Listen to the text.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

CARTAZES DE PROPAGANDA CHINESA - A ARTE AO SERVIÇO DA POLÍTICA

O Museu do Oriente apresenta uma mostra de cerca de 100 cartazes de propaganda chinesa, produzidos entre 1959 e 1981 e que constituem um documento histórico do período que vai do Grande Salto em Frente e da criação das Comunas Populares ao fim da Revolução Cultural.
Nos 100 cartazes em exposição, seleccionados de um total de 200 que integram a Colecção Kwok On da Fundação Oriente, estão bem ilustrados os temas mais correntemente abordados à época, como a glorificação do presidente Mao e dos heróis comunistas, a prosperidade da economia, a luta contra o imperialismo, a felicidade do povo e o poder do exército.

 
 
 
CARTAZESDEPROPAGANDACHINESA1


CARTAZESDEPROPAGANDACHINESA2

CARTAZESDEPROPAGANDACHINESA3

CARTAZESDEPROPAGANDACHINESA4
25 Janeiro a 27 Outubro




Com tiragens que chegavam a atingir as dezenas de milhares de exemplares, estes cartazes, cujo objectivo era o de mostrar ao povo o caminho a seguir, viam-se em todo o lado e faziam parte do quotidiano dos chineses. Na sua maioria, anteviam o futuro radioso da China comunista com o super-herói Mao a conduzir o país à felicidade e à glória. São também um espelho do design da época, apresentando alguns deles um interesse estético que a função de propaganda política não pode, naturalmente, ofuscar.

A exposição, comissariada por Jacques Pimpaneau e Sylvie Pimpaneau, está organizada em nove núcleos, o primeiro dos quais integrando cartazes alusivos ao novo ano chinês e a heróis de contos e óperas clássicas populares que fazem parte do património local. Os grandes “heróis” da revolução comunista chinesa, sobretudo Mao Zedong e Zhou Enlai, mas também “heróis” estrangeiros como Lenine e o médico canadiano Norman Béthune que, na Guerra Civil de Espanha, tratou os feridos da lado republicano e que, na Guerra Sino-Japonesa combateu ao lado do Exército de Mao, estão representados nos cartazes seleccionados para o segundo núcleo. No núcleo seguinte figuram alguns cartazes de propaganda das políticas do Partido Comunista da China ocupando o quarto núcleo uma série de cartazes alusivos às classes sociais consideradas fundamentais para a criação da nova China: operários, camponeses e soldados.
As minorias étnicas do interior da China, num apelo à fraternidade entre os povos também não foram esquecidas pela propaganda e ocupam aqui o quinto núcleo sendo o sector seguinte ocupado por cartazes em que figuram todos aqueles que se transformaram em heróis e que são modelos a seguir pelas populações.

Os cartazes do sétimo núcleo tinham como finalidade explicar e promover as lutas revolucionárias levadas a cabo no exterior da China. Segue-se um conjunto de cartazes cujos autores se deixaram influenciar pelas pinturas feitas por camponeses e pelas xilogravuras tradicionais.
Brinquedos e jogos que também tiveram o seu papel na propaganda política ocupam o último núcleo da exposição.




fonte:
http://www.museudooriente.pt/1536/cartazes-de-propaganda-chinesa.htm

Montalegre - Ecomuseu de Barroso vai dar uso às novas tecnologias na promoção turística

O Ecomuseu de Barroso, em Montalegre, vai lançar, antes de Agosto, um catálogo electrónico para «tablet», uma aplicação para telemóveis e disponibilizar um novo portal para acabar com o uso do papel e das placas turísticas.

Café Portugal | sábado, 19 de Janeiro de 2013


O director do Ecomuseu, David Teixeira, explica que com o uso das novas tecnologias, o espaço museológico sofrerá um salto qualitativo na promoção e marketing turístico.

Além disso, possibilitará conquistar novos públicos e novas gerações. Antes do Verão, garante o dirigente, o catálogo deixará de ser em papel, para passar a ser electrónico, em formato tablet, numa adaptação aos tempos e exigências do mundo actual.

«O papel, ao fim de dois ou três dias, estava desactualizado. Por isso, surgiu a ideia do tablet com fotografias das peças existentes, vídeos dos usos e costumes, história do ecomuseu e, isto, em várias línguas», realçou.

Desta forma, considerou David Teixeira, os visitantes vão poder seguir a máxima do Ecomuseu: «entre, toque, pegue e cheire».

O responsável frisou que quem visitar Montalegre terá também disponível uma aplicação Android para telemóveis para que, através de georreferência, possam circular pelo concelho de forma organizada, receber pequenos avisos sobre os patrimónios existentes e pontos de interesse da região.

«Evitamos ter placas turísticas com indicações que, por diferentes motivos, vão caindo e desaparecendo e acabamos, assim, com um investimento público», realçou.

O Ecomuseu de Barroso, segundo o responsável, cresceu e afirmou-se, pelo que tem outros desafios. A partir do Verão, o espaço terá um novo portal com locais a visitar, sítios onde ficar e comer, associações, actividades e festas do concelho.

A vila de Montalegre é um dos 26 concelhos do país contemplados pelo projecto «À Descoberta do Mundo Rural», que vai reunir, num guia de boas práticas, os projectos «exemplo» que são empreendidos nas aldeias e pelos seus habitantes.

A técnica do projecto, Raquel Gonçalves, afirmou que as iniciativas no mundo rural são uma alavanca importante para fixar pessoas, sobretudo jovens, criar empregos e aproveitar os recursos e saberes das localidades.

Contudo, afiançou, é necessário dar o salto e profissionalizar as actividades para que sejam sustentáveis.
 
fonte:

Museu canadense abre galeria com relíquias geológicas e minerais

              


Após dois anos de planejamento, desenvolvimento e reformas, o Museu Canadense da Natureza abriu um novo espaço: o Vale Earth Gallery (Galeria da Terra Vale). Os visitantes agora podem fazer uma fascinante viagem no tempo e conhecer como a Terra foi formada pelas forças geológicas ao longo das eras. Esta nova galeria reúne as melhores amostras geológicas e minerais do museu para uma exposição permanente em um ambiente ampliado, que inclui novo conteúdo interativo e envolvente. A parceria com a Vale permitiu que o museu concluísse este ambicioso projeto.
Entre as relíquias expostas no espaço estão 14 minerais de grandes dimensões, pesando entre 45 e 225 kg, além de cerca de mil dos melhores exemplares de pedras, minerais e gemas. Os visitantes também podem conferir jogos interativos e participar de atividades inusitadas, como construir um vulcão, criar um terremoto, explorar uma caverna de calcário e fazer diferentes tipos de rocha por meio da simulação de forças geológicas.

fonte:
http://www.vale.com/pt/aboutvale/news/paginas/museu-canadense-abre-galeria-com-reliquias-geologicas-e-minerais.aspx

Relíquias expostas no museu
Cerca de mil dos melhores exemplares de pedras, minerais e gemas
estão entre as relíquias expostas no museu