Listen to the text.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

USP oferece mais de 4 mil vagas para a terceira idade


São oferecidos cursos e atividades em várias áreas do conhecimento, com o objetivo de proporcionar uma formação e aprimoramento constante para a terceira idade, além de estimular a troca de saberes entre as gerações.
Neste primeiro semestre, o Programa Universidade Aberta à Terceira Idade (UnATI), promovido pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU), oferece 4.319 mil vagas gratuitas em 322 cursos, entre disciplinas dos cursos de graduação da USP, atividades complementares didático-culturais e físico-esportivas, nos campi da USP: na capital paulista, Bauru, Lorena, Piracicaba, Pirassununga, Ribeirão Preto e São Carlos.
As opções são variadas, entre aulas de inglês, oficinas de teatro, dança, voleibol, aulas de canto coral, alfabetização digital; palestras sobre saúde, informática, meditação, meteorologia e às mudanças climáticas; cursos sobre educação ambiental, arqueologia e memória, pintura, condicionamento físico, artes marciais. A relação completa dos cursos e atividades que serão oferecidos no semestre, bem como informações sobre o número de vagas e a existência de pré-requisitos, está disponível no catálogo do Programa pelo site.
Para participar das atividades é preciso apresentar o RG no dia da inscrição e ter no mínimo 60 anos. As vagas serão preenchidas de acordo com a ordem de chegada, sem necessidade de processo seletivo. No caso das disciplinas da graduação, o candidato deve ter concluído o ensino médio. Já para se matricular nas atividades complementares, não é necessário apresentar diplomas ou certificados de escolaridade. Após o término do curso ou atividade, os alunos da UnATI têm direito a um comprovante de participação, emitido pela PRCEU.
EACH
Somente na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), localizada na zona leste da capital, as inscrições para a UnATI serão realizadas entre os dias 28 a 30 de janeiro, das 9h às 16h. Nesta Unidade, serão oferecidas 675 vagas em 27 atividades diferentes, cuja relação completa está no site.
Para realizar inscrição, é preciso comparecer no auditório Vermelho da Unidade, que está localizada na Av. Arlindo Béttio, 1000 – Ermelino Matarazzo, São Paulo. É possível chegar facilmente pela estação USP Leste da linha 12-Safira da CPTM.
Mais informações pelo telefone: (11) 3091-1016 ou por e-mail: ccex-each@usp.br

Outras Unidades da USP
Nas outras Unidades da USP, as inscrições para as disciplinas regulares estarão abertas no período de 25 de fevereiro a 8 de março de 2013 ou enquanto houver vagas. Já para as atividades complementares, o período de inscrição é variável e está divulgado ao lado do curso no catálogo da UnATI.

Mais informações pelo telefone: (11) 3091-9183 ou por e-mail: usp3idad@usp.br
20 anos
A UnATI completa 20 anos de criação em 2013. Nestas duas décadas, mais de 100 mil alunos da terceira idade passaram pelo Programa – que se antecipou à criação do Estatuto do Idoso, de 2003 – e tem como objetivo proporcionar uma formação e aprimoramento constante para a terceira idade, através da aquisição de novos conhecimentos, promoção da saúde, o bem-estar psicológico, social e da cidadania e, ao mesmo tempo, estimular a troca de saberes entre as gerações.
Nas últimas décadas, a expectativa de vida cresceu, fruto de uma melhoria da qualidade de vida, mais assistência médica e remédios, uma melhor alimentação e a prática de atividades físicas, além da redução da taxa de natalidade. Segundo estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado em novembro de 2012, que utilizou os dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (Pnad) dos anos de 2001 e de 2011, as pessoas com mais de 60 anos somam 23,5 milhões dos brasileiros, representando cerca de 12% da população total do Brasil, que é de aproximadamente 195 milhões de pessoas. São Paulo é o Estado com o maior número de idosos: 5,4 milhões.
Segundo a professora aposentada do Instituto de Psicologia e coordenadora acadêmica do Programa, Ecléa Bosi – cujas iniciativas resultaram na sua criação, a presença dos alunos da terceira idade é uma lição constante para todos, dos docentes aos colegas mais jovens, pois traz uma densidade nova a cada aula.
(Com informações da Divisão de Comunicação Institucional da PRCEU e da Assessoria de Imprensa da EACH)

fonte:
http://www.usp.br/imprensa/?p=27723

Museu de Arte Sacra inaugura exposição de 459 imagens de santos

O Museu de Arte Sacra de São Paulo - MAS/SP, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, homenageia a cidade de São Paulo em seu aniversário de 459 anos com a exposição 459 Paulistinhas, composta exclusivamente por esculturas de sua vasta e valiosa coleção.

Entre os paulistinhas da mostra, figuram diversas representações de Sant'Ana, eleita em 1782, pelo Papa Pio VI, como protetora e patrona da Cidade e da Arquidiocese de São Paulo. Apenas em 2008, por ocasião do Ano Paulino, o Papa Bento XVI declarou São Paulo padroeiro da Arquidiocese.

Essa é a primeira vez que um número tão grande de paulistinhas da coleção do MAS fica em exposição. "Das mãos dos santeiros às mãos dos devotos, um incalculável número de pessoas utilizou estas diminutas imagens sacras, conhecidas como paulistinhas, em cultos domésticos", afirma o Presidente do Conselho do Museu, em referência à importância dessas esculturas.

As obras, dispostas em grupos, com destaques individuais, ao longo de uma das salas de exposição do museu, exibem representações diversas de alguns dos principais santos de devoção brasileiros, trazendo materiais e estéticas particulares de cada autor ou região, com altura variando entre 5 e 30 cm.

Essas esculturas eram produzidas por santeiros que visavam atender à demanda do crescimento na região, especialmente por conta da cafeicultura. O principal objetivo dessas imagens era aproximar a fé da vida das pessoas, que poderiam tê-las agora em seus lares ou ainda carregá-las a tiracolo. Por conta disso, muitas delas têm autoria desconhecida. 459 Paulistinhas exibe obras de arte representativas da fé de um povo.

A exposição terá sua abertura na próxima sexta-feira, 25, às 10h e permanecerá até o dia 24 de março de 2013. O Museu de Arte Sacra está localizado na Avenida Tiradentes, 676 - Luz, São Paulo, e abre de terça a domingo das 10h às 18h. O ingresso custa R$ 6,00 (estudantes pagam meia) e aos sábados a entrada é grátis.

fonte:
http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=288467

Marta defende preservação do Museu do Índio no Rio




A ministra da Cultura, Marta Suplicy, defendeu publicamente a preservação do prédio do antigo Museu do Índio depois de manifestar, em conversa com o governador em exercício do Rio, Luiz Fernando Pezão, sua posição contrária à demolição do imóvel, construído em 1862.
Em nota oficial, Marta afirmou que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) já recomendou ao Estado o tombamento do imóvel. "Esperamos que prevaleçam o interesse na preservação do patrimônio material e imaterial e a sensibilidade do governo do Estado", disse ela.
O governo estadual rebateu a declaração à noite, por meio de nota, afirmando que "jamais recebeu recomendação do Iphan para preservar o prédio, que nem é tombado pelo próprio Iphan". "O governo do Estado lamenta que a ministra tenha se posicionado dessa maneira." Além de Pezão, Marta também conversou com o secretário da Casa Civil, Regis Fichtner.
Na nota, o governo afirma que o ex-superintendente do Iphan no Rio, o arquiteto Carlos Fernando Andrade, defendeu a demolição do prédio. Além disso, tenta desqualificar a luta dos índios que ocupam o prédio, afirmando que "chamar de 'aldeia maracanã' a invasão em 2006 de um prédio federal abandonado é na verdade um desrespeito ao conceito de aldeia indígena". "Há verdadeira distorção dos fatos históricos e recentes", prossegue o governo.
Ocupado por dezenas de índios desde 2006, o prédio fica ao lado do estádio do Maracanã, na zona norte do Rio. Apesar de recomendações de órgãos de patrimônio pela preservação do imóvel, o governo do Estado quer remover os índios e demolir o casarão imperial. A justificativa oficial é a necessidade de "urbanização e mobilidade do público" no entorno do estádio para a Copa de 2014.
Na semana passada, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) negou pedido de restauração do prédio e autorizou sua demolição, contrariando parecer do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural. Em dezembro, o conselho se opôs, por unanimidade, à demolição e indicou o tombamento do prédio. Pela primeira vez uma recomendação do conselho não foi seguida pelo prefeito. "Há uma necessidade de se abrir aquele espaço", disse Paes na ocasião. O governador Sérgio Cabral (PMDB) já declarou que "chamar aquilo de aldeia indígena é um deboche". "É uma invasão recente, uma ação política", declarou.
As duas liminares que a defensoria pública da União havia obtido, uma para manter os índios no imóvel e outra para impedir a demolição, foram suspensas por decisão do Tribunal Regional Federal. Houve recurso. Nesta sexta-feira (25), a Advocacia Geral da União deve se manifestar. O prazo de dez dias estipulado pelo governo do Estado para desocupação do imóvel, por meio de notificação, termina na segunda-feira. "A manifestação da ministra se mantém alinhada com os órgãos técnicos", disse o defensor público federal André da Silva Ordacgy.
O prédio abrigou o primeiro órgão de proteção indígena do País e foi transformado por Darcy Ribeiro em Museu do Índio na década de 1950. Com a transferência do museu, o prédio foi doado à Companhia Nacional de Abastecimento na década de 1980 e ficou abandonado. Há dois meses, o imóvel foi comprado pelo governo do Estado.

fonte:
http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/110318_MARTA+DEFENDE+PRESERVACAO+DO+MUSEU+DO+INDIO+NO+RIO