quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Ibram aposta em novo sistema para melhor comunicação com museus brasileiros



Karla Uzeda, chefe do Cadastro Nacional de Museus (CNM/Ibram), apresentou a proposta do projeto iMuseus na primeira palestra do Conexões Ibram hoje (21) em Porto Alegre (RS).
Mesa iMuseus – Conexões RS
O projeto consiste em disponibilizar informações de qualidade “sobre os museus e para os museus”.
Além dos dados que constam no Informativo Temático RS, com um recorte da publicação Museus em Números sobre a realidade do estado, Uzeda (foto) falou ainda sobre o novo sistema que o Ibram desenvolve para as instituições museais.
“O novo cadastro vai possibilitar uma busca ágil por informações, além de permitir exportação de dados, geração de gráficos etc, ampliando o acesso de pesquisadores e interessados na área”, esclareceu. Ainda não há data para o nova versão do CNM entrar no ar.
A professora da Universidade Federal do RS (UFRGS), Ana Maria Dalla Zen também participou da mesa e apresentou o projeto de pesquisa Caminhos dos Museus –  proposta de integrar os museus às rotas turísticas gaúchas. “Para que essa integração aconteça, contudo, é preciso que o museu esteja funcionando, de portas abertas para o público”, afirmou.
Noris Leal, professora do curso de Museologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), mediou o debate e lembrou da importância dos fóruns estaduais e nacionais de museus e um maior conhecimento sobre a Carta do Rio Grande, produzida no 8º Fórum Estadual de Museus (2002), pois “muito daquela carta precisa ser implantado ainda”.
Texto e foto: Ascom/Ibram

Novos empreendedores abraçam o programa, recuperando as características de prédios seculares e contribuindo para a preservação cultural do Centro Histórico que é de Santos, de São Paulo e do Brasil.


Novo Pólo Turístico de Santos completa 12 anos seduzindo investidores

As crianças e os adolescentes que antigamente passavam as férias escolares em Santos guardam saudosa memória da cidade. Lembranças infantis onde reinam o jardim, as praias, o Aquário e o Orquidário, entre outras.
Cerca de 1/7 dos novos empreendedores recuperam as características de prédios seculares e contribuem para a preservação cultural do Centro Histórico - Divulgação
Cerca de 1/7 dos novos empreendedores recuperam as características de prédios seculares e contribuem para a preservação cultural do Centro Histórico - Divulgação
Adultos, muitos continuam retornando com filhos e netos, ou se mudando definitivamente para o litoral. Os ausentes, contudo, desconhecem as novidades incorporadas a essas atrações santistas. E ignoram que aqueles bondinhos que circulavam pela praia ganharam status especial na Linha Turística de Bonde do novo pólo turístico: o Centro Histórico. Seu 12º aniversário – celebrado a partir da data em que, no ano 2000, foi instituído o Dia do Centro Histórico, pela lei 1.891 – aconteceu na quinta-feira (16/08). Desde aí, o local está sendo marcado por mudanças de cenário arquitetônico, retorno de empresários, aquecimento do comércio e do turismo.
Formada pelos bairros do Valongo, Vila Nova, Paquetá, Vila Mathias e o Bairro Chinês – criado em 2011 como o 69º de Santos – a região já recebeu R$ 194 milhões de investimentos, entre 2003 e 2011. A expansão deve-se a aplicações da Prefeitura Municipal de Santos (PMS), iniciadas em 2000, e ao programa ‘Alegra Centro’. Criado em 2003, ele visa o desenvolvimento socioeconômico com a revitalização do patrimônio público ( com recursos dos poderes municipal, estadual e federal) e a oferta de isenções fiscais a empresas privadas.
Até 2011 foram atendidos 3.016 empresários. Suas atividades estão ligadas à gastronomia e ao entretenimento, além do setor portuário, principal responsável pela instalação de escritórios. Para ter direito à isenção de tributos, as firmas precisam restaurar e se estabelecer em imóveis antigos. Como consequência, cerca de 1/7 dos novos empreendedores abraçam o programa,  recuperando as características de prédios seculares e contribuindo para a preservação cultural do Centro Histórico que é de Santos, de São Paulo e do Brasil.
Valongo, a espinha dorsal
É no Valongo, conhecido por reunir a antiga Estação Ferroviária e o Santuário Santo Antônio do Valongo, que está concentrado o maior volume de novos investimentos. Numa área de 25 mil m², do Largo Marquês de Monte Alegre, está sendo erguida a sede da Unidade de Exploração e Produção de Gás e Petróleo da Bacia de Santos, da Petrobras. Serão três torres para mais de 6.000 funcionários, com a primeira etapa do empreendimento prevista para terminar em 2013.
Em fase mais adiantada está a construção do Museu Pelé, projeto da prefeitura que abrigará objetos pessoais, fotos, filmes e troféus do Atleta do Século. Considerado promessa de fortalecimento do turismo internacional, está sendo erguido em edificação de 1865, antiga sede da Câmara e prefeitura,
A atração mais recente fica em frente, na Estação do Valongo, sede da Secretaria Municipal de Turismo: o Estação Bistrô, primeiro restaurante-escola do litoral. Fruto de convênio da prefeitura com a Sociedade Visconde de São Leopoldo e a UniSantos, conta com a participação de jovens desempregados ou em situação de risco.
Próximo dali será implantado o ‘Porto Valongo Santos’, que prevê a revitalização da área dos armazéns 1 ao 8, transformando-a em complexo turístico, náutico, cultural e empresarial. Bem pertinho surgirá o primeiro Complexo Comercial e Hoteleiro do Valongo, com duas torres de 21 pavimentos.
No Centro, outro empreendimento comercial mudará a paisagem urbana da rua João Pessoa, impulsionando a revitalização do local. Com previsão de receber cerca de 5.000 pessoas por dia, o Tribuna Square abrigará estúdios, redação e os veículos de locomoção da TV Tribuna.
Obras atuais
Com o objetivo de oferecer melhor infraestrutura, conforto e segurança, a prefeitura vem realizando melhorias em diversas áreas da região. Entre os destaques, a recuperação do bulevar da Rua XV de Novembro, que recebeu novo piso, rede de drenagem, lixeiras, bancos, monumento em homenagem aos corretores de café e colocação da estrutura para passagem de fibra ótica e monitoramento.
Estão em andamento a manutenção do terminal de passageiros da catraia, como parte das melhorias no entorno do Mercado Municipal, e a reurbanização da rua Amador Bueno. No cronograma ainda está prevista a reurbanização da rua João Pessoa, entre outras ruas e calçadas.
Como bom inquilino que ocupou o edifício durante oito anos, o prefeito João Paulo Papa está preparando a sede da PMS para seu sucessor, com restauro das fachadas e telhado do prédio cujo nome homenageia um dos mais ilustres santistas, José Bonifácio.

fonte:

Artistas em início de carreira interessados em participar têm até o dia 6 de outubro para enviar seus projetos.


Paço das Artes lança edital para Temporada de Projetos 2013



Nesta segunda-feira (20/8), o Paço das Artes lança o edital para a Temporada de Projetos 2013. O objetivo do programa é o fomento às manifestações artísticas contemporâneas, promover a produção artística e incentivar a reflexão teórica.
A última edição do programa será acompanhada do Projeto Portfólio, com exposições individuais dos artistas Bartolomeo Gelpi, Carlos Monroy e Pedro Motta. Além disso, haverá o lançamento do catálogo da Temporada de Projetos 2010 e a exposição Co-movere, de Marie Ange Bordas.
Neste ano, serão selecionados 10 projetos, sendo um de curadoria e 9 de artistas. Os artistas escolhidos receberão o Prêmio de Participação de R$ 1.300. Já o projeto de curadoria receberá o valor de R$ 3.200.
Entre os nomes de artistas que despontaram ao longo da trajetória da Temporada de Projetos, estão Gisela Motta, Leandro Lima, Lia Chaia, Daniela Kutschat, Rejane Cantoni, Ricardo Carioba, Raquel Kogan, Cine Falcatrua, Ana Holck, Marcellvs L., Débora Bolsoni. No campo da curadoria, destacaram-se Christine Mello, Kiki Mazzucchelli e Érika Fraenkel.

Para se increver, clique aqui.
*Com informações da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo

Projétil da Segunda Guerra é encontrado em museu na Polônia


O museu de Antropologia de Varsóvia foi evacuado nesta terça-feira quando, devido a obras de reforma no edifício, foi encontrado um projétil não deflagrado da Segunda Guerra Mundial.
Cerca de 150 estavam no prédio, quando um grupo de operários informou ter localizado a carga explosiva, localizada entre o primeiro e o segundo andar do imóvel. Uma equipe anti-bombas se dirigiu ao museu para desativar o artefato.
O projétil pode ter sido deixado no local pelo Exército alemão, durante enfrentamento que se seguiram a insurreição da população de Varsóvia contra a ocupação nazista, durante a Segunda Guerra Mundial.

fonte:

No dia do folclore, museu em Santos oferece consultas de borra do café

Para o dia do folclore, o Museu do Café de Santos, no litoral de São Paulo, preparou uma programação especial. Nesta quarta-feira (22), moradores da cidade terão a oportunidade de fazer consultas pela borra do café gratuitamente. No sábado (25) haverá um workshop para os interessados em aprender a técnica da cafeomancia.

A cafeomancia é uma técnica milenar de origem árabe, que inicialmente tinha o princípio de passatempo e entretenimento, mas atualmente é difundida como uma forma para realizar previsões pessoais. A tradição consiste na associação das marcas deixadas pela borra de café na xícara a uma das imagens de uma lista de elementos, como âncora, árvore, chave, lua, e na interpretação de seus significados. O estudioso Yam Lopes explica que a previsão é feita a partir do formato das borras. "É mais comum usar para esse processo o café turco, que é mais forte e usa-se mais pó, a pessoa que faz a consulta bebe um gole do café e depois despejo sobre um prato. Também há a opção de olhar direto pela xícara", explica Lopes.

As consultas serão oferecidas gratuitamente nesta quarta-feira, das 12h às 14h, no espaço da Cafeteria do Museu do Café, que fica na rua XV de Novembro, 95, em comemoração ao dia do folclore. Já o workshop de cafeomancia está com as vagas esgotadas. Na quarta-feira, a programação também inclui a oficina de confecção de vitral, que será realizada às 15h e é aberta ao público. Outras informações pelo telefone (13) 3213-1750.

Museu do Café oferece cafeomancia no mês do Folclore (Foto: Divulgação/Prefeitura de Santos)Museu do Café oferece cafeomancia no mês do Folclore (Foto: Divulgação/Prefeitura de Santos)

Atividades são gratuitas e acontecem no Museu do Café.
Consultas de graça serão oferecidas nesta quarta-feira (22).


fonte:

O interesse brasileiro por arte contemporânea vem crescendo. Em 2011, o Brasil abrigou algumas das exposições com maior média de público do mundo e


O interesse brasileiro por arte contemporânea vem crescendo. Em 2011, o Brasil abrigou  algumas das exposições com maior média de público  do mundo e já consta da lista da conceituada revista americana The Art Newspaper entre os países que abrigam os museus mais visitados do planeta.
 
Essa efervescência cultural também tem movimentado a indústria de seguros. A exposição “Tarsila – Percurso Afetivo” e “Paris: Impressionismo e Modernidade”, em cartaz no CCBB, contaram com o seguro do Grupo BB e Mapfre.
 
“A procura pelo seguro de obras de arte tem uma razão: por se tratar de objetos de alto valor financeiro e patrimonial, o seguro tem sido item obrigatório no gerenciamento de coleções individuais e de museus. As coberturas existentes costumam superar as necessidades das obras, entretanto, ainda são poucas as seguradoras que operem no ramo, se considerado o potencial do Brasil em cultura”, explica Danilo Silveira, superintendente de seguros gerais do Grupo Segurador BB e Mapfre.
 
Além de ajudar no inventário das coleções, os seguros dão garantia de indenização em caso de algum incidente com a obra. “O valor pode contribuir para o reparo do bem ou a compra de outro similar”, argumenta Silveira.
 
O seguro também cobre eventos de quaisquer natureza externa e depreciação, em caso de acidente. “Hoje, o mercado brasileiro oferece as mesmas soluções que o mercado internacional, com coberturas do tipo ‘All Risks’”, ressalta o executivo.
 
Dos historiadores e arquitetos ao transportador – que deve ser especializado no segmento de manuseio, transporte e embalagem de obras de artes e afins – passando pelos peritos, que avaliam os riscos a que as obras podem ser expostas, todo o trabalho de gerenciamento das obras de arte é realizado por especialistas. A rede de profissionais (incluindo, ainda, restauradores, museólogos e especialistas em organização digital e física de patrimônios) e a capacidade de resseguro das obras (com possibilidade de segurar importâncias de alto valor) são alguns itens que fazem as diferença entre as seguradoras.
 
No caso do Grupo BB e Mapfre, contam know-how e o fato de o seu patrimônio ser compatível às importâncias seguradas.
 
Apesar de a modalidade de seguros para obras de arte ainda não estar madura no Brasil, mercado de arte está evoluindo e cada vez mais colecionadores privados, instituições culturais, museus e galerias buscam proteção para suas obras. “Se comparado ao mercado internacional, as taxas praticadas no Brasil ainda são pouco competitivas, mas a conscientização sobre a importância do seguro tem aumentado, uma vez que a indenização supera até 100 vezes o valor pago pelo seguro”, explica Silveira.
 
Este mercado é crescente e rentável também ao corretor, na opinião de Silveira. Baixa concorrência e atendimento simplificado e rápido a sinistros são alguns de seus diferenciais.
 

 Fonte:

Inscrições Oficina Rogelio López Cuenca No/w/here: São Paulo


15 vagas | Interessados enviar email de intenção e CV, máx. 500 caracteres, a cultura7@ccebrasil.org.br até o dia 2 set


Convidamos você a participar da Oficina No/w/here: São Paulo, do artista espanhol Rogelio López Cuenca. 

Esta atividade, paralela à 30ª Bienal de Arte de São Paulo, se realizará entre os dias 10 e 14 de setembro, das 17h às 21h, no CCE_SP. 

Esta oficina propõe uma análise crítica das diferentes metodologias aplicadas em diversos projetos de intervenção artística na esfera pública. 

Mediante a discussão de projetos realizados pelo artista em várias cidades, ao longo das duas últimas décadas, se propõe uma metodologia de trabalho que toma como referência específica o lugar e momento precisos em que nos encontramos, o contexto imediato da cidade de São Paulo, o outro lado de seus calendários e efemeridades, de seus heróis e de seus monumentos, desenhar um mapa da alteridade, de outras geografias, de outras histórias. A oficina complementa a mostra Em trânsito, que o artista, que ja f oi convidado na 25ª Bienal de São Paulo (2002) vem realizando em diversas cidades da Europa e América, e que será apresentada no mês de setembro no CCE_SP.

Av Angelica - SP