sábado, 3 de agosto de 2013

Museu da Casa Brasileira e o SISEM-SP levam a Pindamonhangaba exposição sobre bens tombados no Litoral Paulista e no Vale do Paraíba

A partir de 5 de agosto, a cidade de Pindamonhangaba receberá um recorte da exposição “Patrimônio Paulista: Litoral e Vale do Paraíba”, acerca do patrimônio histórico das cidades da região, tombado pelo Condephaat - Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico. A itinerância, realizada no Museu Histórico e Pedagógico Dom Pedro I e Dona Leopoldina, acontece em parceria entre o Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, e o SISEM-SP (Sistema Estadual de Museus), por meio da qual o MCB leva a cidades paulistas conteúdos importantes já mostrados anteriormente em seu espaço expositivo. 
“Patrimônio Paulista: Litoral e Vale do Paraíba” reúne fotografias de Iatã Cannabrava e textos da cientista social Margarida Cintra Gordinho presentes no livro homônimo que deu origem à mostra. A seleção de imagens que o visitante irá encontrar no Museu Histórico e Pedagógico Dom Pedro I e Dona Leopoldina contextualiza a situação de bens tombados em cidades do Vale do Paraíba e da faixa litorânea do estado de São Paulo pelo Condephaat, órgão da Secretaria da Cultura para a proteção ao patrimônio do Governo do Estado de São Paulo, salientando a importância de sua preservação. 

A mostra traz antigas vilas que foram amplamente exploradas pelos portugueses nos séculos 16 e 17 e cidades como Santos, Iguape, Cananéia, Jacareí, entre outras, que guardam até hoje memória da cultura material de seu passado, assim como marcos de arquitetura contemporânea. 

“No litoral norte, Ilhabela e Ubatuba preservam edificações que testemunham a riqueza que a cana-de-açúcar e a navegação de cabotagem geraram para a região e São Sebastião, por suas atividades portuárias contemporâneas, tornou-se um município estratégico e que guarda um Centro Histórico significativo. Em Santos, o Centro Histórico e a área portuária são testemunhos da pujança do café, que séculos mais tarde transformaria a cidade numa das mais prósperas do país, com seu porto e seus negócios de exportação”, conta Cintra, autora do livro de mesmo nome que deu origem à exposição. 

Sobre o Museu Histórico e Pedagógico Dom Pedro I e Dona Leopoldina 

Instalado nas dependências do Palacete Visconde da Palmeira, o Museu Histórico e Pedagógico Dom Pedro I e Dona Leopoldina contém em seu acervo aproximadamente vinte mil peças de diversas tipologias. Antiga propriedade do Visconde da Palmeira, usado aos finais de semana e durantes festas, o Palacete foi construído, em 1850, em estilo neoclássico com taipa de pilão, expressando a fortuna do Ciclo do Café no Vale do Paraíba. Destaca-se na construção o terraço, com 19 metros – o mais alto do Brasil, construído com essa técnica. 

Sobre a Coleção Patrimônio Paulista 

O livro “Patrimônio Paulista: Litoral e Vale do Paraíba”, escrito pela cientista social Margarida Cintra Gordinho, é o 2º volume da Coleção Patrimônio Paulista, fruto da iniciativa do Governo do Estado e do Condephaat, em parceria com o Museu da Casa Brasileira. Iniciada em 2010, com a exposição e lançamento da publicação “Patrimônio da Metrópole Paulistana” no MCB, a Coleção divulga o patrimônio cultural do Estado de São Paulo e incentiva o debate envolvendo as questões inerentes à formação de uma consciência relativa à preservação de sua cultura material e à consolidação de políticas públicas relativas ao tema. 

As exposições atreladas aos dois volumes já publicados foram apresentadas pelo MCB em itinerâncias dentro e fora da capital paulista, em locais como a Sala São Paulo e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), e nos municípios de Paranapiacaba, Taubaté e Jacareí. Para 2013, estão previstos mais dois títulos da Coleção Patrimônio Paulista: “As escolas republicanas” e “A caminho do Oeste Paulista”. 

Sobre o Sistema Estadual de Museus 

O SISEM-SP reúne e articula todos os museus do Estado em busca de promover o desenvolvimento e fortalecimento institucional. É coordenado pela Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico (UPPM) da Secretaria de Estado da Cultura e atualmente reúne cerca de 415 instituições, públicas e privadas, de 190 municípios. Entre as principais ações do SISEM, está a realização de exposições itinerantes e de estudos detalhados sobre cada museu e cidades onde estão localizados. O SISEM promove, ainda, programas de formação, capacitação e aperfeiçoamento técnico de profissionais, além de convênios entre os museus do Estado e instituições nacionais e internacionais, com o objetivo de aprimorar e valorizar as próprias instituições e seus acervos. Para saber mais acesse: www.sisemsp.org.br 

Sobre o Museu da Casa Brasileira 

O Museu da Casa Brasileira se dedica às questões da cultura material da casa brasileira. É o único do país especializado em design e arquitetura, tendo se tornado uma referência nacional e internacional nesses temas. Dentre suas inúmeras iniciativas, destaca-se o Prêmio Design MCB, realizado desde 1986, e que em 2013 chega a sua 27ª edição. 

SERVIÇO 
Mostra itinerante Patrimônio Paulista: Litoral e Vale do Paraíba 
Abertura: 5 de agosto às 8h 
Visitação: até 30 de setembro, segunda a sexta, das 8h às 17h. 
Local: Museu Histórico e Pedagógico Dom Pedro I e Dona Leopoldina – (12) 3648-1779 
Rua Marechal Deodoro da Fonseca, 260 - Jd. Boa Vista - Pindamonhangaba 
Realização: MCB, Condephaat eSISEM-SP 
Apoio: Prefeitura de Pindamonhangaba, Museu Histórico e Pedagógico Dom Pedro I e Dona LeopoldinaeEditora Terceiro Nome 
Museu da Casa Brasileira 
Horário de funcionamento: de terça a domingo das 10h às 18h 
Endereço: Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705 - Jardim Paulistano (11 3032-3727) 
Acesso a pessoas com deficiência / Bicicletário com 20 vagas 
Estacionamento pago no local 

Visitas orientadas: (11) 3032-2564 / agendamento@mcb.org.br 
www.mcb.org.br 
Informação para a imprensa – Museu da Casa Brasileira 

Ibram lança editais de apoio à criação e modernização de museus

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministério da Cultura) lançou dois editais públicos para fomento do setor. As oportunidades se destinam ao apoio a projetos de criação e modernização de museus.


Podem concorrer pessoas jurídicas de direito público de âmbitos municipal, estadual e federal, desde que não vinculadas à estrutura do Ministério da Cultura, assim como instituições culturais privadas sem fins lucrativos que sejam mantenedoras de instituições museológicas.

O edital Mais Museus tem como foco a seleção de projetos para implantação de museus em cidades que ainda não possuam espaços desse tipo. O Ibram vai conceder aos selecionados repasses entre R$ 150 mil e R$ 300 mil. De acordo com levantamento recente realizado pelo órgão, apenas 20% dos 5.564 municípios brasileiros possuem pelo menos um museu.

As ações apoiadas pelo edital incluem serviços para adaptação de espaços físicos de imóvel; elaboração e implementação de projetos para execução de obras e serviços; elaboração e implementação de planos museológicos ou projetos museográficos; instalação e montagem de exposições; e ainda a manutenção e conservação de bens imóveis.

O edital Modernização de Museus também concederá repasses entre R$ 150 mil e R$ 300 mil aos selecionados. O edital se destina a ações e estudos estratégicos para modernização de museus, manutenção das ações e programações culturais regulares, ampliação do acesso, educação e formação de público.

O edital contempla ainda serviços relacionados à preservação, conservação e digitalização de acervos; atividade editorial e curatorial; capacitação de funcionários/servidores; adaptação, reaparelhamento e modernização de museus; adaptação de espaços e serviços para acessibilidade; e ações de difusão, divulgação e promoção institucional.

As inscrições para os dois editais podem ser feitas até 12 de setembro.

Fonte: Ascom presidência da República

Artista peruano reúne imagens para compor museu sobre a história de Manaus

Em processo de coleta das imagens, fotógrafo já encontrou local para as futuras instalações.
Manaus - Em território tupiniquim há mais de 30 anos, o fotógrafo peruano Jorge Herrán decidiu homenagear a região que o acolheu de uma forma diferente. Nascido em Cuzco, mas residente no Amazonas, ele é autor do Museu da Fotografia de Manaus Antiga, iniciativa que já dispõe de local definido e cujo lançamento é planejado por ele para outubro deste ano. “Sempre registrei o Amazonas por meio de imagens. Algumas até estamparam promoções de jornais daqui, mas meu ideal sempre foi o de criar um museu”, revelou.

Nascido em Cuzco (Peru), Herrán conduz um levantamento de imagens sobre Manaus há 24 dos 30 anos que reside no Amazonas.
O resgate de arquivos antigos é realizado há 24 anos e tem como resultado mais de 400 fotografias. Segundo ele, desse total, aproximadamente 240 já foram restauradas e digitalizadas. “Essas, inclusive, estão reunidas em um CD que, simbolicamente, vendo para arrecadar fundos”, informou, ao ressaltar que o valor cobrado é de R$ 30.
Segundo ele, o exemplar mais antigo data de 1865 e traz um Centro bem diferente do atual, no qual a Avenida Eduardo Ribeiro tem, em seu lugar, o extinto igarapé Espírito Santo, e uma ponte ocupa a Avenida 7 de Setembro. “Não paga o trabalho dedicado à recuperação, mas cumpre o propósito de arrecadar fundos. Com um montante entre R$ 25 mil e R$ 30 mil, por exemplo, a reforma do local já seria garantida”, comentou.
A sede
Situado na Rua Coronel Cândido Mariano, 43, Centro, o Museu da Fotografia de Manaus Antiga é um casarão erguido no início do século passado.
“Trata-se de uma casa antiga, do início de 1900, que está em estado precário. Dá para restaurar e deixá-la linda como era. Basta disposição e a ajuda de quem quiser e puder”, avisou o fotógrafo, em publicação via Facebook, à época da aquisição do local.
Apesar de almejar a chegada de parceiros, o peruano descarta a participação do poder público no estabelecimento da empreitada. “Talvez depois de entrarmos em funcionamento, mas não quero que haja influência na fundação. Planejo um lugar aberto, livre de burocracia”, disse.
“Além do mais, também quero que esses candidatos a parceiros tenham noção de que serão informados a respeito de quaisquer decisões tomadas sobre o espaço. Eu manterei a todos informados”, garantiu.
Os CDs com fotografias podem ser adquiridos por meio de contato nos telefones (92) 9111-3065 e 8143-1310 ou Facebook, na página pessoal de Jorge — https://www.facebook.com/jorge.herran. “Se der tudo certo, o ‘presente’ estará pronto até 24 de outubro”, finalizou.

fonte: