Listen to the text.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Prêmio Memórias Brasileiras



Inscrições para o edital do Ibram estão abertas até o dia 31 de janeiro
Pessoas jurídicas de direito público e de direito privado sem fins lucrativos, todas com finalidade cultural, poderão inscrever suas propostas para a 1ª edição do Prêmio Memórias Brasileiras até o dia 31 de janeiro. O edital é promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus, vinculado ao Ministério da Cultura, e está integrado ao Programa de Fomento aos Museus Ibram/2012.
Serão selecionadas e premiadas 10 iniciativas de preservação da memória brasileira, com ênfase nos movimentos sociais do país (sindical, rural, estudantil e outros), para apoio a ações de divulgação, preservação e difusão de acervo.
O total do investimento é de R$ 300 mil, significando que para cada trabalho selecionado será repassado R$ 30 mil. Os recursos são provenientes do Fundo Nacional da Cultura (FNC).
As inscrições serão realizadas, gratuitamente, por meio do sistema SalicWeb, disponível nas páginas do Ministério da Cultura (www.cultura.gov.br) e do Instituto Brasileiro de Museus (www.museus.gov.br).
A seleção das iniciativas será feita por uma comissão a ser instituída pelo Ibram. Será composta por, no mínimo, três profissionais de notório saber e de reconhecida atuação na área cultural.
O Edital referente ao Prêmio Memórias Brasileiras foi publicado no dia 28 de novembro de 2012 (Diário Oficial da União (seção 3, página 18).
(Marcos Agostinho, Ascom/MinC)
(Fonte: Ibram/MinC)

Matisse roubado há 25 anos volta para museu sueco

O Museu de Arte Moderna de Estocolmo anunciou nessa quarta-feira o retorno em seus arquivos do quatro “Le Jardin”, uma obra de arte do pintor francês Matisse roubada há 25 anos. A peça, que havia desaparecido de maneira misteriosa, vale mais de um milhão de dólares e foi encontrada graças a um marchand britânico.

A tela "Jardim", de Matisse, roubada há 25 anos, tem valor estimado em um milhão de dólares.
A tela "Jardim", de Matisse, roubada há 25 anos, tem valor estimado em um milhão de dólares.
REUTERS/Ray Wells/The Art Loss Register



O quatro “Le Jardin” (O Jardim), do pintor francês Henri Matisse, desapareceu do museu sueco em maio de 1987. A obra, que mede apenas 45 x 34 cm e está estimada em um milhão de dólares (mais de 2 milhões de reais), foi a única peça roubada na época e os ladrões não deixaram nenhuma pista. A polícia parou de procurar a tela no final dos anos 1990, já que esse tipo de crime é considerado prescrito pela Lei após dez anos na Suécia.

A surpresa veio em 2012, pouco antes do natal, quando o representante de um colecionador polonês entrou em contato com o marchand britânico Charles Roberts para vender o quadro. A obra teria sido comprada há mais de 20 anos sem que o novo dono, que não teve sua identidade revelada, desconfiasse de nada. “Ele agiu de boa fé e pagou um preço alto pela tela”, disse Roberts, ressaltando que o homem queria revender a tela para “deixar um pouco de dinheiro para os netos”.

Ao consultar o repertório internacional das obras de arte roubadas o marchand descobriu que tratava-se do quadro de Matisse. Ele concluiu a negociação e informou as autoridades, que recuperaram a peça em Londres. A tela realizada em 1920, que representa um jardim em estilo impressionista, já está em Estocolmo e será apresentada ao público do museu sueco na quinta-feira. Ainda não há informações sobre seu estado de conservação.

O tráfico de obras de arte é um mercado que representa entre 6 e 7 bilhões de dólares por ano.

fonte:
http://www.portugues.rfi.fr/cultura/20130123-matisse-roubado-ha-25-anos-volta-para-museu-sueco

Após incêndio, museu da PUC Minas fecha por tempo indeterminado


Peritos da Polícia Civil investigam causas do incêndio.
Fogo destruiu peças que estavam no segundo andar do imóvel.



O Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), no campus Coração Eucarístico, na Região Noroeste de Belo Horizonte, está fechado por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (23). O imóvel foi parcialmente atingido por um incêndio. O coordenador do local, Bonifácio José Teixeira, disse ao G1 que ainda não sabe qual a extensão do prejuízo e quais réplicas ou fósseis foram queimados. As causas do fogo ainda não foram determinadas. A Polícia Civil realiza perícia para investigar o ocorrido.

Teixeira contou que o fogo destruiu réplicas, cenários, fiações e pisos, mas que no momento era impossível dizer exatamente o que foi perdido. O incidente aconteceu no fim da tarde desta terça-feira (22). De acordo com a assessoria de imprensa da universidade, as chamas começaram por volta das 18h e não houve feridos.

De acordo com avaliação do coordenador do museu, a preguiça gigante desabou com o rompimento dos cabos que a sustentavam. Também foram atingidas a cabeça da réplica do dinossauro Uberaba Titan e costelas do dinossauro Carnotauro.

Preguiça gigante é uma das peças que foi afetada no acervo.  (Foto: Arquivo/PUC Minas)Preguiça gigante é uma das peças que foi afetada no acervo. (Foto: Arquivo/PUC Minas)

O Corpo de Bombeiros controlou o incêndio em 40 minutos e fez o trabalho de rescaldo e ventilação. O fogo atingiu o segundo andar onde estavam exposições sobre a vida do paleontólogo e naturalista Peter W. Lund, sobre a Era Pleistoceno e sobre a Vida no Cerrado. O corpo do gorila Idi Amin, que está em processo de taxidermia (empalhamento), não foi afetado. O primeiro e terceiro andares também não foram queimados.


No terceiro andar estão exposições sobre fauna exótica e vida na água. No primeiro pavimento há exposições de répteis, dinossauros e arqueológica.

De acordo com a assessoria de imprensa, o fogo destruiu réplicas, mas o acervo das oito coleções científicas e reservas técnicas, que são a base de todo o trabalho do museu, não foi atingido. A estrutura do prédio também não foi danificada, de acordo com o Corpo de Bombeiros.
Uma funcionária terceirizada da PUC Minas, do setor de limpeza, aguardou ser resgatada por rapel pelo Corpo de Bombeiros na sacada do terceiro andar e não sofreu ferimentos.

Sobre o museu
O Museu de Ciências Naturais recebia, diariamente, cerca de 500 visitantes e as atividades são desenvolvidas até as 17h. Ainda não há informações sobre o que teria provocado o incêndio.
O reitor da PUC Minas e bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, professor Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães, acompanhou a chegada e o trabalho do Corpo de Bombeiros.

Ele manifestou o sentimento de desolação e de tristeza com o ocorrido e ressaltou a importância da história do museu para Minas Gerais, Belo Horizonte, para Minas Gerais, para o Brasil, para o mundo e, especialmente, para as crianças. "O prejuízo científico foi incalculável".

Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães afirmou que o museu trabalhará com os parceiros para que seja recuperado. O museu, desde 2012, refaz o caminho percorrido pelo paleontólogo Peter W. Lund em Minas Gerais.

fonte:
http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2013/01/apos-incendio-museu-da-puc-minas-fecha-por-tempo-indeterminado.html

Abertas inscrições para a 11ª Semana de Museus



  
O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) abriu inscrições para receber as propostas de atividades culturais dos museus brasileiros que serão desenvolvidas durante a 11ª Semana de Museus, a ser realizada entre os dia 13 e 19 de maio.
A Semana de Museus é uma comemoração ao Dia Internacional dos Museus (18 de maio), onde são realizados uma série de espetáculos e eventos culturais em homenagem a data. No ano passado 1.114 instituições de memória, de todo o país, participaram das atividades. 

O tema desta edição será Museus (memória + criatividade) = mudança social. Proposto pelo Conselho Internacional de Museus (Icom), ele associa dois conceitos que têm caracterizado o setor museal nos últimos anos. O evento conta com a parceria do Sistema Estadual de Museus de Mato Grosso e Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT). 

As inscrições podem ser feitas pelo site do Ibram http://www.museus.gov.br/ . Dúvidas e outras informações podem ser obtidas através dos telefones (61) 3521 4122 e 3521 4135 ou (65) 3613-0214 ou pelos e-mails cpgii@museus.gov.br ou sistemaestadualdemuseusmt@cultura.mt.gov.br até o dia 22 de fevereiro. 

fonte:
http://www.odocumento.com.br/materia.php?id=417279