Listen to the text.

terça-feira, 23 de abril de 2013

"CineArt" oferece ao público filmes e debates no Museu Histórico do Pará




 O Museu Histórico do Estado do Pará (MHEP) e o Museu da Imagem e do Som (MIS) firmaram uma parceria para resgatar filmes e produções paraenses, e criar um espaço para debate, interatividade e intercâmbio entre pessoas ligadas à produção cinematográfica. Trata-se do CineArt, que será inaugurado nesta terça-feira (23), às 19 h, no Salão das Artes do MHEP, com a exibição do filme “O Descobrimento do Brasil (1937)”, de Humberto Mauro.

Tamara Saré-Ag. Pará
Sérgio Melo, na Sala das Artes do MHEP, disse que a parceria com o MIS visa resgatar obras antigas e tornar o espaço mais democrático

 


Sérgio Melo, diretor do MHEP, informou que o projeto surgiu a partir da necessidade de difundir o rico acervo de filmes preservados pelo MIS no Pará. Para ampliar o alcance do projeto, a cada programação haverá debates sobre a obra apresentada. Na inauguração, Ana Lobato, coordenadora do Curso de Cinematografia da Universidade Federal do Pará (UFPA), é a convidada especial para debater o filme com o público.

“Pelo menos uma vez por mês traremos pessoas ligadas à área para interagir com a plateia, debatendo com os interessados em conhecer mais a obra. Será um momento em que poderão fazer perguntas, dar opiniões, e também ficar mais atentos aos trabalhos cinematográficos desenvolvidos na nossa região. É um momento de aproximação entre o produtor e a plateia”, explicou Sérgio Melo, ressaltando que esta iniciativa visa tornar o espaço mais democrático, de acordo com as ações do governo do Estado, que por meio do Sistema Integrado de Museus (SIM) busca compartilhar, interagir e integrar as ações e iniciativas do sete museus que compõem o Sistema.

Homenagem - Segundo ele, o nome “CineArt” é uma alusão a um antigo cinema que funcionou em Belém nos anos 1960. “Eram 14 casas de projeção em Belém, e o CineArt era uma delas. 

Infelizmente, com a televisão e toda a comodidade das tecnologias, nós perdemos esse cinema, que era muito frequentado na época. Como iremos apresentar uma acervo de filmes antigos, escolhemos esse nome para fazer a homenagem, e também um resgate dos muitos filmes que eram apresentados no CineArt”, disse ele.

Sérgio Melo informou que o MIS tem um acervo muito diversificado em produções cinematográficas, incluindo muitas produzidas no Pará. Porém, falta sala de projeção para exibir esses filmes. Por meio do Sistema Integrado de Museus, já foi adquirida uma tela de projeção de películas. “É uma tela com cinco metros de largura por quatro metros de altura. Serão projetadas películas de cinema como antigamente, e funcionará na Sala das Artes do MHEP, onde acontecem as mais variadas manifestações artísticas, além de ser uma sala bastante confortável”, acrescentou o diretor do MHEP.

Documentário – “O Descobrimento do Brasil” é um filme do cineasta brasileiro Humberto Mauro, realizado em 1936, com trilha sonora de Heitor Villa-Lobos. Em forma de documentário, narrado com textos extraídos da Carta de Pero Vaz de Caminha, conta a chegada da frota portuguesa às costas brasileiras, em 1500. Para a cena da primeira missa no Brasil, Humberto Mauro tentou reproduzir fielmente o famoso quadro de Victor Meirelles. A obra representou o Brasil no Festival de Veneza em 1938.

Sérgio Melo disse que o filme foi escolhido por ser abril o mês do Descobrimento do Brasil. “Muitas pessoas nem devem perceber a data. Por isso fizemos esse resgate, para refletirmos de uma forma ampla sobre o fato”, acrescentou.

Serviço: Inauguração do “CineArt”, na Sala das Artes do MHEP. Dia 23 (terça-feira), a partir das 19 h. O MHEP funciona no Palácio Lauro Sodré (Praça Dom Pedro II, s/n, bairro Cidade Velha). Entrada franca.

Texto:
Pablo Almeida - Secom

Secretaria de Estado de Comunicação
Rodovia Augusto Montenegro, km 09 - Coqueiro - Belém - PA CEP.: 66823-010
Fone: (91) 3202-0901
Site: www.agenciapara.com.br Email: gabinete@secom.pa.gov.br

Falta de investimento em segurança ajuda em roubos de museus no Brasil


Mais de 100 peças valiosas já foram roubadas. Somente 16% dos museus brasileiros possuem circuito interno de vigilância. 

 

Um patrimônio que é de todos nós está ameaçado: mais de 100 peças valiosas já foram roubadas de museus brasileiros, onde falta de investimento em segurança.
Os envelopes chegaram pelo correio. Dentro, vinha um tesouro: fotos e documentos preciosos que mostram o Rio de Janeiro bombardeado em 1893 e a extraordinária transformação da capital do país na época. “Desde a abertura da Presidente Vargas à construção de vários túneis pela cidade nesse período”, afirma a diretora do Arquivo da Cidade, Beatriz Kushnir.
Um bilhete dizia que tudo fora comprado em leilões, mas, segundo a diretora, é material roubado do Arquivo da Cidade. Os objetos devolvidos estavam sumidos desde 2006. “Isso que chegou é uma parcela muito pequena do que desapareceu”, diz Beatriz.

O fato curioso chamou atenção para o problema que atinge muitos museus e instituições culturais do Brasil: o roubo e o furto de documentos e objetos históricos. Quadros, fotografias e imagens de santos, desapareceram em Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo, Paraná.
Um dos roubos mais espantosos foi de quadros de Picasso, Monet e Salvador Dali, no Museu Chácara do Céu, no Rio de Janeiro, há sete anos.

O caso mais recente também aconteceu no Rio, no Museu da República: o furto da caneta de ouro cravejada de brilhantes que pertenceu ao presidente Afonso Pena. “Devia já ter estudado, devia ter visto que não existem câmeras de segurança”, afirma a museóloga Magaly Cabral.

Magaly mandou fechar o andar onde o ladrão agiu e diz que só o reabrirá se conseguir mais guardas. “Eu já fui avisada que vou poder aumentar o contrato em 25%. Vou ganhar mais 7 guardetes, e isso ajuda”, afirma.

Mais guardas apenas não resolvem. Museus como o da República também precisam de câmeras de segurança, mas enfrentam o mesmo problema: a falta de verbas.

Somente 16% dos museus brasileiros possuem circuito interno de vigilância, informa o Ibram, que reconhece a necessidade de mais investimentos para proteger o patrimônio.

“O Ibram estabeleceu um programa interno, que vai ser lançado em maio, para alertar os gestores sobre as questões mais importantes no campo dos riscos e na questão da segurança”, afirma Cícero de Almeida.

O Ministério da Cultura informou que investiu em seus principais museus, mais de R$ 20 milhões em 2012, valor 15% maior que no ano anterior.

fonte:
http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2013/04/falta-de-investimento-em-seguranca-ajuda-em-roubos-de-museus-no-brasil.html

 

Museu Du Ritmo


Endereço: Av. Jequitaia, nº 1   (Antigo Mercado do Ouro)
Bairro: Comércio
Telefone: (71) 3354.2747
E-mail: duettoeventos@duettoeventos.com.br
Site: www.timbalada.com

Descrição: Um misto de museu e casa de espetáculos e integra diversas atividades culturais.
Horário: Seg a Sex das 08h às 18h.

Observação: Administradora: Maíara Liberato. TIMBALADA – End.: Al. Bons Ares, n º448 ,  Candeal – Tel.: 3355.6080

Museu exibe filmes do Festival do Minuto 2013 em Florianópolis


 
Sessões gratuitas ocorrem até sexta-feira no Centro Integrado de Cultura. Criado há mais de 20 anos, festival reúne vídeos de até 60 segundos.

'Dolores Del Mar', de Marcus Veras de Faria, é um dos filmes selecionados (Foto: Festival do Minuto/Divulgação) 
'Dolores Del Mar' é um dos filmes selecionados (Foto: Festival do Minuto/Divulgação)

O Museu de Imagem e Som (MIS/SC) exibirá entre esta segunda (22) e sexta-feira (26), em Florianópolis, filmes selecionados para o Festival do Minuto 2013, considerado pela organização o maior de vídeos da América Latina. Haverá duas sessões gratuitas por dia. A sala de cinema do museu fica no Centro Integrado de Cultura, o CIC. A exibição dos filmes ocorrerá sempre às 15h e às 16h30 e tem duração de 50 minutos.

O Festival do Minuto foi criado há mais de 20 anos no Brasil e trabalha com a seleção de imagens em movimento - feita por amadores e profissionais - que tenham até 60 segundos. Pioneiro no mundo, o projeto inspirou edições similares em mais de 50 países. De 1991 a 2007, foram submetidos ao festival, por correio, cerca de 1000 vídeos por ano, provenientes de cerca de 40 países. Destes, apenas 5% foram selecionados para exibição.




Confira a lista dos filmes que serão exibidos:


- Processo de criação do meu curta – João Francisco de Assis Jr. – Fortaleza
- C´est La vie – João Francisco de Assis Jr. – Fortaleza
- Arrivée de La couleur – Bruna Sanches – Nova Iguaçu
- Carpe Diem – Dimitri Kozma – São Paulo
- Samba é Madeira – Fernanda Vogas – Rio de Janeiro
- Dia do Índio – Martin Haag - Porto Alegre
- Cerrado Intempestivo – Felipe Kometani Melo – Goiatins
- IGARA – Lapsos lúcidos de um sonho – Artur Arias Dutra – Belém
- The River – Adonis Palatus – Frankfurt am Main (Alemanha)
- Esperando – Victor Teixeira – São Paulo
- Pequeno Incômodo – Wayner Tristão – Vitória
- Baltazar – Alessandro Correa – São Paulo
- Efemeridade – Aldo Luís Pedrosa da Silva – Uberaba
- DegusTensão – Daniel Zangrossi – São Paulo
- Nós – Cristina Pullin Covre – Gentofte (Dinamarca)
- La família – Maria Margarita – Bogotá (Colômbia)
- Mosquito Squash – Sara Não Tem Nome – Contagem
- Inter-rompido – Paulo Scharlach – São Paulo
- Nano Minuto – O olhar do mundo em quase 10 segundos – Welson Ribeiro da Silva – Campinas
- Que o círculo urge – Juan Narowé – Belo Horizonte
- Dolores Del mar – Marcus Veras de Faria – Rio de Janeiro
- O tenro suco da vida... – Janaína Unger – São Paulo
- Momento Decisivo – João Paulo Vicentini Franz – Porto Alegre
- THERESE – Fernando Figueiredo Alves – Curitiba
- Colorindo Idéias, Compartilhando Alegria – Lú Mattos – Sorocaba
- Tá na hora da aula (de artes) – Tiê Pilger – São Paulo
- Revolve – Oscar Lhermitte – Londres (UK)
- Mudando a Brincadeira – Fabiana Gomes da Silva – Rio de Janeiro
- ID – Lisardo Martinez – San Luís (Argentina)
- 3x4 – Cristiano Balzan – Curitiba
- O Golpe – Marina Hungria – São Paulo
- Over and Over – Felipe Murgas – São Paulo
- Knock Knock – Augustin Lorenzo – Piriápolis (Uruguai)
- idENTIDADE – Giandro Gomes – Muniz Freire
- Os Vizinhos – Giordan Hannemann Brustulin – Balneário Camboriú
- O Pão do João – Cauê Shimoda – São Paulo
- How I overslept this Summer – Alexi Mandrikov – Moscow (Rússia)
- Ströslbrösl – Irmgard Walthert – Luzern (suíça)
- Transitando – Roderick Steel – São Paulo
- A bicicleta – The Bike – Rui Antonio – Faro (Portugal)
- Fast Life – Marcos Souza da Silva – Cabo Frio
- 100 em 1 – André Gustavo Pinto da Silva – Recife
- Sobre – Ian Dias – Juíz de Fora
- Vacuum killer – Dayane Gomes – Contagem
- Ruído Cinza – Davi Dornellas – Curitiba
- Tempo... – Vagner Araújo – Salvador
- Contagem Reprogressiva – Henderson Moret – Campinas
- Void – Jonas Bueno – Rio de Janeiro
- Infrared landscapes – John Marchant – Normandy (UK)
- I see you – Olga Tatiana Poliektova – St. Petersburg (Rússia)
- Teoria das membranas I – João Paulo Vicentini Franz – Porto Alegre
- Boceta de Pandora – Camila Marins – Rio de Janeiro
- 100% Natural – Carlos Alberto Cordeiro Sá Filho – Ribeirão Preto
- Newton não sabe nada! – Giuliano Di Girolamo – São Paulo
- Kopien – Juliana Antich – São Paulo
- Espelho/Reflexo – Victor Silva – Vila Velha
- Lost in the mirror – Valentina Pacifici – Frosinone (Itália)
- Outra Alice – Dayane Gomes – Contagem
- Gratuito – Paulo José Oliveira Leite Júnior – São Paulo
- Palavra sobre folha – Dayane Gomes – Contagem
- A Maravilhosa Máquina de Reescrever – Curitiba
- Les Paysages – Jerónimo Rocha – Lisboa (Portugal)
- Midas Touch – Sylvain Nawrocki – Paris (França)

 
fonte:
http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2013/04/museu-exibe-filmes-do-festival-do-minuto-2013-em-florianopolis.html

Museu dos judeus polacos quer celebrar a vida e não a morte

Novo museu que abriu em Varsóvia não é só sobre o Holocausto, mas sobre a história dos judeus desde a Idade Média
A entrada principal do museu


O Museu da História dos Judeus Polacos, em Varsóvia, teve a sua pré-inauguração a 19 de Abril, no 70º aniversário da revolta do gueto de Varsóvia. Setenta anos depois do Holocausto, o museu apresenta a história dos judeus polacos, num país que até à II Guerra Mundial tinha uma das maiores comunidades judaicas na Europa. “Quero que este museu seja um museu da vida e não um museu da morte”, disse à Reuters o director interino do museu, Andrzej Cudak.

Os curadores do museu vão primeiro apresentar exposições temporárias, sendo que a exposição permanente e nuclear do museu – representativa da história milenar dos judeus polacos - será inaugurada em 2014. Essa exposição nuclear do museu está a ser desenvolvida por uma equipa de 120 investigadores, coordenada pela investigadora Barbara Kirshenblatt-Gimblett, da Universidade de Nova Iorque.

“A ideia para este museu surgiu em 1996, apenas uns anos depois da queda do comunismo”, disse Kirshenblatt-Gimblett à agência de notícias Jewish Telegraphic Agency (JTA). “Os esforços feitos nas últimas duas décadas para renovar a vida judaica, recuperar o passado judeu e promover um debate e diálogo aberto sobre os momentos mais difíceis na história da Polónia dos judeus polacos criou uma base de suporte para esta iniciativa”, acrescentou.

O edifício, desenhado pelos arquitectos finlandeses Rainer Mahlamäki e Ilmari Lahdelma, em colaboração com os arquitectos locais Kurylowicz & Associados, tem na sua fachada a palavra "Pollin" (mulher/rapariga polaca) escrita em hebraico e latim.

Financiado pelo Ministério da Cultura, pela cidade de Varsóvia e pela Associação do Instituto de História Judaica, o museu foi inaugurado no dia em que se assinala o início da revolta dos judeus – 19 de Abril de 1943 – no gueto de Varsóvia contra as tropas alemãs. Incluindo oito galerias e a reconstrução do tecto de uma sinagoga de madeira do século XVII, o museu localiza-se na área que há setenta anos era ocupada pelo gueto de Varsóvia.

Embora uma das oito galerias se dedique aos acontecimentos do Holocausto, Robert Supel, o director de projecto do museu, disse à Reuters que este não pretende ser “mais um museu-tipo sobre o Holocausto”. “Antes de mais estamos a falar de vida, de cultura, da troca de influências entre nações, de todos os aspectos da vida judaica na Polónia, desde o período medieval”.

Antes da II Guerra Mundial, a Polónia tinha uma das maiores populações judaicas na Europa, com 3,3 milhões de judeus a perfazer mais de um décimo da população total, escreveu o JTA. Durante o Holocausto. mais de três milhões de judeus polacos, representando 90% da população judaica, foram mortos. No rescaldo da II Guerra, milhares de sobreviventes abandonaram o país e na década de 1960 muitos judeus voltaram a emigrar na sequência de campanhas anti-semitas do regime comunista.

A presença judaica na Polónia é agora diminuta: em 2011, o census indicava que cerca de 7500 judeus viviam na Polónia. Desde o fim do domínio comunista, há vinte anos, que várias capitais do Leste europeu têm assistido a uma lenta renovação das suas comunidades judaicas.

Um estudo conduzido em Março pelo instituto de opinião pública Homo Homini – com uma amostra de 1250 estudantes de vinte escolas secundárias da capital polaca – indicou que mais de 44% dos estudantes inquiridos prefere não ter vizinhos judeus e mais de 60% dos jovens entre 17 e 18 anos disse não gostar de ter namorados ou namoradas de origem judaica. O estudo foi encomendado pela Comunidade Judaica de Varsóvia, um dos maiores grupos judeus do país.


 O seu responsável, Piotr Kadlcik, espera que o museu possa dar a conhecer a forma como os judeus e polacos têm co-existido ao longo da História. “Não estamos à espera que o museu seja o remédio para todos os problemas nas relações entre polacos e judeus, disse Kadlcik à Reuters. “Mas se ajudar em parte, isso já será um sucesso”, acrescentou.“Queremos criar um centro de diálogo e discussão”, disse Lucja Koch, do departamento educativo do museu, numa entrevista à Rádio Polaca. “É por isso que – simbolicamente – existem cinco pontes neste edifício.

 Elas ligam os diferentes espaços. Queremos ligar o passado com o presente. Queremos relembrar as gerações mais novas daquilo que foi uma Polónia multiétnica. Mas não o fazemos falsificando a história e apresentando-a como uma história bonita, porque não foi isso que aconteceu”, sublinhou.

fonte:http://www.publico.pt/cultura/noticia/museu-da-historia-judaica-abriu-em-varsovia-1592127#/0

Instituto de Química da USP contrata docentes

Agência FAPESP – Estão abertas, até o dia 3 de junho, as inscrições para o concurso de seleção de dois professores doutores para o Departamento de Química Fundamental do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP). O salário é de R$ 8.715,12 para um regime de dedicação integral à docência e à pesquisa.

No programa do concurso estão temas como “A força dos ácidos e bases e sua relação com a estrutura molecular”, “Cinética química e aplicações mecanísticas” e “Teoria de ligação de valência para moléculas poliatômicas”.

O candidato deverá apresentar um memorial e participar de duas provas, escrita e didática. Além disso, precisa apresentar um projeto de pesquisa. A prova escrita, com duração máxima de cinco horas, é eliminatória. Será permitida consulta a livros, periódicos e outros documentos bibliográficos nos primeiros 60 minutos do exame. O candidato com nota menor do que 7 será eliminado.
A prova didática terá duração entre 40 e 60 minutos e versará sobre o programa da área exposto no edital.

O Departamento de Química Fundamental foi oficializado em 1970, com a criação do Instituto de Química da USP. O departamento é responsável pela maioria das disciplinas de graduação no campo da Química, ministradas a cerca de 2 mil alunos de várias unidades da USP.

Mais informações: www.usp.br/drh/novo/recsel/iqconc0162013-docente.html.

A SP Leituras contrata profissional para o cargo de diretoria de biblioteca.

SPLeituras


Diretoria de Biblioteca
Posted: 22 Apr 2013 12:00 PM PDT
A SP Leituras contrata profissional para o cargo de diretoria de biblioteca.

Sobre a vaga:
Carga horária: 40 horas semanais
Horário de trabalho: de 2ª a 6ª feiras das 9hs às 18hs
Benefícios oferecidos: Assistência médica – Assistência odontológica – Convênio farmácia – Vale-refeição/alimentação – Vale-transporte – Convênio CNA
Local de trabalho: Biblioteca de São Paulo – AV.: Cruzeiro do Sul, 2630 – Carandiru  (Parque da Juventude)
Escolaridade: Superior completo em Biblioteconomia, na modalidade presencial, com carga horária mínima fixada pelo MEC
Currículos devem ser enviados até o dia 06/05.
Descrição da vaga:
  • Planejar, organizar e controlar atividades da Biblioteca (Promovendo na equipe um espirito de interação entre usuários e os recursos de informação e entretenimento da biblioteca, contribuindo para criação de um ambiente favorável ao incentivo à leitura);
  • Orientar e controlar o planejamento e a execução da programação e das ações educativas;
  • Orientar e controlar o atendimento dos usuários e sua orientação quanto aos recursos disponíveis na biblioteca;
  • Desenvolver planos de comunicação e marketing para validação junto à diretoria executiva;
  • Elaborar e propor projetos especiais visando à melhoria dos serviços prestados;
  • Gerenciar a equipe, buscando sempre o comprometimento de seus colaboradores e estimulando a busca pelo desenvolvimento profissional e pessoal;
  • Produzir relatórios gerenciais e coordenar a produção dos relatórios trimestrais e anuais da Biblioteca;
  • Responder pelo acompanhamento permanente dos indicadores de desempenho de todas as áreas da Biblioteca, incluindo a área técnica, atuando de de forma efetiva no cumprimento das metas contratadas;
  • Desdobrar diretrizes definidas e transmiti-las à equipe, de forma a obter uma melhoria da qualidade das atividades.
Conhecimentos específicos:
  • Experiência de 5 anos em bibliotecas;
  • Registro no orgão profissional – CRB;
  • Experiência com coordenação de equipe multidisciplinar;
  • Gestão orçamentaria;
  • Gestão de projetos;
  • Planejamento estratégico;
  • Desejável conhecimento em Inglês, consideramos um diferencial o conhecimento em outros idiomas.
Habilidades e competências
  • Gosto pela leitura, prática de leitura;
  • Habilidade no uso de tecnologias;
  • Espirito de liderança, de cooperação e iniciativa;
  • Relacionamento interpessoal;
  • Liderança e gestão de equipes;
  • Comunicação verbal e escrita;
  • Foco nos resultados;
  • Capacidade de comunicação efetiva, cordialidade, flexibilidade, empatia;
  • Facilidade na comunicação e tomada de decisões;
  • Visão estratégica da biblioteca como um organismo vivo e pulsante.
Os currículos devem ser encaminhados para selecao@spleituras.org.