Listen to the text.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Em busca de esperança para um museu

Juiz tenta evitar venda de obras do Instituto de Artes de Detroit; dinheiro seria usado para pagar dívidas da cidade

Uma campanha lançada por um juiz federal é a nova esperança para o Instituto de Artes de Detroit. Ao longo deste ano, a prefeitura da cidade, que vive uma crise financeira que vem sendo tratada como a pior da história dos municípios americanos, decidiu vender algumas das principais obras do museu compradas com dinheiro público. A casa de leilões Christie’s acredita que o lote, que representa 5% do acervo da instituição, poderia alcançar entre US$ 467 e US$ 867 milhões – e a ideia é usar o dinheiro para pagar por serviços públicos básicos e honrar vencimentos.



Joshua Lott/Reuters
O Art Institute of Detroit

Parte da população da cidade e especialistas em arte, no entanto, têm se colocado contra a decisão. Para eles, o dinheiro arrecadado com a venda das peças de Van Gogh, Matisse, Brueguel e Rembrandt, entre outros, não será suficiente para resolver os problemas financeiros da cidade – mas vai significar uma perda considerável para o acervo daquele que é considerado um dos principais museus dos Estados Unidos.

Foi com esse pensamento em mente que o juiz federal Geraldo Rosen lançou uma campanha dirigida às fundações privadas mais importantes do país. O objetivo é arrecadar com elas US$ 500 milhões, valor que, segundo seus cálculos, seria suficiente para honrar o pagamento de pensões e outros débitos municipais e evitar a venda das obras mais famosas da cidade.

Rosen, no entanto, foi além. Segundo ele, precisa haver uma mudança no regimento do museu, que passaria a ser uma entidade sem fins lucrativos, independente tanto das fundações doadoras quanto do poder público – o que impediria novas ocorrências do que ele chamou de “constantes tentativas de assalto” ao acervo.

Em um comunicado, o Instituto de Arte disse que apoia “100%” a ideia de Rosen, iniciativa considerada “criativa e razoável” – segundo o texto, o sucesso da campanha levaria o museu a ser “otimista” com relação ao futuro. O plano de Rosen, no entanto, precisa ser aprovado ainda pelo juiz Steven Rhodes, que deu luz verde para que a cidade declarasse falência. E, entre alguns dos credores, já há quem defina a campanha como um “contratempo” no processo de busca de uma solução para o pagamento das dívidas que com eles mantém a prefeitura. Para eles, é consensual a ideia de que a venda das obras é não apenas a melhor como a única maneira de resolver a questão.



fonte:
http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,em-busca-de-esperanca-para-um-museu,1112904,0.htm
 

Câmara de Arganil quer instalar Museu Internacional do Rali em 2014

A criação do Museu Internacional do Rali é uma das apostas do município de Arganil para 2014, no âmbito do reforço da competitividade local, disse hoje à Lusa o presidente da Câmara.

"O reforço da competitividade do concelho é uma das nossas prioridades no próximo ano", adiantou o social-democrata Ricardo Alves.

O autarca disse que o Museu Internacional do Rali será instalado na antiga Cerâmica Arganilense, que foi requalificada nos últimos anos pela Câmara Municipal.

Para o efeito, a autarquia admite recorrer aos fundos comunitários e avançar com diversas parcerias, incluindo com o Automóvel Clube de Portugal.

O concelho de Arganil, numa zona montanhosa do distrito de Coimbra, acolheu, durante décadas, importantes provas mundiais do Rali de Portugal.

"Neste museu, pretendemos expor alguns dos carros que marcaram a história dos ralis e passaram pelo concelho", revelou Ricardo Alves.

Este espaço museológico da Cerâmica Arganilense disporá ainda de "uma componente interativa", com recurso às novas tecnologias, incluindo "simuladores que ajudarão a recriar o ambiente dos ralis".

A criação do Museu Internacional do Rali está incluído nas grandes opções do plano da Câmara Municipal de Arganil para o próximo ano, as quais, tal como o orçamento, no montante de 14,8 milhões de euros, já foram aprovadas pelo executivo e pela Assembleia Municipal (AM).

Com 23 eleitos, o PSD detém maioria absoluta na AM, que integra também nove socialistas, dois independentes e um representante da CDU.

Ricardo Alves disse que "o reforço da coesão social e a manutenção da ação social escolar" são outras das prioridades do plano de 2014.

"A Câmara já comparticipa 60% das refeições do 1.º ciclo e do pré-escolar", acrescentou, realçando que a autarquia também apoia "mais de metade dos alunos" na aquisição de livros.

Em 2014, o município "prescinde da cobrança dos 5% de IRS a que tem direito, beneficiando todas as famílias" de Arganil.

A requalificação da rede viária "em grande parte do concelho" e a construção de cinco estações de tratamento de águas residuais são outras das prioridades.

Devido à contenção de despesas, a autarquia optou por realizar a requalificação do Teatro Alves Coelho, no centro da vila, por fases e ao longo dos próximos quatro anos.

fonte:

São Petersburgo dedicará 2014 aos 250 anos do Museu Hermitage

O Governador de São Petersburgo, Georgy Poltavchenko, declarou que o ano cultural da cidade em 2014 será dedicado ao aniversário de 250 anos do Museu Hermitage. Os eventos comemorativos acontecerão durante o ano inteiro. Entre os dias 23 de junho e 30 de outubro, acontecerá a Bienal de Arte Contemporânea Manifesto – 10. Já entre os dias 7 e 10 de dezembro será realizado o III Fórum Cultural Internacional de São Petersburgo, que desta vez terá a instituição cultural como tema principal.

Outro evento que marcará o Ano Cultural de São Petersburgo será o I Festival Marítimo Internacional, que será realizado entre os dias 21 e 27 de julho. O tema náutico unirá dezenas de atividades, desde os desfiles de navios esportivos e de guerra a produções de moda e apresentações teatrais.
O Museu Hermitage será o grande homenageado do ano cultural de São Petersburgo


fonte: