbívoros e filhotes de dinossauros", afirmou Novas.

Os pesquisadores acreditam que o dinossauro teria o corpo coberto por penas. As rochas que continham os ossos do "bicentenário" tem cerca de 90 milhões de anos e correspondem ao período Cretáceo Superior, de um período de 65 milhões há 98 milhões de anos atrás.

"Os fósseis de celurossauros primitivos são raros, e portanto esta nova espécie é muito importante", disse Steve Brusatte, da divisão de Paleontologia do Museu Americano de História Natural, dos Estados Unidos.

Para Brusatte, o achado do "bicentenário" não só ajuda a compreender melhor as origens das aves e seus parentes mais próximos, mas também "indica que os continentes da América do Sul, África, e também na Austrália, tiveram uma diversidade de pequenos dinossauros acima do normal".

fonte:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5861377-EI8147,00-Descoberta+na+Argentina+nova+especie+de+dinossauro+carnivoro.html

Curadora Ana Martins distinguida pelo estudo científico de obras-primas fotográficas

Portuguesa premiada pelo MoMA de Nova Iorque

A curadora portuguesa Ana Martins foi premiada pelo Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque pelo estudo científico de obras-primas fotográficas, incluindo de Henri Cartier-Bresson, que revelaram a «história» de por detrás das impressões.

Ligada ao MoMA há quase cinco anos, a ex-professora da Faculdade de Ciências do Porto foi surpreendida na semana passada, durante uma reunião do pessoal do Museu, com a notícia de que seria este ano a distinguida pela administração pelo seu trabalho, a par de um outro funcionário, da área de Design.

Na coleção do MoMA há com frequência várias impressões de um mesmo negativo, com datas distintas e portanto com uma «história» e papéis fotográficos diferentes, disse à agência Lusa.

fonte:
http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/moma-museu-nova-iorque-curadora-tvi24/1357828-4071.html

Memorial da Democracia terá capital privado e espaço reservado a Lula

Apresentado nesta terça-feira em São Paulo, o projeto do Memorial da Democracia, de responsabilidade do Instituto Lula, deve ter participação de capital privado, além de um espaço reservado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com o presidente da entidade, Paulo Okamotto, a captação de recursos ainda será debatida, e, até o momento, o orçamento da construção não foi finalizado.

"Hoje foi apresentada a proposta do ponto de vista histórico e arquitetônico. Ainda nem sabemos quanto vai custar, e depois veremos a questão do financiamento", disse ele. Segundo Okamotto, uma das ideias é buscar recursos privados, mas não se descarta a chance de captação junto à Lei Rouanet. "Pode pintar a possibilidade de usar a legislação pertinente, mas ainda iremos discutir."

Sobre o uso de lei de incentivo, a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, afirmou que o projeto, se for submetido, será analisado. "Nada impede o projeto de ter o apoio da Lei Rouanet, ele será analisado como qualquer outro que é apresentado." A ministra também esteve presente na apresentação do projeto. Segundo ela, o Instituto Brasileiro de Museus está trabalhando diretamente em relação a assessoria técnica do memorial.

Ana comentou ainda sobre a importância do projeto. "Não construímos uma democracia de uma hora pra outra. As novas gerações crescem já sabendo que existe uma democracia e que é normal, mas não sabe que foi fruto de muitas lutas", afirmou ela. "São períodos curtos que tivemos de democracia plena mesmo, mas a democracia está sempre ameaçada. Então é importante que as pessoas saibam que tem que ser muito bem cuidado e muito bem preservado."


Conteúdo partidário
Aprovado em duas ruidosas votações na Câmara Municipal de São Paulo, com 37 votos a favor, oito contra e uma abstenção, o Memorial da Democracia será construído no espaço conhecido como Cracolândia - são 4,3 mil m², no bairro da Luz, no centro de São Paulo, avaliados em R$ 20 milhões. Pelo texto, a área ficará sob responsabilidade do instituto por 99 anos. Em contrapartida, o museu deve ser aberto à sociedade e permitir acesso gratuito de alunos da rede pública.

O projeto foi questionado pelos vereadores do PSDB e membros da sociedade civil, que argumentam que o Instituto Lula é uma entidade privada e ligada a um político, a quem não caberia contar a história da democracia. "Não é um memorial da democracia partidário. A história da anistia envolveu muitos partidos, assim como a luta pelo voto direto", afirmou Okamotto, acrescentando que há uma confusão entre o memorial e o Instituto Lula.

"Há uma proposta nítida de que haverá o espaço do acervo Lula dentro do memorial, mas ainda será discutido." Embora possa não haver um espaço reservado, "certamente" haverá algum espaço para o ex-presidente, diz Okamotto. "O Lula não foi uma pessoa só de oito anos de governo. Certamente ele estará na dimensão de presidente."

fonte:

terça-feira, 26 de junho de 2012

O museu é cada vez mais imaginário e as novas tecnologias obrigam as galerias a darem provas de originalidade.

A Realidade Aumentada ao serviço da arte

A forma como o público percebe uma obra de arte é determinada pelo espaço que a exibe. O museu é cada vez mais imaginário e as novas tecnologias obrigam as galerias a darem provas de originalidade.

As exposições são cada vez mais interativas e o tradicional guia é substituído pelas aplicações dos smartphones.

Nesta reportagem, propomos-lhe uma viagem ao interior da obra de arte através da Realidade Aumentada, ou seja, da projeção de imagens virtuais sobre um espaço real.


veja vídeo em:

museus de Sete Lagoas

Foi lançado na manhã da última quarta-feira, 20 de junho, no Centro Cultural Nhô Quim Drummond - Casarão, o Projeto Plano Diretor para os Equipamentos Patrimoniais de Sete Lagoas, firmado pelo convênio Prefeitura/FEC (Fundo Estadual de Cultura) nº 0545/01/2009. Dentre as ações estabelecidas no plano foi apresentado o site dos museus - museusdesetelagoas.com.br


Para a elaboração do Plano Diretor para Equipamentos Patrimoniais de Sete Lagoas, foi contratada uma empresa especializada em museologia, que após levantamento e catalogação de materiais e documentos procedeu a elaboração do Plano, que constitui uma ferramenta básica de planejamento estratégico e gestão dos bens, museus e centros culturais, desde sua organização até a definição de metas e prioridades. Além disso, foram adquiridos equipamentos básicos como computadores, projetores, cadeiras entre outros materiais que ajudarão na implementação das ações estabelecidas pelo plano e na melhoria no atendimento à população.


Participaram da solenidade alunos da Escola Municipal Dalva Ferreira Diniz, membros do Conselho de Patrimônio Histórico e do Conselho Municipal de Cultura, além de funcionários dos aparelhos culturais envolvidos. (Casarão, Museu Histórico, Museu do Ferroviário e Secretaria de Cultura, membros da classe artístico cultural da cidade e imprensa local.


Na oportunidade os presentes puderam saber um pouco mais sobre o projeto de educação patrimonial desenvolvido pelo departamento de história dos museus e a dinâmica de navegação pelo site dos museus.

Segundo o Secretário de Cultura e Comunicação Social Fredy Antoniazzi “o site é mais uma forma de democratizar o acesso à cultura e à informação sobre o nosso patrimônio. Através do site estudantes e pesquisadores vão poder se comunicar também com o nosso departamento de história. Essa é mais uma vitória da prefeitura na modernização dos nossos equipamentos culturais” finalizou.

Toda a verba aprovada pelo convênio é destinada a investimentos em equipamentos, elaboração do Plano e melhoria dos serviços prestados pelos aparelhos histórico-culturais à população.

fonte:
http://www.setedias.com.br/cidades/3238-lancamento-do-site-dos-museus-de-sete-lagoas

Encontro sobre Inclusão Cultural e Acessibilidade em Museus


O projeto de extensão “O Museu do Conhecimento para Todos”, do Departamento de Museologia, Conservação e Restauro do Instituto de Ciências Humanas da UFPel estará promovendo, nos dias 27, 28 e 29 de junho, o Encontro sobre Inclusão Cultural e Acessibilidade em Museus. Inscrições gratuitas. Informações e inscrições:

mpt.evento@gmail.com


PROGRAMAÇÃO

27, quarta feira – Auditório da Agência da Lagoa Mirim

19:00 Abertura oficial do evento

19:30 Palestra - Josélia Maria dos Santos José Neves
Coordenadora da Unidade de Investigação Acessibilidade e Inclusão em Acção (iACT) do Instituto Politécnico de Leiria. Portugal

28, quinta feira - Auditório da Agência da Lagoa Mirim

14:30 Sessão Temática - O Conhecimento para todos em exposições inclusivas
- Francisca Ferreira Michelon (ICH) – um lugar para o conhecer por todos os sentidos.
- Nóris M. Pacheco Martins Leal (ICH) – o museu que quer receber.
- Tatiana Bolivar Lebedeff (NAI)– a palavra que faz ver.
- Celina Maria Britto Correa (FAUrb) – Arquitetar o acesso.
- Adriane Borda Almeida da Silva (FAUrb) – Tocar para conhecer.

19:00 Mesa Redonda - Acessibilidade em Ambientes Culturais
- Marcia Beatriz dos Santos – Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
- Marina Falsetti Viviani Silveira - Arteinclusão - Consultoria em Ação Educativa e Cultural – São Paulo

29 , sexta-feira - Auditório da Agência da Lagoa Mirim

14:30 Sessão Temática - Um museu para todos
- Escola Louis Braille - Pelotas
- APAE – Pelotas
- Centro de Reabilitação de Pelotas - Cerenep
- Associação dos Deficientes Físicos de Pelotas
- Escola Especial Professor Alfredo Dub

19h - Auditório do IF Sul - Sessão do filme com audiodescrição – Em teu nome…
Debate
- Marilaine Castro da Costa – Roteiro da audiodescrição
- Leonardo Machado - ator
- Fernanda Moro – atriz

em-teu-nome1.pdf


fonte:
http://ccs.ufpel.edu.br/wp/2012/06/25/encontro-sobre-inclusao-cultural-e-acessibilidade-em-museus/

Museu de Arte de Londrina, o III Salão Nacional de Ilustração de Londrina


As várias faces da ilustração no Museu de Arte

25/06/2012
As várias faces da ilustração no Museu de Arte
Foto: Divulgação
Obras como esta, de Daniel Nepomuceno Wu, de São Paulo, estão expostas no Museu de Arte
Para quem curte o mundo das ilustrações, é um prato cheio: foi aberto na última sexta-feira (22), no Museu de Arte de Londrina, o III Salão Nacional de Ilustração de Londrina, exibindo as cinquenta melhores ilustrações da 3ª Competitiva Nacional de Ilustração de Londrina, realizada pelo Curso de Artes Visuais - Multimídia da Unopar. Este ano o tema da Competitiva - Tecno-Logia? - atraiu mais de 120 inscritos de várias partes do Brasil, desde o Rio Grande do Sul até Belém, João Pessoa e Fortaleza, entre outros. Foram recebidos pelos organizadores 90 trabalhos.
Os vencedores foram: Rogério Alves Amâncio, de Londrina, egresso da Unopar, que ficou com o primeiro lugar e vai ganhar um prêmio de R$ 3 mil; Ricardo Zolinger Zanin, de Londrina, ficou em segundo lugar e vai ganhar R$ 1 mil; Daniel Nepomuceno Wu, de São Paulo, vai receber R$ 500 pelo terceiro lugar. 
Raoni Xavier Lucina, de João Pessoa, e Gabriel Roatz da Silva, de Pelotas, receberão Menção Especial. As Menções Honrosas vão para Kelly Taglieber, de Florianópolis; Endrio Salvino, de Cambé, Heitor Kimura, de Rolândia, Michelle de Oliveira Lemos, de Londrina, Matheus Henrique da Silva, de Londrina, Fabiano Marçal, de Londrina, Luís Eduardo Kreling Vanzella, de Rolândia, Danielle Cristina Garcioso, de Londrina, Pedro de Azevedo Coutinho, de João Pessoa, Luis Fernando Souza Brito, de Londrina, José Henrique Dutra, de Rolândia, Vanessa Hosokowa, de Londrina, Mariana Aguilar Lopes, de Londrina, Flavia Lagoeiro, de Belo Horizonte, Arthur Milan Pereira, de Londrina e Alan Sales Alves.
Cuidado maior
A comissão julgadora foi formada por Rosana Urbes, Gustavo Machado, Oscar Shibatta, Neusa Ceciliato, Guilherme De Martino e Danieli De Marchi Tozatti.
A ilustradora Lara Haddad, professora do curso de Artes Visuais da Unopar e uma das organizadoras da mostra competitiva, afirma que o evento já está se consolidando no cenário da ilustração nacional e atrai cada vez mais participantes: “A cada ano os trabalhos ficam melhores e a linguagem da ilustração está se profissionalizando, mesmo nos ambientes amadores. A gente nota um cuidado maior com as imagens”.
Serviço
III Salão Nacional de Ilustração de Londrina
Museu de Arte de Londrina (Rua Sergipe, 640)
Aberto até 7 de julho
Entrada gratuita
(Fonte: Assessoria de Imprensa - Unopar)
Texto: Londrix Comunicação

fonte:

A Bienal Naïf é realizada pelo Sesc Piracicaba-SP de 9 de agosto a 9 de dezembro 2012.


A curadoria é da crítica de arte Kiki Mazzucchelli que deve mesclar obras selecionadas pelo júri, com as de outros 10 artistas convidados para evidenciar diálogos entre as produções naïf e contemporânea no espaço expositivo e “complicar” noções aceitas de categoria e hierarquia artística. Genial, não?
Os artistas convidados da edição 2012 são: Alexandre da Cunha, Carla Zaccagnini, Daniel Steegmann, Federico Herrero, Felipe Arturo, Montez Magno, Pablo Lobato, Rodrigo Matheus, Rosangela Rennó e Thiago Pitta.



Isa Galdino estará novamente na Bienal Naïf. Foto: divulgação.



A Bienal Naïf é realizada pelo Sesc Piracicaba-SP de 9 de agosto a 9 de dezembro 2012.
Quer saber mais sobre esta arte? Veja o vídeo O que é Arte Naïf
Cartaz da Bienal Naïf: obra de Tito Lobo. Foto: divulgação.

fonte: babeldasartes

segunda-feira, 25 de junho de 2012

35 anos de descoberta dos geoglifos no Acre


Encaminho em anexo o convite e a programação do II Simpósio Internacional de Arqueologia da Amazônia Ocidental, que acontecerá essa semana, entre os dias 27 e 30 de junho, e marcará os 35 anos de descoberta dos geoglifos no Acre.

Contamos com a participação de todos vocês e apoio na divulgação.


Grande abraço,
Tiago Juruá


II Simpósio Internacional de Arqueologia da Amazônia Ocidental

Orquestra Sinfônica no Museu no Inimá de Paula




A Orquestra Sinfônica de Minas Gerais apresentou na quinta-feira, dia 21/6/2012, às 20h, no Museu Inimá de Paula (rua da Bahia, 1.201, Centro), a quarta edição da série Sinfônica no Museu. 

Desta vez, o maestro convidado foi Charles Roussin, e a orquestra contou também com a participação dos solistas convidados Vitor Dutra (violino) e Carlos Aleixo (viola). O concerto tem entrada gratuita. 

A série Sinfônica no Museu é uma política da Fundação Clóvis Salgado voltada para a democratização do acesso do público à música erudita através do encontro de grandes artistas com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais nos palcos do Museu Inimá de Paula. Foto Paulo Lacerda


fonte:

http://www.flickr.com/photos/portalpbh/7409574914/

domingo, 24 de junho de 2012

Vice-diretora de instituto alemão de museus ministra palestra em Brasília


Como parte do projeto Apoio aos Diálogos Setoriais Brasil-União Europeia, o Ibram/MinC recebe no dia 25 de junho, a visita de Monika Hagedorn-Saupe, vice-diretora do Instituto de Pesquisa de Museus da Alemanha, localizado em Berlim.

Às 15h, a vice-diretora ministra palestra no auditório do Ibram sobre o trabalho da instituição, responsável pela pesquisa e análise de dados sobre os museus alemães.

Haverá tradução simultânea inglês-português. A entrada é aberta ao público e está sujeita à lotação do auditório (150 pessoas). Interessados em participar podem se inscrever aqui. A palestra acontece no Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco N (sobreloja).

Monika Hagedorn-Saupe é graduada em Pedagogia e Ciências Sociais pela Universidade Ruhr em Bochum (Alemanha) e em Matemática e Didática pelo Kings College, da Universidade de Londres. É Mestre em Pedagogia, com especialização em Sociologia e Psicologia, pela Universidade Livre de Berlim, e Licenciada em Matemática pela mesma universidade. Leciona para turmas de Museologia na Universidade de Ciências Aplicadas de Berlim (HTW) e é professora honorária da HTW desde 2006.

Desde 1985, atua no Instituto de Pesquisa de Museus (Institut für Museumsforschung), órgão responsável pela pesquisa e análise de dados referentes ao setor museal alemão, e vinculado às instituições públicas Museus Estatais de Berlim, responsável pela administração dos museus daquela cidade, e Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano, agência que realiza a gestão do patrimônio cultural na Alemanha.

Desde 1994, é Vice-Diretora do Instituto de Pesquisa de Museus, dirige o Departamento de Pesquisa de Visitação e Estatísticas de Museus, no mesmo instituto, e é responsável por diversos projetos europeus na área.


Texto: Ascom/Ibram

Museu Casa Guimarães Rosa realiza a 24ª edição da Semana Roseana

Evento dedicado à vida e à obra de Guimarães Rosa tem como tema a histórica viagem realizada pelo sertão mineiro, em 1952





O Museu Casa Guimarães Rosa, instituição vinculada à Superintendência de Museus e Artes Visuais da Secretaria de Estado de Cultura, promove a 24ª edição da Semana Roseana, evento dedicado à divulgação e estudo da obra do escritor mineiro Guimarães Rosa. Realizada anualmente no município de Cordisburgo, terra natal do escritor, na Região Central do Estado, a Semana Roseana oferece uma programação variada de atividades culturais e oficinas gratuitas, tendo como tema a vida e a literatura produzida por Rosa. Entre as atividades programadas, estão oficinas de produção de texto, bordado, literatura, mesa redonda, debates, palestras, caminhada eco-literária e apresentações de teatro e música.

Este ano, o evento tem como tema “Guimarães Rosa: 60 anos da viagem pelo sertão de Minas”, uma homenagem à histórica viagem realizada por Guimarães Rosa pelo interior de Minas Gerais, em 1952, acompanhando um grupo de tropeiros por 10 dias. A jornada serviu de inspiração para obras-primas da literatura nacional como “Grande Sertão: Veredas”, “Corpo de Baile” e “Tutameia”.

A secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras, ressalta a importância da Semana Roseana tanto para divulgar a grandiosidade da obra do escritor, como para estreitar os laços entre a comunidade e o Museu Casa Guimarães Rosa. “Ao longo dos anos, o museu se firmou como centro nacional de referência para a literatura de Guimarães Rosa, por meio de seu rico acervo. Com a Semana Roseana, a instituição cumpre a importante missão de democratizar o acesso do público a esse acervo”, explica.

A Semana Roseana é um evento de repercussão nacional, que tem como objetivo promover a divulgação da obra de Guimarães Rosa, considerado um dos maiores escritores do século 20, responsável pela renovação da prosa e do romance brasileiro por meio de experimentos lingüísticos. Além de prestar homenagem ao trabalho do escritor, a Semana Roseana também ajuda a divulgar a cidade de Cordisburgo como destino atraente para turistas nacionais e internacionais, servindo de referência sobre a obra de Guimarães Rosa para intelectuais, artistas, professores e estudantes.

Criada em 1989 pela Academia Cordisburguense de Letras Guimarães Rosa, a ‘Semana Roseana’ é promovida pela Secretaria de Estado de Cultura, por meio da Superintendência de Museus e Artes Visuais e do Museu Casa Guimarães Rosa, pela Academia Cordisburguense de Letras Guimarães Rosa, pela Associação dos Amigos do Museu Casa Guimarães Rosa e pela Prefeitura Municipal de Cordisburgo, com apoio da Câmara Municipal do município.Crédito: Sumav
Antiga casa de Guimarães Rosa, em Cordisburgo, abriga hoje o museu em sua memória


Sobre o Museu Casa Guimarães Rosa– Inaugurado em 30 de março de 1974, na casa em que Guimarães Rosa nasceu e passou a infância em Cordisburgo, o Museu Casa Guimarães Rosa foi concebido como centro de referência da vida e obra do escritor. O acervo é composto por objetos de uso pessoal, doméstico e profissional, fotografias, edições nacionais e estrangeiras de obras do escritor, além de cerca de 700 documentos pessoais, como originais manuscritos e datilografados, originais do último livro publicado “Tutameia”, e correspondências que ele manteve com seu pai e com um amigo, Pedro Barbosa.

Concebido pela Secretaria de Estado de Cultura, por meio da Superintendência de Museus e Artes Visuais, a missão do Museu Casa Guimarães Rosa é preservar, pesquisar e difundir a obra de Guimarães Rosa, desenvolvendo projetos de atuação na comunidade e no conjunto de bens culturais e naturais de Cordisburgo e cidades vizinhas. O projeto tem ainda parceria com a Associação de Amigos do Museu, que se envolve diretamente nas ações educativas.

A instituição desempenha, ainda, papel de destaque na dinâmica cultural do Circuito Guimarães Rosa, formado pelos municípios de Araçaí, Curvelo, Inimutaba, Presidente Juscelino, Corinto, Morro da Garça, Felixlândia, Lassance, Várzea da Palma, Três Marias, Pirapora e Buritizeiro, região que foi percorrida por Rosa durante o ano de 1952.

O Museu Casa Guimarães Rosa vem se firmando, desde a década de 1980, como centro de atração de pesquisadores nacionais e internacionais, interessados em conhecer o seu acervo museológico, bem como o patrimônio cultural e ambiental disperso nas áreas urbana e rural do município de Cordisburgo, paisagem que deixou marcas indeléveis expressas na obra do escritor. Em 2011 o Museu recebeu 32.217 visitantes.Crédito: Sumav
Foto de Guimarães Rosa em seu escritório


Sobre a viagem de 1952– Algumas viagens entraram para a história. Outras entraram também para a literatura. Foi o que aconteceu com o escritor João Guimarães Rosa quando, em maio de 1952, há 60 anos, se lançou em uma empreitada pelo sertão mineiro que marcaria sua vida e sua obra. Acompanhado de oito vaqueiros e levando 300 cabeças de gado, o escritor percorreu, em 10 dias, os 240 quilômetros que separam Três Marias e Araçaí, na região central de Minas Gerais.

Durante o trajeto, Rosa trazia amarrada ao pescoço uma caderneta, onde anotava tudo que via e ouvia – as conversas com os vaqueiros, as sensações, as dificuldades e tudo que brotasse daquele mundo que ele reencontrava depois de anos vivendo como diplomata no exterior.

As cadernetas, que hoje fazem parte do acervo do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, foram reunidas em dois diários, que Rosa chamou de “A Boiada 1” e “A Boiada 2”. As anotações seriam utilizadas como elementos de suas próximas obras – entre elas, “Corpo de Baile”, “Grande Sertão: Veredas” (lançados em 1956) e “Tutameia”, de 1967.

No dia 16 de maio de 1952, o escritor chegava à fazenda Sirga, de seu primo Francisco Moreira, no município de Três Marias. Três dias mais tarde, a boiada partiria para a viagem, fazendo seu pouso em várias fazendas e vilarejos da região. Rosa fez questão de acompanhar o dia-a-dia dos vaqueiros em tudo, comendo da mesma comida – carne-seca, toucinho, feijão e arroz com pequi – e dormindo nos mesmos locais. Já próximo a Cordisburgo, etapa final da viagem, a comitiva teve um encontro com uma equipe da revista “O Cruzeiro”, que cobria a viagem do famoso autor de “Sagarana”.

As obras de Rosa possuem uma infinidade de referências diretas e indiretas à viagem de 1952. A principal delas está em “Corpo de Baile”, mais especificamente na novela “Uma Estória de Amor”, inspirada na vida de Manuel Nardy, um dos oito vaqueiros integrantes da comitiva. Ele aparece transfigurado no personagem de Manuel Jesus Rodrigues, o “Manuelzão”.

Outro vaqueiro que se destacou durante a viagem foi o João Henrique Ribeiro, o “Zito”. Embora não tenha ficado tão famoso quanto Manuel, era “Zito” quem seguia o tempo todo ao lado do escritor. Assumiu as funções de guia e de cozinheiro da tropa e tirava quase todas as dúvidas de Guimarães Rosa. Embora não tenha resultado na criação de um personagem, a relação entre “Zito” e o escritor também teve seu destaque na obra. A perspicácia do vaqueiro chamou tanto a atenção de Rosa que, anos mais tarde, ele o homenagearia em “Tutameia”, lançado no ano da morte do escritor. Em um dos quatro prefácios, Guimarães Rosa transcreve trechos de conversas com o vaqueiro e elogia sua inteligência e criatividade.



Evento: 24ª Semana Roseana – “Guimarães Rosa: 60 anos da viagem de 1952 pelo sertão de Minas”

Data: de 24 a 30 de junho

Local: Museu Casa Guimarães Rosa - Rua Padre João, 744, Cordisburgo – Minas Gerais

Informações: (31) 3269-1109