quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Fomento aos Museus: Ibram lança edição 2012 do Prêmio Pontos de Memória

Diário Oficial da União, edital nº 9, do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), que trata da seleção pública Prêmio Pontos de Memória 2012, que integra o Programa de Fomento aos Museus Ibram.
O objeto do edital é premiar 60 iniciativas de memória e museologia social, visando reconhecer, incentivar e fomentar a continuidade e sustentabilidade na perspectiva do Programa Pontos de Memória.

Serão reconhecidas 50 iniciativas desenvolvidas por grupos, povos e comunidades em âmbito nacional, com R$ 30 mil cada, e outros 10 iniciativas de brasileiros no exterior, que se caracterizem por ações de registro e representação da sua memória, com R$ 50 mil cada.

Em qualquer uma das categorias, o valor correspondente ao prêmio deverá ser utilizado para despesas ligadas ao aprimoramento da iniciativa de memória social ou processo museal, no prazo de sete meses após o recebimento do prêmio, conforme Plano de Trabalho apresentado.

O prazo para as inscrições será do dia 22 de novembro de 2012 às 23h30 do dia 14 de fevereiro de 2013, e podem ser realizadas, gratuitamente, por meio do sistema SalicWeb.

Poderão participar da seleção pública pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, que desenvolva atividades referentes ao objeto do Edital há pelo menos três anos. O edital está disponível para baixar.

Texto: Ascom/Ibram

Marta Suplicy pede emendas para construir museus

A ministra explicou que já estão sendo construídos 360 CEUs das artes em 5 mil municípios, porém ela quer mais 250 em locais que necessitam.

 

A ministra da Cultura, Marta Suplicy
A ministra da Cultura, Marta Suplicy: Marta também pediu emendas para a construção do Museu Afro-brasileiro em Brasília


Brasília - A ministra da Cultura, Marta Suplicy, pediu hoje (21) aos coordenadores de bancada da Câmara emendas para os centros de Ensino unificados das Artes (CEUs das Artes) e para a construção de museus.

A ministra explicou que já estão sendo construídos 360 CEUs das artes em 5 mil municípios, porém ela quer mais 250 em locais que necessitam. “Seis já foram inaugurados, mas, desde 2010, 10% foi construído.”

A deputada Marinha Rupp (PMDB-RO), seguida por outros parlamentares, disse que o ideal seria o Plano de Aceleramento do Crescimento (PAC) destinar mais recursos para a cultura como ocorre com outras áreas, como a de infraestrutura.

Marta também pediu emendas para a construção do Museu Afro-brasileiro em Brasília. O objetivo do governo é construir museus em cada estado como o de Luiz Gonzaga, em Campina Grande, na Paraíba.

fonte:
http://exame.abril.com.br/brasil/politica/noticias/marta-suplicy-pede-emendas-para-construir-museus

 

Em louvor a diversidade: os bancos do Brasil

“Em louvor a diversidade: os bancos do Brasil”, exposição realizada na Droog, em Amsterdam, mostrou dois meses atrás 55 objetos criados por designers e comunidades de artesãos e indígenas de várias regiões do Brasil para destacar a nossa diversidade.

A decisão de apresentar os bancos juntos, lado a lado, serviu ao propósito de explorar a ideia de como a mesma função – a sentar-se – pode resultar objetos totalmente diferentes.

Bancos artesanais do Brasil expostos lado a lado provam que a forma segue a função, mas vai além, expressando a cultura do local em que os objetos são criados e produzidos.

Enquanto bancos indígenas têm grafismos ricos em significados e parecem animais, outros têm formas limpas como se viessem diretamente da Bauhaus. Os bancos feitos por artesãos que trabalham com materiais disponíveis na comunidade onde vivem, frequentemente incluem lições valiosas sobre conforto ergonômico e uso adequado de matérias-primas.

A mostra, com curadoria de Adélia Borges,  contou com um painel para debater algumas questões, entre elas:

Qual é a linguagem do século 21?
O artesanato vai desempenhar um papel decisivo na criação de diversidade ou os desenvolvimentos digitais com as possibilidades de produção pessoal a assumí-lo?
Podem os desenvolvimentos digitais melhorarem a expressão cultural local e artesanato?
Em um cenário cada vez mais diversificado, qual a marca de uma identidade nacional de design?

fonte
babeldasartes

Museu-Holanda: Metade das gravuras atribuídas a Rembrandt pode não ser do artista

SÃO PAULO, SP, 21 de novembro (Folhapress) - Metade das gravuras que são atribuídas ao artista holandês do Século de Ouro, Rembrandt van Rijn (1606-1669), não são suas, já que foram impressas por terceiros após sua morte, informaram os conservadores do Rijksmuseum de Amsterdã através da divulgação de um estudo.

Após analisarem 18 mil gravuras que supostamente haviam saído das oficinas de Rembrandt, os conservadores Erik Hinterding e Jaco Rutgers asseguram que a metade delas não teria sido impressa com o artista em vida e nem sob sua direção.

Entre 1625 e 1665, o mestre do preto-branco realizou um total de 315 pranchas de cobre que foram parar nas mãos de terceiros.

Os novos proprietários imprimiram essas gravuras em papéis de uma qualidade muito distinta da que usava Rembrandt, que, nos últimos anos de sua vida, passou a usar papel japonês, revelou hoje o Rijksmuseum, que abriu uma mostra sobre as gravuras do artista holandês.

As cópias realizadas pela mão de Rembrandt são, além disso, as únicas que usam técnicas específicas para criar efeitos especiais nas gravuras, assinalou a pinacoteca em comunicado.

"As impressões mais luxuosas e interessantes são as que foram feitas pelo próprio Rembrandt", explicaram os conservadores em seu estudo.

As cópias tardias também são diferenciadas pela menor qualidade, já que as pranchas originais foram se desgastando e perdendo sua nitidez, completaram os especialistas.

Neste aspecto, Hinterding ressaltou que essa descoberta poderá gerar um aumento dos preços das cópias que são atribuídas a Rembrandt.

fonte:
http://www.jornalacidade.com.br/editorias/caderno-c/2012/11/21/museu-holanda-metade-das-gravuras-atribuidas-a-rembrandt-pode-nao-ser-do-artista.html