Listen to the text.

domingo, 10 de novembro de 2013

Museu a céu aberto é atração em NY

Centro de artes Storm King fica a uma hora e meia de Manhattan. As obras de arte são gigantes e ficam no meio das árvores e perto de lagos.

O Crônicas de Nova York deste sábado (9) mostra um museu diferente: o centro de artes Storm King, um museu a céu aberto, a uma hora e meia de Manhattan. As obras de arte são gigantes e ficam no meio das árvores, na grama e perto de lagos.

A melhor maneira de chegar ao museu é de carro, mas também é possível ir de ônibus ou de trem. Só de ver a paisagem pelo caminho já faz o passeio valer a pena. Em alguns trechos da estrada, há mirantes para admirar o cenário.

No Storm King, as esculturas se conectam com a natureza. No local, não há muros e os limites são definidos pelas montanhas. Há 53 anos, os nova-iorquinos visitam este oásis de tranquilidade.

A coleção permanente abrange mais de cem instalações modernas de artistas consagrados. Elas dividem o cenário com as árvores, que no outono ganham um colorido lindo e, por isso, acabam sendo uma atração à parte.

Logo na entrada, o visitante é recebido por um dos tesouros do parque: uma instalação do artista Alexander Calder chamada O Arco, que tem 16 metros de altura. Mais adiante, estão as obras do escultor Mark Di Suvero.

No parque, há trenzinhos para quem tem dificuldade em andar e pessoas com bebês. Além de caminhar, um jeito bom de explorar toda essa área é pedalando. As bicicletas podem ser alugadas por duas horas pelo equivalente a R$ 34.

As bicicletas ajudam a chegar a lugares onde se pode ver pequenas colinas na grama, que fazem o visitante se lembrar das ondas do mar. Elas não são obra da natureza e sim da artista americana Maya Lin.

Uma das coisas mais gostosas de fazer no museu é deitar na grama e apreciar as obras do chão, de uma perspectiva totalmente diferente. Na cerca de espelhos, cada ângulo revela uma nova maneira de ver a paisagem.

A canoa de Roy Liechtenstein, um dos ícones da pop art, está no meio de um lago e é chamada de Mermaid, sereia em português.

Um pouco mais à frente, há um muro que mergulha na água e um enorme Buda de três pernas, feito pelo artista chinês Zhang Huan com a ajuda de cem auxiliares.

O museu oferece uma natureza que generosamente empresta suas cores para tornar a arte do homem ainda mais bonita.

fonte: