sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Homens que vão a museus e galerias são menos estressados


Pesquisa foi realizada com mais de 50 mil pessoas

A correria do dia a dia, as preocupações e o estresse são problemas que dificultam a vida, e o homem, geralmente, está sempre buscando uma forma de manter sua saúde equilibrada. Há opções como malhar, correr, caminhar, andar de bicicleta ou viajar, mas, agora, uma pesquisa aponta que fazer programas culturais é uma forma eficaz de melhorar a saúde.

O estudo foi realizado, recentemente, com 51 mil pessoas, na Noruega e na Suécia, e aponta que homens que costumam frequentar museus e galerias, além de outras atividades culturais, tendem a possuir melhor forma física e mental e ainda sofrem menos de depressão e ansiedade.

A pesquisa foi publicada no Journal of Epidemiology and Community Health. A conclusão foi baseada nos níveis de satisfação com a vida, ansiedade e depressão em adultos voluntários, que responderam a questionários sobre seus estados de saúde e hábitos de vida.

Aqueles que costumam frequentar eventos culturais, pelo menos três vezes por mês, mostraram-se em melhor forma em vários aspectos, afirmando serem mais felizes com a vida. Os pesquisadores dizem que esse tipo de atividade cultural pode ajudar a aliviar o estresse e a reduzir seus impactos no corpo, trazendo efeitos como o equilíbrio da pressão sanguínea e dos hormônios associados a ele.




fonte:
http://www.arcauniversal.com/comportamento/homem/noticias/homens-que-vao-a-museus-e-galerias-sao-menos-estressados--16294.html
redacao@arcauniversal.com

Museu da Música - Itu, 5 anos




Há exatos cinco anos – 14 de dezembro de 2007, foi criado o Museu da Música – Itu, com o objetivo de transformar os referenciais da música local em patrimônio imaterial do povo. Se o que patrimônio é aquilo que uma sociedade conhece e reconhece como tal, era preciso iniciar um processo de pesquisa, guarda e divulgação do saber fazer musical e do patrimônio referente às práticas artísticas em Itu, para que a comunidade local se apropriasse também daquilo que ela, por circunstâncias diversas, não conhecia.

Muito se escreve, em jornais e livros, sobre compositores ituanos. Elias Álvares Lobo (1834 – 1901) é o campeão de referências, mas quase nada a população conhecia de sua obra. Essa preocupação, em revelar esse conjunto patrimonial (que precisa ser pesquisado, transcrito, ensaiado, executado e gravado para que possamos conhecê-lo), motivou o desenvolvimento de ações de integração entre museu e sociedade. Hoje o site www.museudamusicaitu.com.br traz, além de informações gerais, gravações de obras dos nossos compositores.

Ao longo destes últimos anos o Museu da Música – Itu reuniu cerca de dez mil partituras produzidas ou colecionadas na cidade. Além disso, gravações, imagens, objetos e documentos relacionados a músicos e grupos musicais da cidade. Outro registro importante são os depoimentos de músicos que atuaram e atuam na cidade, cerca de vinte entrevistas foram realizadas, que revelam formas de interpretação, atuação, relações de ensino e aprendizagem, remuneração ou não, ao longo do século XX.

O acervo está sendo sistematizado em um banco de dados especialmente desenvolvido para ele, que permite o acesso rápido e fácil à informação. É também um processo longo, que conta, em grande parte, com a ação voluntária dos amigos do museu.

Outra questão que se impunha era um espaço para preservação da memória da música ituana. Em 2009, a cessão da antiga casa do músico Luiz de Francisco abriu caminho para uma pequena sala de mostras e a ações educativas. A parceria com a PróTur – Itu permite a visitação constante ao museu.

A casa de 1890, outrora local de ensaios e produção cultural da família, voltou a abrir suas portas para que o patrimônio musical fosse revelado à comunidade. Em 2012, através da parceria com a Secretaria Municipal de Educação, foram cerca de 900 alunos de escolas públicas e privadas (incluindo os adultos do EJA) que se encontraram com a história das serestas: um divertido evento de contação de história e música. A casa e o museu renovam a sua vitalidade a cada grupo de ruidosos estudantes que pesquisam, cantam, dançam, discutem e se apropriam da história e do patrimônio musical ituano. Deixam a visita falando de Tristão Júnior e seus seresteiros, como velhos conhecidos. Assim também será, em futuro próximo com outros referenciais, que remontam a 1684, o registro mais antigo que se conhece da música produzida em nossa terra.

Foram dezenas de exposições (música sacra, erudita, popular), encontros (ação educativa, patrimônio cultural, museologia, História da Música e da Arte), concertos (Coral VOZES de Itu, Madrigal do Museu, Orquestra Tristão Mariano, Bandas União dos Artistas e N. Sra. do Carmo), publicações (bandas, canto coral, patrimônio material e biografia), além da restauração de obras musicais apresentadas pela primeira vez depois de décadas ou séculos (caso das Matinas do Menino Deus do Padre Jesuíno), registradas e em processo de distribuição de gravações para escolas, bibliotecas e instituições de ensino musical.

Manter tudo isso atuante dependeu do voluntariado dos associados do Instituto Cultural de Itu, do planejamento experiente de figuras como a Curadora, Profa. Maria de Lourdes Sioli e o investimento dos parceiros.

Creio que os resultados, até aqui, são extremamente positivos e só nos dão força para continuar atuando, para propor ações ousadas, para abrir mais espaço às ações educativas. Assim, sensibilizando a comunidade, superando o desinteresse pelo passado, ampliando a curiosidade pelo repertório e o conhecimento do patrimônio imaterial, podemos ser mais fortes, mais cidadãos, mais inteiros.

A celebração do primeiro lustro se dá com um concerto do VOZES de Itu, fazendo uma retrospectiva da música de Natal na história do Ocidente. Significativo

fonte:
http://www.itu.com.br/colunistas/artigo.asp?cod_conteudo=39610

"Guerra e Paz" concorre como melhor exposição de 2012 em enquete da Folha de S. Paulo


O jornal Folha de S. Paulo elaborou uma enquete para escolher a melhor exposição artística de 2012. Ao todo, participam do concurso 57 mostras com os mais variados temas. Entre as concorrentes, está a itinerância "Guerra e Paz", do artista plástico Candido Portinari.

A exposição ficou em cartaz no Memorial da América Latina, em São Paulo, durante o primeiro semestre do ano. Os painéis, encomendado pelo Governo brasileiro, foram doados à sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York (EUA), onde permaneceram por 55 anos. Medindo cerca de 14m x10m cada - os maiores pintados por Portinari -, os murais vieram para o Brasil para restauro promovido pelo Projeto Portinari. Ainda está em tempo de votar, o concurso acontece até 16 de dezembro, na página http://polls.folha.com.br/poll/1233916/results