sábado, 23 de junho de 2012

Ceom/Unochapecó representa Oeste no Sistema Estadual de Museus

O Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom/Unochapecó) foi eleito, pelos museus da região Oeste do Estado, como representante titular no Comitê Gestor do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC). Isso faz com que o Ceom passe a representar de forma efetiva 22 museus atualmente cadastrados no Sistema Estadual de Museus, além de estimular a adesão das instituições que não fazem parte do organismo. As responsabilidades são de apresentar demandas e especificidades da região, para que essas proposições cheguem à capital e gerem resultados positivos. De forma geral, o Ceom/Unochapecó passa a ser o porta-voz oficial dos museus regionais.



19/06/2012. Atualizado em 20/06/2012 09:12.
Foto Principal desta Notícia

A cerimônia de posse oficial foi realizada em Florianópolis, no Centro Integrado de Cultura (CIC). Duas instituições foram escolhidas para representar a região Oeste, que são o Ceom/Unochapecó na condição de titular e o Museu de História e Arte de Chapecó, como suplente. O Ceom já representava as instituições privadas e mistas (parcialmente privadas), além de transmitir reivindicações da classe museológica regional. Desde a criação do Ceom, em 1986, um dos principais papéis do Centro tem sido o acompanhamento e a disponibilização de orientações técnicas e legais aos museus da região.
Além do Oeste, representantes das outras seis regiões museológicas de Santa Catarina foram eleitos, através de votação direta durante o terceiro Fórum Estadual de Museus de Santa Catarina, realizado em Chapecó, em outubro de 2011. Para a responsável pelo programa de Difusão Cultural e Museológica do Ceom/Unochapecó, Denise Argenta, a representatividade regional permite que cada membro atenda com mais propriedade às reivindicações e às especificidades da sua região. “É possível, também, estar mais presente e acessível às instituições museológicas, sendo um canal de comunicação entre o Sistema Estadual de Museus e sua área de atuação”, afirma Denise.
Objetivos do Comitê
O Comitê Gestor do Sistema Estadual de Museus tem como objetivos sugerir diretrizes e ações para a área museológica catarinense. Também possui como finalidades apoiar e acompanhar o desenvolvimento do setor e propor ações e políticas públicas capazes de atender às necessidades e expectativas dos museus existentes em Santa Catarina.

Museu de Arte Sacra da Boa Morte em Goiás é tema do Conhecendo Museus

O Museu de Arte Sacra da Boa Morte, que é vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) e fica na Cidade de Goiás (GO), é o tema da série Conhecendo Museus desta semana.

O sétimo episódio, que foi ao ar na terça-feira (19), será reprisado neste sábado (23) às 15h30. A série é exibida em canais educativos de televisão aberta e por assinatura como TV Brasil, TV Brasil Internacional, Rede Nacional de Comunicação Pública (RNCP), Boa Vontade TV e pela Rede Educação e Futuro de Televisão.
Reconhecido pela Unesco como patrimônio histórico e cultural mundial por sua arquitetura barroca, o museu funciona nas instalações da antiga Igreja Nossa Senhora da Boa Morte, cuja construção foi concluída em 1779. Saiba mais.
A construção em pau-a-pique e pedra, de formato octogonal, abriga um acervo de cerca de mil peças composto de imaginária, prataria, mobiliário, porcelana, retábulos, indumentárias, gravuras e pinturas, além de coroas, cálices, castiçais, tocheiros e lampadários dos séculos 18 e 19, peças de origem portuguesa e telas com temas religiosos. São obras sacras de vários autores, com destaque para o artista Veiga Valle, considerado “o Aleijadinho goiano”.
A temporada 2012 da série Conhecendo Museus vai exibir um total de 52 episódios de 26 minutos cada, com produção assinada pelo Instituto Brasieliro de Museus (Ibram/MinC), Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), TV Escola (MEC) e Fundação José de Paiva Netto. Conheça o projeto.
Texto: Ascom/Ibram
Foto: Banco de imagens Ibram

Museu do Sertão homenageia Gonzagão em Petrolina

O Museu do Sertão em Petrolina abriga até o próximo dia 13 de julho, a exposição “Coletânea Luiz Gonzaga: arte pop do povo”. A mostra reúne trabalhos de artistas locais que fazem uma leitura da vida e carreira do Rei do Baião.



57b29693ddca2c44824641a411bc0eb9.jpg
Fotografias, letras de músicas, esculturas e poesias do Rei são alguns dos trabalhos expostos
Foto: Reprodução/Internet



“É muito importante homenagear o Rei do baião. Este ano é dele. Então a gente teve esse cuidado de fazer esta exposição porque ele foi a primeira pessoa a levantar uma imagem positiva do nordestino. As pessoas à época não tinham a coragem de se assumir como ele teve. Desta forma, pensamos em algo diferente. Procuramos artistas que através de algum trabalho demonstrassem sua opinião sobre Luiz Gonzaga”, destaca o curador da exposição, Thom Galiano.
Participam da mostra os artistas Jocélio Belo, Sr. Cordeiro, Iranildo Moura, Cisso Rodrigues, Cia de Dança do SESC, Rinaldo Lima, Uilton Pereira, Cássio Lucena, Fabiana Santiago e Ney Vital.
Galiano explica o nome atribuído à exposição. “'Arte Pop do Povo', porque Luiz Gonzaga era popular. Ele conseguiu levantar o baião na época dele, ganhando status de uma música brasileira vinda do Nordeste para todo o mundo”, pontua.

fonte:

Vagões antigos do Museu ficam novinhos outra vez



Vagões antigos do Museu ficam novinhos outra vez
Foto: Agência UEL
Vagões foram úteis durante décadas e hoje são considerados raros
O Museu Histórico Padre Carlos Weiss reformou os dois carros ferroviários que ficam em exposição no pátio da instituição. Os vagões foram recuperados por meio do Projeto Memória Ferroviária de Londrina, feito pela Associação de Amigos do Museu, com patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic).

Os carros circularam pelo Estado transportando passageiros durante décadas. Passavam pelos trilhos onde hoje fica a sede do Museu Histórico. Os dois vagões são considerados raros, um deles transportava a 1ª e a 2ª classe de passageiros enquanto o outro era o carro pagador. Eles estão estacionados desde 1998 sobre os trilhos da desativada Estação Ferroviária de Londrina. 

A diretora do Museu, Regina Alegro, destacou a importância cultural dos vagões. “Esses carro circulavam pelo Paraná, faziam as linhas Londrina-Curitiba, Londrina-Maringá, todo Estado. Sua função hoje é de nos fazer lembrar, reviver o passado. Eles provocam emoções, são cheios de sentimentos e de informação, ricos em detalhes.”
 
Peças refeitas

Os trabalhos de restauração foram coordenados pelo servidor da Universidade Estadual de Londrina, Amilton Batista Cardoso. Muitas peças foram recuperadas, mas outras tiveram de ser totalmente reconstruídas. Acadêmicos do curso de arquitetura e desenho industrial fizeram todo um trabalho de pesquisa iconográfica e documental para desenhar as peças que precisavam ser refeitas.

Hoje o Museu está recebendo alunos da rede municipal de ensino. Uma programação artística foi montada para entreter as crianças. O Museu Histórico Padre Carlos Weiss fica aberto à visitação de terça a quinta-feira, das 9h às 11h30 no período da manhã e das 14h30 às 17h30 no período da tarde.

No sábado funciona das 9h às 11h30 e das 13h30 às 17h. O Museu fica na rua Benjamim Constant, 300 (antiga Estação Ferroviária). A entrada para o passeio é gratuita. 
 
(Fonte: N. Com)
 
Contatos com a redação do Planeta Sercomtel podem ser feitos pelo telefone (43) 3323-0280 ou pelo e-mail: planeta1@sercomtel.com.br.

Acervo histórico de Sinop será digitalizado

A prefeitura seleciona, na sexta-feira (29), a empresa que vai digitalizar o acervo histórico do Museu de Sinop, também conhecido como Casa da Cultura. O edital do processo licitatório aponta que 897 fotos, 123 documentos, 185 livros, 129 jornais, 34 utensílios e outros itens devem passar pelo processo. O projeto prevê a programação deles em um sistema de consulta para ser disponibilizado para pesquisa à comunidade.

 
A administração municipal deve investir R$ 36 mil no processo. O recurso foi confirmado em dezembro do ano passado, a partir da seleção feita pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), ligado ao Ministério da Cultura. O valor faz parte do prêmio Modernização de Museus - Microprojetos, que distribui montantes diferenciados, conforme cada proposta apresentada. O projeto sinopense foi o único selecionado do Estado.
 
O objetivo do prêmio consiste em construir e modernizar museus, além de incentivar artistas e trabalhos, fomentando a cultura. Ao todo, o governo federal disponibilizou R$ 16 milhões para dez editais diferentes.

fonte:

Brasileiros falam no MOMA em Nova York sobre o futuro dos museus no Brasil



Lucimara Letelier, diretora assistente de artes do British Council Brasil, foi convidada a participar como primeira palestrante brasileira do congresso Communicating the Museum , que acontece desde 2000 na Europa, e este ano acontecerá no MOMA em Nova Iorque entre 27 e 29 de junho, integrando uma rede de 2500 profissionais de museus de mais de 40 países.

"Será uma oportunidade ímpar de debatermos com os principais museus do mundo sobre qual a realidade brasileira neste setor e a crescente relevância dos museus no Brasil por seu papel fundamental na formação da nova identidade nacional", diz Lucimara. O British Council implantará no Brasil, de 2013 a 2016, um programa de Desenvolvimento de Museus, em parceria com diversos museus e orgãos do governo e optou por ampliar o debate, convidando o Instituto Inhotim e a Fundação Roberto Marinho para fazer parte do painel "Brazil is moving fast: how will museums catch up?".

"A partir de cases brasileiros contextualizados neste momento único no qual convivem nos museus a imensa classe média, os turistas e a classe alta em expansão, debateremos como os museus são canais de inclusão social e educação informal engajando os cidadãos brasileiros que seremos daqui em diante. Com o "boom" de novos museus no Brasil (e vários em revitalização) fica o desafio de reposicionamento de suas marcas e capacidade de comunicar para atrair e manter o público presente!"

Os intercâmbios de experiências neste congresso pretendem integrar o Brasil à principal rede de museus que debate este tema. Por esta razão, Lucimara acredita que "poderemos construir programas de colaboração futuros, como este do British Council que vai além da circulação das exposições e cria relações de longo prazo entre museus-pares que valorizam o que há de melhor na experiência de cada país e por isto investem em capacitação de suas equipes com aprendizado mútuo e duradouro."

O painel do Brasil no Congresso será aberto por Julien Anfruns, Diretor Geral do ICOM (International Council of Museums), principal organização internacional representante dos museus no mundo, cuja Conferência anual em 2013, acontecerá no Brasil, Rio de Janeiro.

fonte:

Museu russo utiliza tecnologia da NVIDIA para novo centro multimídia

O Museu do Estado Russo em St. Peterburg é o primeiro museu nacional de arte do país. Inaugurado em 1898, ele fornece acesso à algumas das maiores obras-primas da pintura, escultura e iconografia da Rússia. Agora, com a ajuda da tecnologia das GPUs da NVIDIA, os visitantes do complexo palácio podem conferir os trabalhos em grandes detalhes e imergir em uma rica experiência que antes não era possível.

O novo centro multimídia, que conta com a tecnologia multi-display Mosaic da NVIDIA e profissionais GPUs Quadro para mostrar formatos super amplos de imagens em uma incrível resolução, oferece uma experiência única de arte em um auditório de 22 lugares.

"O auditório é muito compacto e um só projetor não pode disponibilizar a imagem na tela - a distância para a parede é muito pequena", explica Vladimir Barzionov, diretor tecnológico do CineSoft, um software desenvolvido para o centro. São necessários dois projetores que misturam imperceptivelmente em uma única imagem para os telespectadores, que incluem especialistas em arte que poderão utilizar o centro para estudar craquelures - fissuração de camadas de tinta - em imagens dimensionadas para 8 metros de largura.

Simplificando a configuração e gerenciamento, a tecnologia Mosaic da NVIDIA faz com que dois projetores do auditório trabalhem essencialmente em uma só enorme exibição. O Mosaic sincroniza os projetores, garantindo que a área de sobreposição se combine perfeitamente sem artefatos visuais. O resultado final é uma superfície de 3.600 х 1.080 pixels, capaz de reproduzir fielmente a obra de arte.

Com esta capacidade no lugar, o centro permite aos visitantes que deem uma olhada por trás das cenas, façam um tour virtual pelo interior das pinturas, entrem em palácios já inacessíveis e até mesmo participem de vôos simulados sobre St. Petersburg. Além disso, o centro pode transmitir seus eventos pela internet para a cerca de 100 ramos associados de museus em todo o país, bem como para outros museus do mundo. O sistema permite que participantes escolham e vejam grupo de imagens e vídeo, criem e salvem listas de reprodução e transmitam o conteúdo para a tela ou para a Internet - tudo controlado por uma interface de toque. 

O auditório também é equipado com equipamentos de áudio, um sistema de iluminação especial, uma tetá táctil de plasma de 50 polegadas para visualização e controle de conteúdo multimídia e um sistema de webcasting. "Esta é a primeira solução para Rússia e Comunidade dos Estados Independentes que inclui suporte para vários projetores em complexas superfícies geométricas e controla o conteúdo com gestos", disse Andrey Popov, produtor executivo da Polden.

Usar a última tecnologia de exibição da NVIDIA parece ser uma receita para o sucesso. De acordo com Vladimir Gusev, diretor do Museu do Estado Russo, "uma vez que as pessoas visitem nossas filiais virtuais, eles se esforçarão para ir ao verdadeiro museu russo."

fonte: