quinta-feira, 8 de março de 2012

Con motivo del 8 de marzo, Día Internacional de la Mujer, presentaremos en este boletín las contribuciones de los voluntarios en línea a los esfuerzos de las Naciones Unidas y de sus asociados por poner fin a la violencia contra las mujeres.

En 2008 el Secretario General de las Naciones Unidas, Ban Ki-moon, lanzó la campaña “ÚNETE para poner fin a la violencia contra las mujeres”. Era un llamamiento a los gobiernos, la sociedad civil, las organizaciones de mujeres, los jóvenes, el sector privado y los medios de comunicación a aunar esfuerzos con el sistema de las Naciones Unidas para combatir la pandemia global de violencia contra las mujeres. Esta iniciativa plurianual tiene como propósito prevenir y eliminar la violencia contra las mujeres y las niñas en todo el mundo.

Con motivo del 8 de marzo, Día Internacional de la Mujer, presentaremos en este boletín las contribuciones de los voluntarios en línea a los esfuerzos de las Naciones Unidas y de sus asociados por poner fin a la violencia contra las mujeres.

Asimismo compartiremos con ustedes algunos hechos y cifras del voluntariado en línea en 2011. Invitamos además a la comunidad del voluntariado en línea a participar en el concurso auspiciado por el programa VNU que, en vísperas de la conferencia Rio+20, busca reunir y difundir buenas prácticas que demuestren el impacto de los voluntarios, la acción comunitaria voluntaria y la participación cívica en la consecución de los Objetivos de Desarrollo del Milenio (ODM) y en el desarrollo sostenible.





Atentamente,
El equipo del servicio Voluntariado en Línea

A FAPESP e a Springer Brasil realizarão, no dia 16 de março, a partir das 9 horas, o workshop How to Write for and Get Published in Scientific Journals, no auditório da Fundação, em São Paulo.

Evento gratuito em SP mostra como o pesquisador ser publicado em periódicos científicos

O encontro, gratuito e aberto ao público, abordará o tema "Conselhos práticos de como publicar exitosamente seguindo normas internacionais na área de comunicação científica"



O encontro, gratuito e aberto ao público, abordará o tema "Conselhos práticos de como publicar exitosamente seguindo normas internacionais na área de comunicação científica".

"Research and Scientific Publishing: Chances and Opportunities for Researchers in Brazil" será o tema da palestra de Harry Blom. Em seguida, Mariana Biojone falará sobre "Author Services: Support When You Publish With Springer".
Após o intervalo, Daniel McGowan abordará o tema "How to Write for and Get Published in Scientific Journals".

Blom é astrofísico pela Universidade de Utrecht com doutorado pela Universidade de Leiden na área de fontes de raios gama no espaço. Fez pós-doutorado em Puebla, México. Voltou à Holanda para se tornar editor da Kluwer Academic Publishers onde desenvolveu o catálogo de livros e revistas em astronomia.

Em 2004, logo após a fusão da Springer e da Kluwer, mudou-se para Nova York onde foi nomeado chefe do departamento editorial de física e astronomia. Expandiu o catálogo de livros científicos populares da Springer e, desde novembro de 2010, divide seu tempo entre Nova York e São Paulo, desenvolvendo as atividades de publicação da Springer no Brasil.

McGowan trabalhou com pesquisas na área de mecanismos moleculares das doenças de Parkinson e Huntington, possuindo conhecimento profundo de doenças neurodegenerativas, função neural, zoologia marinha, biologia molecular e celular e, bioquímica de proteínas.

De 2005 a outubro de 2006, antes de se tornar editor da Edanz, foi editor associado da Nature Reviews Neuroscience. Atualmente, é diretor do Grupo de Ciências da Edanz.

Mariana Biojone possui graduação em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade de São Paulo (USP), mestrado em Ciência da Informação e Documentação pela USP e mestrado em Políticas Públicas Internacional com ênfase em Desenvolvimento Internacional pela School of Advanced International Studies (SAIS) da Johns Hopkins University.

Biojone principalmente na área de ciência da informação e gestão de conhecimento por meio da promoção de políticas de acesso a informação, criação e fortalecimento de redes de conhecimento e alianças estratégicas como instrumentos para o desenvolvimento econômico e social. Foi gerente da SciELO na Bireme, chefe da Biblioteca Jurídica do Banco Interamericano de Desenvolvimento e atualmente é editor sênior de Desenvolvimento de Negócios na Springer Brasil

Parte das palestras serão proferidas em inglês, sem tradução simultânea.
O workshop ocorrerá no Auditório Governador Carlos Alberto de Carvalho Pinto da FAPESP, rua Pio XI nº 1500, Alto da Lapa, São Paulo.


Curta o Administradores no Facebook e siga os nossos posts no @admnews.

Museu Paranaense oferece curso de língua Guarani

Em parceria com o Laboratório de Interculturalidade e Diversidade da Universidade Federal do Paraná do litoral e o Programa de Educação Tutorial – Conexão de Saberes, o Museu Paranaense oferece a partir do dia 20 de março o curso de Língua e Cultura Guarani. As matrículas já estão abertas e podem ser feitas pelo e-mailmariafernanda@seec.pr.gov.br ou pelo telefone             (41) 3304 3332      .

O curso será ministrado por acadêmicos indígenas mbyá-guarani, estudantes da UFPR e bolsistas PET, tendo como público alvo professores, funcionários públicos, estudantes e demais interessados. As aulas acontecem às terças-feiras (Introdução à língua e cultura Guarani) ou quintas-feiras (Curso de língua e cultura Guarani – módulo I), de acordo com o nivelamento do estudante, das 17 às 18h45, no auditório do Museu Paranaense. O curso, recomendado para maiores de 16 anos, é gratuito e com 30 vagas em cada módulo.

A intenção do curso é apresentar aspectos da cultura mbyá-guarani e a influência na formação da identidade do povo paranaense, divulgando a cultura e sensibilizando a sociedade sobre a presença indígena, a valorização das raízes culturais e da diversidade do povo brasileiro.


Serviço

Curso de língua e cultura Guarani
Terças-feiras (a partir de 20 de março), das 17 às 18h45 – Introdução à língua e cultura Guarani.
Quintas-feiras (a partir de 22 de março), das 17 às 18h45 – Curso de língua e cultura Guarani - módulo I.
Matrículas pelo e-mail mariafernanda@seec.pr.gov.br ou pelo telefone             (41) 3304 3332      .
Museu Paranaense (Rua Kellers, 289 – São Francisco).
Gratuito.

fonte:

Panorama de Borodino transformado em museu multimídia

O museu Panorama da Batalha de Borodino reabriu em Moscou após reconstrução. O novo conjunto memorial abriu as portas aos visitantes na avenida Kutuzov: o gigantesco panorama de 115 metros de comprimento e de 15 metros de altura, que representa a principal batalha da guerra contra Napoleão em 1812, foi restaurado. Foi instalado novo e moderno sistema de iluminação e renovado o próprio prédio do museu. A exposição é completada com centenas de amostras históricas raras.




 

Foto: RIA Novosti

No Verão de 1812, o grande Exército de Napoleão atravessou a fronteira da Rússia. O conquistador da Europa não podia supor na altura que as suas forças iriam ser derrotadas dentro de seis meses. A Batalha de Borodino foi o acontecimento-chave da Guerra Patriótica. Posteriormente, no exílio, o Imperador francês vencido reconheceria que “das suas 50 batalhas, na de Borodino os soldados mostram a maior valentia mas alcançarem o menor êxito. Neste combate, os franceses mostraram-se dignos de vencer, enquanto os russos mereceram o direito a ser invencíveis”.

O museu Batalha de Borodino foi inaugurado na véspera do centenário da Guerra de 1812, no qual foi exibido só o panorama circular da batalha, criado por Franz Roubaud, por encargo do Imperador Nicolau II. O pintor académico fez este enorme quadro com uma precisão documental, viajando para o local da batalha, fazendo centenas de esboços e passando várias horas em arquivos militares.
Agora a “Batalha de Borodino” é um museu multimídia do futuro. Standsinterativos permitem aos visitantes conhecer em ecrãs não apenas pormenores do quadro, mas também obter comentários históricos. “Fizemos tudo para concluir os trabalhos antes do 200º aniversário da Guerra Patriótica de 1812”, diz o vice-diretor do museu, Vladimir Presnov:

"Os visitantes poderão ver uma exposição absolutamente nova com a utilização de inúmeras tecnologias contemporâneas. Destaque-se que o museu não era adaptado para a receção de grupos de pessoas com capacidades limitadas, que agora podem visitar o panorama e encontrar ali muitas coisas interessantes".

Numa sala do museu está patente a exposição Honra do Dia de Borodino, na qual são reunidos objetos únicos – artigos pessoais do comandante do exército russo, Mikhail Golenischev-Kutuzov, e de participantes das guerras napoleónicas. Grande atenção atraem também quadros da batalha, retratos de heróis, armas, uniformes e equipamentos dos dois exércitos, continua Vladimir Presnov:
"Durante a preparação da exposição, o museu adquiriu mais de 400 peças únicas. São coleções de armas, de porcelana, de pinturas e de muitos outros objetos raros".

Para além disso, após um longo intervalo, será reaberta a chamadaIsbá de Kutuzov, uma casa de madeira situada perto do museu, onde se reproduz o conhecido conselho militar em Fili, convocado pelo marechal de campo Kutuzov após a batalha em Borodino contra o exército de Napoleão.

fonte:

Museu dos Vapores Comandante Antônio de Souza 1º



Nesta semana, a cidade de Pirapora, no Norte de Minas, inaugurou o museu dos Vapores Comandante Antônio de Souza 1º. Na solenidade de inauguração do museu dos vapores, os fluviários ilustres que contribuíram com a história da navegação do São Francisco foram homenageados. Receberam homenagens, Manoel do Rêgo Neves, figura exponencial no gerenciamento da companhia de navegação do São Francisco, João Francisco de Souza (João de Félix), referência dos remeiros e fluviários. 

Para a filha do lendário Comandante Antônio de Souza, Deusa de Souza,  a homenagem representa a valorização do trabalho do pai e tem a dimensão do amor que ele tinha pelo vapor, pela navegação.

- Ele trabalhou na construção do vapor São Francisco e em 1938 fez o curso de piloto fluvial passando a exercer a função de capitão de navio. No próximo dia 13 de junho meu pai completaria 110 anos, por isto estamos ainda mais emocionados, afirmou.

Para o prefeito Warmillon Fonseca Braga, a homenagem é importante por permitir o reconhecimento do senhor Antônio de Souza Filho, que através de sua sensibilidade teve a ideia de trazer para o museu do vapor, a antiga caldeira,  ferramenta que simboliza toda uma história da navegação do vapor Benjamim Guimarães.

-Daqui a 100 anos, as pessoas poderão visitar a antiga caldeira e outras peças da história da embarcação de Pirapora, do Benjamim e de  outros vapores famosos, como Saldanha Marinho, São Francisco e outros, lembrou.

Após as homenagens, foi realizado o descerramento da placa comemorativa e o desenlace da fita inaugural do museu dos vapores. No encerramento do evento, aconteceu também a entrega do Diário de Bordo, às pessoas ilustres que participaram do passeio histórico no vapor Benjamim Guimarães.


Nascido em Juazeiro na Bahia, Antônio de Souza veio para Pirapora em 1918 e recebeu a homenagem por dedicar 47 anos de sua vida à navegação do são Francisco.  Ele trabalhou na construção do vapor São Francisco e em 1938 fez o curso de piloto fluvial passando a exercer a função de capitão de navio. Antônio de Souza 1º foi também diretor do sindicato dos fluviários. 

fonte:
 

Seminario no MAM - Ibirapuera

Quarta-Feira, 7 de Março


Mesa 1 [Espaços museológicos]

Esta mesa-redonda abordará a visão de arquitetos sobre espaços expositivos e mobiliário de exposição para a produção contemporânea, que em princípio pode se apresentar sob qualquer forma material (ou mesmo imaterial).

Convidados: 
André Vainer
Guilherme Wisnik


Mediação:
Lauro Cavalcanti
12.30-14.30

Pausa

14.30-16.30

Mesa 2 [Plataformas de curadoria]

Os desafios para exibição da arte contemporânea do ponto de vista de um artista que trabalha com a história dos espaços expositivos e do ponto de vista de um curador de uma instituição inserida num parque público.

Convidados: 
Nicolás Guagnini
Paul Nesbitt


Mediação:
Felipe Chaimovich
10.30-12.30

Quinta-Feira, 8 de Março


Mesa 3 [Gestão de acervos]

A problemática da preservação da obra de arte contemporânea é discutida entre conservadores de coleções museológicas e restauradores de instituições e particulares. Esses profissionais necessitam da orientação do artista como executor do trabalho. O artista colabora com a preservação da obra apresentando para a instituição esquemas de montagem e entrevistas, métodos que auxiliam a conservação do trabalho tanto na reserva técnica quanto no espaço expositivo. Esses documentos envolvem não só o conservador e o restaurador, mas também o setor curatorial e o setor educativo.

Convidados: 
Humberto Farias de Carvalhoi
Isis Baldini
Marcelo Cidade


Mediação:
Lívia Lira
12.30-14.30

Pausa

14.30-16.30

Mesa 4 [Conexões e diversidade]

Esta mesa-redonda abordará os desafios de democratização das instituições de arte contemporânea por meio de setores dedicados à mediação educativa e ao atendimento ao público diverso. Considerando o potencial da arte contemporânea para desencadear reflexões críticas acerca dos valores estabelecidos e inspirar novas possibilidades, os museus têm a sua área de atuação ampliada, podendo inspirar significativas transformações sociais.

Convidados: 
Ronald Ligtenberg
Sangeeta Isvaran


Mediação:
Daina Leyton
10.30-12.30

Sexta-Feira, 9 de Março


Mesa 5 [Acervo e seus "despojos": o arquivo performativo]

Recentemente muito se tem discutido a função dos acervos e arquivos nos museus e instituições culturais. Esses setores passaram a ser entendidos não apenas como depositários de obras ou documentos, mas como irradiadores de conhecimento e "modos de operar", com a capacidade de ensinar tanto ao próprio museu, de maneira particular, como ao sistema da cultura como um todo. O que resta depois que a obra de arte entra para o acervo da instituição, e como se posicionar para que ela se mantenha viva e operante, dentro e fora do contexto museológico?

Convidados: 
Carla Zaccagnini
Magali Arriola 


Mediação:
Fernando Oliva
12.30-14.30

Pausa

14.30-16.30

Mesa 6 [Economia criativa]

Esta mesa-redonda abordará alternativas ao financiamento via leis de incentivo, visando a discutir iniciativas brasileiras e internacionais para tornar uma instituição cultural sustentável por meio de patentes e iniciativas inovadoras.

Convidados: 
Ana Carla Fonseca Reis
Cláudia Sousa Leitão


Mediação:
Felipe Chaimovichh