Listen to the text.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Fomento a museus e programa Pontos de Memória encerram Conexões Ibram AL


No último dia do Conexões Ibram em Maceió (AL), a representante do Ibram, Nicole Reis, falou sobre o tema Pontos de Memória. Ela destacou a importância da iniciativa para reforçar o direito à cultura, inerente a todo ser humano, e lembrou que os novos editais do Programa de Fomento aos Museus Ibram 2012 deverão contemplar novos projetos de Pontos de Memória.

Em seguida, Rafaela Almeida, técnica do instituto, falou sobre o fomento e o financiamento para o setor museal, explicando as ações de financiamento que o Ibram disponibiliza.



Os trabalhos do Conexões Ibram em Alagoas foram encerrados com a inauguração do espaço Edécio Lopes (foto), criado em homenagem ao radialista e compositor que deixou um acervo de quase 10 mil peças entre livros, discos de vinil, CDs, fotografias, materiais radiofônicos e áudios de programas de rádio.

O acervo de Edécio Lopes foi entregue pela família do radialista para o Museu da Imagem e do Som de Alagoas em comodato por um período de 20 anos. “A família estava preocupada com a conservação e manutenção dos livros, vinis, e aparelhos eletrônicos de Edécio. Foi um ano e meio de preparo do equipamento e agora o público poderá visitar a coleção de quase 6 mil discos de vinil do radialista”, comentou Fernando Lôbo Netto, Diretor do Museu de Imagem e do Som de Alagoas.

O estado de Pernambuco é próximo a receber o projeto Conexões Ibram, a partir do dia 12 de junho.
Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

Novo Museu da Flora Nativa será inaugurado em São José dos Campos



Ação é uma parceria da administração municipal com o Instituto Embraer.
A Prefeitura de São José dos Campos em parceria com o Instituto Embraer de Educação e Pesquisa inaugura nesta sexta-feira (1/6), às 9h, o 4º bosque do Programa Museu da Flora Nativa. O bosque será implantado na área de preservação do Centro Embraer de Educação Ambiental – Jequitibá (Rua Francisco Vitor César Leite, 9.800), no distrito de Eugênio de Melo, região leste de São José.

O Museu da Flora Nativa é um Programa da Secretaria de Meio Ambiente e consiste na criação de novos bosques na cidade para abrigar espécies de árvores nativas da mata atlântica e do cerrado, que representam o patrimônio arbóreo do município.

Na cerimônia de inauguração, serão plantadas as primeiras espécies que vão compor o museu, cerca de 40, entre elas aldrago, araçá, aroeira, embaúba, jequitibá, paineira, pitanga, gabiroba, jabuticaba, jerivá, umbu. O plantio das mudas será feito por alunos do Colégio Juarez Wanderley, da Embraer.

Flora Nativa

Serão implantados sete Museus da Flora Nativa, beneficiando todas as regiões da cidade. Cada um desses museus oferecerá um recanto para o lazer e educação ambiental, coleta de sementes de espécies raras, e também pesquisas científicas. Neles a população poderá conhecer o desenvolvimento das mudas em todas as etapas, desde o crescimento até a fase adulta.

As espécies do museu serão catalogadas e georeferenciadas para compor um banco de dados contendo nome científico, nome popular e outras informações importantes, disponibilizadas pela internet à população.

Parte das espécies que serão plantadas nos bosques são cultivadas no viveiro municipal e outras serão importadas das regiões do país, por não serem mais encontradas no Vale do Paraíba. O Museu da Flora Nativa será formado continuamente, como um acervo que aos poucos ganha obras raras.

Em 2011 a Prefeitura lançou o primeiro museu na Avenida Alto do Rio Doce, Altos de Santana, região norte, e na área de preservação do Rio Pararangaba (Rua Angelina B. Gregória), no Jardim Califórnia, região leste. Em abril deste ano, foi lançado um museu em área de preservação no Urbanova, na Avenida Shishima Hifumi, zona oeste.

O bosque da região leste é resultado deum convênio de cooperação Técnico-Educacional entre a Prefeitura de São José dos Campos, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, com o Instituto Embraer de Educação e Pesquisa, que será responsável pela conservação do Museu da Flora

O objetivo é propiciar aos alunos da rede de ensino pública a utilização do Centro Jequitibá como agente de promoção da educação ambiental e, ao mesmo tempo, oferecer à população um espaço para visitação e qualificação profissional em tecnologias e alternativas sustentáveis. 
 
fonte:
http://www.vnews.com.br/noticia.php?id=121749&id2=1

Google lança ‘museu virtual’ do mundo


O Google lançou nesta quinta-feira, 31, em Madri o projeto “World Wonders“, um percurso virtual com 132 lugares emblemáticos do mundo, que inclui a cidade de Ouro Preto e a região Amazônica, no Brasil, além do centro histórico do México e do Golfo da Califórnia, entre outros.

Esta plataforma digital permite que o usuário conheça os lugares mais remotos do mundo, passando por inúmeros postais impactantes, como as ruínas de Pompéia (Itália), os antigos templos de Kyoto e o monumento megalítico de Stonehenge (Reino Unido).

Na América Latina, o Google World Wonders, que inclui o Brasil com cidades como a de Ouro Preto, ainda deverá ser ampliado, já que os responsáveis da plataforma asseguraram que precisam apenas obter as permissões correspondentes.

A plataforma inclui vídeos e 1,1 mil imagens, tomadas em 18 países. Para facilitar a visualização das ruínas arqueológicas e dos espaços naturais de diferentes continentes, as fotos também giram em 360 graus.

Depois de lançamento, o desafio desta plataforma é ampliar o número de imagens e incorporar muitos mais países, explicou o diretor do Google Cultural Institute, Steve Crossan, ao lado do diretor de engenharia do Google, Luc Vincent.

As imagens se apóiam em textos históricos, fornecidos pela Unesco e apresentados em seis idiomas (espanhol, inglês, francês, italiano, japonês e hebraico). Em algumas ocasiões, o projeto inclui modelos em 3D, como o caso do popular Palácio de Versalhes, na França.

Segundo o Google, a Europa está muito bem representada com imagens do porto de Bordeaux, da parte antiga de Lyon, as margens do Rio Sena, o delta do Rio Pó, o centro histórico de Nápoles, a cidade de Siena, o Templo de Hércules e a parte antiga de Berna, entre outras.

No caso da Espanha, a plataforma apresenta um passeio virtual pela parte antiga de Toledo, Salamanca, Ávila e suas igrejas extra-muros, a catedral de Santiago de Compostela e a cidade amuralhada de Cuenca, entre outros lugares

Outros espaços de fora da Europa também ganham destaque, como o Memorial da Paz de Hiroshima e o castelo de Himeji-jo, ambos no Japão. Também é possível explorar o Golfo da Califórnia e a mítica rota 66 nos EUA, além do distrito histórico de Québec (Canadá), o parque nacional de Kakadu (Austrália), “a cidade branca” de Tel Aviv e Jerusalém.

De acordo com seus responsáveis, um dos grandes objetivos desta iniciativa da Google é “democratizar a cultura”, ou seja, levá-la para todos os cantos do mundo e colaborar com a educação.
Para captar as imagens, os organizadores do projeto contaram com diferentes veículos, que variavam de acordo com a complexidade de acesso de cada local. Já a tecnologia usada nas gravações consistia no uso de um cilindro com oito lentes laterais e outra superior, assim como a do “Street View” – utilizada pelo “andarilho virtual”.

Neste caso, os responsáveis não usaram somente carros para transportar o dispositivo, mas também bicicletas, trens, motos de neve (na Suíça) e inclusive lanchas, no caso da região Amazônica.

Além da Unesco, o projeto também contou com apoio do World Monuments Fund e da Getty Images, ambos com objetivo de ajudar a preservar os lugares Patrimônio da Humanidade e de relevância cultural.

fonte:
http://www.midiamax.com/noticias/800466-google+lanca+museu+virtual+mundo.html