Listen to the text.

sábado, 16 de junho de 2012

Modesto manifiesto por los museos - recomendado por Jorge Melguizo, secretário de cultura cidadã de Medelín

El escritor turco Orhan Pamuk, Premio Nobel en 2006, defiende un concepto humano de museo Una institución que hable de los individuos
Contrapone esta idea a los grandes museos y sus solemnes relatos de estados y naciones
Pamuk convierte en museo su locura de amor


Amo los museos, y no soy el único que encuentra que cada día que pasa nos hacen más felices. Me tomo los museos muy en serio, y eso a veces me conduce a pensamientos airados y enérgicos, pero no soy una persona que pueda hablar con ira de ellos. Cuando yo era niño en Estambul había muy pocos. La mayoría eran simplemente monumentos históricos que se habían preservado o, lo que es bastante más raro fuera del mundo occidental, eran lugares con un aire como de oficina del gobierno. Más adelante, los pequeños museos de las callejuelas de las ciudades europeas me llevaron a darme cuenta de que los museos (igual que las novelas) también pueden hablar de los individuos.

Esto no significa menospreciar la importancia del Louvre, el Metropolitan, el Palacio Topkapi, el Museo Británico o el Prado, todos los cuales son verdaderos tesoros de la especie humana. Pero estoy en contra de que esas preciadas instituciones monumentales se utilicen como modelos a seguir para futuros museos. Estos deberían explorar y descubrir el universo y la humanidad del hombre antiguo y moderno emergente, especialmente en naciones no occidentales cada vez más pudientes. El objetivo de los grandes museos de financiación estatal, en cambio, es representar al Estado.

Este objetivo ni es bueno ni es inocente.Me gustaría esbozar mis pensamientos de forma ordenada:

1. Los grandes museos nacionales como el Louvre y el Hermitage tomaron forma y se convirtieron en destinos turísticos esenciales, acompañados de la apertura al público de palacios reales e imperiales. Estas instituciones, ahora símbolos nacionales, han presentado el relato de una nación (es decir, la Historia) como algo mucho más importante que los relatos de los individuos. Esto es desafortunado: las historias de los individuos son mucho más compatibles con la expresión de las profundidades de nuestra humanidad.

2. Es fácil ver que las transiciones de palacios a museos nacionales, y de las narraciones épicas a las novelas, son procesos paralelos. La épica es como los palacios, y habla de las gestas de los viejos reyes que vivían en ellos. Los museos nacionales, por tanto, deberían ser como novelas, pero no lo son.

3. Estamos hartos de museos que intentan armar narraciones históricas de una sociedad, comunidad, equipo, nación, pueblo, empresa o especie. Todos sabemos que las historias cotidianas y ordinarias de los individuos son más ricas, más humanas y mucho más gozosas que las historias de culturas colosales.

4. Demostrar la riqueza de la historia y la cultura china, india, mexicana, iraní o turca no es un problema; es necesario hacerlo, por supuesto, pero no es difícil de hacer. El verdadero desafío radica en utilizar los museos para contar, con la misma brillantez, profundidad y potencia, las historias de los seres humanos individuales que viven en esos países.

5. La medida del éxito de un museo no debería estribar en su capacidad para representar un estado, una nación o una empresa, o una determinada historia. Donde debería estribar es en su capacidad para revelar la humanidad de los individuos.

6. Que los museos se hagan más pequeños, más individualistas y más baratos es un imperativo. Es la única manera de que un día puedan contar historias a escala humana. Los grandes museos, con sus amplias puertas, nos emplazan a olvidar nuestra humanidad y a abrazar el Estado con sus masas humanas. Es por esto por la que millones de personas fuera del mundo occidental tienen miedo de ir a los museos.

7. El objetivo de los museos presentes y futuros no debe ser representar al Estado, sino recrear el pasado de seres humanos singulares; los mismos seres humanos que han bregado bajo opresiones implacables durante cientos de años.

8. Los recursos que se destinan a museos monumentales y simbólicos deberían derivarse hacia otros más pequeños que cuenten la historia de los individuos. Esos recursos deberían dedicarse también a animar y a apoyar a la gente para que conviertan sus propios pequeños hogares en espacios de exhibición.

9. Si los objetos no son arrancados de raíz de sus entornos y de sus calles, sino situados con cuidado e ingenio en su propio hogar natural, ya estarán expresando sus propias historias.

10. Los edificios monumentales que dominan barrios y ciudades no sacan a relucir nuestra humanidad; al contrario: la asfixian. Es más humano ser capaz de imaginar museos modestos que conviertan los barrios y las calles, y las casas y las tiendas de alrededor, en elementos que formen parte de la exposición.

11. El futuro de los museos está dentro de nuestras casas.

El retrato, en realidad, es sencillo:

Épica X NovelasRepresentación X ExpresiónMonumentos X HogaresHistoria X RelatosNación X PersonaGrupos, Equipos X el IndividuoGrandes y caros X Pequeños y baratos.

Traducción: Eva Cruz.


fonte:
http://cultura.elpais.com/cultura/2012/04/27/actualidad/1335549833_020916.html

Relações Internacionais oferece 12.500 vagas em cursos gratuitos de inglês, espanhol e chinês



Estão abertas, entre os dias 18 a 30 de junho, as inscrições para cursos gratuitos de idiomas a distância. A USP, através da Vice-Reitoria Executiva de Relações Internacionais (VRERI), firmou parceria com a Universia Brasil para oferecimento de 12.500 vagas para cursos de inglês, espanhol e chinês no nível Básico A1 para a comunidade da Universidade em 2012.


Os cursos apresentam animações de situações reais do dia a dia...

Estes cursos foram desenvolvidos por professores licenciados pela USP e, como são realizados a distância, permitem que o aluno acesse as aulas conforme sua disponibilidade de tempo e ritmo de aprendizagem, já que ficam disponíveis durante 24 horas por dia, 7 dias por semana para o acesso do aluno, que determina o ritmo de estudo.

Os cursos estão estruturados em 10 módulos de 6 horas de duração cada um, com 10 testes de avaliação e uma avaliação final. Cada unidade de estudo inicia-se com um caso animado com áudio apresentando as funções comunicativas, das quais serão extraídos, no interior de cada unidade, o vocabulário, a cultura, a gramática e o léxico. A realização será inteiramente on-line e autoinstrucional, com as aulas começando até o início de agosto e ficando disponíveis durante 180 dias para o término.

O oferecimento destes cursos é mais uma das iniciativas da USP para estimular e incentivar a internacionalização da Universidade, como o Programa de Bolsas de Intercâmbio para Alunos de Graduação.

Público-alvo e número de vagas

O idioma com o maior número de vagas é o inglês, com 10 mil no total: 3.000 para alunos de graduação e 5.000 para os de pós-graduação, 500 para docentes e 1.500 para funcionários.

O curso de espanhol tem 1.500 vagas ao todo, 1.000 para alunos de graduação, 440 para os de pós-graduação e 60 para funcionários. O de chinês oferece 1.000 vagas, sendo 850 para os alunos de graduação e 150 para os de pós-graduação.

Para candidatar a uma vaga, os alunos e docentes precisam acessar o site da VRERI. Entre os funcionários, a preferência para o preenchimento das vagas são para os que trabalham nas áreas de relações internacionais das Unidades. Mas, caso não exista interesse dos funcionários destas áreas, os de outros setores também podem candidatar-se, porém, deverão ser indicados pelos respectivos diretores de suas Unidades. A VRERI encaminhará ofício às diretorias das Unidades informando a quantidade de vagas oferecidas aos funcionários.

Parceria


...como exemplo para a aprendizagem

O curso de espanhol já foi oferecido também em sistema virtual à comunidade da USP com o nome espanhol Vale, através de um acordo feito com a Universia Brasil – rede de 1.216 universidades que representa 14 milhões de professores e estudantes universitários e que está presente em 23 países Ibero-americanos – vigente de 2006 a 2010. Durante este período foram realizadas quatro edições dirigidas para alunos de graduação e pós-graduação e funcionários de relações internacionais, e mais uma edição para docentes. Ao todo, tiveram 4.000 vagas (alunos e funcionários) e mais 1.000 para docentes. Este acordo para o oferecimento do curso espanhol Vale foi renovado no ano passado, com vigência até 2014, no qual há 1.000 pessoas com o curso em andamento.

Porém, estes novos cursos de idiomas não fazem parte destes acordos e nem terão mais o nome Vale, para o caso do espanhol. Agora foi adotado o nome “VRERI Idiomas” para todos os cursos, que são oferecidos somente no nível básico A1, mas está em negociação a possibilidade de continuação em outros níveis.

As inscrições para o curso devem ser feitas através do site da VRERI, onde também será divulgado o resultado da seleção para o curso e comunicados em geral.

Para obter mais informações ou tirar dúvidas, o e-mail de contato é: idiomas.vreri@usp.br

o sérvio Petkovic, vai doar ao acervo do Museu do Maracanã

O Maracanã completa 62 anos neste sábado. Como parte das comemorações, o ex-jogador de Flamengo, Vasco e Fluminense, o sérvio Petkovic, vai doar ao acervo do Museu do Maracanã o último par de chuteiras usado em sua carreira profissional, que teve o ponto final em uma partida entre Flamengo e Corinthians, em 2011, no Engenhão.

A visitação ao público, que será gratuita neste sábado, começa a partir de 12h. Os interessados poderão ver uma exposição com peças que estão sendo usadas na obra do Maracanã.

Ao anoitecer, uma iluminação especial idealizada pelo designer Peter Gasper será ligada sobre a Torre de Vidro do estádio.


fonte:
http://esportes.terra.com.br/noticias/0,,OI5839800-EI1137,00-Petkovic+vai+doar+par+de+chuteiras+da+despedida+ao+acervo+do+Maracana.html

Madeira Mamoré poderá ter novo museu

A Associação dos Amigos da Estrada de Ferro Madeira Mamoré e a Associação dos Soldados da Borracha solicitaram esta semana ao secretário da Casa Civil, Juscelino Amaral, que interceda junto ao governador Confúcio Moura a concessão de um prédio em Porto Velho para a instalação de um museu.

Segundo o presidente da AFAMM, Luiz Leite, trata-se de um precioso material, já catalogado e que foi repassado a Rondônia, pelo Museu Internacional da USP, a Universidade de São Paulo. “Recebemos o material, agora é a vez do Estado se responsabilizar, destacou Leite.

Os representantes do museu não definiram quantidade, mas sugerem que existam muitas peças de grande valor. Só de imagens, são mais de 200, desde os primeiros dias de início das atividades para a construção da ferrovia, inclusive a máquina fotográfica usada para fazer muitas das fotos que fazem parte do acervo, assegura George Teles Menezes, que milita no movimento pelo reconhecimento dos soldados da borracha, como pracinhas do Exército, também está engajado na implantação do museu.

Ele conta que há peças incríveis que retratam a história da EFMM, e que ficarão para sempre em Rondônia onde farão parte do patrimônio histórico do Estado. Luiz Leite vai ainda mais longe, segundo ele, este projeto poderá ser o MASP do nosso Estado, fazendo referência ao Museu de Artes de São Paulo. Uma museóloga da USP já se colocou a disposição para vir a Porto Velho para auxiliar na implantação do museu.

O prédio requisitado está localizado na avenida Sete de Setembro, no centro da capital. Para Leite, o museu precisa ser instalado em uma área de grande visibilidade, onde já estão outros patrimônios históricos.

fonte:
http://www.rondoniaovivo.com/noticias/madeira-mamore-podera-ter-novo-museu/89097#.T9xhus39yvM

Museu Ciência e Vida recebe exposição interativa sobre sustentabilidade


Assuntos relacionados: Exposição . Museu Ciência e Vida . Rio +20


Do progresso industrial ao consumo consciente: A primeira exposição desenvolvida pelo Museu Ciência e Vida propõe o conceito de sustentabilidade dentro de uma perspectiva socioeconômica e cultural.

Na exposição – SUSTENTABILIDADE – O QUE É ISSO? -, o visitante terá a oportunidade de vivenciar os impactos de suas ações sobre o ambiente e entender a importância em assumir ações sustentáveis. Ao todo são 18 painéis ilustrativos que ressaltam a sustentabilidade e suas vertentes.

Jogos e experimentos também compõe o cenário expositivo. Ao pedalar uma bicicleta, o visitante produzirá energia o suficiente para ligar uma lâmpada ou até mesmo um rádio. Já na casa do consumo, o desafio é usar de maneira consciente os produtos eletrônicos sem desperdiçar energia.

Concebida numa perspectiva sustentável, a mostra foi desenvolvida a partir de tecidos com tecnologia em garrafa PET, madeira de reflorestamento, papel reciclado e outros.
Museu Ciência e Vida tem diversas atrações

Além da programação temática para a RIO +20, o Museu Ciência e Vida apresenta outras cinco exposições:
“Leonardo da Vinci – Maravilhas Mecânicas”, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast)
“Nascer” e “Fotografias da Ciência na Amazônia”, ambas da Fiocruz
“Céu – Espelho de culturas”, da Aliança Francesa e Energia Nuclear, da Casa da Ciência e parcerias

Outra atração do museu é o planetário. Com uma cúpula de oito metros de diâmetro, o Planetário Marcos Pontes apresenta um sistema de alta tecnologia que permite a visualização do universo na sua amplitude.

O horário de funcionamento é: de terça a sábado, das 9h às 17h; domingos e feriados, das 13h às 17h. A entrada é gratuita.



Mais informações podem ser obtidas no site www.museucienciaevida.com.br