sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Energisa inaugura Museu e Centro de Memória da Zona da Mata – Cataguases - MG



Cultura, educação, memória e sustentabilidade – estes foram os temas que nortearam os diferentes eventos que mobilizaram gestores da Fábrica do Futuro, em ações promovidas em Cataguases, Belo Horizonte e São Paulo.


Em Cataguases (MG), a inauguração do Museu Energisa e do Centro de Memória da Zona da Mata reuniu autoridades estaduais e municipais em evento realizado no Centro Cultural Humberto Mauro, dia 24 de agosto. O evento contou com a presença do vice-governador, Alberto Pinto Coelho, o secretário de Governo de Minas Gerais, Danilo de Castro, prefeitos e secretários de municípios da Região, a diretoria da Energisa, entre outras autoridades.

Ocupando um belo casarão na principal avenida da cidade, o Museu Energisa vai contar a história da energia elétrica no planeta e, em especial, a trajetória da empresa Energisa, instalada na Zona da Mata mineira em 1905. Já o Centro de Memória dispõe de uma sala multiuso, equipada para exibição de filmes e apresentações culturais, e uma sala dotada de monitores para disponibilizar arquivos de jornais, fotos e iconografia da Região. A Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, entidade mantida pela Empresa, é a idealizadora e coordenadora dos dois espaços.


Destaque na inauguração, o painel “Produção Cultural em Minas Gerais – Oportunidades, Desafios, Redes e Parceria” contou com a presença de secretários de cultura e educação de vários municípios, gestores e produtores culturais de Cataguases e Região. Na mesa redonda estiveram presentes: Daniela Machado, daSecretaria de Estado da Cultura; Andrea Matos, da Via Social, André Borges, do Projeto Estação Digital de Além Paraíba; Cesar Piva, da Fábrica do Futuro, em debates mediados por Mônica Botelho, presidente da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho.

fonte:

Picasso Black and White - Guggenheim - NY


                                            
                                             October 5, 2012–January 23, 2013
Surveying the Spanish master’s oeuvre from 1904 to 1971, Picasso Black and White examines the artist’s lifelong exploration of a black-and-white palette through 118 paintings, sculptures, and works on paper. Picasso’s deceptively simple use of isolated black, white, and gray hues belies the extraordinary complexity and power of these expressive works, which purge color in order to highlight their formal structure. The exhibition traces the artist’s unique vision thematically throughout his whole body of work, including early monochromatic blue and rose paintings, gray-toned Cubist canvases, elegant and austere neoclassical portraits and nudes, Surrealist-inspired figures, forceful and somber scenes depicting the atrocities of war, allegorical still lives, vivid interpretations of art-historical masterpieces, and the electric, highly sexualized canvases of Picasso’s last years.

Pablo Picasso, The Milliner's
Workshop
 (Atelier de la modiste), Paris, January 1926
This exhibition is sponsored by Bank of America.
Pablo Picasso, The Milliner's Workshop (Atelier de la modiste), Paris, January 1926. Oil on canvas, 172 x 256 cm. Musée national d’art moderne/Centre de création industrielle, Centre Pompidou, Paris, Gift of the artist, 1947. © 2012 Estate of Pablo Picasso/Artists Rights Society (ARS), New York. Photo: CNAC/MNAM/Dist. Réunion des Musées Nationaux/Art Resource, NY



Major support is provided by the Picasso Black and White Leadership Committee: Christina and Robert C. Baker, Chairs; Acquavella Galleries; The Aaron I. Fleischman Foundation; Gagosian Gallery; J. Ira and Nicki Harris Foundation; The Lauder Foundation—Leonard and Evelyn Lauder Fund; Phyllis and William Mack; Nancy C. and Richard R. Rogers; Stephen and Nan Swid; and Patricia and George Weiss.

Additional support is provided by the National Endowment for the Arts, the Blanche and Irving Laurie Foundation, and the Juliet Lea Hillman Simonds Foundation.

This exhibition is supported by an indemnity from the Federal Council on the Arts and the Humanities.

--------------------------------traduzido via google

Pablo Picasso, Workshop A chapelaria (Atelier de la costureira), Paris, janeiro 1926
Pablo Picasso, Oficina A chapelaria (Atelier de la costureira ), Paris, janeiro de 1926. Óleo sobre tela, 172 x 256 cm. Musée National d'Art Moderne / Centre de Création Industrielle, Centre Pompidou, Paris, presente do artista, 1947. © 2012 Imóveis de Pablo Picasso / Direitos Artistas Society (ARS), New York. Foto: CNAC / MNAM / Dist. Reunião des Musées Nationaux / Art Resource, NY
de 05 de outubro de 2012, até janeiro 23, 2013
Levantamento da obra do mestre espanhol 1904-1971, Picasso preto e branco examina exploração ao longo da vida do artista de uma paleta de preto-e-branco através de 118 pinturas, esculturas e obras sobre papel.  
 Utilização extremamente simples de Picasso de isolado preto, branco e tons de cinza desmente a extraordinária complexidade e poder destas obras expressivas, que cor purga, a fim de realçar a sua estrutura formal. A exposição traça visão única do artista tematicamente por todo o corpo inteiro de trabalho, incluindo início monocromático azul e pinturas rosa, telas cinza com tons cubistas, elegante e austeros retratos neoclássicos e nus, de inspiração surrealista e figuras, cenas fortes e sombrias que retratam as atrocidades da guerra, alegóricas vidas ainda, interpretações vivas da arte-históricas obras-primas, e os elétricos, telas altamente sexualizadas dos últimos anos de Picasso.
Esta exposição é patrocinada pelo Bank of America. maior apoio é fornecido pelo Picasso Preto e Branco do Comitê de Liderança: Christina e Robert C. Baker, cadeiras; Galerias Acquavella; I. O Aaron Fleischman Foundation; Gagosian Gallery; J. Ira e Nicki Harris Fundação; A Fundação Lauder-Leonard e Evelyn Lauder Fundo; Phyllis e William Mack; Nancy C. e Richard R. Rogers, Stephen e Nan Swid;. e Patrícia e George Weiss apoio adicional é fornecido pelo National Endowment for the Arts, as Blanche e Irving Laurie Foundation, e a Julieta Lea Hillman Foundation Simonds. Esta exposição é apoiada por uma indenização do Conselho Federal para as Artes e as Humanidades.
fonte:

A arte islâmica no Museu do Louvre na França

Uma nova estrutura no museu do Louvre vai abrigar o departamento de artes do Islã, em Paris.

A cidade quer se tornar a capital artística da cultura islâmica em um momento de tensão em vários países muçulmanos revoltados com um filme produzido nos Estados Unidos.



vídeo com 1:36

fonte:
http://www.youtube.com/watch?v=IFzoIpWUP60
Crédito: AFP/afpbr

Um bilhete dá direito a visitar três museus (Arqueologia, Arte Popular e Coches) onde decorrem concertos, "workshops", peças de teatro, mostras e exposições. É este o espírito do Belém Art Fest.



Musicalmente falando, o evento recebe, no Museu Nacional de Arqueologia, uma homenagem a Nina Simone, grande senhora do jazz-soul espiritual, por Selma Uamusse, que conhecemos de projectos como Shout! ou Cacique 97.

Por este espaço passam também The Soaked Lamb (viagem no tempo via "Evergreens") e a dupla formada por Elisa Rodrigues e Júlio Resende ("standards" americanos revistos em "Heart Mouth Dialogues").

No Museu de Arte Popular escuta-se o pós-punk soalheiro dos Nice Weather For Ducks, o blues-rock dos The Doups e a vertigem dançável da dupla Youthless, bem como as selecções da trupe de "Amazing DJ's".

O Museu Nacional dos Coches propõe, por seu lado, uma abordagem à canção urbana a partir de três vozes: Pedro Moutinho, Teresa Lopes Alves e Maria Ana Bobone.

As artes cénicas fazem-se representar, no Museu de Arte Popular, com a reflexão performática sobre o amor “Made in China” (20h15)´. Um amor saído do cinema, das telenovelas, músicas ou até de histórias que “serão como um electrodoméstico barato que não respeita o registo de patentes”. O Grupo de Teatro da Nova promete um jogo amoroso repleto de pirosice e lamechice e sem qualquer pudor.

fonte:
http://lazer.publico.pt/festivais/310115_belem-art-fest

Museus do Amapá participam da 6ª Primavera dos Museus com uma vasta programação

Unidades da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) participam, no mês de setembro, da 6ª Primavera dos Museus, iniciativa do Instituto Brasileiro de Museus, que envolve cerca de 800 instituições em 354 municípios. Em Macapá estão programadas exposições, oficinas, palestras e várias opções de atividades que estimulam o debate sobre temas atuais e de relevância histórica.

A abertura oficial será na segunda-feira, 24, às 8h, envolvendo todos os Museus, no auditório do Museu Sacaca.

O tema escolhido para este ano é “A Função Social dos Museus”. As atividades têm entrada gratuita. Participam do evento, no Amapá, os Museus Fortaleza de São José de Macapá, Kuahí (em Oiapoque), Joaquim Caetano da Silva, Museu da Imagem e Som, de Arqueologia e Etnologia, da Base Aérea do Amapá e também o Museu Sacaca, este, vinculado ao Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa).

A Primavera dos Museus acontece anualmente no início da primavera. Neste ano, a sua 6ª edição ocorrerá no período de 24 a 30 de setembro, quando instituições museológicas de todo o país promoverão eventos em torno do tema “A Função Social dos Museus”. Essa iniciativa, coordenada pelo Ibram, tem como objetivo sensibilizar os museus e a comunidade para o debate sobre temas da atualidade, mesma intenção depositada na Semana Nacional de Museus.

A função do museu deve centrar-se em poder colocar a população local em contato com sua própria história, suas tradições e valores. Por meio destas atividades, o museu contribui para que a comunidade tome consciência de sua própria identidade que geralmente tenha sido escamoteada por razões de ordem histórica, social e racial. (Documento do ICOM – Conselho Internacional de Museus, 1986, apud França, 2009).

Acompanhe a programação nos Museus Fortaleza de São José de Macapá, Joaquim Caetano da Silva, Museu de Arqueologia e Etnologia do Amapá e no Museu da Base Aérea do Amapá:
Museu Fortaleza de São José de Macapá

Dia 23 – Domingo
Exibição do filme “Os Dois Filhos de Francisco”, o filme que tocou o Brasil.
Local: Fosso Seco Oeste do Museu Fortaleza de São José de Macapá (próximo ao estacionamento da Fortaleza).
Horário: 20h às 22h10

Dia 24 – segunda-feira
Abertura da 6ª Primavera dos Museus no Amapá: Os Museus como Instrumento de Transformação Social.
Local: Auditório do Museu Sacaca
Horário: 8h às 12h
Público: Funcionários dos Museus e Afins

Dia 24 – segunda-feira
Painel: Museus no Amapá: Perspectivas para um Sistema Estadual de Museus.
Local: Auditório do Museu Sacaca
Horário: 14h às 18h
Público: Funcionários dos Museus e Afins

De 25 a 30
Conquistando novos doadores de sangue.
Local: Setor de Visitação do Museu Fortaleza de São José de Macapá
Horário: 8h às 12h e 14h às 18h

DIA 25 a 30
Pintura e desenho da Fortaleza de São José de Macapá em azulejo e prato com tinta óleo e verniz.
Local: Praça Central do Museu Fortaleza de S. José de Macapá

Horário: 15h às 18h
Artista Plástico: James J. Sales
Museu Joaquim Caetano da Silva

Dia 24 – segunda-feira
Hora: 8h às 12h
Solenidade de abertura
Palestra: Os Museus como Instrumento de Transformação Social
14h às 18h
Palestra: Museus no Amapá: Perspectivas para um sistema estadual de museus.
Local: Auditório do Museu Sacaca

Dia 25 – terça-feira
Hora: 9h
Palestra: “A função social dos Museus”
Abertura da exposição “Memória de Bairros”
Local: Colégio Amapaense

Dia 26 – quarta-feira
Hora: 9h
Palestra: “A Função Social dos Museus”
Exposição: “Memórias de Bairros”
Local: Escola Estadual Azevedo Costa

Dia 27 – quinta-feira
Hora: 9h
Exposição: “Memória de Bairros”
Local: “Alexandre Vaz Tavares”.

Dia 28 – sexta-feira
Horário: 9h
Palestra “O Centenário de Janary Gentil Nunes”
Local: Escola Janary Gentil Nunes (Fundação Bradesco)
Município de Santana

Dia 29 – sábado
Horário: 9h
Exposição – “Memórias de Bairros”
Palestra: “A Função Social dos Museus”
Local: Escola Estadual Maria Ivone de Menezes
Museu de Arqueologia e Etnologia do Amapá

Dia 24 – Abertura no Museu Sacaca, às 8h

Dias 25 e 27
Local: MAE-AP, rua São José, de canto com a FAB, na antiga Casa da Floresta.
Manhã: Oficina de Pintura – Produção de desenhos de observação, atividade lúdica e exibição de documentário.
Público: NEI- Núcleo de Ensino Integrado.
Tarde: Exposição Etnológica, artesanato e apresentação de documentário Livre.

Dias 28 e 29
Local: MAE-AP
Exposição Etnologia e Artesanato.
Apresentação de documentário sobre culturas indígenas.
Publico: Livre
Museu da Base Aérea do Amapá

Dia 24 – abertura no Museu Sacaca, às 8h
Dias 26 e 27 – quarta e quinta-feira (no município de Amapá)
Local: Todas as ações acontecerão na Escola Estadual Vidal de Negreiros
Manhã: oficina de teatro – 8h30 às 11h30
Oficineiro: Paulo Cesar Alfaia Neves
Tarde: oficina de artesanato – 14h30 às 18h
Oficineiro: Rosangela Nascimento Costa da Silva
Noite: exibição de filme – 18h30

Dia 28 – sexta -feira
Palestra: “Preservação de Patrimônio” (Secretaria de Cultura) – 8h30 às 9h30
Prof.ª Cleide Martins dos Santos
Manhã: Palestras: “Prostituição e Droga” (Parceria com Secretaria de Segurança Publica) – 10h50 às 12h
Tarde: Palestra: “Preservação de Patrimônio” (Secretaria de Cultura) – 14h às 15h30
Prof.ª Cleide Martins dos Santos
Palestras: “Prostituição e Droga” (Parceria com Secretaria de Segurança Publica) – 16h às 17h30
Noite: exibição de filme – 18h30

Dia 29 – sábado
Manhã: Passeio ciclístico – 9h
Saída: Museu da Base Aérea do Amapá
Chegada: Praça Barão do Rio Branco
Tarde: Pronunciamento da “Cleide Martins” – Coordenadora de Preservação – 16h30
Exposição do artesanato produzido na oficina – 17h
Apresentação de teatro – 18h
Encerramento: Apresentação do Grupo Faces da Vida – 19h
Rita Torrinha/Secult

http://www.correaneto.com.br/site/noticias/31475

vaga de Bibliotecário Júnior - Salário: R$ 2.400,00

A SP Leituras abre processo seletivo para preenchimento da vaga de Bibliotecário Júnior para a Biblioteca de São Paulo. Interessados devem encaminhar currículos para selecao@spleituras.org até 25 de setembro.

 
SOBRE A VAGA

Conhecimento em:
  • Biblioteca virtual;
  • Sistema BNweb.

Atividades a serem executadas:
  • Tombamento, classificação, catalogação, indexação, inventário;
  • Realizar pesquisas através de meios diversificados como: internet, benchmarking, recursos formais, pesquisas de autores e outros;
  • Atualizar catálogo virtual.

Escolaridade: Superior completo em Biblioteconomia.

Horário de trabalho: segundas-feiras, das 9 às 18 horas, e de terça a sexta-feira, das 12 as 21 horas.

Salário: R$ 2.400,00

Benefícios oferecidos: 
  • Vale-transporte;
  • Vale-refeição;
  • Convênio farmácia;
  • Assistência médica.

fonte:
http://www.spleituras.org.br/2012/09/bibliotecario-junior-para-a-biblioteca-de-sao-paulo/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+Spleituras+%28SPLeituras%29