Listen to the text.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Mostra traça panorama da cultura indiana, do milenar ao contemporâneo

Em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo até 29 de abril, a exposição ÍNDIA! tem como proposta traçar um panorama da cultura indiana, do milenar ao contemporâneo. A mostra, apresentada em parceria com o SESC São Paulo, reúne mais de 350 peças, datadas de 200 antes de Cristo a 2011. São objetos de arte popular, fotografias, pinturas e esculturas sacras, alguns deles, itens dos museus de Arte Asiática (Berlim), Rietberg (Zurique), Volkenkunde (Leiden, na Holanda), do Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro).

Divulgação
Navagraha, os nove planetas. Escultura em pedra século XVI
Navagraha, os nove planetas. Escultura em pedra século XVI

Com curadoria geral de Pieter Tjabbes, holandês radicado no Brasil, a exposição está dividida em três blocos temáticos: "Homem", "Deuses" e "Formação da Índia Moderna". No primeiro, são mostrados objetos ligados ao cotidiano do povo indiano, entre eles, vestimentas, tecidos e instrumentos musicais.
Já em "Deuses", o público poderá conferir objetos e arte de distintas épocas, que explicam as principais religiões presentes na Índia: hinduismo, islamismo, cristianismo e budismo. Um dos destaque é o "Busto de figura feminina, aparentemente deusa-mãe", de 200 a.C., que equivale à Nossa Senhora para os católicos.
No bloco "Formação da Índia Moderna", é apresentado ao espectador gravuras, peças de mobiliários e uma seleção de fotografias antigas. Em meio as imagens, registros de Mahatma Gandhi durante o processo de independência da Índia em relação à Inglaterra, feitos por Homai Vyarawall, a primeira repórter fotográfica do país.
Uma das atrações da mostra é um yantra (altar), montado no hall de entrada, com a imagem de Ganesh, a mais conhecida e venerada representação de Deus no hinduísmo. O público poderá ainda ver de perto um tuk tuk, triciclo motorizado usado como táxi e figurinos produzidos para a novela "Caminho das Índias", exibida pela Rede Globo em 2009.
Sucesso de público no Rio de Janeiro, após a temporada em São Paulo, a mostra segue para Brasília em maio deste ano.
Exposição ÍNDIA!
Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo
Rua Álvares Penteado, 112, Centro 
Terça a domingo, das 9h às 21h, até 29 de abril 
Telefone:             (11) 3113-3651      
Entrada franca

Artistas plásticos do Rio lançam museu virtual de cartões-postais

O Museu de Arte Postal, lançado este mês na internet ( www.museudeartepostal.com.br ), tem como proposta básica fazer a arte circular na rede mundial de computadores.

Brasília - A iniciativa de um grupo de artistas plásticos do Rio de Janeiro revive, em plena era virtual, uma forma de difundir a arte que remete às primeiras décadas do século 20: os cartões-postais. Artistas ligados aos movimentos futurista e dadaísta foram os precursores dessa experiência estética. Mais tarde, ela foi a saída encontrada para a arte em países sob regimes ditatoriais, em que as galerias e os espaços culturais eram fechados aos artistas dissidentes.

O Museu de Arte Postal, lançado este mês na internet (www.museudeartepostal.com.br), tem como proposta básica fazer a arte circular na rede mundial de computadores, e, ao mesmo tempo, difundir o colecionismo em público que não tem poder aquisitivo para comprar obras no mercado de arte. Cada edição com quatro postais, numerados e assinados, pode ser adquirida por R$ 20.

“O preço não objetiva o lucro, apenas cobre os gastos com a impressão”, afirma o artista plástico Marco Antonio Portela, criador do projeto. “Pretendemos estimular o colecionismo, mas nosso intuito básico é fazer a arte circular, seja fisicamente, por quem adquirir as obras, ou virtualmente, na rede mundial de computadores”, acrescenta.

Para Portela, a iniciativa também representa um resgate do cartão-postal como forma de comunicação entre as pessoas, “em uma época, como a atual, em que a virtualidade acabou sufocando a correspondência tradicional, pelo correio”. Ele considera uma obra de arte impressa em cartão-postal tão válida como as produzidas em suportes tradicionais, em telas, por exemplo. “Estamos na pós-modernidade. Qualquer coisa hoje é o suporte. Não existe mais essa obrigatoriedade da tinta, da prata. Se o artista aceita sua obra impressa em gráfica sob a forma de postal e assina, isso é o que vale”, defende.

O Museu de Arte Postal está na rede com obras de quatro artistas: Rogério Reis, Carolina Valansi, Suzana Queiroga e Gustavo Speridião. A cada dois meses, o acervo virtual será enriquecido com obras de mais quatro artistas. Os próximos, em abril, serão Bob N, Vicente de Mello, Luiz Ernesto e Julia Debasse.

fonte:

São Paulo recebe 1º Fórum Internacional de Gestão Cultural

Nos dias 21, 22 e 23 de março, São Paulo vai receber o I Fórum Internacional de Gestão Cultural: Para Além do Mercado. O encontro é organizado pelo Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Comunicação e Cultura (CELACC), núcleo de pesquisas da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, em parceria com a Livraria Cultura.
O evento vai reunir acadêmicos, gestores culturais, autoridades, estudiosos, artistas, estudantes e demais interessados nas áreas de gestão e cultura da Espanha, de países latino-americanos e do Brasil, para construir coletivamente reflexões sobre cultura e as atividades desempenhadas por cada um dos atores.
A programação inclui discussões sobre temas como as políticas de incentivo à cultura, a geopolítica do setor, a relevância da economia criativa e o papel do gestor cultural neste cenário.
Mais informações no site www.forumigc.com/forum.