Listen to the text.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Sistema multimídia Ford Sync ganha lugar de honra no Museu do Computador

Quem visita o Museu da História do Computador, em Mountain View, Califórnia, nos Estados Unidos, espera encontrar nomes como Microsoft, IBM, Apple e Google. Agora, essas marcas líderes da tecnologia têm a companhia da Ford, com a inclusão do sistema SYNC de comunicação e conectividade ao acervo permanente do museu.

"Estamos honrados. O SYNC nos ajudou a avançar mais rápido do que se poderia esperar de uma empresa automobilística, trazendo um novo grau de abertura e acesso que mudou para sempre a nossa visão de negócios para atender os consumidores", diz Paul Mascarenas, vice-presidente e chefe técnico de Pesquisa e Inovação da Ford. "O SYNC incorpora tudo o que a Ford representa: ir além para transformar ideias inovadoras em produtos acessíveis e valiosos para milhões de pessoas."

"Na medida em que os carros se transformaram em plataformas móveis para as necessidades de comunicação e entretenimento dos consumidores, a interseção entre o desenvolvimento dos automóveis e da computação tornou-se uma área importante de atenção para o museu", diz Alex Bichannek, curador e gerente do Museu da História do Computador.

"A parceria da Ford com a Microsoft na tecnologia SYNC é um exemplo desse novo cenário", ele acrescenta. "O Museu da História do Computador tem a satisfação de incluir a primeira geração do Ford SYNC ao seu acervo permanente, como parte do nosso esforço contínuo para documentar os efeitos da computação na sociedade em geral."

Comandos de voz

O SYNC é o premiado sistema de conectividade a bordo que oferece controle de voz para celular e tocadores de música digitais, conectados via Bluetooth ou USB. A Ford desenvolveu o sistema junto com a Microsoft, usando a plataforma Automotiva Embarcada Windows.

"Quando nos reunimos pela primeira vez com a Ford, há cerca de uma década, sabíamos que queríamos desenvolver um sistema que conectasse o estilo de vida digital dos consumidores com os veículos que eles têm hoje, e também pelos próximos anos – seja qual for o dispositivo", diz Kevin Dallas, gerente geral da plataforma Windows Embarcada na Microsoft. "Ter o SYNC incorporado à coleção do Museu da História do Computador é um reconhecimento da grande inovação do sistema e do trabalho duro de nossos engenheiros para entregar um produto que continua a atender as crescentes necessidades e expectativas dos consumidores."

4 milhões de unidades

O SYNC estreou no mercado norte-americano no Focus 2008, como opcional, com preço de US$395. Dois anos depois, ele se tornou disponível em todas as linhas de veículos da marca nos Estados Unidos. No começo de 2012, o SYNC já equipava mais de 4 milhões de veículos. Até 2015, a expectativa é que esse número cresça para 9 milhões, com a introdução dessa tecnologia em produtos ao redor do mundo.

Novos aplicativos

A lista de programas para a plataforma SYNC foi seguidamente ampliada com o lançamento de novos aplicativos, muitos deles oferecidos como upgrade para serem baixados e instalados em casa ou nos distribuidores Ford. Os principais são:

o "911 Assist" (2008) – liga automaticamente para os serviços de emergência quando o airbag do carro é disparado, usando o celular;

"Relatório de Saúde do Veículo" (2008) – relatório de diagnóstico do veículo, produzido a bordo e enviado pelo celular para ser acessado em um portal da web (www.syncmyride.com);

SYNC Services (2009) – com a adição de GPS ao SYNC, a Ford criou uma rede de serviços que podem ser acessados por comando de voz, como notícias personalizadas, informações de trânsito, orientação de rotas, previsão do tempo, informações de negócios e placares esportivos. Poucos meses depois, outros serviços foram adicionados a essa rede baseada na "nuvem", como horóscopo, mercado de ações, programação de filmes e informações de viagem;

"Sendo to SYNC" (2010) – usando o SYNC Services, permite enviar um endereço de destino pelo MapQuest ou Google Maps direto para o seu carro, com instruções rua a rua;

"Destinations App" (2010) – aproveitando os serviços baseados na nuvem, o primeiro aplicativo do SYNC para smartphone trouxe mais conveniência para os consumidores, permitindo buscar e definir seus destinos e até checar o trânsito quando estão fora do veículo;

"AppLink" (2010) – aplicativo inovador que ajudou a Ford a ser a primeira a oferecer aplicativos para smartphone ativados por voz, como Pandora e Stitcher, trabalhando com desenvolvedores em sua própria linguagem de programação e usando o aplicativo de interface de programação (API). Hoje, há 10 aplicativos do SYNC para smartphones disponíveis nas três principais plataformas: iOS, Android e BlackBerry OS.

O nascimento do SYNC

Em 2005, a Ford – há muito tempo considerada uma "fast-follower" (adepta rápida) em tecnologia – procurava caminhos para mudar a sua percepção e a sua cultura. "Nós vimos a conectividade como um caminho para mudar esse paradigma", diz Doug VanDagens, agora diretor global de Serviços Conectados Ford, um dos membros do time que iniciou o projeto SYNC.

Ao mesmo tempo, a Microsoft estava inovando no mercado automotivo com seu sistema operacional embarcado Windows CE. Um vídeo sobre o início do SYNC está disponível neste link: http://youtu.be/CGP9j9iYzww.

Em abril de 2005, Bill Ford, presidente do Conselho da Ford, e Bill Gates, então presidente da Microsoft, falaram na Cúpula Automotiva Global Microsoft, em Dearborn, EUA, sobre como poderiam colaborar para trazer o estado da arte da tecnologia para dentro dos carros.

Enquanto os consumidores trocam seus celulares e tocadores digitais a cada dois anos para se manter atualizados, os veículos normalmente duram uma década ou mais. Apostar em um sistema embarcado poderia deixar o carro inapelavelmente defasado muito antes do fim da sua vida útil.

Em vez de forçar o proprietário a comprar outro plano de conexão para o seu carro, a Ford buscou uma plataforma de conectividade que permitisse usar a tecnologia já instalada.

"Ao final de 2005, o grupo de Engenharia Eletrônica e Sistemas Elétricos da Ford começou a desenvolver ativamente uma plataforma que pudesse ser atualizada com as últimas tendências da tecnologia durante toda a vida do carro", diz VanDagens. "Tendo a Windows CE como base, podíamos adicionar novas funcionalidades com aplicativos que os proprietários poderiam baixar da web e instalar usando um dispositivo USB."

Colaborando com fornecedores, incluindo a líder em reconhecimento de voz Nuance, eles desenvolveram uma interface de voz robusta e fácil de usar. Ela permite aos motoristas fazer e receber chamadas, selecionar músicas, artistas, álbuns, gêneros e listas musicais, mantendo suas mãos no volante e os olhos na pista.

Projetar o sistema em torno dos dispositivos móveis mostrou imediatamente ser a escolha certa. Apenas dois dias depois do anúncio oficial do SYNC, a Apple introduziu o iPhone. Em poucos anos, os smartphones deixaram de ser um nicho para dominar o mercado de celulares.

Com centenas de milhões de pessoas usando celulares e uma ampla gama de aplicativos capazes de rodar em várias mídias em conexões rápidas sem fio, o SYNC saiu em vantagem.[6]

"O SYNC se tornou um marco na redefinição do automóvel, de um simples meio de transporte em uma plataforma tecnológica que permite ao consumidor aproveitar todos os seus recursos", diz Venkatesh Prasad, outro membro do time de desenvolvimento e agora líder técnico de inovação aberta de Pesquisa e Inovação da Ford.

fonte:
http://www.segs.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=80153:sistema-multimidia-ford-sync-ganha-lugar-de-honra-no-museu-do-computador&catid=71:categoria-veiculos&Itemid=367

Descoberta na Argentina nova espécie de dinossauro carnívoro



Pesquisadores argentinos anunciaram nesta terça-feira a descoberta de uma nova espécie de dinossauro carnívoro, que pode contribuir para novos estudos sobre a evolução dos grandes répteis. A nova espécie, apresentada nesta terça-feira por pesquisadores do Museu Argentino de Ciências Naturais (MACN) de Buenos Aires, foi batizada de "bicentenário argentino" e seus restos foram achados na província de Rio Negro.

"É muito provável que seja o primeiro representante encontrado de uma nova linhagem dentro da família dos celurossauros, dinossauros que eventualmente deram origem às aves", disse em comunicado o Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet) da Argentina, do qual faz parte o MACN.

O chefe do museu e pesquisador independente do Conicet, Fernando Novas, afirmou que, apesar de a espécie dos celurossauros incluir membros como o tiranossauro rex e o velociraptor, "não se sabe muito sobre as formas primitivas, os primeiros celurossauros".

Os dinossauros adultos do "bicentenário" teriam entre 2,5 e 3 m de comprimento, eram ágeis e magros e, pela forma de seus dentes e a presença das garras, teriam sido caçadores. "Podemos suspeitar que se alimentavam de pequenos dinossauros, herbívoros e filhotes de dinossauros", afirmou Novas.

Os pesquisadores acreditam que o dinossauro teria o corpo coberto por penas. As rochas que continham os ossos do "bicentenário" tem cerca de 90 milhões de anos e correspondem ao período Cretáceo Superior, de um período de 65 milhões há 98 milhões de anos atrás.

"Os fósseis de celurossauros primitivos são raros, e portanto esta nova espécie é muito importante", disse Steve Brusatte, da divisão de Paleontologia do Museu Americano de História Natural, dos Estados Unidos.

Para Brusatte, o achado do "bicentenário" não só ajuda a compreender melhor as origens das aves e seus parentes mais próximos, mas também "indica que os continentes da América do Sul, África, e também na Austrália, tiveram uma diversidade de pequenos dinossauros acima do normal".

fonte:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5861377-EI8147,00-Descoberta+na+Argentina+nova+especie+de+dinossauro+carnivoro.html

Curadora Ana Martins distinguida pelo estudo científico de obras-primas fotográficas

Portuguesa premiada pelo MoMA de Nova Iorque

A curadora portuguesa Ana Martins foi premiada pelo Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque pelo estudo científico de obras-primas fotográficas, incluindo de Henri Cartier-Bresson, que revelaram a «história» de por detrás das impressões.

Ligada ao MoMA há quase cinco anos, a ex-professora da Faculdade de Ciências do Porto foi surpreendida na semana passada, durante uma reunião do pessoal do Museu, com a notícia de que seria este ano a distinguida pela administração pelo seu trabalho, a par de um outro funcionário, da área de Design.

Na coleção do MoMA há com frequência várias impressões de um mesmo negativo, com datas distintas e portanto com uma «história» e papéis fotográficos diferentes, disse à agência Lusa.

fonte:
http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/moma-museu-nova-iorque-curadora-tvi24/1357828-4071.html

Memorial da Democracia terá capital privado e espaço reservado a Lula

Apresentado nesta terça-feira em São Paulo, o projeto do Memorial da Democracia, de responsabilidade do Instituto Lula, deve ter participação de capital privado, além de um espaço reservado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com o presidente da entidade, Paulo Okamotto, a captação de recursos ainda será debatida, e, até o momento, o orçamento da construção não foi finalizado.

"Hoje foi apresentada a proposta do ponto de vista histórico e arquitetônico. Ainda nem sabemos quanto vai custar, e depois veremos a questão do financiamento", disse ele. Segundo Okamotto, uma das ideias é buscar recursos privados, mas não se descarta a chance de captação junto à Lei Rouanet. "Pode pintar a possibilidade de usar a legislação pertinente, mas ainda iremos discutir."

Sobre o uso de lei de incentivo, a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, afirmou que o projeto, se for submetido, será analisado. "Nada impede o projeto de ter o apoio da Lei Rouanet, ele será analisado como qualquer outro que é apresentado." A ministra também esteve presente na apresentação do projeto. Segundo ela, o Instituto Brasileiro de Museus está trabalhando diretamente em relação a assessoria técnica do memorial.

Ana comentou ainda sobre a importância do projeto. "Não construímos uma democracia de uma hora pra outra. As novas gerações crescem já sabendo que existe uma democracia e que é normal, mas não sabe que foi fruto de muitas lutas", afirmou ela. "São períodos curtos que tivemos de democracia plena mesmo, mas a democracia está sempre ameaçada. Então é importante que as pessoas saibam que tem que ser muito bem cuidado e muito bem preservado."


Conteúdo partidário
Aprovado em duas ruidosas votações na Câmara Municipal de São Paulo, com 37 votos a favor, oito contra e uma abstenção, o Memorial da Democracia será construído no espaço conhecido como Cracolândia - são 4,3 mil m², no bairro da Luz, no centro de São Paulo, avaliados em R$ 20 milhões. Pelo texto, a área ficará sob responsabilidade do instituto por 99 anos. Em contrapartida, o museu deve ser aberto à sociedade e permitir acesso gratuito de alunos da rede pública.

O projeto foi questionado pelos vereadores do PSDB e membros da sociedade civil, que argumentam que o Instituto Lula é uma entidade privada e ligada a um político, a quem não caberia contar a história da democracia. "Não é um memorial da democracia partidário. A história da anistia envolveu muitos partidos, assim como a luta pelo voto direto", afirmou Okamotto, acrescentando que há uma confusão entre o memorial e o Instituto Lula.

"Há uma proposta nítida de que haverá o espaço do acervo Lula dentro do memorial, mas ainda será discutido." Embora possa não haver um espaço reservado, "certamente" haverá algum espaço para o ex-presidente, diz Okamotto. "O Lula não foi uma pessoa só de oito anos de governo. Certamente ele estará na dimensão de presidente."

fonte: