Listen to the text.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Se iniciará em breve a Década do Patrimônio Museológico 2012-2022


Os atos comemorativos serão iniciados no dia 30 de maio em Santiago do Chile



















Apresentação

Em maio de 1972 foi assinada a Declaração da Mesa Redonda de Santiago do Chile, documento que ressaltou a importância e o desenvolvimento dos museus no mundo contemporâneo e sua contribuição para os planos educativos e de desenvolvimento social. O documento se converteu no grande marco da museologia social e em uma referência para as políticas públicas na Ibero-américa, marcando o avanço da área de museus na região durante as próximas quatro décadas em termos de institucionalização e de cooperação.

Seguindo essas diretrizes, e celebrando os quarenta anos da Mesa Redonda de Santiago do Chile em 2012, os representantes de museus da Ibero-América propuseram a criação da Década do Patrimônio Museológico (2012-2022). A iniciativa inclui a execução de ações de fortalecimento da área durante esse período, que culminará com a comemoração do cinqüentenário da Declaração da Mesa Redonda de Santiago do Chile em 2022.

Lançamento
Os atos comemorativos da Década serão iniciados no dia 30 de maio, às 18h30, no Museu Nacional de História Natural de Santiago do Chile com a colaboração da Direção de Bibliotecas, Arquivos e Museus (DIBAM).  A celebração terá a presença de autoridades da área de museus da Ibero-América e de organismos internacionais.

A identidade visual da Década, cuja imagem foi selecionada em concurso ibero-americano, será divulgada durante o ato inaugural.

Ainda em setembro deste ano, o projeto será apresentado no marco da UNESCO.

Objetivos da Década
A Década do Patrimônio Museológico incluirá celebrações e propostas de promoção e discussão, dando continuidade aos preceitos da Mesa Redonda de Santiago do Chile e terá como objetivos:

- Reafirmar os princípios emanados da Declaração da Mesa de Santiago do Chile de 1972 e planificar ações com sentido social e educativo.

- Fomentar a criação e a difusão de ações e eventos culturais que celebrem os princípios da Mesa de Santiago do Chile em todos os países da região.

- Visibilizar as ações no âmbito do patrimônio material e imaterial ibero-americano, especialmente aquelas dirigidas a entender os museus como agentes de transformação social e de valorização da identidade e da diversidade ibero-americanas.

- Evidenciar o papel dos museus na preservação e na construção das memórias e das identidades da Ibero-América.

- Fortalecer a Declaração da Cidade de Salvador, documento que se tornou a base das políticas públicas na área de museus na Ibero-América e que foi inspirado na Declaração da Mesa de Santiago do Chile.

- Divulgar a cooperação e a voz comum dos países ibero-americanos, expressos no Programa Ibermuseus.

- Estimular e fortalecer a integração e o intercâmbio entre os países da Ibero-América no setor de museus, da cultura e nos demais âmbitos da sociedade.

As atividades serão realizadas em coordenação com o MINOM (Movimento Internacional para uma Nova Museologia), fórum internacional para a divulgação e o fortalecimento das novas tendências da museologia, vinculado ao Conselho Internacional de Museus (ICOM).

fonte:
http://www.ibermuseus.org/noticias/se-iniciara-em-breve-a-decada-do-patrimonio-museologico-2012-2022/

Usp cria segundo curso de pós-graduação em museologia do país

Para ampliar a possibilidade de estudos na área da museologia e capacitar profissionais para atuar como museólogos, os museus da USP estão com as inscrições abertas, até o dia 30, para o Programa de Pós-graduação Interunidades em Museologia (PPGMUS) da USP, com início no segundo semestre deste ano. O curso é o segundo mestrado em museologia existente no Brasil.


width=450

Fruto do diálogo entre os museus da USP, o programa foi formulado e organizado por um grupo de professores e baseado na experiência obtida com um curso de especialização oferecido pela USP de 1999 a 2006. Proposto pelo grupo no fim do ano passado, foi aprovado em março e será ministrado por quatro museus: o Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE), o Museu de Arte Contemporânea (MAC), o Museu Paulista (MP) e o Museu de Zoologia (MZ).

Museologia

A museologia é a área do conhecimento que estuda relações entre o homem, a cultura e a natureza através da proteção, documentação, conservação, pesquisa e difusão do patrimônio integral da humanidade entendido como a representação da atividade humana no tempo e no espaço.
A museologia é uma disciplina aplicada, e por isso pode interessar a estudantes que vem da área de exatas, biológicas ou humanas. Ele é, por excelência, um curso multidisciplinar, aponta uma das orientadoras do programa, a professora Maria Cristina Oliveira Bruno.
width=330  
Foto: Arquivo MAE
A profissão de museólogo é regulamentada por lei desde dezembro de 1984, e tem seus direitos garantidos através dos Conselhos Regionais (COREMs) e do Conselho Federal de Museologia (COFEM).
Cabe ao profissional a conservação e documentação de acervos; o planejamento e a organização de exposições e atividades culturais; assim como a pesquisa e a defesa do patrimônio cultural da sociedade. Ele está apto, portanto, a trabalhar em museus, centros culturais, institutos de pesquisa, centros de documentação e informação, galerias de arte, arquivos, bibliotecas, universidades e escolas.

No Brasil

Durante muito tempo, existiram apenas dois cursos de graduação em museologia no Brasil, o que indicava que a área era muito pouco explorada e não recebia estímulo do governo. Porém, o país passou por uma reestrututação nos últimos anos, com a criação da Política Nacional de Museus, em 2003, e a implantação do Estatuto de Museus, em 2009.
Na última década, o mercado de trabalho cresceu muito, principalmente com o estímulo da política nacional implantada pelo Ministério da Cultura, aponta Cristina. Hoje, já são 14 cursos de graduação espalhados pelo país, sendo que 13 deles são oferecidos em universidades federais.
Na pós-graduação, era possível encontrar apenas um curso de museologia até o ano passado, o da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Este ano, a USP inaugura o segundo curso do país, dando início a uma nova fase para os estudos de museologia e estimulando a formação profissional de museólogos.
Os museus da USP sempre tiveram interesse em ampliar estudos nessa área. Para marcar essa iniciativa, pretendemos fazer uma cerimônia de abertura em agosto, sinalizando o começo de uma nova etapa para a museologia na USP, completa Cristina.

Pós-graduação

width=330  
Pássaro, 1963 – Liuba Wolf | Foto: Arquivo MAC
O curso terá duas linhas de pesquisa: Teoria e método da gestão patrimonial e dos processo museológicos e História dos processos museológicos, coleções e acervos. Serão 13 disciplinas oferecidas em dois semestres, sendo que no terceiro semestre é esperado que os alunos se preparem para o exame de qualificação. As aulas serão ministradas nos quatro museus organizadores, já que muito serão diretamente ligadas a seus acervos.
As inscrições vão até o dia 30 e devem ser feitas no balcão da Seção Acadêmica do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP, que fica na Av. Prof. Almeida Prado, 1466, Cidade Universitária, São Paulo. O edital completo está disponível neste link (PDF).
Mais informações: (11) 3091-4906, emails sacadmae@usp.br, museus.cpg@usp.br

Fonte: USP