Listen to the text.

quarta-feira, 30 de abril de 2014

MUSEOGRAFÍA EMERGENTE


Combinamos el término emergente del título del blog de hoy con museografía, para designar la aparición de algo nuevo o conjunto de novedades referidas a algo en concreto. Ese algo al que queremos referirnos hoy es la museografía moderna, lo que a nosotros nos gusta denominar: museografía didáctica, ahora también emergente. 

La existencia de la museografía emergente es una realidad al día de hoy, que se está desarrollando gracias a la aparición de unos conceptos verdaderamente simples, pero dando lugar también en conjunto a teorías complejas. Se hace complicado hablar de estas cosas tan nuevas. Hacemos referencia a su complejidad, no ya tanto por una supuesta dificultad de contenido, sino por la forma tiene esta nueva realidad de darse a conocer públicamente. 

No hay normas, no se muestran formulaciones básicas, no existen reglas que puedan formularse para que esta nueva etapa de la museografía pueda entenderse fácilmente. Podemos hacer un esfuerzo y generar cuatro ideas que resumen así, un poco forzadamente, esta realidad nueva – nuestra obligación es despejar dudas si está en nuestra mano -, vamos allá:


·





1. La interpretación (contextualización del contenido museológico) como instrumento de las nuevas ciencias museológicas.

2. Cualquier contenido u objeto puede estar bajo el tratamiento museográfico, incluido un edificio o incluso una ciudad entera (patrimonio cultural).

3. Las nuevas museologías solo se justifican si facilitan el conocimiento universal y potencian la memoria histórica.

4. Detrás de cada objeto expuesto debemos ver claramente la existencia de un ser humano que, como transmisor de conocimiento, está dotado de historia y de memoria.


La contextualización de las exposiciones en los museos es una de las nuevas estrategias de difusión de contenidos en las que se basan las museografías emergentes

Los museos son las instituciones que luchan contra la ausencia de una memoria humana común. La verdad existe si sabemos profundizar en el pasado, en la memoria, espantando ese terrible fantasma que es el olvido. Esta lucha contra el olvido ha tenido su reflejo en la preocupación para intervenir en ámbitos muy diversos del patrimonio universal. Existe intervención desde los conjuntos patrimoniales urbanos al aire libre hasta museos tan intangibles como los que responden a sensaciones y emociones, y no tanto a materiales que se puedan tocar. 

Estas variantes de la cultura humana han sido y son objeto de la museografía moderna. Debemos decir que, dependiendo en que dirección sople el viento en los gobiernos del país, se interesan en difundir un patrimonio u otro. Se pueden obviar también – como está ocurriendo con el patrimonio industrial que no tiene interés alguno para el neo-liberalismo – algo que solo interesa si incluye términos como: solar para construir o recalificación. Esa también es, tristemente, parte de la nueva corriente a la que nos enfrentamos los profesionales de los museos: el desinterés político por la cultura. 

La museografía emergente es una estrategia también, que responde al desarrollo de proyectos de bajo presupuesto y equipamiento mobiliario de perfil bajo. Todo lo que se sale de esa forma de proyectar tiene muchas posibilidades de fracasar.


Emergente, término relacionado con la museografía y no con el submarinismo, dibuja novedades de interacción entre la opinión pública y la cultura, en escenarios insólitos hasta ahora

Otro ejemplo de lo que está relacionado con las nuevas museografías, la museografía emergente, es el intento de musealizar ciudades, barrios, calles y exteriores de edificios. Un esfuerzo para modernizar el impacto que estos equipamientos históricos ejercen sobre todo el que los visita o pasea cerca de ellos. Por decirlo de otra manera, se trata de aumentar el valor didáctico al patrimonio histórico desde el exterior. Actualmente hay un ejercicio serio en muchas ciudades repartidas por el mundo para identificar a los monumentos como pilares culturales autóctonos y diferenciadores. 

No se trata tanto de señalizar monumentos, se trata de musealizar espacios al aire libre, dotarlos de historicidad y luchar entonces contra la ruina que es el olvido. Lisboa es un claro ejemplo de este esfuerzo de musealización urbana, pero hay muchos otros. Ya no depende todo exclusivamente del estado de conservación, que es muy importante, sino del grado de comunicación didáctica que ese patrimonio desarrolla hacia la opinión pública. Podríamos usar otro término muy en boga actualmente: es patrimonio vivo.


La introducción de las nuevas tecnologías de la comunicación en el proyecto museográfico nos ha abierto mundo lleno de posibilidades

Además, el desarrollo de las nuevas tecnologías al servicio de la museografía, abren todo un mundo de nuevas posibilidades de difusión cultural. Las aplicaciones de los móviles, los smartphones sin ir más lejos, ya disponen de aplicaciones que muestran al usuario teatralizaciones de la vida histórica en relación a un patrimonio histórico concreto. la museografía moderna ha debido adaptarse a estas nuevas posibilidades sin enfrentarse a ellas como enemigas de la museografía tradicional, sino como elementos de ayuda para la difusión didáctica de los contenidos históricos. 

Estamos de enhorabuena porque estas tecnologías emergente también son armas contra el olvido, siempre y cuando tengan el suficiente atractivo para captar la atención de sus usuarios. Si no sirven se tira inmediatamente, lleva un segundo de tiempo hacerlo, y, además, deben ser gratuitas. Todo lo que tiene que ver con internet y la museología también es emergente. Un mundo enteramente nuevo que explorar y que ya requiere la intervención de museógrafos expertos en nuevos sistemas de comunicación. Como decía Buzz Lightyear en Toy Story: “hasta el infinito y más allá…”

fonte:http://evemuseografia.com/2014/04/30/museografia-emergente/

A China Além dos Mitos ( .pt )

Na segunda quinzena de Maio e primeira de Junho, os finais de tarde de quarta-feira já têm hora marcada na Casa-Museu Anastácio Gonçalves.
Ao longo de cinco sessões, Sasha Lima, Presidente do Grupo de Amigos da CMAG, promete interessantes abordagens ao tema A China Além dos Mitos.


Quartas-feiras - 14, 21 e 28 de Maio | 4 e 11 de Junho, das 18h00 às 20h30
Em anexo: Ficha de Inscrição

Contactos: 213 540 823/923 | divulgacao@cmag.dgpc.pt

Masp muda estatuto para aplacar grave crise e eleger nova diretoria

SÃO PAULO, SP, 29 de abril (Folhapress) - Numa reunião que durou cerca de quatro horas, a diretoria do Masp aprovou na tarde de hoje, por unanimidade e com a participação de três quartos de seus conselheiros, mudanças no estatuto do museu que permitirão a ampliação do número de membros de seu conselho administrativo, de 30 para 80 vagas, e a posse de uma nova diretoria. 

Rompendo um ciclo de 20 anos em que o arquiteto Júlio Neves e seus aliados, como a atual presidente Beatriz Pimenta Camargo, vêm se revezando no comando do maior museu da América Latina, o Masp deverá ser dirigido pelo empresário e consultor financeiro Heitor Martins. 

Martins, que foi presidente da Fundação Bienal de São Paulo e responsável pelo resgate financeiro daquela instituição, poderá assumir o Masp à frente de um novo corpo diretivo em cerca de 60 dias, quando uma assembleia deverá oficializar o conselho ampliado, que, por sua vez, elegerá outra diretoria.
Essa é a maior mudança estatutária na história do museu, que enfrenta hoje uma grave crise. Tem uma dívida estimada em cerca de R$ 10 milhões, está impedido de captar recursos por meios federais de incentivo e, segundo a Folha apurou, atrasou pagamentos a funcionários. 

"Essa crise não é um apanágio do Masp, várias instituições também enfrentam, mas você passa um tempo sem resolver, e as coisas vão acumulando, vai virando uma bola de neve. É uma nova fase para o museu, sem dúvida", disse Pimenta Camargo, atual presidente do Masp. "As questões que enfrentamos agora são as mesmas de muitos anos. As novas estratégias para lidar com essas questões é que vamos ver. Também estou curiosa para ver como vão fazer." 

Entre outras mudanças, foi aprovado na tarde hoje um teto para mandatos consecutivos que conselheiros e diretores poderão exercer no museu, além da exigência de que os conselheiros passem a fazer contribuições financeiras para o Masp. 

Outra mudança significativa é a abertura do conselho a membros do poder público, algo que o Masp sempre resistiu. A partir de agora, terão assento permanente no conselho da instituição os ocupantes dos cargos de secretário municipal e estadual da Cultura de São Paulo, além do presidente do Instituto Brasileiro de Museus, órgão ligado ao Ministério da Cultura. 

Ou seja, passam a integrar o conselho, Juca Ferreira, secretário municipal da Cultura, Marcelo Araújo, o secretário estadual, e Ângelo Oswaldo de Araújo Santos, atual presidente do Ibram. 

Essas alterações na alta cúpula do museu são exigência do Itaú, que ajudará no resgate das dívidas do Masp e atuará como parceiro na gestão da instituição. Além do banco, outras empresas, como o Bradesco e a Gerdau, estudam entrar no resgate do museu. 

"Estamos trazendo mais gente para cá, porque a cidade cresce, e os problemas crescem", disse o arquiteto Júlio Neves, ex-presidente e atual conselheiro do Masp. "Aqui, o desafio é um leão por dia. O maior desafio é todo dia."

fonte:http://www.bemparana.com.br/noticia/322293/masp-muda-estatuto-para-aplacar-grave-crise-e-eleger-nova-diretoria

Egito recupera dez antiguidades roubadas de museu em 2011

Peças foram levadas do Museu do Cairo durante revolta há três anos. Entre os itens está uma estátua coberta de ouro do faraó Tutancâmon.

O Egito encontrou dez antiguidades roubadas do Museu do Cairo durante a revolta que derrubou o presidente Hosni Mubarak, no início de 2011, incluindo uma estátua coberta de ouro do faraó Tutancâmon, anunciou nesta terça-feira (29) o ministro das Antiguidades.

Além da estátua de madeira coberta de ouro - que será restaurada por especialistas egípcios, de acordo com o ministro Mohamed Ibrahim - duas estátuas dos filhos da rainha Nefertiti também foram entregues ao museu dedicado às antiguidades egípcias.

Além disso, o Egito recuperou uma estatueta de Tutancâmon criança. Durante a revolta de 2011, uma estátua de uma deusa segurando Tutancâmon criança foi encontrada com o rosto arranhado, e sem o jovem faraó. O museu possui agora as duas peças que compõem a estátua.

Entre essas peças, uma foi encontrada na Bélgica e oito outras nos Estados Unidos, informou o ministério, citado pela agência de notícias oficial MENA.

O Museu Egípcio possui peças de valor inestimável, incluindo o tesouro funerário de Tutancâmon e muitas múmias da realeza.

Cerca de 100 mil peças estão expostas em suas centenas de salas e 50.000 outras permanecem guardadas.

O museu foi roubado em 28 de janeiro de 2011, durante os violentos confrontos opondo as forças de ordem aos manifestantes que exigiam a saída do ex-presidente Hosni Mubarak na praça Tahrir.

Um total de 54 objetos foram roubados, a maioria tesouros que datam dos reinados de Tutancâmon e Akhenaton. Apenas 35 foram recuperados até agora.

fonte:http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/04/egito-recupera-dez-antiguidades-roubadas-de-museu-em-2011.html

terça-feira, 29 de abril de 2014

Dia Internacional dos Museus 2014 - “Museus: as coleções criam conexões”(


O tema proposto pelo ICOM Internacional para as comemorações do Dia Internacional dos Museus 2014, “Museus: coleções criam conexões” recorda-nos que estes espaços são instituições vivas que ajudam a criar laços entre visitantes, gerações e culturas em todo o mundo. O Museu é uma instituição que preserva e comunica o passado, mas que se enraíza no presente, adaptando as suas formas de comunicação e mediação com os públicos para responder às necessidades do mundo contemporâneo. Cria uma ponte entre gerações porque possibilita que as comunidades do presente e as do futuro compreendam melhor as suas origens e a sua história.

Como habitualmente, a Direção-Geral do Património Cultural vai participar ativamente na organização do Dia Internacional dos Museus, 18 de Maio, e da Noite Europeia dos Museus, 17 de Maio, dinamizando um conjunto variado de atividades e iniciativas nos seus museus e palácios nacionais, articulando também a celebração destas datas com os espaços museológicos integrados na Rede Portuguesa de Museus.
 
fonte:http://www.nauticapress.com/modules/news/article.php?storyid=3116
netweaver @edisonmariotti on twitter - #edisonmariotti
 
 

Museu de Ideias

O projeto Museus de Ideias promove, nesta terça-feira (29), às 14h, a primeira palestra de 2014. A exposição, que será feita pela historiadora da arte e curadora do Museu da Chácara do Céu, Anna Paola Baptista, abordará o tema “Colecionismo na arte: um relato de sua história e perspectivas brasileiras”. A iniciativa é promovida pelo Museu de Astronomias e Ciências Afins (Mast/MCTI).
Para mais informações sobre o evento, entre em contato pelo telefone (21) 3970-1198 ou pelos endereços eletrônicos fernanda.castro@museus.gov.br e atendimento@mast.br 

Vale-Cultura começa a ser aceito nos museus Ibram

Trinta unidades vinculadas ao Instituto Brasileiro de Museus no País vão conceder entrada gratuita aos beneficiários do programa



Museu da Chácara do Céu – Rio de Janeiro (RJ)

As 30 unidades museológicas vinculadas ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram)concederão entrada gratuita aos trabalhadores credenciados junto ao Programa de Cultura do Trabalhador (Vale-Cultura), do Ministério da Cultura (MinC).

Segundo previsto pela portaria, será franqueada a entrada, mediante apresentação do cartão magnético do Programa Vale-Cultura, a cada usuário credenciado e até dois acompanhantes por visitação às unidades da rede Ibram – que incluem alguns dos museus brasileiros com maior visitação. A medida já está em vigor desde a data de sua publicação.

Os museus garantirão a gratuidade para estudantes do curso de Museologia, membros do Conselho Internacional de Museus (ICOM), museólogos e funcionários do Ibram, devidamente identificados com carteiras funcionais ou outro documento comprobatório, e demais casos descritos na legislação vigente.

fonte:http://www.brasil.gov.br/cultura/2014/04/vale-cultura-comeca-a-ser-aceito-nos-museus-ibram

EL PROYECTO DE EXPOSICIÓN

Una exposición es el producto de un intenso trabajo de investigación y análisis metódico, un exhaustivo estudio del objetivo didáctico, y todo esto, con la ayuda de un diseño innovador, se transformará en un proyecto memorable. El proyecto deberá mostrar al público, en el ámbito elegido para su muestra, una propuesta didáctica que tenga un principio y un fin, es decir, que responda a un guión de contenidos bajo el orden de la cronología. Se pueden establecer otro tipo de líneas argumentales para el contenido, sobre todo en lo referente al arte, ya que este último contenido también puede verse influido por el espacio de la exposición. y nos obligará a atender un orden por tamaños, entre otras cosas.


 En cualquier caso, el proyecto de una exposición es el punto de partida para el proceso de diseño. Es la culminación de la primera etapa del trabajo de una exposición, el resultado del diálogo entre el conservador y el diseñador, el resultado de la valoración, la discusión y el acuerdo alcanzado entre todas las partes implicadas.


Todo proyecto de exposiciones, por muy diferentes que san unas de otras, responden a una misma planificación del proceso de creación y desarrollo

El diseño del proyecto de exposición tiene varias funciones, la más importante es la definir el objetivo de la exposición, generar el guión expositivo. La segunda función del proyecto es la de aclarar ideas y generar propuestas firmes para la toma de decisiones de todos y cada uno de los profesionales implicados en el proyecto. Este desarrollo sirve tanto al diseñador como al conservador de la exposición. Los teóricos sobre el papel del conservador dentro del proyecto de la exposición dicen: para elaborar con éxito proyectos dirigidos al diseñador (museógrafo) hay que presuponer un buen número de cuestiones. En primer lugar, una idea precisa sobre la función de las exposiciones en el museo, que en esencia podría ser la de ayudar a los visitantes a comprender el lenguaje del mundo real; en segundo lugar, una idea clara de los papeles que desempeñan el conservador y el diseñador al organizar la exposición; en tercer lugar, el personal de conservación que deberá tener la capacidad de plantear la finalidad, el contenido y el texto de una exposición en su conjunto con antelación para generar un guión que deberá ser presentado al diseñador de una forma que éste pueda visualizar mentalmente.


Son muchas las variables que hay que tener en cuenta en el proceso de creación de una exposición, para ello es clave que el conservador y el diseñador se lleven bien

Una de las preocupaciones que aparecen a este punto en el desarrollo de partida del proceso de creación de la exposición, es el tiempo que hay que invertir en este proceso del trabajo. Es imprescindible generar lo que conocemos comotimming - otro anglicismo, pero es lo que hay -, para tener una fecha de conclusión del proyecto que de paso al trabajo de promoción y publicidad. La reflexión en profundidad sobre el proyecto antes de avanzar en el trabajo de diseño y producción de la exposición es fundamental y sirve para evitar errores de apreciación en el tiempo que va a consumir todo el proceso, y en graves desvíos de presupuesto. Todas las opiniones e los profesionales implicados en el proyecto de la exposición cuentan, son muy importantes en este punto de partida. Obviar alguna de estas opiniones puede generar frustración, resentimiento o desmoralización en miembros del equipo afectados por esta falta de atención. Es cierto que en todo proceso de creación de una exposición hay problemas que no se pueden evitar. Normalmente siempre hay momentos de desencuentro entre el conservador que responde como erudito y el diseñador. El erudito y los aspectos creativos de toda exposición normalmente no se llevan demasiado bien; siempre prometen desencuentros, y es mucho peor cuando el erudito está convencido de llevar un diseñador dentro y que, además, quiere mostrarse. El diseñador debe tener mucha mano izquierda para mantener al erudito en su terreno, sin que haya intromisiones que, finalmente, y como puede ocurrir con facilidad, afecten a la calidad final del diseño expositivo. En una próxima entrada contaremos anécdotas surrealistas protagonizadas por los eruditos, normalmente catedráticos de universidad (la experiencia dicta la historia).


La erudición como imposición es el mayor enemigo del diseño excelente de una exposición

Para terminar, podemos resumir el proceso de creación de la exposición en el siguiente listado de acciones:

1. Se identifica una idea de exposición y se discute de manera informal entre todas las partes implicadas.

2. Tras esa discusión-conversación, se plasman sobre el papel las primeras ideas el concepto bocetado de la exposición o borrador de la propuesta. La información básica habrá de incluir: título provisional; finalidad; tema y contenido; público previsto (perfil del visitante potencial y previsión de afluencia); fechas (importante aquí disponer de timming sobre todo el proceso de desarrollo del proyecto); ubicación y, posiblemente una primera aproximación sobre los costes y sistemas de financiación.

3. Se da a conocer la propuesta entre las partes interesadas e implicadas en el proyecto para pedir sus opiniones (importante no dejarse a nadie al margen).

4. Revisión de la propuesta por parte del consejo asesor de exposiciones del museo, el personal responsable inmediato o de la dirección.

5. Si la propuesta es aceptada, se deberá hacer un estudio de viabilidad que explore la propuesta en profundidad.

6. Una vez aceptado el estudio de viabilidad, se encarga el documento final del proyecto.

7. Cuando el proyecto tenga fecha de inauguración exacta y tengamos el proyecto redactado, hay que ponerse en manos de los estrategas de publicidad para difundir la propuesta entre la opinión pública. Aquí incluimos la realización de un site o minisite y la estrategia de difusión en redes sociales.


La didáctica para todos los públicos es la base fundamental en la que se debe cimentar cualquier buen proyecto expositivo, sea de la naturaleza que sea

Este sería el resumen del proceso básico de creación de una exposición. Los márgenes de variación de este proceso, normalmente, se producen por el perfil personal (personalidad profesional) de los participantes en el proyecto; de la cohesión que se puede disfrutar trabajando en él, o no, en el trabajo en equipo y en la propia naturaleza de la exposición: arte, ciencia, historia, biología, arqueología, paleontología, etc.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Museu da Cultura Popular, em Natal, é pichado após revitalização

Prefeitura pintou o prédio na quinta-feira (24), pichação foi no fim de semana. Prejuízo será de R$ 3 mil aos cofres públicos, diz secretaria.

3 comentários
Museu da Cultura Popular foi alvo de vandalismo  (Foto: Divulgação/Prefeitura de Natal)Museu da Cultura Popular foi alvo de vandalismo (Foto: Divulgação/Prefeitura de Natal)
Museu da Cultura Popular de Natal, localizado no bairro da Ribeira, foi alvo de pichadores neste final de semana. O espaço passou por uma revitalização em sua pintura na última quinta-feira (24). As imagens da pichação foram divulgadas pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) nesta segunda-feira (28). A pintura terá que ser refeita e, segundo a Semsur, custará um prejuízo de R$ 3 mil aos cofres públicos.

O espaço conta com 12 boxes de lojas, no piso inferior, que são de responsabilidade da Semsur, e o Museu da Cultura Popular, no piso superior, de responsabilidade da Fundação Cultural Capitania das Artes (Funcarte). Valério Max, diretor do departamento de operações da Semsur, explica que a secretaria está dando continuidade à revitalização do espaço, fazendo a pintura interna do prédio. A recuperação contempla o lixamento, recuperação da alvenaria e a pintura, que incluindo a mão de obra, custará o valor de R$ 40 mil. Devido ao ocorrido, o serviço só será concluído no final da próxima semana.

De acordo com o diretor do Departamento de Feiras e Mercados da Semsur, Jonas Gregório Mendes, há segurança particular no local apenas nos turnos matutino e vespertino, o que teria facilitado a ação dos vândalos. O titular da pasta, Raniere Barbosa, entrou em contato com a Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social (Semdes) para intensificar as rondas realizadas pela Guarda Municipal e evitar que ações como esta se repitam.

Depredação ao patrimônio público é crime, previsto no Art. 163 do Código Penal, qualificado pelo inciso III, que prevê detenção mais multa. A secretaria está verificando as imagens das câmeras de segurança instaladas no local para tentar identificar e punir os responsáveis pela depredação do espaço.

fonte:http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2014/04/museu-da-cultura-popular-em-natal-e-pichado-apos-revitalizacao.html

Memorial ao Mineiro - Extração do Carvão em Charqueadas/RS.

Um período significativo na História de Charqueadas! 




Alunos da turma 63/2011 entrevistaram a funcionária do Memorial, Sra. Cleoni da Silva Ribeiro. 

Alunos: Jéssica Chagas Pacheco, San Bittencourt de Avila Lima e Suzan Bittencourt de Avila Lima. Prof. José Edimilson Kober.

Veja o vídeo da entrevista no link abaixo:

http://charqueadashistoria.blogspot.com.br/

http://charqueadashistoria.blogspot.com.br/2011/06/memorial-ao-mineiro-charqueadasrs.html?q=Cleoni+da+Silva+Ribeiro

endereço acima do link é em substituição do link abaixo que foi removido. ok


Postado por Museu





É de conhecimento da Comunidade que o "esqueleto" (ruínas) do Poço 4 foi demolido.

A estrutura estava comprometida e a Copelmi obteve autorização para demolir o "esqueleto" do Poço 4 e minerar a céu aberto no local.
Antes (2012)


Depois (2014). Crédito: Simone Lemos.

Entretanto, em contrapartida, a Copelmi está investindo no Museu Estadual do Carvão, principalmente na restauração dos prédios e na preservação dos acervos e ruínas. 

Dois prédios já foram restaurados (antigo Laboratório e antigo Escritório, na frente do Museu), o prédio branco será o Arquivo Histórico da Mineração (AHM) e a prédio amarelo será o Administrativo do Museu. Ainda faltam quatro a serem restaurados (Usina, Almoxarifado, Oficinas e Casa Branca da Vigilância).

A médio e longo prazo, o Museu terá:
- Exposição de longa duração em ambiente adequado (climatização e acessibilidade, com elevador para o segundo pavimento);
- Arquivo Histórico para pesquisa histórica e ações educativas com a Comunidade Escolar;
- Telecentro Comunitário do Museu Estadual do Carvão ampliado e modernizado;
- Cine-Auditório com 60 lugares;
- Teatro tipo italiano entre 200 e 300 lugares;
- Cinco espaços para oficinas culturais diversas;
- Quiosque e restaurante;
- Projetos culturais diversos, inclusive de preservação e ampliação dos acervos, com destaque para o "acervo CADEM", documentação histórica sobre as empresas mineradoras, trabalhadores (mineiros) e o cotidiano da mineração, principalmente nas décadas de 1910 até 1960.

Tudo formalizado através de Acordo de Cooperação Técnica entre a SEDAC/RS, IPHAE/RS, Museu do Carvão e a Copelmi Mineração Ltda.


Estamos à disposição para maiores informações!
Att.
Equipe do Museu Estadual do Carvão.

Museu Aeroespacial incorpora caça Mirage M-2000 ao acervo

As aeronaves Mirage M-2000 e SEPECAT Jaguar GR.1 foram incorporadas, nessa sexta-feira (25), à coleção do Museu Aeroespacial (Musal). O Jaguar, desativado pela Real Força Aérea Britânica, foi doado ao Musal em 2012, e o MIRAGE M-2000, do 1º Grupo de Defesa Aérea (1º GDA), realizou seu último voo no dia 31 de dezembro do ano passado, quando pousou no lendário Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro, sede do museu.
 Durante a cerimônia, a unidade também recebeu a doação de 50 telas com temática aviação, oferecidas por artistas plásticos da antiga Associação Brasileira da Aviation Art (Abrarta).
Dentre as autoridades e convidados que participaram da cerimônia estavam o Tenente-Brigadeiro do Ar Paulo Roberto Cardoso Vilarinho, Diretor do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica, o Chefe do Gabinete do Comandante da Aeronáutica, Major-Brigadeiro do Ar José Magno Resende de Araújo, o Comandante da Universidade da Força Aérea, Major-Brigadeiro do Ar Paulo João Cury, o Adido de Defesa do Reino Unido e o Adido Aeronáutico da França.
Exposição
O Museu Aeroespacial participou das comemorações do Dia da Aviação de Caça, celebrado no dia 22 de abril, na Base Aérea de Santa Cruz (Basc). A unidade promoveu uma exposição sobre o Patrono da Aviação de Caça, o Brigadeiro do Ar Nero Moura e a apresentação de uma maquete interativa da Aeronave P-47, com matrícula D-4, a mesma que o então Tenente Aviador Rui Moreira Lima operou na Itália, na Segunda Guerra Mundial.
Musal
Inaugurado em 18 de outubro de 1976 a instituição tem o objetivo de preservar e divulgar o material aeronáutico e documentos históricos para as futuras gerações
Essa e outras exposições importantes para aviação no Brasil seguem disponíveis na sede do MUSAL.
Aeronaves foram incorporadas à coleção do Museu Aeroespacial
Aeronaves foram incorporadas à coleção do Museu Aeroespacial
Mais informações no site: www.musal.aer.mil.br

O Museu Regional do Dundo é fonte indicada para conhecer o passado dos povos Lunda.

Espaço modernizado, o Museu comporta mais de dez salas de exposição de peças utilizadas no passado como vestuário, amuletos e para a execução das actividades diárias dos povos. A Lunda Norte é conhecida pelas suas obras de escultura, olaria, tecelagem, cestaria e de metais, com destaque para o lutengo (forno de fundição e tratamento do ferro). 

O Museu mostra isso. “Mucanda”, uma pequena casa típica da região construída para a circuncisão dos jovens, está exposto em pequena dimensão. Ela servia para instruir os jovens a caçar e fazer outros trabalhos considerados masculinos. Possuía uma esteira, pente de pau e outros utensílios. Em grande plano, está exposta numa sala do Museu regional uma foto de um rei sentado na tradicional cadeira “Muata” e cadeiras para as pessoas que integram o elenco. 

O Mufuca é um deles. Há, entre os objectos expostos, o abano, utilizado para afugentar insectos voadores, e “Lucano”, pulseira passada de geração em geração que todos os reis usavam no pulso. Entre os diversos instrumentos expostos, constam igualmente as armadilhas para caça miúda e grossa, assim como outros meios mais sofisticados, como o arco e flecha e armas de espoleta. O responsável da área de educação cultural, André Ilunga, contou à equipa do para os povos lunda o espírito dos antepassados tem força e poder de curar doenças e ajudar as pessoas com problemas. “Quando as pessoas têm vida, adquirem um ‘Hamba’, amuleto usado para ajudar as pessoas a invocar o espírito dos antepassados. ‘Hamba ya kusema’ é também utilizado para ajudar mulheres com problemas de fertilidade.” 

Na sala de exposição denominada “Caça e vida Doméstica”, estão em exibição os instrumentos utilizados para várias actividades económicas, como enxadas, pontas de flecha, lanças, facas, adagas e catanas e alguns amuletos como “Kapikula ka jita”, usado para proteger o homem na guerra, pois existiam crenças de que afastava as flechas para o homem não morrer durante o combate. 

Neste espaço está também exposta, em miniatura, o “Shopa”, antigo tribunal em cujas sessões era dispensada a presença das mulheres. O funcionário da área de museologia, Baptista Bento, disse que na sala de exposição da exploração mineira existem materiais usados pela administração da antiga empresa Diamang, hoje Endiama. “Há uma miniatura da fábrica utilizada nas zonas de exploração mineira, pequenas jóias (brincos e colares) com pedras de diamantes, máquinas de dactilografia e materiais domésticos utilizados pelo primeiro administrador da Diamang.”

fonte:http://www.pressdisplay.com/pressdisplay/pt/viewer.aspx
)

Museu reúne peças que representam a cultura do vaqueiro no Piauí

Museu reúne mil peças sobre a vida do homem do campo no interior.
Local é mantido com incentivos da lei de apoio à cultura no estado.

Museu do Vaqueiro em Alto Longá reúne peças que representam a cultura do homem do campoO vaqueiro faz parte da história do piaui. ele representa bem a nossa cultura e a coragem do homem do campo. No município de Alto Longá, há 80 km de Teresina, um museu resgata essa cultura e reúne mil peças sobre a vida no interior.

Segundo Edivaldo Lira, que cumpre essa rotina diária há quase 40 anos. a profissão de vaqueiro é tão reconhecida que o vaqueiro ganhou até museu. “Essa é uma forma de valorizar, desde cedo, uma atividade que se confunde com a história do sertanejo. nessa profissão eu vou lutar até quando suportar”, contou.

O gibão de couro, a perneira e o chapéu ganham destaque. Afinal, é com eles que o vaqueiro enfrenta os espinhos na mata para reunir o gado. Uma lida que encantou desde cedo, o estudante Bruno Marques.

“É uma atividade bonita e quem experimentar montar em um cavalo nunca mais quer sair de cima dele. Na hora que saio da escola a primeira coisa que faço é procurar o cavalo para desenvolver a atividade de vaqueiro”, disse Bruno.

O acervo do museu tem também, cerca de mil peças que fazem referência à vida na zona rural do Piauí. Mantida com incentivos da lei de apoio à cultura, a casa promove oficinas e mantém um coral, que grava em estúdio próprio, homenagens ao vaqueiro.

Mas homenagem maior talvez seja o interesse das próximas gerações pela profissão. Edvaldo ensina os segredos do bom vaqueiro ao filho de sete anos. Na sela do cavalo, o garoto mostra que leva jeito. Para orgulho do pai.

fonte: 
http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2014/04/museu-reune-pecas-que-representam-cultura-do-vaqueiro-no-piaui.html

MUSEOS Y MUJERES

En la actualidad, podemos visitar museos de todo tipo y condición: museos del agua, de cucharas, de las banderas, de los carromatos, de los helados, de aves, de los ordenadores / computadoras, etc. En definitiva, los museos muestra un sinfín de temas al público que los quiera visitar. Solo con colocar en el buscador de sitios en internet la palabra “museo” aparecerán ante vuestra vista docenas y docenas de museos en todo el mundo, cada descubrimiento nuevo será tan único como el anterior. Sin embargo, no hay muchos museos dedicados a la mujer como contenido monográfico.


 

Los museos que muestran contenidos monográficos responden a la necesidad de mostrar elementos específicos del tema objeto de análisis científico e histórico. Museos dedicados al hombre hay muchos, desde el que fue Museo del Hombre del Trocadero de París, ahoraMuseo Quai Branly, o como el Museo del Hombre de San Diego, etc. El globo ofrece una gran variedad de museos dedicados a la parte masculina de la Historia pero, ¿No hay nada específico que contar y enseñar sobre las mujeres?


Lo femenino, desde el punto de vista museológico, ofrece un contenido inmenso

Podemos establecer un paralelismo – una vez superada esta intriga sobre la casi inexistencia de museos monográficos dedicados a la mujer -, para descubrir las razones de esta grave ausencia, y más que grave: son las mismas que explican que la Historia del Arte haya apartado sistemáticamente a las mujeres de su trayectoria existencial, porque el Arte, como el coñac Soberano, parecía ser cosa de hombres… El tratamiento de lo femenino en la museología es un hecho pendiente y debería urgir encontrar una solución para esta imperdonable ausencia generalizada. Para muchos no debe ser tan urgente porque ni siquiera son conscientes del vacío. Los que mandan suelen ser hombres, y ya se sabe. Es por este vacío el que queramos construir una solución museológica sobre el contenido de género y en especial, el de lo femenino.


Si las mujeres hubieran gobernado el planeta desde la noche de los tiempos, ¿habría habido guerras?

Lo femenino es un planteamiento que abarca multitud de variantes y enfoques museológicos diferentes, pero lo que más nos interesaría ahora es responder a las preguntas y enunciados que podrían ser contestados desde ese museo ahora imaginado. Son muchas, muchísimas las cuestiones a formular y que necesitan mostrar respuestas universales claras y adaptadas a toda condición de entendimiento, para todos los públicos. Quizá, lo más importante de todo este esfuerzo que habría que hacer inmediatamente, sería explicar porqué se ha dado a lo largo de la historia del hombre esa insistente marginación desde lo masculino a lo femenino. ¿Porqué a las mujeres se les ha negado sistemáticamente su protagonismo o ausencia del mismo en la Historia? El Museo de la Mujer, llamémosle así, debe intentar difundir un conocimiento más preciso y riguroso de cómo las diferencias y las semejanzas biológicas entre ambos sexos han sido siempre la base sobre la cual se ha estructurado toda la evolución inducida por el propio hombre. En resumen, en este museo, ahora imaginado, insistimos, es necesario en todos los lugares del mundo. Es necesario generar un discurso museológico por el cual podamos entender el papel desempeñado por la mujer en la evolución de la especie, hasta llegar al lugar que ocupa ahora en la Historia. Y cada lugar del mundo debería ser justo a la hora de explicar esa situación (no es el mismo lugar el que ocupan las mujeres de Finlandia que las de Senegal en sus respectivos países, ¿o sí?). En definitiva, estos museos sobre las mujeres del mundo, deberían ser de obligada construcción en todos y cada uno de los países, y tendrían la misión fundamental de explicar a los niños, y para todos los que quieran aprender, que los hombres y las mujeres somos iguales en todo, salvo, evidentemente, en el papel biológico que cada uno desempeña en el mantenimiento de la especie (reproducción).


Un museo que sin estridencias nos explique a todos (sobre todo a los que tienen dificultades para enterarse), que papel desempeña la mujer en el mundo del siglo XXI en todos los lugares del planeta

Los museos tienen una enorme responsabilidad formativa universal. Todas estas instituciones deben asumir el compromiso ineludible de provocar reflexión a sus visitantes sobre la vida, lo humano y, a su vez, sobre el conocimiento necesario para que todos nosotros seamos conscientes y hacer de este mundo un lugar mejor para vivir en igualdad. Da igual de que museo se trate, el objetivo debe ser siempre el mismo: humanizar – hacer que los hombres y mujeres seamos mejores personas cuando salgamos a la calle después de visitarlos -. Hay cuestiones, como son el lugar que ha ocupado y ocupa la mujer en el mundo, que necesitan ser abordados individualmente por su complejidad, y porque necesitan un gran esfuerzo de sensibilidad y delicadeza. Una museología que quiera centrar su atención en lo femenino, debe contemplar otros muchos temas colaterales, tales como la relación de las mujeres y el poder, así como mostrar qué cambios están ocurriendo en la actualidad en los diferentes lugares del mundo en relación al rol que la mujer desempeña: que está ocurriendo en Abu Dhabi y que ocurre en Holanda o Canadá en la actualidad, por ejemplo. O como, por ejemplo, las diferencias ideológicas, no solo políticas, sino también religiosas relacionadas con provocar diferencias entre el hombre y la mujer, existen hoy en día. La breve descripción de este Museo de la Mujer imaginado debería ser, ya para terminar: un lugar donde comencemos a desembarazarnos, ya y para siempre, de los estereotipos de genero (quien los tenga) ajustando nuestra cultura y nuestra capacidad de razonamiento para lograr que la igualdad entre ambos sexos se haga posible y, aprovechando ya que estamos, insuflar respeto hacia todo lo diferente.


Ésta de hoy, ha sido la entrada número 200. Estamos muy orgullosos de haber llegado hasta aquí, pero aun lo estamos más al comprobar que hay personas ahí fuera que nos seguís. Y no solo eso, muchos nos animáis con vuestras palabras y continuo apoyo para que lo sigamos haciendo, que insistamos en difundir la cultura de los museos. Por todo ello, a todos vosotros: ¡Gracias!



fonte:

--
tradutor google
--

Hoje, podemos visitar museus tudo caminha museus água, colheres, bandeiras dos vagões, sorvete , pássaros, computadores / computadores etc . Em suma , o museu exibe uma infinidade de questões que o público quer visitar. Só colocar nos sites do motor de busca da Internet na palavra " museu " aparecerá diante de seus dezenas e dezenas de museus vista em todo o mundo , cada nova descoberta vai ser tão único quanto a última. No entanto, não há muitos museus dedicados a mulheres como conteúdo monográfico .


 

Os museus que exibem conteúdo de caso corresponde a necessidade de mostrar elementos específicos do objeto de análise científica e histórica. Museus dedicado ao homem que muitos , já que era o Museu do Trocadero do Homem em Paris , Quai Branly ahoraMuseo , ou como o Museu do Homem , em San Diego, etc . O balão oferece uma variedade de museus dedicados à parte masculina da história, mas não há nada específico para dizer e ensinar sobre as mulheres?



O feminino , a partir do ponto de vista museu oferece um conteúdo enorme

Podemos traçar um paralelo - uma vez que esta intriga sobre a quase ausência de museu monográfico dedicado à mulher - para descobrir as razões para esta falta grave , e mais grave: eles são os mesmos que explicou que a história da arte tem consistentemente parágrafo mulheres de sua experiência existencial , porque as artes, como o conhaque Soberano , parecia ser uma coisa cara ... o tratamento do feminino em museologia é um fato excepcional e deveria instar uma solução para esta falta generalizada imperdoável. Para muitos não deve ser tão urgente , porque eles não estão mesmo cientes de ainda. Os poderes que são homens , e você sabe . É esta lacuna que queremos construir uma solução museológico sobre o conteúdo do género e especialmente o feminino .



Se as mulheres tinham governado o planeta desde o início dos tempos , teria sido guerras?

O feminino é uma abordagem que engloba diversas variantes e abordagens museológicas , mas o que nos interessa agora é responder às perguntas e afirmações que poderiam ser respondidas a partir do museu agora imaginado. Há muitas, muitas questões que precisam formular e apresentam respostas universais e apropriadas claras para todas as condições de entendimento , todos. Talvez o mais importante , esse esforço deve ser feito imediatamente , seria explicar por que foi dado ao longo da história do homem que a exclusão insistente de masculino para feminino . Por que as mulheres tem negado consistentemente qualquer papel ou a falta dela na história ? O Museu das Mulheres, chamá-lo bem, você deve tentar espalhar a mais precisa e rigorosa como as diferenças e semelhanças entre os sexos biológicos sempre foram a base sobre a qual toda a evolução tem estruturado pelo conhecimento induzida homem . Em resumo, neste museu , agora imaginado , insisto, é necessário em todas as partes do mundo. É necessário gerar um discurso museológico pelo qual entendemos o papel desempenhado pelas mulheres na evolução da espécie, até o lugar que hoje ocupa na história. E cada parte do mundo deve ser apenas no tempo para explicar a situação (não o mesmo lugar ocupado pelas mulheres na Finlândia do que no Senegal, em seus respectivos países , não é? ) . Em suma, estes museus sobre as mulheres do mundo, deve ser uma obrigação na construção de cada país , e poderia explicar a missão fundamental dos filhos , e para todos os que querem aprender, que homens e mulheres somos iguais em tudo, exceto, claro, no papel biológico cada um desempenha na manutenção das espécies ( reprodução ) .



Um museu sem alarde , explicamos a todos ( especialmente aqueles com dificuldades de aprendizagem ) , qual o papel que as mulheres desempenham no mundo do século XXI em todas as partes do mundo

Os museus têm uma enorme responsabilidade universal formativa. Todas estas instituições deverão ter o reflexo compromisso inevitável levar a seus visitantes sobre a vida, humana e , por sua vez , do conhecimento de todos nós para estar atento e fazer deste mundo um lugar melhor para viver em igualdade. Não importa que o museu está em causa , o objetivo deve ser sempre a mesma: humanizar - tornar os homens e as mulheres se tornarem pessoas melhores quando saímos para a rua depois de visitar - . Há questões, como ocorreu e posição das mulheres no mundo que precisam ser abordadas individualmente pela sua complexidade, e eles precisam de uma grande dose de sensibilidade e delicadeza . A museologia quer se concentrar no sexo feminino, deve-se considerar muitas outras garantias , como a relação entre as mulheres e as questões de poder e mostrar quais são as mudanças que ocorrem hoje em diferentes partes do mundo em relação ao papel as mulheres desempenham : está acontecendo em Abu Dhabi e ocorre na Holanda ou no Canadá hoje , por exemplo. Ou, por exemplo , os ideológicos, não só as diferenças políticas , mas também religiosas relacionadas com a causa entre homens e mulheres existem hoje. A breve descrição deste Museum of Women imaginava que deveria ser, e para terminar, um lugar para começar a livrar , agora e para sempre , os estereótipos de gênero ( quem ) ajustar a nossa cultura e da nossa capacidade de raciocínio para fazer igualdade entre os sexos e é possível , aproveitando como somos, respirar respeito por tudo diferente.



Isto hoje foi o número de entrada 200. ' Re muito orgulhosos de ter chegado tão longe , mas mesmo assim estamos mais para ver que há pessoas lá fora que você pode nos seguir. Não só isso, muitos que você encorajar-nos com suas palavras e apoio contínuo para continuar fazendo isso , insistimos na disseminação da cultura de museus. Portanto, todos vocês : Obrigado!


domingo, 27 de abril de 2014

Fechados há mais de uma década, museus sofrem com abandono


Dois museus na Bahia se tornaram ícones do abandono, mas têm promessas de investimentos para restaurar seus prédios e acervos

Ele nasceu 428 anos atrás. Ele viu as sinhazinhas tomando banho de sol no pátio superior. Observou a nobreza se empanturrar com banquetes no salão de jantar. Assistiu a senhores de engenho arrotando poder e autoritarismo. Ao mesmo tempo, acompanhou o sofrimento de homens negros na fábrica de açúcar, ouviu seus gritos de desespero no tronco e flagrou sua fuga rumo aos quilombos.


Ele viu a triste e rica história do Brasil passar sob seus olhos. Hoje, ele mesmo, que nos seus tempos áureos estava de portas abertas para contar toda essa trajetória a quem quisesse ver e ouvir, é açoitado pelo descaso. Ele é o Museu Wanderley de Pinho, na localidade de Caboto, município de Candeias, às margens da Baía de Todos os Santos, fechado à visitação desde o ano 2000.


Às vésperas da Semana Nacional de Museus, em 18 de maio, o Wanderley de Pinho é o maior símbolo da falta de manutenção desse tipo de patrimônio na Bahia. Mas não é o único. Em estado semelhante, o Museu de Ciência e Tecnologia (MCT), pioneiro na América Latina, está fechado desde o início da década de 1990 e sofre com o desgaste de seu acervo e prédio, localizado na Boca do Rio.





Foto: Angeluci Figueiredo


O Wanderley de Pinho é o velho Engenho Freguesia, construído ainda no século XVI, dos mais antigos e importantes patrimônios do país. Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) ainda em 1944, foi transformado em museu em 1971. Sua degradação chegou a trazer riscos de desabamento da casa-grande e da capela, mas uma reforma emergencial em 2004 manteve o prédio de pé.


Em visita ao local, o CORREIO constatou que o maior prejuízo é arquitetônico. A fachada da casa-grande está com o reboco completamente comprometido e com rachaduras, as paredes internas desgastadas e a capela com os dois andares seguros por escoras. O cheiro é de madeira podre e mofo. Morcegos voam de um lado para o outro dos quartos. Da fábrica de açucar, bem ao lado, restaram apenas ruínas.


O lugar é inóspito e cercado de mata atlântica. “Isso aqui era bonito quando as escolas vinham visitar”, disse um dos dois seguranças que protegem o local. A entrada é proibida, mas através das imensas janelas e portas quebradas dá para ver parte da coleção que ainda é mantida no local, como um antigo carro de boi e engrenagens da moenda. Na área externa, há um antigo canhão completamente enferrujado, Uma velha locomotiva, no mesmo estado de degradação, foi colocada no local quando da abertura do museu.


A Diretoria de Museus (Dimus) do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultutal da Bahia (Ipac), que administra o monumento, garantiu que ao menos o acervo está preservado. Ou pelo menos parte dele, já que um assalto em 1991 fez desaparecer boa parte. “A polícia chegou a recuperar alguns deles”, lembra Fátima dos Santos, museóloga da Dimus e autora de um projeto de revitalização do espaço.







A museóloga garante que o que não foi roubado está bem guardado em dois lugares: no Solar Ferrão, no Pelourinho, e no Palácio da Aclamação, no Campo Grande. São 167 peças, entre obras sacras, pratarias, telas, tecidos e paramentos litúrgicos. “Essas peças passaram por restauro. Hoje não temos problemas com o acervo”, assegura Fátima, que luta há quase 15 anos para salvar o monumento e está animada com a possibilidade de o projeto, no valor de R$ 16 milhões, sair do papel (ver boxe na página ao lado).


“Há dez anos, conseguimos uma verba de R$ 500 mil para fazer o telhado, que estava prestes a cair, o assoalho e as salas de visita e jantar. Mas esse foi um projeto provisório”, admite Fátima, que diante dos riscos decidiu transportar o acervo para Salvador. Apenas peças de tecnologia rural e instrumento de suplício (tronco) continuam lá.


Apogeu O engenho construído em 1586 foi erguido em terras doadas pelo então governador-geral do Brasil, Mem de Sá. O casarão foi alvo das invasões holandesas, em 1624, e vivenciou momentos de apogeu na produção de açúcar até a segunda metade do século 19. Segundo escritos do próprio Wanderley de Pinho, autor de História de um Engenho do Recôncavo, o Freguesia chegou a ter mais de cem escravos. Com as leis abolicionistas, entrou em decadência e, em 1890, as moendas foram desativadas.


Seu conjunto arquitetônico inclui casa-grande, com 55 cômodos, fábrica e capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição da Freguesia. “O Wanderley de Pinho é um monumento grandioso, a única casa-grande do país que tem uma capela geminada”. Especialistas divergem se, em caso de ser reaberto, o Wanderley de Pinho deve mesmo receber seu acervo de volta.


A museóloga Silvia Athaíde, diretora do Museu de Arte da Bahia (MAB), vê como única saída a entrega do Wanderley à iniciativa privada. “Deveria ser um museu monumento. O que interessa é o que ele representa arquitetonicamente. Não tem condições climáticas e de localização para ter um bom recheio ali”, acredita Silvia, que se declara apaixonada pelo museu de Caboto.


“Certa vez, mandamos um piano com dois candelabros em prata para lá. O piano voltou um escombro. Sem falar na segurança. Quer dizer, não tem condições. Aquilo ali daria era uma boa pousada”, aponta Silvia, que guarda uma pasta de recortes de jornais com notícias do assalto.







Fátima dos Santos discorda da colega. “O museu funcionando, com segurança eletrônica e climatização, não vejo problema. E tudo isso o projeto contempla”, argumenta Fátima, contrária à entrega completa do Wanderley a empresas. “Se você coloca uma pousada ou hotel ali, a comunidade baiana e os turistas não teriam acesso a essa rica história”.


ciência Enquanto o Wanderley de Pinho aguarda investimentos, um impasse envolve o Museu de Ciência e Tecnologia (MCT), na Boca do Rio. Igualmente escravo da falta de atenção do poder público, o MCT vê algumas de suas peças pouco a pouco serem destruídas. A grande locomotiva, o avião, a primeira prensa automática da Bahia e o relógio de sol do artista plástico Jamison Pedra, além de outras peças que ficam na parte externa do museu, estão corroídos pela ferrugem.


Fundado em 1979 pelo governador Roberto Santos, o MCT é pioneiro nesse tema na América Latina. “É a primeira edificação específica para museu de ciência. Um conjunto arquitetônico de ciência e tecnologia de grande importância”, define o professor Nelson Pretto, secretário Regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).


Depois de viver o auge no início da década de 1980, o MCT passou a ser de responsabilidade da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Acontece que a instituição transferiu setores administrativos da pró-reitoria de extensão para as salas do museu. O acervo que restava foi então recolhido no início da década de 1990. De lá para cá, restaram apenas as peças pesadas que ficam na área externa.


Em agosto do ano passado, o museu deixou de ser da Uneb e passou à Secretaria de Ciência e Tecnologia (Sect). Mas a universidade mantém ali sua pró-reitoria de extensão e agora de gestão de pessoal. Estava criado o impasse.


Inicialmente, pensou-se em transferir o acervo para o Parque Tecnológico da Bahia, na Avenida Paralela. Mas, diante da importância do prédio, a comunidade científica reclamou. “Não somos contra a criação de outro museu de tecnologia na Paralela. Pelo contrário. Mas não faz sentido acabar com o espaço anterior”, diz Nelson Pretto. A Sect então recuou e recentemente disponibilizou R$ 2 milhões para a reconstrução do MCT.


“O objetivo é fazer com que o museu retorne às atividades com suas funções originais”, afirma o diretor de tecnologia da Sect, Ernesto Carvalho.


O problema é que a Uneb reivindica o espaço. “Queremos o prédio, onde investimos inclusive na infraestrutura. Mas estamos em entendimento”, diz o assessor especial da reitoria da Uneb, Antônio Azevedo.

O que ninguém sabe explicar é como o museu chegou a esse ponto de abandono. “Aí é com as gestões anteriores”, finalizou o assessor.

Projeto prevê restaurante e até centro de convenções
Um contrato de R$ 190 milhões assinado na quarta-feira entre o governo do estado e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) pode mudar a vida do museu Wanderley de Pinho e outros monumentos na Baía de Todos os Santos. É que, desse montante, R$ 16 milhões seriam destinados para o projeto da museóloga Fátima dos Santos, que luta para revitalizar o museu.

O plano bancado pelo BID visa recuperar estruturas históricas e atracadouros da baía. Tudo com o conceito de turismo sustentável e participação das comunidades. Tanto que o projeto do Wanderley visa não só a recuperação física da casa-grande, capela e fábrica, mas também o desenvolvimento da região.

Um restaurante, um alambique, uma casa de farinha e até um centro de convenções seriam construídos. “Tem que pensar a sustentabilidade do lugar. É preciso fazer parcerias com empresas da comunidade”, diz Fátima. 
 
 
fonte:
http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/fechados-ha-mais-de-uma-decada-museus-sofrem-com-abandono/?cHash=8254367f678c0c7cf5ae2359783ba2f1

Cadastro Brasileiro de Bens Musealizados Desaparecidos

http://www.museus.gov.br/sistemas/cadastro-brasileiro-de-bens-musealizados-desaparecidos/

sábado, 26 de abril de 2014

Cantoria - ‘Mulheres em Ação’ no Museu do Homem do Curimataú, Cuité-PB

Cantoria em Cuité
fonte:
http://www.ararunaonline.com/noticia/9691/cantoria-mulheres-em-acao-no-museu-do-homem-do-curimatau-cuite-pb

Hong Kong: Abriu museu dedicado ao massacre na Praça de Tiananmen

O primeiro museu mundial dedicado ao massacre na Praça de Tiananmen abriu
hoje em Hong Kong com uma cerimónia emotiva e protestos de manifestantes
pró-China.





http://cdn.controlinveste.pt/storage/TSF/2014/mobile/ng3199747.jpg

Quase 25 anos depois da brutal repressão das autoridades chinesas sobre
protestantes pró-democracia em Pequim, a exibição permanente é um dos únicos locais na China onde o massacre de 03 de junho de 1989 pode ser comemorado.

Quaisquer referências ao massacre foram banidas do continente, onde muitos
permanecem na ignorância.

«O que tenho mais presente é que há 25 anos, logo após o massacre, os
residentes em Pequim disseram-nos uma coisa: que tínhamos de contar a
verdadeira história do que se passou ao mundo», disse Lee Cheuk-yan,
líder do grupo pró-democracia que fundou o museu.

Lee dedicou o museu a todos os que sacrificaram a sua vida pela democracia.

A inauguração foi perturbada por cerca de uma dúzia de manifestantes
pró-China que gritaram "traidores" aos organizadores do museu.

fonte:
http://m.tsf.pt/m/newsArticle?contentId=3831558&page=1