sábado, 17 de março de 2012

Bragança (PT): Museu vai inventariar arquivo do Abade de Baçal

Bragança, 17 mar 2012 (Ecclesia) – O arquivo privado do Abade de Baçal, Francisco Manuel Alves, incluindo a correspondência que manteve com 300 personalidades portuguesas e estrangeiras ligadas à cultura e ao pensamento, vai ser integralmente inventariado.

O projeto do Museu do Abade de Baçal, em Bragança, envolve o tratamento de 20 mil documentos e cinco mil cartas, que segundo a diretora da instituição constitui um “acervo extraordinário para o estudo da região”.

“Muitas vezes esta história é desconhecida, pelo que é extraordinário ter este imenso potencial que pode ser estudado”, declarou Ana Maria Afonso ao jornal Mensageiro de Bragança, acrescentando que a catalogação vai permitir a “realização de imensos trabalhos”.

O estudo possibilita o conhecimento do quotidiano do sacerdote católico, o que poderá revelar novos dados sobre a história da região, especialmente durante o período que antecedeu a implantação da República, a 5 de outubro de 1910.

A inventariação financiada em 15 mil euros pela Fundação Calouste Gulbenkian abrange o arquivo do museu, composto por peças e documentos que começaram a ser reunidos há cem anos pelo arqueólogo e historiador português que viveu entre 1865 e 1947.

Ana Maria Afonso referiu que quer tornar o arquivo acessível ao público e anunciou que está a procurar mais fontes de financiamento para proceder ao tratamento do acervo do escritor Trindade Coelho, natural de Mogadouro.
“Temos aqui um diamante em bruto cujo estudo vai permitir novas leituras, novas abordagens e o enriquecimento do próprio museu”, afirmou ao jornal ligado à Diocese de Bragança-Miranda.

A primeira fase do projeto, compreendendo o tratamento de documentos e de jornais da época, deverá estar concluída até junho.

O material a inventariar abarca uma coleção de fotografia, com negativos em vidro sobre a região considerados “preciosidades”, bem como documentos relacionados com a vida privada do religioso.

fonte;

Ampliação dos espaços museológicos em Bauru

A Prefeitura Municipal de Bauru, através de sua Secretaria Municipal de Cultura, comandada por Elson Reis, vive um momento de muita expectativa com a real possibilidade de receber todo o acervo do quase extinto Núcleo de Documentação Gabriel Ruiz Pelegrina, da USC (Universidade Sagrado Coração). O fato é esse e, como ocorrem as tratativas da transferência, fogem da análise de quem delas não participam. Ressalta aos olhos o acervo de relevada importância amealhado ao longo de décadas, parte significativa da história de Bauru. Documentos, coleções, fotos e peças, essas além da importância, ocupando amplo espaço físico. 

A transferência gera preocupações e apreensões. Circulam comentários de que parte do acervo possa estar sendo devolvido para doadores. Inconcebível isso e ótimo que tudo venha para os cuidados da Cultura municipal, pois diferente de qualquer fundação ou entidade privada, pode ser mais bem fiscalizada. Mantido em local adequado, com profissionais capacitados, o doador sentirá segurança na doação. O fato a gerar discussão é sobre o local do novo acervo. Existe no momento um insipiente início de restauro da antiga Estação da Cia Paulista, que abrigará os museus Histórico e o da Imagem e do Som. A verba já está disponibilizada e a dificuldade reside em encontrar quem efetue o serviço, devido ao atual aquecimento do mercado da construção civil. Portanto, hipótese descartada. 

Urgente encontrar esse local, útil também na recepção de novos acervos. No amplo galpão defronte à Feira do Rolo, nenhuma condição, pois ali é um mero depósito, além da inviabilidade da retirada de algo exposto e colocá-lo noutro inadequado. Sem contar no andamento da implantação ali do futuro Memorial da Indústria de Bauru. Junto ao Museu Ferroviário também não será possível, pois seu espaço físico já está no limite, praticamente sem espaço para ampliação de uma mera Reserva Técnica.

E em qual espaço o rico acervo poderia ser transferido? Polêmicas à parte, a seguir uma real possibilidade. Existe um amplo projeto para o futuro e que, diante da imediata necessidade, mereceria discussão sobre sua utilização de forma antecipada. Trata-se de todo o triângulo arquitetônico localizado entre as ruas Nóbile de Piero e 1º de Agosto, já abrigando num dos cantos o Museu Ferroviário e que poderia ser todo cedido para a Prefeitura. Propriedade do Governo Federal, estão ali também instalados os escritórios do Sesef (Serviço Social das Estradas de Ferro) e o remanescente da Inventariança da extinta RFFSA, hoje praticamente encerrando suas atividades, além do Clube dos Engenheiros Aposentados da RFFSA. O pedido da cessão definitiva junto ao Governo Federal deve partir da Prefeitura Municipal, antecipando-se à sua inclusão em leilão de bens arrolados na Inventariança. Acredita-se que o Executivo Municipal já tenha tomado essa providência, como o fez no passado com o espaço do museu. Usando de sua força política junto a Brasília, tudo seria sacramentado, aliado de negociação baseada no bom senso, reunindo os atuais ocupantes e sob liderança do prefeito e dos representantes da Inventariança. Estaria formatada a transição. 

Rapidez nos encaminhamentos. É isso o que se espera de todos os envolvidos e, mais, que a discussão ocorra sem a paixão do pensar somente em si. Bauru ganhará muito com isso e nossos espaços museológicos poderão finalmente ter uma real e necessária ampliação de suas possibilidades. Não devem existir grandes empecilhos para esse breve encaminhamento. O “não” existe para ser transposto. A necessidade é para “ontem” e se assim quiserem todos os envolvidos, seus nomes estarão inscritos na história. E por que não começar já? Quem liga para quem? Bauru aguardará ansioso por esse desfecho. A AAMB e a APFFB colocam-se desde já à inteira disposição para colaborar no que for preciso.

O autor, Henrique Perazzi de Aquino, é presidente da AAMB - Associação Amigos dos Museus de Bauru - e Ricardo Bagnato, vice-presidente da APFFB - Associação Bauruense de Ferromodelismo e Preservação Ferroviária 


fonte:
http://www.jcnet.com.br/editorias_noticias.php?codigo=221994

A SP Leituras abre processo seletivo para preenchimento da vaga de Assistente Social para a Biblioteca de São Paulo.


Carga horária: 6 horas – de terça a sexta-feira e sábados e domingos alternados.

Formação: Graduação em Serviço Social.

Experiência em:
- atendimento às pessoas em vulnerabilidade (situação de rua, comunidades vulneráveis, crianças e adolescentes institucionalizadas em abrigos, semi-liberdade);
- conhecimento do Estatuto da Criança e Adolescentes (ECA), Política Nacional de Assistência Social (PNAS), Sistema Único de Assistência Social (SUAS), Sistema de Garantia de Direito (SGD), Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, Estatuto do Idoso e Estatuto de Pessoas com Deficiências.

O candidato deverá:
- prestar assistência social, orientando indivíduos, famílias, comunidade e a própria instituição, sobre direitos e deveres;
- planejar serviços e encaminhamento para os recursos sociais;
- executar programas socioculturais e educacionais na BSP.

Salário: a combinar.

Benefícios oferecidos:
Vale-transporte
Vale-refeição ou alimentação
Assistência médica
Assistência odontológica
Convênio farmácia

Os interessados deverão encaminhar currículo para contato@spleituras.org, até 25 de março de 2012.

Circuito tem 120 entradas espalhadas pela cidade, com 32 km que conectam lojas, MUSEUS, shoppings, estações de trem e até universidades

Conheça atrações turísticas nas entranhas da Terra

a Península de Yucatán, no litoral leste do México, tem cavernas subterrâneas chamadas de cenotes, que atraem mergulhadores do mundo inteiro. Foto: Aktunchen Eco Park/Divulgação a Península de Yucatán, no litoral leste do México, tem cavernas subterrâneas chamadas de "cenotes", que atraem mergulhadores do mundo inteiro
Foto: Aktunchen Eco Park/Divulgação


É possível sair do comum até nos destinos turísticos mais visitados do planeta, como Paris ou Roma. Basta, por exemplo, descer nas suas entranhas e percorrer estas cidades pelos subsolos. Túneis, cavernas e refúgios são algumas das opções de passeios subterrâneos selecionadas pela revista National Geographic, confira:
 
1) Montreal Subterrâneo, Canadá
Durante boa parte do ano, o Canadá tem temperaturas extremamente baixas. Para que seus habitantes possam andar sem precisar encarar o frio , a cidade de Montreal tem a maior rede subterrânea criada pelo homem no mundo. O circuito tem 120 entradas espalhadas pela cidade, com 32 km que conectam lojas, museus, shoppings, estações de trem e até universidades.

2) Parque Nacional de Mammoth Cave, Estados Unidos
Situado no centro do Estado de Kentucky, o Parque Nacional de Mammoth Cave é um dos maiores e mais antigos circuitos de cavernas do mundo, formado há cerca de dez milhões de anos. São mais de 600 km de galerias, com cavernas, formações geológicas e rios subterrâneos.

3) Actun Chen Eco Park, México
A Península de Yucatán, no litoral leste do México, tem cavernas subterrâneas chamadas de "cenotes", que atraem mergulhadores do mundo inteiro. No Actun Chen Eco Park, é possível explorar cavernas a a pé, com formações rochosas, estalactites e estalagmites e fósseis, ou mergulhar em belos cenotes locais.

4) Túneis de Cu Chi, Vietnã
A cerca de 40 km de Ho Chi Minh, capital do Vietnã, os túneis de Cu Chi foram essenciais durante a guerra que o país enfrentou contra os Estados Unidos. Numa rede de mais de 200 km, os túneis, que podem ser visitados, são uma espécie cidade subterrânea, com quartos, salas, e até um hospital.

5) Hannan's North Mine, Austrália
A região de Kalgoorlie, no sudoeste da Austrália, extrai cerca de 10 % do ouro mundial. A mina de Hannan's North Mine está preparada para receber turistas prontos a descer trinta metros em elevadores para conhecer túneis cavados durante a corrida do ouro, no século dezenove. A mina encontra-se atualmente fechada para turistas enquanto algumas renovações são feitas, mas será reaberta em breve.

6) Mina de Sal de Wieliczka, Polônia
A extração de sal já foi tão importante no mundo quanto é hoje a de petróleo. Na cidade polonesa de Cracóvia, nove séculos de exploração criaram quilômetros de passagens subterrâneas e cavernas a mais de 130 metros de profundidade. Cerca de um milhão de pessoas por ano visitam o local, que conta com capelas e estátuas talhadas em sal, e faz parte do Patrimônio Mundial da Humanidade segundo a UNESCO.

7) Bunker Nuclear de Berlim, Alemanha
Após alguns instantes para se acostumar à escuridão, a imagem do Bunker Nuclear de Berlim é bastante assustadora. Este refúgio construído em 1971 com capacidade para mais de 3.500 pessoas é frio e silencioso e podia operar por até quatorze dias em caso de um ataque nuclear.

8) Esgotos de Paris, França
Todos os dias, mais de um milhão de metros cúbicos de águas residuárias correm a través deste sistema de esgotos de 2092 km. Trata-se dos esgotos de Paris que você pode visitar aprendendo sobre o funcionamento deste sistema escondido, mas essencial para o dia a dia de qualquer cidade.

9) Catacumbas de Roma, Itália
É possível percorrer galerias, câmaras e igrejas sob a capital italiana, originárias dos primeiros anos do cristianismo. As catacumbas romanas funcionavam como cemitério e contam com cinco andares subterrâneos e mais de 20 km de túneis, com túmulos de pessoas que viveram na época de Jesus.

10) Grande Pirâmide de Gizé, Egito
Descendo 101 metros por uma passagem de apenas um metro de largura, dentro de uma das maiores maravilhas da humanidade, chega-se ao coração da Grande Pirâmide de Gizé. Dentro deste incrível santuário encontra-se um sarcófago e muitos mistérios que arqueólogos e cientistas não conseguem desvendar, mais de 5 mil anos após a construção da pirâmide. 

fonte:
http://vidaeestilo.terra.com.br/turismo/noticias/0,,OI5666255-EI18236,00-Conheca+atracoes+turisticas+nas+entranhas+da+Terra.html