segunda-feira, 30 de junho de 2014

Edição 2014 da Bienal de São Paulo vai disicutir conflito e coletividade

Mostra será aberta ao público em 6 de setembro; cerca de 25% dos artistas serão brasileiros


Conflito e coletividade. O equilíbrio entre essas duas situações é o que norteia o trabalho dos curadores da 31ª Bienal de São Paulo, que será realizada a partir de 6 de setembro em pavilhão no parque Ibirapuera.

Obra de Edward Krasinski que estará na Bienal de SP

A equipe curatorial do evento, formada por Charles Esche, Galit Eilat, Nuria Enguita Mayo, Pablo Lafuente e Oren Sagiv (além dos curadores associados Benjamin Seroussi e Luiza Proença), divulgou parte da programação em entrevista nesta terça (25). Cerca de 25% dos artistas que estarão na Bienal serão brasileiros.

O mote da Bienal 2014 é “coisas que não existem”. “O título é um chamado poético às promessas da arte, e propõe maneiras variadas de abordar essas coisas: como falar sobre elas, como aprender com elas, como viver com elas, como lutar contra elas…”, dizem os curadores.

A mostra terá obras de artistas como Juan Downey, Romy Pocztaruk, Danica Dakić, Armando Queiroz, Virginia de Medeiros, Nurit Sharett, Val del Omar, Yael Bartana, Tunga, Lia Rodrigues, Sheela Gowda, Edward Krasinski, Asger Jorn, Jo Baer, Walid Raad, Ana Lira, Halil Altindere, Yochai Avraham, Ruane Abou-Rahme, Basel Abbas, Ines Doujak, John Barker, Leigh Orpaz, Bruno Pacheco. Outros artistas serão anunciados.

“A proposta central por trás da ideia de coisas que não existem é que projetos artísticos podem desencadear atos de imaginação e transformação mental capazes, por sua vez, de provocar uma virada no curso dos acontecimentos”, afirmam os curadores. Os recentes protestos ocorridos em diversas cidades do mundo provocaram reflexos em trabalhos que serão expostos na mostra.

Publicado originalmente no Último Segundo

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

BIENAL TERÁ RECORTE DE ARTISTAS TRAVESTIS E TRANSEXUAIS

Quando se vestiu de Virgem Maria numa performance, o artista peruano Giuseppe Campuzano deu cara e corpo ao que entendia como séculos de história que ignorava a existência de identidades sexuais fora dos padrões ditados pela religião católica.

Filósofo e drag queen morto aos 44 no ano passado, Campuzano empresta o rosto maquiado para liderar uma lista de artistas de um dos núcleos mais polêmicos da próxima Bienal de São Paulo, que começa em setembro.

Na mostra que foi anunciada como Bienal da “transgressão”, da “transcendência” e da “transexualidade”, um extenso recorte de nomes de países como Peru, Chile, Colômbia, México, Espanha, Israel e Brasil compara a profusão de crenças religiosas da atualidade à diluição de fronteiras entre homem e mulher.

“Isso é algo que resume nossa condição contemporânea”, diz o britânico Charles Esche, curador da mostra. “A arte nos mostra que essa absoluta dicotomia entre masculino e feminino não reflete a forma como nós, de fato, experimentamos a realidade.”


Esse é também um discurso que reflete a última moda na cultura pop, que alçou representantes de uma sexualidade mais ambígua à condição de celebridades e de arautos do que seria quase uma vanguarda plurissexual.

Figuras como a drag queen americana RuPaul, a atriz Laverne Cox (primeira transexual a estampar a capa da “Time”) a modelo brasileira Lea T. e a cantora barbada austríaca Conchita Wurst estão na linha de frente dessa onda.

E as artes visuais abraçam essa tendência de modos mais ou menos perversos.

No caso da mostra paulistana, exibir agora a produção marginal de latinoamericanos que criaram suas obras em contextos de repressão política e social reforça a moda ao mesmo tempo em que revela como essa sempre foi uma questão na cultura.

Nesse ponto, Campuzano construiu ao longo da vida seu “Museu Travesti”, uma coleção de objetos que aludem a personagens excluídos da história desde a era colonial até hoje.

“Ele bota abaixo a maneira tradicional de entender uma história escrita por heterossexuais”, afirma o peruano Miguel López, curador convidado pela Bienal para pesquisar artistas desse núcleo. “É uma leitura transversal dos fatos a partir de um ponto de vista transexual.”

Outro artista já escalado para a Bienal, o também peruano Sergio Zevallos, trabalha no mesmo registro. Ele se veste de Virgem Maria e outras personagens bíblicas diante de lugares associados à manutenção das divisões mais rígidas entre os sexos, como quartéis.

“Eu me transformo e me maquio nesses lugares”, diz Zevallos. “São personagens que crio a partir da cultura popular, imagens religiosas e até cenas pornográficas. É um coquetel de referências de sexualidade e religião.”

Religião e sexo também se chocam na obra da brasileira Virginia de Medeiros. Seu filme, que estará na Bienal, conta a história real de um travesti que se tornou pastor evangélico depois de uma experiência traumática.

Medeiros retrata lado a lado as identidades díspares de Simone, travesti, e Sérgio, sua versão masculina. Mas, mesmo quando assume o papel de pregador fanático, o personagem não se livra dos gostos e desejos do travesti.

“É uma crise, um conflito muito grande”, diz Medeiros. “O pastor traz sempre a travesti camuflada dentro dele. Isso mostra que não dá mais para trabalhar nesse sistema binário, do macho e da fêmea. Existem várias camadas de masculino e feminino.”

Obras como as encenações da Última Ceia feitas em prostíbulos, da dupla chilena Las Yeguas del Apocalípsis, ou as pinturas naïf do mexicano Nahum Zenil, que se retrata nu em paródias de passagens bíblicas, devem entrar na Bienal embalados nesse novo espírito de aceitação.

TOLERÂNCIA MERCANTIL

“Talvez estejamos ainda um pouco cegos sobre o impacto que isso terá”, diz a israelense Galit Eilat, também curadora da mostra. “Mas pode ser algo positivo se isso despertar antagonismos.”

Nesse ponto, Zevallos alerta para o lado perverso dessa onda. “Há um cruzamento disso com o mercantilismo”, afirma o artista. “De repente, percebem que essa parcela da população pode ser um novo mercado consumidor. Surge uma tolerância que abre caminho para a exploração.”

Publicado na Folha de São Paulo @edisonmariotti #edisonmariotti

domingo, 29 de junho de 2014

Museu preserva memória da origem religiosa de Trindade, em Goiás

Acervo tem réplica de medalhão que remete ao surgimento da cidade. Prédio construído em 1912 abriga o museu, que tem entrada gratuita.

Prédio construído em 1912 abriga o museu (Foto: Luísa Gomes/G1)

Moradores e romeiros que visitam Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia, podem conhecer mais sobre o vínculo entre a religião e a história da cidade no Museu da Memória de Trindade. O acervo do local, com documentos, fotografias e obras de arte, relata a história do município desde quando o local era denominado Distrito de Santa Cruz, por volta de 1770.


Uma das atrações do museu é uma réplica de um medalhão encontrado às margens do Córrego Barro Preto pelo casal de agricultores Constantino Xavier e Ana Rosa por volta de 1840. A história remete às origens da cidade e sua tradição católica. Milagres atribuídos ao objeto, que possui a imagem da Santíssima Trindade coroando a Virgem Maria, começaram a atrair cada vez mais devotos que se reuniam na fazenda do casal para rezar o terço em louvor ao Divino Pai Eterno.

A procura pela imagem fez desenvolver a região onde hoje está a cidade de Trindade, com população estimada em 104.488 habitantes, de acordo com dados do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o museu, o medalhão original é guardado em local desconhecido após ocorrências de tentativas de furtos do objeto. 


Escultura retrata casal que achou medalhão
(Foto: Luísa Gomes/G1)

Sobradinho
O museu funciona em um prédio conhecido como “sobradinho”, construído em 1912. Originalmente a casa era de uma fazenda e passou por diversos donos até ser desapropriada pela prefeitura de Trindade em 1988, quando foi instalada a “Casa de Cultura” e, em agosto de 1998, passou a abrigar o museu.

Segundo uma guia do local Ana Cristina Aguiar, o museu recebe cerca de mil visitantes anualmente. Ela relata que a existência do espaço que preserva a cultura e história local ainda é desconhecida por muitos moradores de Trindade. “Muita gente aqui da cidade nem sabe que existe. Quem mais vem aqui são as pessoas de fora, de São Paulo, por exemplo”, conta.

Serviço:
O que: Museu da Memória de Trindade
Onde: Rua Nicodemos Neri, Setor Central
Quando: Aberto de segunda a sexta-feira das 8h às 13h e das 13h às 17h. Nos sábados o museu funciona das 8h às 13h.
Quanto: Entrada gratuita.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/goias/festa-do-divino-pai-eterno/2014/noticia/2014/06/museu-preserva-memoria-da-origem-religiosa-de-trindade-em-goias.html

Galeria de NY se muda para morro do Rio de Janeiro

Exposição de fotos que retratam solidão de lugares abandonados inaugura espaço no Babilônia

Fachada da galeria no morro da Babilônia, no Leme, zona sul do Rio, e vista a partir do espaço de arte Reprodução
 


Será inaugurada nesta sexta-feira (27) a galeria de arte contemporânea 1500 Babilônia. O espaço fica no morro da Babilônia, no Leme, zona sul do Rio, e é especializado em fotografia. Fundada em Nova Iorque em 2010 pelo galerista Alex Bueno de Moraes, a galeria se mudou para a comunidade com o objetivo de inovar na relação com os clientes e colecionadores.

Além da vista para o mar, os visitantes poderão conferir trabalhos de fotógrafos como Beatriz Franco, Bruno Cals, Robert Polidori, Hirosuke Kitamura. A exposição de abertura será do fotógrafo Julio Bittencourt.

Com o nome Algumas coisas são perdidas para nunca mais serem encontradas, a mostra é composta por 16 imagens feitas em locais abandonados em São Paulo e no Japão. Segundo a organização, o trabalho foi feito ao longo de dois anos e meio e as imagens mostram “cenas mínimas, indícios ou vestígios que captam a essência dos espaços, como objetos muito antigos, cobertos de resíduos deixados pelo tempo”.

De acordo com o fotógrafo, o projeto expõe a solidão dos ambientes escuros que foram reproduzidos nas imagens.

— Talvez eu tenha levado a solidão e o silêncio ao extremo neste projeto, no âmbito pessoal, mas com certeza não deixei de fotografar pessoas – elas só não estavam mais lá.

A 1500 Babilônia será inaugurada às 15h desta sexta. A mostra de Bittencourt fica no espaço de 2 de julho a 26 de setembro, às quintas e sextas, das 11h às 20h e, aos sábados, das 11h às 18h. No sábado (28), a exposição recebe visitantes das 15h às 22h. O endereço da galeria é rua Marquês de Abrantes, número 19, no morro da Babilônia, Leme.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/galeria-de-ny-se-muda-para-morro-do-rio-de-janeiro-27062014
 

Brasileira mostra esculturas em cera na galeria Wynwood, Miami

Fernanda Frangetto usa os cinco sentidos para fazer obras a partir de produtos orgânicos

 
A escultora e artista plástica Fernanda Frangetto, de 38 anos, chega a trabalhar de olhos fechados para conseguir transferir para suas obras o melhor dos seus cinco sentidos. “De olhos cerrados, com o tato, sinto os caminhos que a forma pode destinar-se ao alcance do ápice do movimento dos membros, registrando volumes côncavos e convexos congruentes ao meu instrumento de trabalho, mãos e antebraços”, explica a brasileira, que nasceu em São Paulo mas tomou gosto pelo mundo artístico durante o tempo que a família morou em Paris.

O gosto pela arte chegou cedo, nas andanças com a mãe pelos corredores do Louvre – um dos mais famosos e aclamados museus do mundo. Desde então, ela não parou mais e entre cursos e muitas horas de trabalho ela se prepara para sua primeira exposição em Miami no dia 10 de julho. O convite veio da própria galeria de arte “Wynwood Art Group” que a convidou para mostrar sua arte em cera.

Fernanda vai trazer suas esculturas em alumínio e bronze, além de giclée (impressão de obra de arte sobre tela). Mas são suas obras em cera que chamam a atenção pelas formas e pela maneira com que são feitas.

Para chegar à forma perfeita, Fernanda adiciona várias camadas de cera natural de abelha, dando volume ao objeto. “Cada camada de cera adicionada é sutilmente localizada a partir da necessidade de resistência da matéria e da carícia dos sentidos”, explica ela que faz questão de utilizar os cinco sentidos na confecção de cada objeto. Por último, adiciona o vidro que complementa a cera transferida para o metal servindo de elemento de interferência rítmica e cromática da forma orgânica. “Meu objetivo é que o espectador, diante da obra, percorra a imagem na busca da sensação de movimentos e linhas ininterruptas que excedem os limites da forma”, conta.
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.acheiusa.com/Noticia/Brasileira-mostra-esculturas-em-cera-na-galeria-Wynwood-Miami-12337

Portugal alugará monumentos históricos por preços entre R$ 150 e R$ 120 mil

O governo português passará a arrendar seus monumentos históricos para filmagens e eventos sociais e culturais por preços que variam de 50 euros (R$ 150) por dia por um museu a 40 mil (R$ 120 mil) pelo emblemático Mosteiro dos Jerónimos.

A legislação, publicada neste sábado no "Diário da República" e que entra em vigor a partir de 1º de julho, estabelece como objetivo a "rentabilidade" dos edifícios baseada na qualidade "e, sobretudo, na salvaguarda de sua especificidade e de seu prestígio".

Os interessados poderão utilizar os imóveis para gravar filmes, programas de TV e comerciais, assim como para organizar jantares ou eventos culturais, sociais ou acadêmicos.

O regulamento, definido pela direção geral de Patrimônio Cultural, inclui 23 prédios importantes de Portugal, entre os quais estão alguns dos pontos mais turísticos do país, como a Torre de Belém e o Panteão Nacional, ambos situados em Lisboa.

O Mosteiro dos Jerónimos, uma majestosa construção do século XVI localizada no bairro de Belém, na capital portuguesa, é o que cobra os preços mais altos da lista de monumentos.

De acordo com a novalei, o aluguel do edifício que guardou as riquezas da família real portuguesa durante o império pode ser utilizado por cerca de R$ 8,8 mil para um evento social ou cultural, ou por R$ 11,8 mil se a ideia for organizar um jantar em seus claustros de estilo manuelino.

No Museu Nacional das Carruagens, onde são expostos os veículos que a monarquia lusitana usava entre os séculos XVII e XIX, pode-se jantar por pouco mais de R$ 28 mil.

Um pouco mais econômico é o Palácio Nacional da Ajuda, que por cerca de R$ 22 mil pode ser o espaço de celebração de uma noite nos que já foram os salões da família real portuguesa.
publicidade

Os preços baixam nos museus de menor importância para R$ 374 no do Traje e para R$ 149 no de Conimbriga, uma instituição dedicada a mostrar as ruínas romanas desta cidade no centro do país.

fonte: @edisonmarioti #edisonmariotti http://vidaeestilo.terra.com.br/turismo/portugal-alugara-monumentos-historicos-por-precos-entre-r-150-e-r-120-mil,6e22fcd09a2e6410VgnCLD200000b2bf46d0RCRD.html

Museu do Egito em Turim tem a 2ª maior coleção

O local possui mais de 30 mil peças do Egito Antigo.


TURIM, ITA (ANSA) - O Museu Egípcio de Turim (ou Museo Egizio no italiano) é a segunda maior coleção de artefatos do Egito Antigo do mundo, tendo mais 30 mil peças, e um dos museus mais visitados na Itália.

O museu está sendo reformado há cinco anos e deverá inaugurar suas novidades na primeira metade de 2015. A partir daí, os visitantes poderão conhecer toda a sua esplendorosa coleção. A área total do museu passará dos atuais 6.500m2 para 12 mil m2.

Mas enquanto isso não acontece, é possível conhecer os 2.500 artefatos exibidos ao público no momento.

O Museu do Egito foi inaugurado em 1824 e atrai visitantes de todos os tipos. São cerca de 500 mil visitantes por ano, colocando o museu como um dos 100 mais visitados do mundo.

A coleção do Museu do Egito, assim como a do Museu do Cairo, é exclusivamente dedicada à arte e à cultura do Egito Antigo. Grande parte dela foi adquirida durante escavações conduzidas pela Missão Arqueológica Italiana no Egito entre 1900 e 1935 e o volume total das descobertas foi divido com o país de origem. Hoje em dia isso não seria possível, já que qualquer artefato encontrado deve permanecer lá.

O primeiro item da coleção é a Mensa Isiaca, uma mesa de altar produzida provavelmente em Roma para o templo de Isis no primeiro século depois de Cristo. A última aquisição importante foi o pequeno templo de Ellesija, doado à Itália pelo Egito em 1970, pelo significativo apoio científico e técnico durante a campanha para salvar os monumentos da Núbia.

O visitante pode se deslumbrar com variados artefatos egípcios, de todos os tipos. Há, por exemplo, sarcófagos, dos maiores e impressionantes, aos pequenos para crianças. Há também exemplares de múmias, inclusive a de três irmãs, que estavam na casa dos vinte e poucos anos quando morreram. As três estão exibidas lado a lado em seus respectivos sarcófagos. Também são interessantes as variadas perucas de uma rainha egípcia, grandes e extravagantes.

Atualmente o museu também exibe a exposição temporária "Immortali". São cerca de mil artefatos, cada um feito com diferentes técnicas e que ilustram o conhecimento artístico e as habilidades manuais dos egípcios. Há, por exemplo, um sarcófago que dada do século 2450 antes de Cristo.

O local foi o primeiro museu da Itália a digitalizar o seu acervo, a exemplo de importantes museus como o Louvre, em Paris, e o Deutsches, em Munique. Para quem quiser ter um gostinho do que encontrará na visita, é só acessar o site http://collezioni.museoegizio.it/eMuseumPlus?service=StartPage e se perder nas descobertas.

O museu está localizado no Palazzo dell'Accademia delle Scienze, um prédio construído em 1678 como um colégio jesuíta para crianças aristocratas e que era conhecido como Collegio dei Nobili. O local pode ser visitado de terça a domingo, das 8h30 às 19h30 e os ingressos custam 7,50 euros, que podem ser adquiridos na bilheteria do museu ou no site http://biglietteria.museitorino.it
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://biglietteria.museitorino.it

Diretor de museu russo recebe prêmio internacional

O diretor geral do Museu Nacional Hermitage, Mikhail Piotrovsky, recebeu, no sábado, o prêmio internacional Montblanc de la Culture Arts Patronage 2014.

rússia, piotrovsky, lutz bethge, hermitage

Na foto: Mikhail Piotrovsky (foto de arquivo)
“Piotrovsky está sempre testando os limites do convencional, é uma fonte de inspiração para muitos, é um exemplo do mecenas moderno da cultura e da arte no seu país” - afirmou o representante do fundo cultural Monbtlanc, Lutz Bethge.
O diretor do Hermitage ainda não decidiu para onde irá o dinheiro do prêmio. “Primeiro pagarei os impostos”, brincou.
Prémio Montblanc de la Culture Arts Patronage foi criado em 1992. Desde então o mesmo foi atribuído ao príncipe Charles, a Valeri Guerguiev, a Yoko Ono, a Catherine Deneuve e a Olga Sviblova, diretora do Multimedia Art Museum de Moscou.

@edisonmariotti #edisonmariotti http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_06_28/diretor-de-museu-russo-recebe-premio-internacional-8551/
Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_06_28/diretor-de-museu-russo-recebe-premio-internacional-8551/

Arte brasileira é destaque em museu de NY


Trabalhos de Jonathas de Andrade, Tamar Guimarães e Paulo Bruscky estão na mostra do museu Guggenheim


O Brasil é, empatado com o México, o país com mais representantes na exposição

DA REDAÇÃO COM O GLOBO - A exposição “Sob o mesmo sol — Arte da América Latina hoje” aberta no último final de semana no museu Guggenheim em New York traz 40 obras com artistas de 15 nacionalidades diferentes, incluindo brasileiros. O objetivo do projeto é exibir centenas de trabalhos de arte contemporânea de regiões geográficas distintas. A primeira, dedicada ao Sul e ao Sudeste da Ásia, aconteceu no ano passado. A última será do Oriente Médio e do Norte da África, em 2015.

O Brasil é, empatado com o México, o país com mais representantes na exposição. São seis: Adriano Costa, Erika Verzutti, Jonathas de Andrade, Paulo Bruscky, Rivane Neuenschwander e Tamar Guimarães. Contratado pelo museu especialmente para a missão, o curador Pablo León de la Barra, um mexicano que fez carreira em Londres. La Barra passou quase um ano rodando a América Latina em visitas a galerias, ateliês e espaços alternativos. Além das capitais artísticas já sacramentadas, esteve em países como Costa Rica, Equador e Peru.

A exposição — que segue para o MAM de São Paulo em abril de 2015 e de lá para o Museo Jumex, na Cidade do México — é organizada em torno de seis temas: abstracionismo, conceitualismo, modernismo, participação/emancipação, ativismo político, tropical.

A argentina Amalia Pica espalha e sobrepõe recortes geométricos de acrílico que serão remanejados ao longo da temporada.

Ela e o maceioense radicado em Recife Jonathas de Andrade são os únicos que ganharam uma sala inteira. O artista exibe a instalação “Cartazes para o Museu do Homem do Nordeste”, feitos para repensar a instituição criada em 1979 pelo antropólogo Gilberto Freyre. São dezenas de cartazes com fotos de trabalhadores sob o logo do museu, além de reproduções dos classificados do jornal popular em que Andrade recrutou voluntários, na primeira fase do projeto, e um projetor com notas dos encontros com os que responderam.

Ali perto, o paulista Adriano Costa exibe uma série de tapetes de banheiro e toalhas de banho pintados de dourado e organizados no chão numa composição geométrica que remete aos metaesquemas de Oiticica.
 O museu Guggenheim fica em www.guggenheim.org 
fonte: @edisonmariotti $#edisonmariotti

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Antonieta assina lei que institui criação de Museu Histórico da Fortaleza da Barra Grande

A Administração Municipal terá agora como missão promover a valorização e preservação do patrimônio cultural e memória histórica de Guarujá

No aniversário de 80 anos de Emancipação Político-Administrativa de Guarujá, comemorado nesta segunda-feira (30), a população ganhará um presente na área cultural e de patrimônio histórico: a prefeita Maria Antonieta de Brito assinará a lei que institui a criação do Museu Histórico da Fortaleza da Barra Grande. A solenidade acontece às 10 horas, na Fortaleza, localizada em Santa Cruz dos Navegantes.

Com a assinatura, a Administração Municipal terá agora como missão promover a valorização e preservação do patrimônio cultural e memória histórica de Guarujá, constituindo um espaço de fomento cultural e disseminação de conhecimentos.

"O patrimônio é para todos, tanto para o morador quanto para o turista, é uma referência da nossa identidade. A comunidade tem que se envolver, identificar o Museu como patrimônio, como um retrato que conta a sua história", declarou a prefeita.

A meta para os primeiros anos é a de reunir todas as peças arqueológicas encontradas na Fortaleza e seu entorno. Para isso, será assinado um termo de cooperação técnica entre a Secretaria Municipal de Cultura e empresa especializada para o serviço de prospecção superficial e subaquática. “O resultado desta prospecção passará imediatamente a compor o acervo permanente do museu”, explica a diretora de Patrimônio Histórico Cultural e Arquitetônico da Prefeitura, Patrícia Lima.



O futuro Museu Histórico Fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande foi reconhecido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e pelo Sistema Estadual de Museus (Sisem), no fim de 2013. A conquista se deu graças a um intenso trabalho no sentido de divulgar, fomentar e salvaguardar o patrimônio, tombado pelos Governos Federal e Estadual.

Atualmente, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, está em tratativa com institutos, empresas e pesquisadores para instituir termos, parcerias para realização do projeto de arqueologia e conservação da Fortaleza.

Fortaleza da Barra Grande – Construída em 1584 e desocupada totalmente na década de 70, a Fortaleza da Barra passou por um longo período de abandono, sendo restaurada em 1992. Em 1993, passou a ser administrada pela Universidade Católica de Santos. Já em agosto de 2012, passou a ser de responsabilidade da Prefeitura de Guarujá, quando passou a vigorar o Termo de Cooperação Técnica entre o Iphan e Prefeitura de Guarujá, sendo esta a detentora da obrigação de gerir o patrimônio em consonância com o Iphan.

Vale lembrar ainda que, este ano, a Fortaleza da Barra Grande comemora 430 anos de construção e, para celebrar a data, estão sendo realizadas diversas atividades (eventos, palestras, exposições, oficinas) ao longo deste ano no local.

Serviço:

Os agendamentos para grupos com mais de quatro pessoas para visitar a Fortaleza da Barra Grande deverão ser feitos pelo e-mail fortalezadabarra@gmail.com ou pelo telefone (13) 3384-6194. Atendimento: De terça a sexta-feira, das 9 às 17 horas.
 
Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti responsabilidade desta matéria é da prefeitura de Guarujá. http://www.diariodolitoral.com.br/conteudo/37049-antonieta-assina-lei-que-institui-criacao-de-museu-historico-da-fortaleza-da-barra-grande

Agendas Mundi XXXI

Abandonamos Nicaragua para viajar de nuevo hacia el sur. Como ya habíamos visitado Costa Rica anteriormente, hace ya unas cuantas semanas, vamos a dar un pequeño salto para encontrarnos directamente con Panamá, el país del Canal. este es un país muy peculiar donde s mezcla lo más moderno con lo ancestral sin ruidos ni saltos. Con una ciudad, Panamá City, que parece una copia de Singapur en los años 80, todo crece aquí a una velocidad vertiginosa, no solo lo vegetal. Se nota de inmediato que es una zona económica muy caliente.
·



Su condición de país de tránsito lo convirtió tempranamente en un punto de encuentro de culturas provenientes de todo el mundo. El país es el escenario geográfico del Canal de Panamá, obra que facilita la comunicación entre las costas de los océanos Atlántico y Pacífico y que influye significativamente en el comercio mundial. Por su posición geográfica actualmente ofrece al mundo una amplia plataforma de servicios marítimos, comerciales, inmobiliarios y financieros, entre ellos la Zona Libre de Colón, la zona franca más grande del continente y la segunda del mundo. Con una población superior a los tres millones de habitantes, tiene una posición privilegiada en varias clasificaciones de crecimiento y desarrollo de América Latina, como el índice de desarrollo humano 2011, (primer puesto en América Central y sexto en América Latina). El país está catalogado en términos absolutos, es decir, sin tener en cuenta la distribución de la riqueza, como de ingresos económicos mediano-altos. Además, según el Índice de Paz Global, Panamá es el segundo país más seguro de Centroamérica, después de Costa Rica (1). Pero vamos a lo que nos ocupa: los museos de Panamá, a ver que nos encontramos…

1. Museo de la Sal y del Azúcar Stella Sierra / Aguadulce

 
Este es un Museo de tipo ecológico-industrial. Refleja la plataforma económica de esta comunidad donde se habla de los elementos más importantes que se producen en esta región: la sal y el azúcar, entre algunos otros aspectos históricos importantes y de interés para los aguadulceños y visitantes. Dibuja una semblanza desde los tiempos indígenas, de cómo se iniciaron y fueron evolucionando con los años estas dos actividades. Para ello, cuentan con una sala pre-colombina; una parte dedicada a la industria azucarera y otra a la industria salinera. Cuentan además con una sala de exposiciones temporales y una para conferencias. Este museo se encuentra localizado frente al parque 19 de Octubre. Sala pre-colombina (piezas arqueológicas encontradas en Aguadulce). Sala Histórica (Documento, fotos de personajes ilustres e datos históricos del pueblo). Sala industrial Salinera: (datos sobre producción de sal desde época indígena, herramientas, maqueta y zafra hoy día). Sala Industrial Azucarera: (datos sobre origen del cultivo de la caña, Ingenios azucareros, el proceso de producción y derivados de la caña de azúcar).

2. Museo de Historia de Panamá / Ciudad de Panamá

 
Anterior a este edificio de arquitectura neoclásica, existió en este lugar el edificio del Cabildo de la época de la Colonia Española. El edificio colonial fue suplantado por el actual el 1 de junio de 1910. Esta estructura fue concebida en 1907 por el arquitecto italiano Genaro Ruggieri, el mismo que ideara el Teatro Nacional de Panamá. A pesar de lo recién de este edificio, el Consejo Municipal de Panamá tiene el mérito de ser la institución de gobierno más antigua de Tierra Firme del continente americano, fundado inicialmente para 1510 por Diego de Nicuesa en Santa María la Antigua del Darién y trasladado en 1519 a la Nueva ciudad de Panamá. El inmueble fue restaurado hacia 1975, fecha en la que se habilitaron en éste algunas dependencias de la Academia Panameña de la Historia y la Dirección Nacional de Patrimonio Histórico. El actual Museo de Historia de Panamá se inauguró en 1977, en el segundo piso del inmueble. El museo se enmarca en el contexto de la historia del país durante el período colonial (de 1501 a 1821), departamental (de 1821 a 1903) y republicano (de 1903 al presente). En una de sus salas reposa la primera bandera panameña, confeccionada por María Ossa de Amador, esposa de Manuel Amador Guerrero, quien además jugó un papel decisivo durante el movimiento que condujo a la proclamación de la República de Panamá (1).

3. Museo del Canal Interoceánico de Panamá / Ciudad de Panamá

 
El Museo del Canal Interoceánico de Panamá, popularmente conocido como Museo del Canal, es un museo de carácter público y sin fines de lucro, situado en la ciudad de Panamá. Está dedicado a conservar, investigar y difundir los testimonios de la historia del Canal de Panamá. Tiene su sede en un edificio ubicado en la Plaza de la Independencia, dentro del casco antiguo de la ciudad, en el corregimiento de San Felipe. l museo fue concebido en 1996, cuando se aprobó el patronato que supervisa sus actividades y se decidió rehabilitar el edificio en que está emplazado, el cual data de 1874. Éste abrió sus puertas el 9 de septiembre de 1997, con motivo de la como celebración del Congreso Universal del Canal.1 Numerosas instituciones nacionales e internacionales han apoyado al museo desde su creación, entre ellas, la antigua Comisión del Canal de Panamá y la Comunidad Europea. Actualmente, es miembro activo del Consejo Internacional de Museos (ICOM) y la Asociación Americana de Museos (AAM). Está afiliado además al Instituto Smithsonian. El edificio en el que ha estado ubicado el museo desde su apertura fue construido por el empresario alsaciano George Loew, para ser utilizado como hotel.2 En el momento de su terminación, éste presentaba varias características arquitectónicas novedosas para Panamá, como el techo con mansardas, iluminación a gas y un refinado sistema de prevención de incendios. En 1881, el edificio fue adquirido por la Compagnie Universelle du Canal Interocéanique, la empresa francesa que inició la construcción Panamá de la ruta interoceánica y que más tarde cediera los derechos de explotación y construcción de esta a los Estados Unidos.3 Los norteamericanos ocuparon temporalmente el inmueble desde 1904 hasta 1910, año en que este pasó a manos de las autoridades panameñas. Entre 1910 y los primeros años de la década de los 1990s el edificio fue destinado a múltiples usos, como el de oficina de correos. La idea de instalar allí el actual museo data de la década de los 1980s, aunque este finalmente abrió sus puertas en 1997. El museo cuenta con diez salas de exhibiciones permanentes donde se exponen cronológicamente los testimonios de la historia de la ruta interoceánica a través del istmo y la posterior construcción del Canal de Panamá. Se presenta también la evolución de las actividades canaleras y el paso de este a manos panameñas, en virtud del cumplimiento de los Tratados Torrijos-Carter. Paralelamente, el museo se destaca por albergar una gran cantidad de exposiciones temporales todos los años, enmarcadas en diferentes temas en el ámbito de la cultura, arquitectura, historia y conservación ambiental.

4. Museo de la Biodiversidad de Panamá / Ciudad de Panamá

 
A primera vista podría entenderse que se trata del Museo de los Tornados y Huracanes, pero no, el edificio es obra del inefable Frank Gehry, presente en todas partes y que diseña con más o menos ganas dependiendo el qué y para quién. El Museo de la Biodiversidad o BioMuseo es un museo de historia natural que se construye en la ciudad de Panamá. Emplazado en el edificio conocido como Puente de Vida, diseñado por el arquitecto canadiense Frank Gehry – como decíamos -. Ubicado en la Calzada de Amador, esta es la primera obra diseñada por Gehry para América Latina y en su diseño se utilizó la misma tecnología usada en el famoso nido de pájaro de los Juegos Olímpicos de Pekín 2008.1 La construcción de este complejo edificio comenzó en 2006.2 Tras haber sido paralizada en varias ocasiones, en Septiembre de 2009 había alcanzado un avance del 75%.3. El museo abrió al público en mayo 2014. El Biomuseo esta ubicado en la Calzada de Amador, también conocido como el Causeway, el cual queda situado en la entrada sur del Canal de Panamá. Se puede llegar tomando un transporte selectivo (taxi) o un transporte colectivo (Metrobús) y el trayecto desde la Ciudad de Panamá toma unos 15 minutos.

5. Centro de Visitantes de Miraflores / Miraflores

 
Ubicado en el lado este de las esclusas de Miraflores, el Centro de Visitantes de Miraflores es el lugar ideal para observar las operaciones del Canal. Posee grandes balcones desde donde los visitantes pueden apreciar cuando se abren y cierran las compuertas de las esclusas a medida que los buques inician o terminan su tránsito por el Canal. Dispone de cuatro salas de exhibición, organizadas por temas, constituyen el corazón del Centro de Visitantes de Miraflores. Las exhibiciones están dedicadas a la historia del Canal, la importancia del agua como fuente de vida, su operación, su papel en el comercio mundial y los avances de la ampliación de la vía. El Centro cuenta con un amplio teatro completamente equipado, tres terrazas de observación, dos refresquerías, un restaurante con vista panorámica, una tienda de recuerdos y un salón para eventos especiales. La mayoría de las áreas están disponibles para alquiler.

6. Museo de Arte Contemporáneo de Panamá (MAC) / Ancón

 
El Museo de Arte Contemporáneo (MAC) es el único Museo de Arte Contemporáneo que existe en Panamá. Es una organización no-gubernamental (ONG) sin fines de lucro, que cuenta con personería jurídica. Su objetivo es recuperar el patrimonio artístico de Panamá y promoverlo a través de la experiencia sensorial y espiritual del contacto con el Arte en el Museo. Pretende sensibilizar a personas de todas las edades, con énfasis en los niños, por medio de educación informal en el Arte. Ofrece actividades para todas las edades: El Museo de Arte Contemporáneo (MAC) es mucho más que una colección de arte, es un lugar en donde todas las personas pueden disfrutar, aprender e investigar sobre Arte en general y sobre arte panameño en especial. El museo ofrece exhibiciones de la colección permanente, exhibiciones temporales nacionales e internacionales, visitas guiadas para grupos o escuelas talleres didácticos, talleres de gráfica, clases de dibujo y pintura, etcétera.

7. Museo de Ciencias Naturales de Panamá / Ciudad de Panamá

 
Comenzó a prestar servicios el 1° de diciembre de 1975 y radica en la planta baja del edificio continuo a la Ave. Cuba Calles 29 y 30, donde estuvo enclavado durante más de tres décadas el Museo Nacional. Entre sus principales objetivos están la siempre necesaria investigación, recolección, clasificación, conservación y exhibición de ejemplares representativos de la geología, paleontología, fauna nacional y extranjera. Asimismo se persigue divulgar aspectos sobre el valor, la importancia, la conservación y la protección de los recursos naturales del país, haciendo énfasis en aquellas especies de plantas y animales que están en vías de extinción. Este centro posee una pequeña especializada, sala de conferencias y exposiciones temporales y, además, un laboratorio de taxidermia para la preservación y conservación del material biológico, todo ello a la disposición de los estudiantes. El Museo cuenta con la atractiva Sala de Vertebrados con cuatro secciones: Mamíferos, Aves, Reptiles y Anfibios. Está la Sala de Entomología y Biología Marina y la de Fauna Extranjera, todas con exposición de ejemplares en buen estado de conservación.

8. Museo Belisario Porras / Las Tablas

 
El 15 de enero de 1959 abrió sus puertas al público el Museo Belisario Porras. En su interior se destacan el cenotafio destinado a los restos mortales del Dr. Belisario Porras y un magnífico retrato suyo, realizado al óleo por el maestro Juan Manuel Cedeño en el año de 1959, que lo muestra vestido en riguroso chaqué y luciendo la banda presidencial que ostentó en las tres ocasiones que fue Presidente de la República de Panamá: 1912 a 1916, 1918 a 1920 y de 1920 a 1924. Diplomas, condecoraciones y objetos de uso personal del gran caudillo liberal se exhiben en muebles de madera y vidrio; se muestra además, sobre las paredes laterales y mediante un centenar de fotografías, la iconografía del Dr. Porras y de las más notables obras materiales realizadas durante sus administraciones presidenciales, como lo fueron, por ejemplo, la construcción del Ferrocarril de Chiriquí, la Carretera Nacional, los edificios para los Archivos Nacionales, Hospital Santo Tomás, Presidencia de la República, Correos y Telégrafos Nacionales, Escuela para Sordomudos, Escuela Profesional, Escuela de Artes y Oficios, barrio de La Exposición y las plazas-monumentos de Balboa y Francia. Un escritorio y un sofá de madera procedentes de “El Pausílipo”, su casa de campo en Las Tablas Abajo, así como un juego de muebles de madera torneada y cuero repujado que trajo de Lima y donó a la Catedral de Panamá, forman parte también de las colecciones exhibidas en este museo.

9. Museo Afroantillano de Panamá / Ciudad de Panamá

 
El Museo ocupa lo que antes era la Capilla de la Misión Cristiana, construida en El Marañón (Corregimiento de Calidonia) por trabajadores barbadienses en el año 1910. La capilla es de madera y refleja un estilo arquitectónico del Caribe. Tiene solamente una sala de exhibición permanente que contiene fotografías históricas y enseres domésticos que reflejan la historia y las condiciones de vida de los inmigrantes afroantillanos desde el año 1850 hasta las primeras décadas del siglo 20, incluyendo olas migratorias para la construcción del ferrocarril y el Canal de Panamá. En el año 2011, declarado por las Naciones Unidas como Año Internacional del Afro-descendiente, se incluyó una exposición fotográfica de Rose Marie Cromwell titulada “Imágenes Contemporáneas de los Afroantillanos en Panamá.”

10. Casa Museo del Banco de Panamá / Ciudad de Panamá

 
La Casa Museo y sus colecciones, es uno de los baluartes más importantes de la Institución en el aspecto cultural. En esta instalación se presentan periódicamente, exposiciones de pinturas y otros de artistas nacionales, gremios y embajadas acreditadas en Panamá, mostrando el arte en todas sus expresiones. La idea original contempló preservar y exhibir las colecciones numismáticas panameñas, las estampillas del país y mostrar aspectos históricos de la banca en Panamá, desde su inicio en el siglo XIX hasta la actualidad. La prensa el día de la re-inauguración decía: “Fiel a su misión que va más allá del negocio propio de la anca, el Banco Nacional de Panamá llevó a cabo la reinauguración de su Casa Museo, luego de un estructurado plan de restauración que duró varios meses. “Esta edificación fue construida a inicios del siglo pasado por el arquitecto Leonardo Villanueva Meyer y gracias a las gestiones de la actual administración se sometió a un cuidadoso proceso de rescate de las formas arquitectónicas originales, que logran trasladar a los visitantes a los inicios de nuestra era republicana”, señaló Darío Berbey, Gerente General del Banco Nacional de Panamá. En esta Casa Museo opera la Biblioteca José Agustín Arango, especializada en temas de Banca, Administración y Comercio, que por muchos años ha ayudado a los estudiantes de estos tópicos a resolver sus investigaciones y dudas. Ésta es la única biblioteca especializada en estos temas en todo el país.”

La semana que viene seguiremos viajando hacia el sur camino de Colombia. La visita promete ser interesante y esperamos que para vosotros lo sea también. Hasta entonces os deseamos un muy feliz fin de semana. ¡Que disfrutéis de la vida!

BIBLIOGRAFÍA:

JANOSCH, P.
¡Qué bonito es Panamá! (cuento para niños)
Kalandra Ediciones Andalucia, S.L., (2010)
Resumen del libro: Érase una vez un pequeño oso y un pequeño tigre que vivían allá abajo, a la orilla del río. Justo donde se ve subir el humo, junto al árbol grande. Y además, tenían una barca… La vida de pequeño oso y pequeño tigre experimenta un vuelco cuando, flotando en el río, aparece una caja que viene de Panamá y que huele a plátano . Desde entonces, Panamá se convierte en el país de sus sueños y por eso deciden iniciar un largo viaje para llegar allí. Con una olla roja, una caña de pescar y un patito-tigre de juguete, emprenden un camino en el que conocerán a un ratón de campo, un viejo zorro, una vaca, una corneja, una liebre y un erizo.

MCCULLOUGH, D.
Un camino entre dos mares: la creación del canal de Panamá
Espasa Libros, S.L.U., (2012:
Resumen del libro: El canal de Panamá, cuyas obras comenzaron en 1904 tras más de tres décadas de negociaciones, y se inauguró en 1914, fue mucho más que una prodigiosa obra de ingeniería sin precedentes. Su construcción se convirtió en un hito histórico de gran importancia, y en un drama humano devastador. Exceptuando los conflictos bélicos, constituyó el esfuerzo más costoso, en dinero y en vidas humanas, de cuantos se han emprendido en el mundo. Este libro narra la historia de los hombres y mujeres que lucharon contra todos los contratiempos para cumplir el sueño de construir un paso acuático entre los océanos Atlántico y Pacífico. Es un relato de asombrosas proezas de ingeniería, logros médicos colosales, conflictos políticos, éxitos heroicos y trágicos fracasos.



JOHN LE CARRE
El sastre de Panamá
Editorial Debolsillo, (2012).
Resumen del libro: El final de la explotación estadounidense del canal de Panamá toca a su fin. Todas las potencias mundiales quieren…asegurarse una situación ventajosa cuando llegue el 31 de diciembre de 1999. En este revuelto mar de fondo Harry Pendel, presunto sastre de la realeza, cobra un insospechado protagonismo. Por su establecimien to desfilan los personajes más importantes de Panamá y en el probador, casi un confesionario, escucha secretos de toda índole. Dadas las circunstancias no resulta extraño que el servicio de inteligencia británico, representado por el agente Andy Osnard, arribista, manipulador y ambicioso, seleccione al sastre como eje de sus intrigas. En esta novela Le Carré reflexiona con humor y pesimismo sobre el espionaje actual, al que considera una farsa y mera caricatura del de la guerra fría. Es el único libro, junto con Un espía perfecto, con el que quiero ser enterrado.

(1) Textos extraídos de Wikipedia.



Gracias de nuevo a la Red de Museos Centroamericanos (REDCAMUS) por proporcionarnos contenidos y fotografías incluidos en la entrada de hoy.

Gracias al Gobierno Nacional de Panamá por los datos extraídos de su portal y usados en esta entrada de hoy.

fonte: @edisonmariotti #edisonmarioti · en CULTURA, DIDÁCTICA PARA NIÑOS, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, VIAJES.

Cantor tem o maior acervo particular de artefatos sobre a Revolução Texana e o conflito de 1836

O músico Phil Collins, vencedor de vários prêmios Grammy, declarou nesta quinta-feira (26) que a riqueza conquistada com a arte lhe permitiu satisfazer um antigo fascínio pelo Álamo e que irá doar sua ampla coleção de artefatos da batalha de 1836 para um museu no Texas.

Collins, de 63 anos, disse ter ficado fascinado com a história do Álamo quando era criança, nos anos 1950, e assistia ao seriado de TV "Davy Crockett, King of the Wild Frontier", estrelado por Fess Parker. A série conta a história de Crockett, lenda da fronteira que morreu defendendo o Álamo.
  Getty Images
O cantor Phil Collins

Collins reuniu a maior coleção particular de curiosidades sobre a Revolução Texana e a Batalha do Álamo.

“Algumas pessoas comprariam Ferraris, outras casas antigas, eu comprei pedaços velhos de metal e de papel”, disse o ex-baterista e vocalista do Genesis e autor de sucessos como "Against All Odds" e "Another Day in Paradise" na carreira solo, a repórteres diante da famosa estrutura em San Antonio, no Texas. Ele mantinha os itens em sua casa na Suíça.

A coleção inclui peças raras como um rifle de Crockett e uma das facas originais de Jim Bowie, um dos defensores do Álamo, informou o Comissário da Terra do Texas, Jerry Patterson, cujo escritório administra o Álamo.

“Eu era como um cão com dois rabos, como se diz na Inglaterra”, declarou Collins. “O lugar exato onde minha coleção deveria estar sediada é o lugar de onde ela veio”.

A coleção será exibida de forma rotativa no Álamo, onde a versão da batalha comumente ensinada nas escolas norte-americanas sustenta que Crockett e o resto dos 160 homens lutando pela independência do Texas foram mortos em combate.

As peças começarão a chegar ao Texas nos próximos meses.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/2014-06-27/phil-collins-doa-colecao-sobre-batalha-do-alamo-a-museu-do-texas.html
 

México autografa camisa da Seleção do tri de 70 para expor no Museu Pelé

Elenco assina uniforme retrô com o nome do Rei e o número 10. Peça ficará junto com outros objetos relacionados ao título, no local recém-inaugurado em Santos.


Camisa será exibida no Museu Pelé

O Museu Pelé, inaugurado recentemente em Santos (litoral de São Paulo), vai ganhar uma nova peça para exposição. O elenco do México autografou uma camisa retrô da Seleção tricampeã mundial em 1970, com o nome do Rei e o número 10. O uniforme será colocado junto com outros objetos relacionados à conquista histórica no local, como a taça, na exposição "Quatro Copas e um Rei".


Entregue nesta sexta-feira, a camisa será exposta nos próximos dias ao público. A iniciativa de aproveitar a estadia mexicana em Santos durante a Copa do Mundo para autografar a camisa partiu da prefeitura da cidade. A Copa de 1970 foi disputada no México e teve o Brasil batendo a Itália na decisão.


Classificado para as oitavas de final, o México encara a Holanda no domingo, no Castelão, em Fortaleza.

Camisa autografada por jogadores do México, que estão hospedados em Santos (Foto: Marcelo Hazan)

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://globoesporte.globo.com/sp/santos-e-regiao/copa-do-mundo/noticia/2014/06/mexico-autografa-camisa-da-selecao-do-tri-de-70-para-expor-no-museu-pele.html




 

 

The Royal Air Force Museum is Britain’s only national museum dedicated wholly to aviation.

With a world-class aircraft collection, integrated with special exhibitions, films, interactives, artwork, engines, missiles, photographs, uniforms, medals and research and education facilities, the Museum takes an innovative approach while keeping with tradition.

While offering an insight into aviation technology, it focuses on the people who made it possible – from daredevil early aviators, through wartime heroes, to the thousands of Service men and women whose contribution shaped the world we live in today.

Our London site is situated on what used to be RAF Hendon. It holds over 100 aircraft in five themed aircraft halls. Our museum at Cosford, is acknowledged as one of the leading public attractions in the Midlands and displays over 70 aircraft. It is home to the National Cold War Exhibition which focuses on the Cold War story from a national, international and social/political angle, as well as cultural perspectives. Plan a day out to remember at the Royal Air Force Museum. 



 video - https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=L_nKQjXORxM

The Dornier 17 lifted from the seabed 10th June 2013.

font: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.rafmuseum.org.uk/

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Museu leva as Ilhas Malvinas até Buenos Aires

Os argentinos podem agora visitar as Malvinas sem sair de Buenos Aires, através do primeiro museu sobre o arquipélago aberto na capital, que busca ressaltar a proximidade da Argentina com as ilhas.

O museu recria desde a história de Malvinas até a fauna e a flora local, e convida os visitantes a experimentarem sensações como o céu das ilhas e seu litoral.

"O argentino conhece pouco das Malvinas e é difícil explicar como imaginamos a vida ali", explicou à Agência Efe o diretor do museu, Jorge Giles.

O museu fica em Esma, o maior centro de detenções clandestinas do país da ditadura militar (1976-1983), que foi transformado em um Espaço para a Memória.

Giles ressaltou que o museu trata "da vida e da paz, não da guerra", numa tentativa de se distanciar do conflito bélico entre Argentina e Reino Unido em 1982.

Outro dos objetivos é "romper com essa ligação automática das Malvinas com a ditadura militar", que utilizou a guerra "quase como tábua de salvação para se sustentar no poder em um momento em que sua decadência já era evidente".

O percurso pelo museu começa com uma apresentação audiovisual, projetada em 360 graus, que recria a história e o ambiente nas ilhas, e termina com a histórica reivindicação argentina pela soberania do arquipélago.

Do outro lado da estrutura da projeção, uma linha de tempo recupera os 400 anos de história, desde a época em que as Malvinas eram colônia espanhola até a chegada dos ingleses, passando pelo breve tempo de comando argentino, estabelecido em Puerto Luis no século XIX.

As imagens, transmitidas através de modernos dispositivos interativos, permitem também aos visitantes acompanhar as várias reivindicações dos argentinos sobre as ilhas.

O museu recupera e exibe exemplos de civis como Miguel Fitzgerald, que voou da Patagônia com a intenção de deixar em terras malvinenses uma declaração e uma bandeira que reivindicavam soberania argentina.

Também aparecem figuras como Andrés Rivero, que não deixou as ilhas durante a ocupação britânica em 1833, e a Operação Condor de 1966, liderada pelo militante político Dardo Cabo, que levou até as Malvinas sete bandeiras argentinas, uma delas em exibição no museu.

Em outra sala são projetadas as três manifestações que aconteceram na histórica Praça de Maio de Buenos Aires na primeira metade de 1982: o protesto anterior à guerra, a comemoração popular diante da suposta recuperação das ilhas anunciada pelo então presidente Leopoldo Galtieri, e o repúdio após a rendição.

Giles explicou que os animais também "geram soberania" e se referiu aos restos de uma elefanta marinha, o único esqueleto completo em toda a região latino-americana, que é exibido no setor do museu dedicado à flora, à fauna e à geografia das ilhas.

"Os mesmos exemplares que estão na costa argentinas vão até as Malvinas. O albatroz sobrancelha negra é muito viajante e vai e vem entre as ilhas e a Patagônia", explicou.

Aves, peixes, algas, telas interativas e jogos para crianças, tudo faz parte de um novo olhar que apresenta o arquipélago como mais uma parte da Patagônia argentina ou, como afirmou Giles, "desconstruir o conceito que propõe não se preocupar com esse par de rochas" situado no sul do Oceano Atlântico.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://vidaeestilo.terra.com.br/turismo/museu-leva-as-ilhas-malvinas-ate-buenos-aires,fd9f24b2d28d6410VgnCLD200000b1bf46d0RCRD.html

Um passeio pela história do mundo

Museus de Londres oferecem atrações para todas as idades



British Múmia: Riquíssima coleção egípcia (foto: Bárbara Magalhães)



Férias na Europa. Parou em Londres? Não pense duas vezes comece sua visita na cidade pelo Museu Britânico. Com mais de 250 anos de existência o local abriga mais de 13 milhões de objetos de todos os continentes, ilustrando e documentando a história da cultura humana de seus primórdios até o presente. É difícil destacar o que é mais importante nessa coleção, mas o site do museu dá algumas dicas (www.british museum.org/visiting/planning_your _visit.aspx) para quem está com pressa e pretende ficar apenas uma hora, três horas ou para o turista que vai acompanhado com crianças. Uma unanimidade nesses programas é a “Pedra de Rosetta” que foi a chave para a descoberta da linguagem dos hieróglifos.

O Museu é dividido pelas seguintes galerias: Américas, Egito Antigo, Roma Antiga e Grécia Antiga, Ásia, Oriente Médio, Europa, África e Exposições temporárias. A coleção egípcia é suntuosa com as múmias milenares, tem também armaduras de samurais, objetos chineses, estátua da Ilha de Páscoa, peças da Acrópole de Atenas, esculturas romanas, chinesas, indianas e muitas antiguidades, que normalmente são ilustradas nos livros de história, estão lá expostas.

Aberto em 15 de janeiro de 1759, após a aprovação do rei Jorge II em 1753, o Museu Britânico foi o primeiro grande museu público, gratuito, secular e nacional em todo o mundo. Ao ser fundado, o Museu Britânico reuniu três coleções: a Cottonian Library, coleção de manuscritos medievais de Sir Robert Cotton (1570-1631), os manuscritos da coleção do Conde de Oxford, Robert Harley (1661-1724) e a enorme coleção de Sir Hans Sloane (1660-1753), composta de antigüidades clássicas e medievais, moedas, manuscritos, livros, quadros e gravuras, além das peças que formariam o núcleo central do Departamento de História Natural do Museu Britânico.

O Museu Britânico tem entrada gratuita, exceto no caso de algumas exposições temporárias especiais. Ele também conta com um serviço educativo responsável por apresentações didáticas da coleção para escolas, famílias e adultos. Oferece também um curso de pós-graduação sobre arte clássica e decorativa da Ásia.

SERVIÇO
O British Museum fica na Great Russell Street, Londres, WC1B 3DG. Para lá chegar, o melhor é ir de metrô. As estações mais perto são: Holborn (7 minutos a pé), Tottenham Court Road (6 minutos a pé), Russell Square (10 minutos a pé) e Goodge Street (13 minutos a pé). O museu funciona diariamente, das 10h às 17h. Nas sextas, até as 20h30.


Maquete em tamanho natural de uma gigantesca Baleia Azul



A VASTA NATUREZA NO MUSEU LONDRINO
Londres é uma cidade que deve ser visitada com calma. Há tantas coisas para fazer que é preciso fazer um planejamento dos dias para não perder o melhor que a capital do Reino Unido pode oferecer durante sua estadia. Um programa obrigatório é a visita ao suntuoso Museu de História Natural. Agrada a todas as idades.

Para começar o museu, fundado em 1881, foi instalado numa catedral vitoriana e abriga atualmente uma coleção com mais de 70 milhões de espécimes do mundo natural, reunidas ao longo de 400 anos. Praticamente todos os grupos de plantas, animais, fósseis e minerais oriundos de diversas partes do mundo (e do universo) fazem parte da vasta coleção.

Logo na entrada o visitante é recebido por uma gigantesca reconstrução de um esqueleto de brontossauro, ao fundo Charles Darwin, imortalizado em mármore branco, parece dar as boas-vindas para o público. Depois desse primeiro impacto fica difícil escolher por onde começar a visita: botânica, entomologia, minerologia, paleontologia ou zoologia? Não importa. Escolha qualquer uma destas áreas e mergulhe num universo de informações riquíssimo, uma experiência prática que vai te levar para dentro dos livros de ciências que a gente estudou na escola.


A estátua de Charles Darwin, em mármore branco


Nas Galerias da Vida, fosséis pré-históricos, entre eles o arqueópterix de cerca de 147 milhões de anos, dividem o espaço com dinossauros animatrónicos – incluindo o temível T-Rex. Na Galeria dos Mamíferos tem uma maquete em tamanho natural de uma gigantesca Baleia Azul – ao seu lado, estão expostos outros mamíferos que parecem miniaturas. Ali você também encontra o esqueleto da ave Dodô (apresentado no desenho da Disney Up-Altas Aventuras), feito com ossos de cerca de mil anos de idade e demonstra o primeiro dos casos em que a extinção de uma espécie foi comprovadamente causada por humanos.

Mas o Museu tem muito mais. Pedras preciosas convivem com uma pedra vinda da Lua, trazida pela Apollo 17, em 1973. Na parte de botânica há um impressionante corte do tronco de uma gigantesca sequóia de 1300 anos. Para quem quiser estudar há um biblioteca com livros, jornais, manuscritos e coleções de arte ligadas ao trabalho e a pesquisa dos departamentos científicos, entre eles uma rara cópia da primeira edição de A Origem das Espécies, a obra de Charles Darwin considerada o livro de biologia mais importante da história.

O museu abre diariamente, das 10h às 17h50 (última admissão às 17h30), e a entrada é gratuita (exceto nas exposições temporárias). O local, próximo ao museu Victoria & Albert, está a uma curta distância, a pé, da estação de metrô South Kensington.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.bemparana.com.br/noticia/333343/um-passeio-pela-historia-do-mundo

Museu de Arte Moderna de São Paulo vai receber a exposição Sob o mesmo sol: arte da América Latina hoje

A Fundação Guggenheim acaba de anunciar que o Museu de Arte Moderna de São Paulo vai receber a exposição Sob o mesmo sol: arte da América Latina hoje entre abril e junho de 2015. A mostra é a segunda expo do projeto Guggenheim Global Art Initiative e é organizada por Pablo León de la Barra e examina as mais significativas práticas de arte contemporânea na América Latina hoje. Daqui a exposição será exibida no Museo Jumex, na Cidade do México, no segundo semestre do ano que vem. “Estamos muito satisfeitos em trabalhar com duas instituições tão significantes na segunda fase do projeto.






Museu de Arte Moderna de São Paulo vai receber a exposição Sob o mesmo sol: arte da América Latina hoje entre abril e junho de 2015 (Foto: Divulgação)



A grande força desta iniciativa multi-facetada, lançada em abril de 2012, é que nos permite ir além dos muros de nosso museu e engajar artistas, curadores, educadores e público de uma grande parte do mundo, incluindo a América Latina”, afirma Richard Armstrong, diretor do Solomon R. Guggenheim Museum and Foundation. "Estamos muito honrados e esse intercâmbio vai possibilitar ao público brasileiro uma reflexão contemporânea sobre nossa cultura regional. Colaborar com uma instituição de importância global como o Guggenheim também vai trazer novas perspectivas para as atividades educacionais nos museus, que é um aspecto fundamental de nossa missão", declara Milú Villela, presidente do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Ao todo a exposição vai contar com quase 50 obras, incluindo instalações, pinturas, fotografias, esculturas e trabalhos em papel.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/bruno-astuto/noticia/2014/06/bmuseu-de-arte-moderna-de-sao-paulob-vai-receber-exposicao-sob-o-mesmo-sol-arte-da-america-latina-hoje.html

Centro de Museus será construído perto do Kremlin


No âmbito do projecto Muzeiny Gorodok (Vila de Museus) se iniciaram obras de reabilitação de três edifícios integrados no complexo do Museu Nacional de Belas-Artes Pushkin, informam fontes municipais.

Segundo a directora do museu Pushkin, Marina Loshak, o primeiro na lista é o Instituto de Filosofia, onde será exibida a colecção de pinturas de impressionistas, seguido da quinta Viazemsky-Dolgorukov, que deverá acolher a Galeria de Mestres Antigos, e a Casa Stulov.


Foto: RIA Novosti/Vladimir Astapkovich
Na foto: prédio central do Museu de Belas Artes (foto de arquivo)


O concurso arquitectónico visando a construção de um novo complexo em pleno centro da capital russa, ao lado do Kremlin e do Templo de Cristo Salvador, foi ganho pelo bureau Meganom. De acordo com Loshak, deste modo, será criado um “espaço de exposições único com contornos artísticos espectaculares”.

As obras de reconstrução deverão ficar concluídas até 2018.
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_06_25/centro-de-museus-sera-construido-perto-do-kremlin-6007/

Museu de Biologia Mello Leitão premia cientistas ao completar 65 anos

Nesta quinta-feira (26), às 15h, o Museu de Biologia Professor Mello Leitão (hoje, Instituto Nacional da Mata Atlântica) apresentará os resultados do Projeto Muriqui – ES 2012-2014, um programa de conservação e monitoramento de populações de muriquis (espécie de primata em extinção) da Mata Atlântica do Espírito Santo (ES). 



O muriqui é uma espécie ainda encontrada nas áreas de Mata Atlântica

Na comemoração dos seus 65 anos, o museu também faz o lançamento do livro O Muriqui – Símbolo da Mata Atlântica, escrito por Sérgio Lucena Mendes, Mariana Petri da Silva, Mariana Zanotti Tavares de Oliveira e Karen Barbara Strier. A obra é resultado de um projeto de conservação dos primatas que já dura mais de 10 anos.

Quem estiver presente no evento, que será realizado na sede do museu, em Santa Teresa (ES), poderá participar do sorteio de exemplares da publicação. “É um livro de divulgação científica, mas voltado para leigos. Pode ser distribuído em escolas, organizações não governamentais, institutos de educação ambiental,” explica Mendes, um dos autores, que também é professor da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Reconhecimento
Outra atividade programada é a entrega do Troféu Álvaro Aguirre de Biodiversidade, criado em homenagem ao cientista naturalista brasileiro que, nos anos 1960, foi um dos pioneiros no estudo sobre os muriquis.

O prêmio é dividido em três categorias: Cientista, Conservação e Atividades de Campo. Receberão os troféus, respectivamente, Karen Strier, Ibsen Câmara e Rogério Ribeiro dos Santos, reconhecidos pelos trabalhos de conservação da biodiversidade e dos muriquis no Brasil.

Realizado em conjunto com a UFES, Instituto de Pesquisas da Mata Atlântica, a Associação de Amigos do Museu e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade, o evento é aberto ao público. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (27) 3259.1182.
Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação/Wikipédia

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.museus.gov.br/museu-de-biologia-mello-leitao-premia-cientistas-ao-completar-65-anos/

Museo Rico – Museo Pobre

Parafraseando el título de la famosa serie de los años 1970 en España, hoy pretendemos reflexionar sobre el museo local tipo una vez más. Del museo rico en realidad no vamos a hablar hoy, nos fijaremos exclusivamente en el museo pobre que es el que mejor conocemos. Hay quien los denomina directamente museos locales, pero no todos los museos locales son pobres en contenido “de valor”, pero sí muy pobres en contenido museógráfico y ahí vamos. Nosotros, sin pretender en absoluto caer en la descripción caricaturesca de esta tipología de museos, sí podemos transcribir lo que algún especialista ha definido como tal, relacionando directamente la idea de museo pobre con la de museo local: “Los museos denominados locales son un paradigma de lo heterogéneo. Los museos locales suelen ser un auténtico muestrario de objetos fetichizados, que llenan habitaciones, salas y espacios” (1).




 “Los objetos que constituyen los fondos de muchos de nuestros museos, en especial los locales, son pinturas, arreos, reliquias, herramientas, fotografías, vasijas, armas, vestidos, banderas, esculturas, placas, medallas, mapas, monedas, muebles, fósiles, láminas, cruces, ropa antigua, enseres, etcétera, que, por el simple hecho de haber sido seleccionados alguna vez por alguien, se transformaron en elementos musealizables. Sin embargo, puede que no tengan nada más en común que el de haberse convertido en fetiches culturales. Y no cabe la menor duda de que pudieron no haber sido seleccionados nunca jamás” (2).

 
Nicola Yeoman / Don’t Panic

La procedencia, el origen de estos museos locales, cómo nacieron, es algo que siempre nos ha parecido muy curioso. En las clasificaciones hechas por museólogos, el museo local sencillamente no existe. El Sistema Español de Museos distingue, fundamentalmente, entre museos públicos, museos privados y colecciones. Los museos públicos los clasifica como “museos de titularidad estatal”, museos que dependen de las comunidades autónomas – estados en otros países -y, finalmente, los museos municipales. Estos últimos suelen ser el patito feo de toda la clasificación y más hoy en día cuando casi no disponen de personal que los mantenga en condiciones. Los museos locales que tienen titularidad privada, pongamos por caso el Museo Picasso de Barcelona, propiedad de las personas que lo crearon aunque hayan recibido en casi la totalidad de los casos fuertes subvenciones públicas para mantenerse abiertos, no entran en la categoría de pobres en absoluto. También existen asociaciones locales sin ánimo de lucro y fundaciones que dependen de patronatos que han creado sus propios museos, normalmente también de carácter local. Muchos de estos museos pobres nacieron casi sin recursos y el tiempo los ha dejado con lo puesto, sin grandes posibilidades de renovar su museografía.

 
Piergiorgio Branzi

El museo local suele ser el museo de lo particular, de lo cercano, de la micro-historia, de la etnografía más cercana, del artista o artistas del lugar. El museo local no pretende analizar el mundo, ni tan siquiera una faceta general del mismo. Su objetivo está enfocado en lo cercano, en lo de ahí al lado, es el museo de lo particular. Frente a un mundo global en proceso de gran transformación, el museo local puede ser el instrumento que ayude a mantener, comprender y a respetar la cultura tradicional autóctona, algo de grandísimo valor. Ese es el gran valor del museo local. Sea cual sea su titularidad y objeto, todos los museos locales al día de hoy tienen en común el hecho de ser instituciones con muy poca capacidad económica: son museos pobres. No tienen capacidad para organizar eventos importantes, casi no tienen exposiciones temporales que suele ser el nervio que mantiene vivo a un museo en cualquier lugar del mundo, recibe muy pocas visitas por tanto, etcétera. Dependen normalmente de exiguos presupuestos municipales que cuando se recortan aun más, siempre meten tijera primero a la cultura. La amenaza de cierre es algo que está siempre presente para estas instituciones, en continuo peligro de echar el cerrojo para siempre.

 
Nanó

El museo local suele ser fruto de un momento de euforia, de una situación excepcional, en el que la ilusión de crearlo está muy por encima del cálculo racional de los recursos necesarios para mantenerlo. Una de las preguntas que nosotros hemos formulado más veces en nuestra vida profesional es: ¿cómo pensáis mantenerlo? Por ello, cuando los que tuvieron la idea e iniciativa para montar el museo van desapareciendo, las vitrinas y las maquetas van llenándose de polvo hasta que, o bien cierran esperando mejores tiempos, o bien subsisten con raquíticas aportaciones municipales. Un futuro muy poco esperanzador y muy doloroso para los profesionales como nosotros, observando con impotencia la desidia del maltrato a estos museos y a los profesionales que dependen de ellos por parte de la administración.

 
Archivo EVE

1. Remo Guiderini: Chronique du neutre el l’auréole. Sur le musée et ses fétiches. Paris. Editorial Difference, (1992).

2. “Puesto que no cumplen requisito alguno para ser objeto susceptible de ser expuesto en un museo: la mayoría no son piezas únicas, no tienen valor estético añadido, no han pertenecido a un personaje históricamente relevante… Suelen ser objetos de la vida cotidiana que, sin una museografía didáctica adecuada y un guión significativo, no tiene atractivo alguno para el visitante”. Sobre este tema, véase: Joan Santacana y F. Xavier Hernández: Museología crítica, Editorial TREA, Gijón (2006).

BIBLIOGRAFÍA:
SANTACANA I MESTRE, J. / LLONCH MOLINA, N.
Museo local: la cenicienta de la cultura
Ediciones TREA, Gijón (2008)

Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti EVE Museografía · en CULTURA, INSTITUCIONES, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·