Listen to the text.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Aldeia Karajá recebe certificado de Patrimônio Cultural do Brasil

Em cerimônia realizada neste domingo, 1º de abril, na aldeia Santa Izabel do Morro na Ilha do Bananal, foi entregue às mulheres ceramistas da nação Karajá, o certificado de Patrimônio Cultural do Brasil pela boneca “Rtxoco”, arte desenvolvida por elas.

Participaram da cerimônia, a secretária de Estado da Cultura, Kátia Rocha, a presidente da Fapt – Fundação de Amparo à Pesquisa do Tocantins, Andrea Stival, e os secretários de Estado da Agricultura e da Educação, respectivamente 

Jaime Café e Danilo de Melo que, na ocasião, representava o governador Siqueira Campos, e representantes do Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Tocantins, Goiás e Brasília.

Na oportunidade, a secretária Kátia Rocha falou sobre o empenho do Governo do Estado, através da transversalidade nas Secretarias, de levar o desenvolvimento às comunidades indígenas, apoiando, preservando e divulgando seus hábitos e costumes e possibilitando o acesso às oportunidades, principalmente aos mais jovens. 


O Secretário da Agricultura, Jaime Café, falou dos projetos que serão desenvolvidos nas comunidades indígenas com vistas a levar novas tecnologias na agricultura, que garantam boa produtividade com sustentabilidade e assim, a subsistência digna das comunidades.

 O secretário Danilo de Melo, por sua vez, transmitiu aos indígenas a mensagem do Governador Siqueira Campos, que determinou, entre outras medidas, que sejam trocados todo o mobiliário e os utensílios das escolas nas comunidades indígenas, a construção de quadra coberta poliesportiva e de espaço para atividades culturais e ainda que sejam realizadas, a cada dez dias, reuniões com o Conselho de Educação Indígena, para definição e acompanhamento das ações do Governo pelas comunidades. Danilo garantiu também que as reivindicações feitas pela presidente da Associação das Mulheres Iny (Inã) Lenimar Werreria em seu discurso, de inclusão dos jovens indígenas nos projetos e programas da Secretaria da Educação e de outras secretarias nos quais eles ainda não estariam inclusos, serão atendidas.
 



Além dos líderes que discursaram no evento, diversas lideranças representando outras aldeias marcaram presença, entre elas o cacique Ixanduedu Karajá e o seu vice Wenona karajá, o coordenador técnico local da Funai – Fundação Nacional do Índio e líder comunitário pastor João Werreria, o vereador e cacique da aldeia Wataú Iwraro Karajá, o líder comunitário Idjarrina Karajá, o cacique Paulo Krumari Karajá da aldeia JK e o líder comunitário da aldeia Fontoura Daniel Coxini .

A coordenadora de Cultura Indígena da Secretaria da Cultura Narúbia Iny (Inã), que acompanhou a secretária Kátia Rocha, também discursou no evento, falando sobre o momento “tão significativo, que representa o reconhecimento da cultura indígena e do trabalho das mulheres Iny, cuja produção da boneca Ritxoco fortalece a identidade cultural do seu povo”, disse a coordenadora. A boneca Ritxoco será tema de uma exposição que a Secretaria da Cultura promove no próximo dia 19, no hall do auditório do Palácio Araguaia, em Palmas, como parte da programação de comemoração do dia do índio.


fonte:

Encontrado tesouro de família de aristocratas - surpreendeu também os experientes especialistas do Museu Hermitage.

Os trabalhadores contratados para fazer a reforma de uma mansão histórica na rua Tchaikovsky, em São Petersburgo, não imaginavam que iriam se deparar com dezenas de quilos de prata durante as obras. 
 
 veja as imagens em:
 
Os aparelhos encontrados numa sala secreta entre o segundo e terceiro andar do edifício estavam cuidadosamente embrulhados em jornais de 1917 e impregnados de vinagre para protegê-los contra oxidação.

“São louças e talheres para jantares de gala, é fantástico! Nunca havíamos encontrado nada parecido”, diz Vladislav Kirillov, diretor do departamento de preservação dos bens de valor cultural e histórico do Ministério do Interior em São Petersburgo e região de Leningrado.

Como a maioria dos objetos achado apresenta o brasão dos duques Naríchkin, os cientistas concluíram que o tesouro pertencia a essa família de aristocratas russos.

O tesouro encontrado no solar dos Naríchkin surpreendeu também os experientes especialistas do Museu Hermitage.

Segundo Marina Lopato, chefe do departamento de artes aplicadas da Europa Ocidental do Hermitage, os objetos seriam muito caros até mesmo para os padrões da época e deveriam fazer parte do acervo permanente de museus.

Salas secretas são típicas das casas históricas de estilo barroco. “A moda de fazer esconderijos e criar mecanismos secretos chegou à Rússia no século 18”, explica Ekaterina Staniukóvitch-Denísova, especialista em história de arquitetura e professora associada do departamento de história e arte russa da Universidade de São Petersburgo.

Valor do tesouro

“Pelas fotos dos objetos, posso dizer que alguns deles eram peças de um aparelho complexo. Portanto, o valor dos achados deve aumentar pelo menos 20%”, disse Svetlana Tchestníkh, perita da Casa Russa de Leilões, à agência Ria Nóvosti.

Uma vez que os artigos exibem o brasão de uma família nobre, seu valor aumentará mais 30% em relação aos demais objetos semelhantes em circulação no mercado. “Esses itens têm grande valor artístico, portanto, sorte do museu que os tiver em seu acervo”, disse.

Segundo a especialista, será necessário pelo menos um mês para analisar o tesouro encontrado, pois cada peça deve ser avaliada separadamente. “Os objetos encontrados são verdadeiras preciosidades do século 19”, completou.


O verdadeiro guardião

Entre as peças do tesouro foi encontrada uma licença do quartel expedida em nome do cadete da Escola Imperial de Direito, Serguêi Sómov, datada de 28 de maio de 1908.

A mansão dos Naríchkin está localizada no centro de São Petersburgo. Na década 50 do século 18, esse mesmo edifício era ocupado por duas casas, das quais uma pertencia ao bisavô africano do grande poeta russo Aleksandr Púchkin, Abram Gannibal.

Os dois prédios foram unidos e transformados em uma só casa pelo arquiteto Lehmann em 1832. Três anos depois, o casarão foi comprado pelo duque Vassíli Naríchkin e reconstruído a seu pedido pelo arquiteto Goedicke.
 

Também com o mesmo nome foi encontrado um comprovante da condecoração do major de cavalaria com a ordem da Águia Branca, datado de 20 de outubro de 1915.
“Talvez o tenente Sómov fosse um parente distante dos Naríchkin e guardião do tesouro depois que a família abandonou São Petersburgo”, informou em um comunicado o Comitê de Supervisão, Utilização e Proteção dos Monumentos (CCUPM).

Segundo a entidade, entre os objetos encontrados há vários conjuntos de talheres de prata produzidos por mestres russos e europeus, provavelmente encomendados pelos Naríchkin.

Tesouro sem destino

O representante da Casa Imperial dos Romanov na Rússia, Ivan Artsichévski, disse à Ria-Nóvosti que, segundo informações concedidas pelo serviço de emigração, o descendente mais próximo e autêntico dos Naríchkin vive atualmente na França.

“Sua avó nasceu Naríchkin”, disse Artsichévski, supondo que, após a notícia do tesouro, um grande número de pessoas com o mesmo sobrenome surjam na Rússia e no exterior para reclamar a herança.

No entanto, Artsichévski não se apressou em dizer que o Naríchkin da França irá assumir tal postura. A decisão de quem ficará com o tesouro, seja o Estado ou o eventual herdeiro, continua em aberto.

Svetlana Tchestníkh duvida de que possíveis herdeiros venham a contestar seus direitos. “Creio que o tesouro irá parar em um dos museus de São Petersburgo para integrar uma exposição permanente”, conta.

fonte:
 

Artesanato, design e cultura brasileira em Milão

Durante o Salão Internacional do Móvel em Milão, o artesanato, o design e a cultura brasileira estarão chamando a atenção do exigente público que frequenta a semana mais famosa de design do mundo. No evento Brasil S/A, no Palazzo Affari ai Giureconsulti, serão realizadas várias exposições, entre elas a Renda-se ao Brasil e Fronteiras.

Sob a curadoria da jornalista e crítica de design Maria Helena Estrada, a exposição Renda-se ao Brasil é resultado da criação de um grupo de designers brasileiros desafiados a elaborar peças inéditas feitas a partir de um corte de renda artesanal brasileira.

Renda-se ao Brasil: após o evento, as criações ficarão expostas no Brasil e, posteriormente, leiloadas para que a verba seja destinada a uma instituição beneficente.

A exposição Fronteiras foi organizada pela revista Casa Claudia para apresentar uma seleção de objetos de artesãos e designers brasileiros que transitam entre diversas áreas do conhecimento, como a arte, a moda, o artesanato e o design. Com curadoria de Pedro Ariel Santana, também diretor da revista, vários designers foram convidados a expor, entre  eles, o paulistano Marcelo Rosenbaum.

Cestos de palha de carnaúba do Piauí
Cestos da coleções inéditas Toca da Palha estarão em Milão. Os produtos são resultado do projeto A Gente Transforma no qual Marcelo Rosenbaum capacitou artesãos de Várzea Queimada, no Piauí.

Rosembaum exibirá uma pequena mostra de seu trabalho desenvolvido com artesãos das cinco regiões do país com técnicas manuais como cestaria, bordado, crochê, renda e tecelagem. Mas o destaque será para as coleções inéditas Toca da Palha e Toca da Borracha, resultados de seu projeto A Gente Transforma, que capacitou artesãos de Várzea Queimada, no Piauí. Serão apresentados objetos cestos, tabuleiros, máscaras e tapetes produzidos com palha de carnaúba e colares de frutas, chaveiros e fruteiras feitos de borracha.

Na agenda, também está prevista a mostra Acre – certificado de região com origem sustentável, com uma seleção de objetos e obras que permitem uma viagem virtual ao Estado do Acre, com curadoria de Marlúcia Cândida de Oliveira Neves e cenografia da Politécnica de Milão. 

Haverá também a exposição Casa Brasileira, no espaço da Apex-Brasil. Nesta, serão expostos objetos que lembram as casas típicas brasileiras. O projeto tem curadoria de Maria Helena Estrada e cenografia de Marko Brajovik.

De 17 a 22 de abril – das 10 às 20 horas
Palazzo Giureconsulti, no espaço Brazil S/A
Piazza Mercanti 2, centro de Milão


fonte: Babel da artes

Projeto incentiva instituição de programas culturais nas empresas

O deputado Airton Português (PSD) é autor de um projeto de lei que cria a “Cultura Cidadã em Mato Grosso”. O projeto consiste na adoção, por empresas socialmente responsáveis, de bibliotecas, centros e casas culturais, museus, teatros e outras fontes aos seus empregados e comunidade.

“Adotando um centro cultural, a empresa contribuirá com a proteção, manutenção e introdução de novas tecnologias durante todo o tempo da adesão ao projeto pelo seus colaboradores”, destacou ele.

“Vai proporcionar ainda espaço para que empresas com responsabilidade social vinculem-se a fontes de cultura do Estado que necessitem de preservação e cuidado, como todo e qualquer estabelecimento que tenha como objetivo principal transmitir a arte e informação”, frisou Português.

O parlamentar lembra que adotando isso, a empresa se torna grande incentivadora do setor no Estado, com evidente contrapartida na forma de publicidade institucional pela adequada e justa divulgação de sua contribuição.
O patrimônio cultural mato-grossense deve ser conservado para benefício das próximas gerações. A iniciativa irá se agregar a outras já existentes, possibilitando aos interessados – no caso, as empresas – optarem pelo instrumento que melhor lhes convier, segundo suas políticas internas de investimentos socioculturais.

Autor: ASSESSORIA
Fonte: O NORTÃO http://www.onortao.com.br/ler3.asp?id=54163
       

Projeto de arte do Google terá dois museus brasileiros

Em breve, internautas de todo o mundo poderão fazer um passeio virtual, como proposto pelo Google Art Project, por dois museus brasileiros: a Pinacoteca do Estado e o MAM-SP (Museu de Arte Moderna de São Paulo) vão se juntar às outras 17 instituições que já integram a iniciativa, lançada pelo Google em fevereiro do ano passado.

 Projeto permite ver mais de mil obras de 17 dos principais museus do mundo, como o Van Gogh, em Amsterdã ( foto ). Foto: Reprodução Projeto permite ver mais de mil obras de 17 dos principais museus do mundo, como o Van Gogh, em Amsterdã (foto)


Atualmente fazem parte do projeto peças como como "Noite estrelada" de Van Gogh, do Moma de Nova York, "A aparição de Cristo ao povo" de Alexander Ivanov, da Galeria Tretyakov de Moscou, ou "O nascimento de Vênus" de Sandro Botticelli, da Galleria Uffizi.

As obras são mostradas em resolução de 7 bilhões de pixels (uma qualidade de imagem mil vezes superior à das câmaras digitais convencionais), o que permite ver com visão microscópica os detalhes do traço.

O anúncio oficial da entrada dos museus brasileiros no projeto será feito pelo Google nesta terça-feira, em encontro na Pinacoteca.


fonte:
http://tecnologia.terra.com.br/noticias/0,,OI5699098-EI12884,00-Projeto+de+arte+do+Google+tera+dois+museus+brasileiros.html