Listen to the text.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O gênio de Leonardo da Vinci brilha em exposição em Veneza



O gênio do Renascimento, Leonardo da Vinci, brilha mais uma vez em Veneza com uma exposição que reúne 52 desenhos de um dos artistas mais talentosos da história, admirado pela capacidade de combinar arte com ciência, beleza com mecânica, natureza com proporções, corpo com alma.

A exposição, que abriu as portas ao público nesta quinta-feira na Academia de Veneza e que permanecerá em cartaz até dezembro, tem como título "Leonardo da Vinci: o homem universal". Reúne desenhos de caráter artístico e científico, realizados entre 1478 e 1516.

As imagens foram cedidas por importantes museus italianos e por prestigiosas coleções privadas, entre elas a da família real britânica Windsor, do Ashmolean Museum, do British Museum e do Louvre de Paris.

Pela primeira vez em 30 anos, o público poderá admirar o célebre desenho do "Homem Vitruviano", com notas anatômicas escritas pelo mestre italiano, que preenchia cadernos com múltiplas observações, escrevia cartas, elaborava croquis e cópias de obras consultadas nas bibliotecas das cidades que visitava.

"Os desenhos foram expostos de maneira que possam ser observados dos dois lados, algo muito raro. É como folhear seu diário íntimo, entrever seu pensamento e seu modo de trabalhar", declarou à AFP a curadora da exposição, Annalisa Perissa.

Admirar o "diário pessoal" do símbolo indiscutível do homem do Renascimento, considerado um gênio universal por seu talento em várias disciplinas e sua curiosidade infinita, é uma viagem pelo mundo criativo de um dos artistas mais interessantes da história.

O arquiteto, botânico, científico, escritor, escultor, filósofo, engenheiro, inventor, músico, poeta e urbanista pinta, apaga, corrige, escreve, pensa, pula de uma ideia para outra.

Os minúsculos desenhos a lápis realizados em apenas uma folha, alguns a carvão, com pontas metálicas e também sanguínea (uma espécie de giz vermelho, que mistura de caulino e hematita), incluem perfis de rostos humanos, alguns muito estranhos, variedades de flores, formas geométricas, cálculos e anotações.

"Há 25 desenhos que nunca haviam sido expostos desde 1980. É uma ocasião única poder admirá-los todos juntos", comentou Perissa.

A sabedoria do mestre, a serviço del arte, é descoberta com os desenhos preparatórios para criar "A última ceia", que retornarão, assim como as demais obras expostas, a arquivos climatizados e não poderão ser expostos antes de cinco anos.

"Serão conservados a uma temperatura e com umidade constante, no escuro, em condições de segurança máxima", disse a curadora.

Ao lado do magnífico 'Homem Vitruviano', emblema da perfeição e do equilíbrio entre mente e corpo, estão expostos dois estudos procedentes da Biblioteca Real de Turim e da coleção da família Windsor.

"No total, apresentamos 11 estudos sobre a proporção que jamais haviam sido expostos juntos", destaca Perissa.

A mostra, dividida por temas, começa com uma área dedicada à botânica, com vários estudos de flores, retratos de pessoas e nuvens curiosas, em uma espécie de convite a navegar pela imaginação do artista.

Dez desenhos permitem reconstruir a preparação e a execução de "A Batalha de Anghiari", uma pintura mural imponente de 7x17 metros, realizada em Florença enquanto Michelangelo pintava "A Batalha de Cascina" na parede opuesta.

As duas obras se perderam e a pintura de Leonardo da Vinci é conhecida apenas graças, justamente, aos croquis preparatórios e cópias.

"Se fossem apenas desenhos, a exposição poderia ser menos atrativa. Na realidade vai além, porque nos permite analisar e ler o processo criativo do artista e sobretudo de um gênio extraordinário como Leonardo", afirma Giovanna Damiani, diretora do Departamento de Museus de Veneza.

Ao precursor de várias máquinas modernas e armas, a exposição dedica uma área que inclui estudos sobre uma hipótese de carro armado: várias criações que traçam o perfil de um artista único.

fonte:
http://br.noticias.yahoo.com/g%C3%AAnio-leonardo-vinci-brilha-exposi%C3%A7%C3%A3o-veneza-153514641.html

Artista plástica radicada no Brasil expõe ao lado de obras de Basquiat

A artista plástica Susi Sielski Cantarino, argentina radicada no Rio desde 1988 e diretora da Galeria Metara - que já se tornou um personagem carioca -, está comemorando 35 anos de carreira e, para marcar a data, participa da coletiva Joan-Joan-Joan: One Subject, Many Artists, que ficará em cartaz até janeiro, em Los Angeles, Califórnia. Seu quadro Magic Joan ficará ao lado de obras de artistas como Basquiat, David Hockney, Robert Mapplethorpe, Shepard Fairey, Larry Rivers, entre outros . Em comum, todos os trabalhos pertencem à coleção dos mecenas Jack e Joan Quinn, uma das mulheres mais pintadas do planeta e diva de Andy Warhol. Joan é editora da Interview e apresentadora do The Joan Quinn Profiles, o qual Susi foi entrevistada recentemente. “A arte de Susi irá enriquecer a experiência estética do espectador", diz o poeta e crítico de arte Ferreira Gullar.


Susi Cantarino - obra exposta na Califórnia (Foto: Divulgação)


Susi continuará comemorando sua arte com a individual Tempo, na Galeria Arte Aplicada, em São Paulo, dia 16 de outubro, com 17 obras, entre fotografia, pintura, instalação e assemblage a partir de uma linguagem de elementos como a memória, a escrita e os mitos. Os trabalhos artísticos de Susi são sempre cheios de imagens fortes e metáforas. Novos simbolismos e significados são revelados ao espectador num estado ideal, majestoso e maravilhoso”, diz Chris Pitman, tecladista do Guns N'Roses, admirador da artista há anos.

fonte:
http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/bruno-astuto/noticia/2013/08/artista-plastica-radicada-no-brasil-expoe-ao-lado-de-obras-de-bbasquiatb-na-california.html

Fim de Tarde no Museu apresenta nesta quinta-feira Helder Brandão, Annie Carvalho & Paulo Maurício


O Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa), por meio do Centro de Pesquisas Museológicas – Museu Sacaca apresenta no Projeto Fim de Tarde no Museu, desta quinta-feira, 29, a partir das 19h, Helder Brandão e a dupla poética Annie Carvalho & Paulo Maurício.

A Coordenação de Eventos Culturais do Museu Sacaca criou o Projeto Fim de Tarde no Museu com o objetivo de divulgar seus espaços, valorizar o talento dos artistas amapaenses e ainda celebrar datas que fazem parte do calendário artístico-cultural local e nacional.

Helder Brandão vive no mercado musical amapaense, há muitos anos. O músico já teve a oportunidade de se apresentar algumas vezes no Projeto Fim de Tarde no Museu e na ocasião de suas apresentações deixou sua marca, para que sempre o público que lhe acompanha queira retornar sempre ao projeto. Para que a noite fique completa teremos, ainda, a apresentação exclusiva da dupla poética Annie Carvalho & Paulo Maurício.

A artista Anne Carvalho possui um histórico artístico. Há mais de três anos começou sua carreira como declamadora de poesias. Com o passar dos anos, começou a escrever poemas. Em janeiro de 2014 fará o lançamento de seu primeiro livro. Anne Carvalho também já teve oportunidade de se apresentar com outros grupos no Projeto Fim de Tarde no Museu, porém é a primeira vez que irá executar sua performance ao lado do jovem poeta Paulo Maurício, que também é cantor e compositor.

No repertório da dupla está a exposição de poetas renomados como: Mário Quintana, Camões, Cecília Meirelles, além da declamação de poemas de autoria da jovem poetisa Anne Carvalho.

O projeto acontece às quintas-feiras, a partir das 19h, na Praça da Alimentação do Pequeno Empreendedor Popular. Comidas regionais, petiscos variados e uma cervejinha bem gelada acompanham as atrações e garantem uma noite agradável e um lazer tranquilo. A Entrada é franca. Participe.

Angela Andrade/Iepa
fonte:
http://chicoterra.com/2013/08/28/fim-de-tarde-no-museu-apresenta-nesta-quinta-feira-helder-brandao-annie-carvalho-paulo-mauricio/

Salvador vai sediar 4º Encontro Baiano de Museus em setembro

Educação e desenvolvimento social estão na pauta do evento


Editoria Cultura & Comportamento
A capital baiana vai sediar, nos dias 10 e 11 de setembro, o 4º Encontro Baiano de Museus, que acontece no Instituto Feminino da Bahia (Politeama), das 9h às 18h. 

Realizado pela Diretoria de Museus do Instituto Artístico e Cultural da Bahia (DIMUS/IPAC), o evento constitui um importante espaço de intercâmbio de experiências entre museus, sociedade civil, instituições públicas e privadas, universidades e órgãos de gestão municipal, estadual e federal. 

A iniciativa pretende delinear diretrizes para o setor na Bahia, consolidando a Política Setorial de Museus, em consonância com a Política Nacional de Museus (PNM). O 3º Encontro Baiano de Museus foi em Ilhéus, em 2011, sob o tema Museus, Território e Inclusão Sociocultural. Este ano, a temática é Museu, Educação e Desenvolvimento Social.


As inscrições para o 4º Encontro Baiano de Museus são gratuitas e podem ser realizadas no site, até o dia 05 de setembro, para participantes ouvintes e que queiram integrar os Grupos de Trabalho (GTs). Sugere-se a doação de fraldas geriátricas tamanhos G ou GG, que serão encaminhadas ao Lar Irmã Maria Luiza, localizado no Largo dos Mares.


fonte: