Listen to the text.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Seminário discute tecnologia em museus e arquivos

Uso do digital na área de Humanas será foco do seminário 'Arquivos de Museus e Pesquisa'


Incorporação da tecnologia digital em museus e arquivos será tema do III Seminário Internacional Arquivos de Museus e Pesquisa. Havia uma certa separação entre tecnologia e a área de Humanas, fato que não houve em outras áreas do conhecimento, explica Ana Magalhães, uma das organizadoras do evento e coordenadora do Grupo de Trabalho Arquivos de Museus e Pesquisa, uma das organizadoras do evento.



A organização convidou diversos especialistas e profissionais que já enfrentam o desafio do digital nas instituições e apresentam novidades. Uma delas é a holandesa Lizzy Jongma, data manager do Rijksmuseum. O museu, num trabalho pioneiro, explora a interação entre as obras digitalizas da instituição holandesa com o internauta. No Rijksstudio, o visitante pode fazer o papel de curador e montar uma exposição virtual com as obras de seu interesse e divulgá-la nas redes sociais.

Com apoio do Sesc, o Seminário será realizado realizado na unidade da Consolação nos dias 17 e 18 de setembro. A programação pode ser acessada aqui.


fonte:
http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,seminario-discute-tecnologia-em-museus-e-arquivos,9258,0.htm

Um dos museus mais importantes do mundo agora coleciona aplicativos Matéria completa: http://canaltech.com.br/noticia/apps/Um-dos-museus-mais-importantes-do-mundo-agora-coleciona-aplicativos/#ixzz2egURase9 O conteúdo do Canaltech é protegido sob a licença Creative Commons (CC BY-NC-ND). Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.



Um dos mais importantes museus do mundo, o Smithsonian decidiu adicionar um aplicativo para iPad na sua prestigiada coleção de arte, com fins de preservação do belo design do programa. A decisão sinaliza uma mudança importante na visão dos museus e do mundo alta arte sobre obras digitais, artísticas ou não.

Por meio da sua divisão Cooper-Hewitt, que comanda o Museu Nacional do Design em Nova York, o grupo de curadores do Smithsonian decidiu arquivar o aplicativo Planetary, primeiro escolhido de acordo com as novas diretrizes de preservação de produtos digitais. O programa transforma seus arquivos de música e cria uma visualização baseada no espaço sideral, com cada estrela representando um artista diferente e cada planeta um álbum.

De acordo com Sebastian Chan, diretor do museu, a aquisição se deu principalmente por conta do desenho inovador do aplicativo e por uma vontade, por parte da instituição, de valorizar mais as obras que nasceram na era digital e que cada vez mais definem nossa cultura. "Poderíamos estar satisfeitos em ser um museu de história da arte, poderíamos ficar focados no tangível, mas decidimos ampliar o nosso espectro”, disse.

E a decisão vai muito além de simplesmente disponibilizar ao público um iPad rodando o Planetary. “Adquirimos o código fonte do Planetary, assim como todas as modificações feitas pelos desenvolvedores e outros detalhes. Isso nos dará a oportunidade de mostrar aos visitantes como o app foi feito e todos os meandros do processo de criação”, explica o curador.


fonte:
http://canaltech.com.br/noticia/apps/Um-dos-museus-mais-importantes-do-mundo-agora-coleciona-aplicativos/

Museu do Zebu terá oficinas e jogos educativos sobre as raças zebuínas



Com expectativa de receber 400 estudantes de Uberaba entre os dias 24 e 27 de setembro, o projeto social “Um dia no Parque com o Brahman e o Nelore” terá diversas oficinas e jogos. Coordenado pelo Museu do Zebu, o projeto faz parte da programação da Expoinel e da ExpoBrahman. As exposições ocorrerão conjuntamente no Parque Fernando Costa.

Todas as atividades terão como tema central a pecuária zebuína e o trabalho desenvolvido pela ABCZ. Estão agendadas oficinas de colagem, de amarelinha do zebu e de memorização da história do zebu. Haverá ainda o jogo dos subprodutos, que abordará o uso de matéria-prima derivado do boi para fabricação de produtos por 49 segmentos da indústria. O sebo, por exemplo, é matéria-prima para produção de sabão, detergente, sabonete, shampoo, tintas, explosivos, pneus, lápis e velas. Já os miúdos são utilizados na fabricação de medicamentos, substâncias hormonais, cosméticos e reagentes para pesquisas. O couro entra na produção de gelatina, chiclete, cápsulas farmacêuticas, adesivos, filmes fotográficos, fósforos, cola, cosméticos e vestuários.



fonte:

http://www.jornaldeuberaba.com.br/cadernos/agronegocios/5379/museu-do-zebu-tera-oficinas-e-jogos-educativos-sobre-as-racas%C2%A0zebuinas