sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Encontros “CINEMATOGRAPHOS”: ESPECIAL FRANCO TAVIANI Com Franco Taviani e Aurora Bernardini



Sábado, 18 de agosto, das 14 às 19h. Entrada gratuita.
 
A Casa Guilherme de Almeida receberá o conhecido diretor italiano Franco Brogi Taviani, realizador de mais de cem documentários. 

Nesta evento exclusivo no Brasil, ele apresentará três de suas obras: 

14h – La Sostituzione, falado em italiano, com legendas em português. Primeiro trabalho de Taviani em longa-metragem, realizado para a TV, é inspirado em "Alceste", de Eurípedes. 

15h – Maybe God is ill, falado em italiano, com legendas em espanhol. Trabalho premiado com o Grande Prêmio do International Festival of Human Rights, este documentário aborda as questões relativas à pobreza mundial, com foco especial na população africana. 

16h – Coffee-break.
16h30 – Italiani all’Opera, falado em italiano, com legendas em espanhol. Documentário que trata da imigração italiana na Argentina. 

Após a exibição do último filme, Franco Taviani proferirá palestra sobre seu trabalho e participará de conversa com o público, com mediação da professora, ensaísta e tradutora Aurora Bernardini. 

Casa Guilherme de Almeida – Rua Macapá, 187, Pacaembu. Tel. (11) 3673-1883.

José Altino na Bienal Naïf 2012


Com apoio dos amigos do artista e dos parceiros da Babel das Artes e da Secretaria de Cultura do Estado da Paraíba, o artista paraibano José Altino foi conferir em São Paulo a exposição de suas obras premiadas na Bienal Naïfs do Brasil 2012, realizada pelo SESC Piracicaba.

José Altino: o mestre da xilogravura foi premiado na Bienal Naïf 2012.

Duas gravuras do artista — produzidas com a técnica de xilogravura — receberam menção honrosa na bienal realizada pelo SESC em Piracicaba, São Paulo. São elasMacunaíma e Canário da Terra e Rainha do Miramar.

O prêmio deve gerar ainda mais valor para o trabalho do artista, até porque esta edição da Bienal já é considerada a de maior repercussão no mercado das artes. O destaque para o naïf  foi provocado pela mostra coletiva de arte primitiva Histoires de Voir, que está sendo realizada na França.

A exposição na Fundação Cartier, em Paris, gerou demanda pela arte ingênua. As principais galerias da Europa já começaram a garimpar. A Bienal Naïf teve uma novidade: além dos selecionados, convidou artistas para produzir obras de arte contemporânea para dialogar com a também chamada arte naive, o que chamou a atenção de especialistas, da mídia e do mercado.

A Bienal Naïf 2012 teve maior repercussão no mercado e na mídia do que as edições anteriores..

“A informação compartilhada nesta Bienal Naïf foi bastante animadora. Segundo os estudiosos, este é o segmento que mais cresce no mercado de arte, principalmente após a mostra coletiva de arte primitiva na França. A arte Naïf vem ganhando espaço, sobretudo, nas galerias de arte contemporânea”, comenta Altino com entusiasmo.

Exposição de arte primitiva na França alavancou o mercado da arte Naïf.

Com curadoria de Kiki Mazzuchelli a Bienal teve debates em sua programação de abertura. Além de discutir os rígidos critérios para a premiação, o tema Além da Vanguarda: Brutos, Ingênuos, Loucos, Populares, Primitivos teve como objetivo provocar reflexões entre especialistas e artistas sobre o papel da arte popular no presente contexto cultural e sua relação com a arte contemporânea.

Assim como José Altino, Joana Baraúna, paraibana de Santa Rita, radicada em São Paulo, recebeu menção honrosa com dois desenhos selecionados.

José Altino com a pintura de Isa Galindo (no alto), a pernambucana que adotou a Paraíba como lar.

Esta é a segunda participação de Altino na Bienal Naïf. Em 2006 participou da Bienal Naïfs do Brasil [entre culturas] a convite da curadora Ana Mae Barbosa, em uma sala especial de artistas com produção inspirada na arte popular.

Além do mestre da xilogravura, nesta edição a paraibana Joana Baraúna, de Santa Rita, radicada há mais de 10 anos em São Paulo, também recebeu menção em seus dois desenhos selecionados. Isa Galindo, de Caruaru/PE, radicada há décadas na Paraíba, foi selecionada para a Bienal com uma pintura.

José Altino com outros dois grandes artistas: Willi de Carvalho (esquerda da foto) e Sitó (a direita).

José Altino foi recebido por Margarete Regina, do Núcleo Bienal Naïf do Brasil 2012.

fonte
babeldasartes

Ministra da Cultura visita Sinop e vai ao Quarup no Xingu

A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, visitará Sinop, amanhã. Ela chega às 16h30, no aeroporto João Figueiredo e em seguida se reunirá com o secretário municipal de Cultura, Alisson Oliveira, e demais lideranças locais para tratar de projetos culturais em Sinop. 




A ministra está vindo ao Nortão para participar, sábado (18), no Parque Nacional do Xingu,  das festividades do Quarup, um ritual de homenagem aos mortos ilustres celebrado pelos povos indígenas do Xingu. O rito é centrado na figura do primeiro homem do mundo na mitologia indígena, Mawutzinin, que teria criado o mito com o objetivo de trazer os mortos de novo à vida. O mito conta que o ideal de ressuscitação de Mawutzinin foi frustrado, contudo, a festa teve prosseguimento como forma de homenagear os mortos.


De acordo com a tradição, a figura homenageada pelo Quarup passa a incorporar a história mítica cultural, integrando o mesmo nível dos ancestrais que viveram no tempo em que Mawutzinin viveu.

Em Sinop, um dos projetos feitos em parceria com o ministério, atualmente na cidade, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), é catalogação e digitalização das obras do Museu Histórico, também conhecido como Casa da Cultura. Conforme Só Notícias já informou, os alvos do trabalho são 897 fotos, 123 documentos, 185 livros, 129 jornais, 34 utensílios e outros itens. R$ 36 mil são investidos.

O recurso foi confirmado em dezembro do ano passado, a partir da seleção feita pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), ligado ao Ministério da Cultura. O valor faz parte do prêmio Modernização de Museus - Microprojetos, que distribui montantes diferenciados, conforme cada proposta apresentada. O projeto sinopense foi o único selecionado do Estado.

fonte:
http://www.sonoticias.com.br/noticias/1/158209/ministra-da-cultura-visita-sinop-e-vai-ao-quarup-no-xingu

'Abaporu': bem protegido no depósito do Malba


BUENOS AIRES - Depois de passar quatro meses no Museum of Fine Arts de Houston, "Abaporu" (1928), de Tarsila do Amaral, retornou à capital argentina e voltará a ser uma das estrelas da exposição permanente do Museu de Arte Latino-americana (Malba) a partir de outubro. Hoje, a obra está guardada no depósito da instituição, que conta com um sofisticado sistema de proteção contra incêndio, segundo explicou ao GLOBO a responsável pela coleção do museu portenho, Cintia Mezza.



- Temos um sistema que, em caso de incêndio, primeiro elimina o oxigênio no local e depois emite um gás especial para estas situações - conta Cintia.
Na sala de exposições, a proteção das obras é diferente, já que a tecnologia usada no depósito só pode ser empregada em espaços fechados. Em todo o resto do museu, o protocolo contra incêndio estabelece que a primeira ação é a retirada imediata de todas as obras do local, já que o sistema é com jatos de água. A segurança do museu funciona 24 horas.
- Temos uma coleção muito valiosa, também com obras de Di Cavalcanti, Portinari, Frida Kahlo e Diego Rivera, entre outros - diz Cintia.
O empresário argentino Eduardo Costantini, dono do Malba, comprou o "Abaporu" há 12 anos. Desde que foram abertas as portas de um dos museus portenhos mais visitados por argentinos e turistas, a tela é uma das grandes vedetes da coleção permanente. O quadro havia sido enviado para uma exposição no museu de Houston com outras 38 obras do Malba. Todas transportadas de avião, em caixas de madeira especiais, de 60 cm de espessura

fonte:
Agência O Globo