terça-feira, 10 de julho de 2012

Exposição ressalta os 80 anos da Revolução Constitucionalista de 1932



O Arquivo Público do Estado de São Paulo e o Museu da Imigração inauguraram nesta semana, feriado estadual da Revolução Constitucionalista de 1932, a exposição SP, 1932: 80 anos do Movimento Constitucionalista.

A mostra reúne peças do acervo do governo estadual e da Polícia Militar que contam a história da Revolução de 1932. Os objetos ficarão expostos até outubro no prédio do Arquivo Público. Ao mesmo tempo foram abertas duas exposições que podem ser vistas apenas pela internet em comemoração aos 80 anos do Movimento Constitucionalista de 1932.

Segundo a diretora técnica do Museu da Imigração e curadora da exposição, Marília Bonas, o foco da exposição é a mobilização popular que envolveu mais de 200 mil homens voluntários que se alistaram para lutar pela independência do estado.

Marília explicou que a ideia é mostrar para as pessoas o que de fato foi a Revolução de 1932. Entre as peças expostas estão cartazes originais das campanhas de arrecadação para financiar o movimento, objetos usados nas trincheiras e um documentário com historiadores explicando o que foi a revolução.

“São os 80 anos da revolução, temos um feriado que pouca gente sabe a fundo o que é e é um assunto bastante complexo porque falamos de uma questão política essencialmente. É a questão da autonomia, democracia, Constituição, todas muito importantes, mas difíceis de explicar para todo mundo. A ideia é trazer um pouco dessa história e explicar o que levou essas 200 mil pessoas para uma guerra em nome de uma causa”.

Marília disse ainda que as exposições virtuais propõem que as pessoas tenham mais tempo, além do que terão com a mostra física, para conhecer a história da Revolução de 1932. De acordo com ela, a mostra 1932: a Guerra Paulista, com curadoria do Arquivo Público do Estado de São Paulo, explora o tema de forma didática e oferece proposta de atividades pedagógicas que podem ser desenvolvidas pelo professor em sala de aula. A exposição pode ser vista no site do Arquivo Público.

Já a exposição 1932, Acervos e Memórias, reúne imagens e informações dos acervos ligados ao tema e que estão sob a guarda de instituições de preservação – museus, arquivos e bibliotecas – em todo o estado de São Paulo. Essa pode ser acessada pelo site do Museu da Imigração.

“Essas exposições dão a escala do que foi a Revolução de 1932 , porque a mobilização é realmente uma coisa impressionante para nós hoje. A exposição traz vários elementos para instigar sobre o fato de que pelo menos 200 mil pessoas se alistaram e só 46 mil puderam ir para a frente de batalha por falta de armamento. E também sobre uma causa política que virou um ideal popular em nome de São Paulo e da sua autonomia e identidade e como isso é construído e reconstruído como memória”.

fonte:
http://jornal.ofluminense.com.br/editorias/cultura-e-lazer/plantao/exposicao-ressalta-os-80-anos-da-revolucao-constitucionalista-de-1

Curso gratuito de audiovisual e interatividade - no Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA).

Curso gratuito de audiovisual e interatividade inscreve até 13 de julho


Aulas fazem parte do IV Módulo de Formação Continuada em Audiovisual Contemporâneo e Mídias Locativas do projeto FACMIL e acontecem no Museu de Arte Moderna da Bahia
Artistas, universitários e profissionais que trabalham com cinema, audiovisual, arte eletrônica, design e têm interesse em desenvolver produções com tecnologias móveis em espaços urbanos podem participar do IV Módulo do Curso de Formação Continuada do projeto de Formação em Audiovisual Contemporâneo e Mídias Locativas (FACMIL), cujo tema é “Audiovisual e interatividade – experimentações com Arduino e PureData”. As inscrições são gratuitas e acontecem até o dia 13 de julho, das 14h às 17h, no Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA).

Os alunos interessados devem comparecer ao MAM, apresentando um mini-currículo, uma carta de interesse e ficha de inscrição preenchida. Os formulários e modelos estarão disponíveis no local.

As aulas acontecem nos dias 4, 5, 11 e 12 de agosto, das 9h às 13h e das 14h às 18h, e serão ministradas por Ricardo Brazileiro e Ricardo Ruiz, com o objetivo de aprofundar conhecimentos em arte e tecnologia, através de discussões e análises sobre processo criativo em obras de artistas contemporâneos, além de aprimorar as produções com a utilização de recursos tecnológicos digitais e mídias locativas. Ao final do curso, os alunos apresentarão um projeto artístico.

Esta é a última etapa do curso de formação continuada (composto por 4 módulos independentes), que proporciona aos alunos aprofundar os conhecimentos em arte e tecnologia, para o aprimoramento da produção através de recursos tecnológicos digitais e mídias locativas.

O projeto, uma realização da Cardim Projetos e coprodução do MAM-BA, tem patrocínio da OI, através do Programa Fazcultura do Governo do Estado da Bahia, e apoio cultural da OI Futuro.

Os Professores

O pernambucano Ricardo Brazileiro é cientista da computação, pesquisador em arte-eletrônica e interatividade e possui experiências em linguagens experimentais, net.art, computação musical e interfaces sensitivas. Em 2005 iniciou seus estudos, pesquisas e experimentações com organismos e interatividades com softwares e hardwares livres. Entre 2007

e 2010 participou de festivais internacionais de arte e tecnologia, como Submidialogia, FILE, Piksel, Ahackittude, LabSurLab, Dorkbot, FAD, Gambiólogos, Continuum e Festival de Cultura Digital. Em 2010 e 2011 recebeu prêmios de pesquisa da Funarte para intercâmbio em Pontos de Cultura, com o projeto Iluminado e Produção Cultural para Internet, com o projeto Cotidiano Sensitivo. Recentemente recebeu menção honrosa no Festival Vivo Arte.Mov 2012 com o projeto 3CO – Ecossistema do Sensitivo, e foi premiado com o mesmo trabalho no 48º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco de 2012. Atualmente é mestrando do Centro de Informática da UFPE e sócio do lab 3Ecologias.net.

Ricardo Ruiz

Designer de hipermídia e comunicólogo, participou de equipes de desenvolvimento de softwares e programas de inclusão digital em coletivos independentes, a exemplo de radiolivre.org, centro de mídia independente e mídia tática brasil, além de participar de iniciativas estaduais e federais com foco em cultura de minorias.

Foi um dos organizadores da  ação Cultura Digital do programa Cultura Viva (Ministério da Cultura) e consultor para os programas GESAC (Ministério das Comunicações), Casa Brasil (Ministério da Ciência e Tecnologia/Ministério da Casa Civil) e para a implementação do Núcleo de Cultura Digital da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. Foi premiado pela Andy Warhol Foundation e New Radio and Performing Arts em 2005 e Pelo Ministério da Cultura – Prêmio Tuxaua – em 2009. Organizou e participou de dezenas de festivais, encontros e seminários sobre mídia, arte, sociedade, tecnologia e cultura em em todo o mundo. Foi curador de mostras de arte para iniciativas públicas e privadas. É membro fundador do Des).(centro – nó emergente de ações colaborativas, instituto de pesquisa em tecnologias da informação e cultura.  Atualmente é consultor em informática para a Fundação José Bonifácio/ECO-UFRJ e sócio-presidente da 3ecologias.net, empresa de soluções sustentáveis em tecnologias da informação e cultura.

Serviço:
Encerramento das inscrições para o Curso de Formação Continuada em Audiovisual Contemporâneo e Mídias Locativas do projeto FACMIL ( Módulo 4 ).
Tema:  Audiovisual e interatividade – experimentações com Arduino e PureData”.
Quando: Até 13 de julho de 2012, sexta-feira – de 14h às 17h (inscrições presenciais)
Onde: Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM) [Av. Contorno, s/n, Solar do Unhão - Tel: 3117-6141

Quanto: grátis
Mais informações:http://bahiamam.org/labmam/
Atendimento à imprensa:
Aleksandra Pinheiro + 55 71 9121-5359 | alepinheiro@comunikapress.com.br
Jamile Amine +55 71 9993-5504 | jamile.amine@comunikapress.com.br
COMUNIKA PRESS +55 71 3497-5000

O novo Museu do Futebol da Inglaterra foi inaugurado na sexta-feira


Manchester inaugura museu de R$ 26 mi: camisa de Maradona é destaque 

O novo Museu do Futebol da Inglaterra foi inaugurado na sexta-feira, em Manchester, e custou R$ 26 milhões para ficar pronto. Há mais de 3 mil peças em exposição, mas a principal delas não é de boas lembranças para a torcida inglesa: a camisa azul, número 10, usada por Diego Maradona na vitória da Argentina por 2 a 1 sobre o "English Team" nas quartas da final da Copa do Mundo de 1986, com direito a gols de placa e de mão do Pibe.


O uniforme foi doado pelo ex-meia inglês Steve Hodge, que trocou de camisa com Maradona após a partida e guardou a relíquia. Até hoje, os ingleses reclamam da "mão de Deus" de Diego, que enganou o goleiro Shilton e o árbitro Ali Bennaceur para abrir o placar com a jogada ilegal. O segundo gol foi a obra-prima do Pibe, que driblou os adversários desde o seu campo até a área do rival (veja no vídeo abaixo). 


- Quando testamos visitas em grupos, esta é a primeira coisa que eles paravam para ver. Acho que esta é uma peça que todos amam observar - disse o diretor de marketing e comunicação do museu, Adam Comstive, ao jornal "Telegraph".

Outra camisa importante no museu é uma camisa usada por Rivellino na campanha do tri da Seleção na Copa do Mundo de 1970. O local também se orgulha de ter a réplica da Taça Jules Rimet conquistada pela Inglaterra em 1966.

No total, o Museu do Futebol de Manchester tem cerca de 140 mil peças em seu depósito, mas "somente" 3 mil ficam em exposição diariamente. A entrada é gratuita. Anteriormente, o museu ficava no estádio Deepdale, usado pelo Preston North End, clube da Terceira Divisão.



Camisa usada por Maradona na Copa de 1986 em exposição na Inglaterra (Foto: Reprodução)A camisa usada por Maradona na Copa de 1986
em exposição na Inglaterra (Foto: Reprodução)



Museu Nacional da China comemora centenário


 Foi comemorado o centenário do Museu Nacional da China nesta segunda-feira, enquanto que os líderes do país pediram maior promoção do tipo da cultura chinesa.

 Em uma carta de parabéns, o presidente chinês Hu Jintao elogiou as grandes conquistas do Museu Nacional em colecionar e proteger as relíquias culturais, em realizar pesquisa científica e organizar exposições.

 Hu também pediu que o museu enriqueça suas coleções, fortaleça a capacidade de pesquisa e exposição, expanda as comunicações internacionais e obtenha novos avanços em um esforço para construir um país com mais força cultural.

 Situado no leste da Praça Tian'anmen no centro de Beijing, o Museu Nacional foi estabelecido em 1912 e hoje conta com uma coleção de mais de 1,2 milhão de peças. É o maior museu do mundo em termos de área de construção.

 Li Changchun, membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC), também participou do evento, e concedeu prêmios para quatro especialistas em patrimônio pelo desempenho excelente e contribuições para a pesquisa acadêmica.

 O chefe do Departamento de Comunicação do Comitê Central do PCC, Liu Yunshan, pediu mais investimento do governo para os museus do país com o objetivo de melhorar seus serviços ao povo.

por Xinhua

fonte:
http://portuguese.cri.cn/561/2012/07/09/1s153464.htm