terça-feira, 30 de setembro de 2014

Tiffany Jenkins: Stop children taking over our museums and galleries

Sociologist Tiffany Jenkins is speaking at a Battle of Ideas session called, 
“Are museums turning into playgrounds?” She is concerned that they are...








We have all done it.

Those of us who have kids, or who have been in charge of one for the day, say a niece or a nephew, have all grabbed the easy option of using a museum or gallery as a crèche. After all, most are free to enter and you can stay the whole day. Many provide a decent café, where you can choose from a “lunchbox menu” with mini cupcakes, sandwiches without the crusts, squash and even a babycino if your five year old is so inclined.

So desperate for uncritical attention, these institutions fall over themselves to welcome younger visitors, who, let’s face it, are easier to please than the traditional older, more discerning clientele – grown-ups – who tiresomely complain, about the facilities, the quality of the hang of an exhibition, or the simplistic labelling of the paintings; some of which, such as those in the Kelvingrove Museum in Glasgow, are placed at the eye-line height of a young child.

Today, museums are not just child friendly; they are child centred, organised around every perceived need of the little ones. Science museums and natural history are especially bad, but art galleries want a piece of the childcare action too. All have a packed programme of activities devoted to under 5s; 5 to tens and the teenage crowd: treasure hunts, storytelling, touch zones (that’s touching an object or a dead animal), crafts, crayons and dressing up. And they encourage you, the adult in fawning attendance, to convince yourself that the visit is educational: the brats aren’t just playing – they are learning, as they mess about with paper mache in a gallery once devoted to Greek antiquities.

You may be asking, what’s the problem? The thing is, organising museums around what the managers think makes for a family friendly museum or gallery ruins them for everyone. The way cultural institutions are increasingly organised to cater for kids is changing them for the worse for adults and forkids.

For adults, museums and galleries are increasingly off-limits during the holidays and the weekends, and during term-time, because they’re overrun by children who are rarely asked to: “Shh”, or “Slow down”, or even, “Look closely and learn”. At National Museums Scotland, it’s unbearably noisy. At the Natural History Museum in Oxford, adults unaccompanied by children are such a rarity, if you see one you wonder why they are there. And at the National Gallery and the British Museum, both in London, large school parties career through the galleries and are placed in front of the “highlights” of the collection, making it difficult for anyone else to have a look or think. Adult spaces for study and contemplation have been transformed into playgrounds.

The child focused museum and gallery also does a disservice to children. Instead of introducing young people to the material and artistic achievements of past human civilisations, too many cultural institutions direct attention away from what is unique about them, often running activities only indirectly related to what is on show.

The Pitt Rivers Museum – which holds one of the strangest collections in the country, known for its shrunken heads – asks children to, “Find Mickey”. But these aren’t objects from the large and fascinating anthropological collection; they’re wooden mice hidden within it. The kids, I concede, enjoy the game, but the mice have little do with the museum. And if children aren’t old enough to be interested in the objects or the art on show you have to ask: why are they there?

When children are old enough to appreciate cultural riches, museums and art galleries should aim to introduce them to the kind of space that they will want return to over their life time. This means not only confidently showing them interesting, beautiful, and unique things, but also, crucially, instructing them in how to behave in such special places. This means telling the little ones to be quiet, showing them how to look closely, and to respect the fact that the curators know more than they do. The adults need to say, “Shh!”

By Tiffany Jenkins 26/09/14   fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ideastap.com/IdeasMag/all-articles/tiffany-jenkins-kids-museums-battle-of-ideas

The opinions expressed here do not necessarily represent those of IdeasTap.  
The Battle of Ideas festival, supported by IdeasTap, takes place on 18-19 October at the Barbican Centre, London.

Na edição atual da revista Antiquity, uma equipe internacional de arqueólogos que trabalham na América do Sul afirma que eles encontraram evidências de pessoas que viviam no leste do Brasil mais de 20.000 anos atrás.


Archaeology -
Facts not ‘flexible’ in dating earliest Americans



Determining when humans discovered America is one of the most fascinating and contentious problems in archaeology.

An article in the September/October issue of Archaeology reviews the oldest well-documented sites in the so-called New World. One of them is next door in western Pennsylvania.

Meadowcroft Rockshelter, located less than 10 miles southeast of Steubenville, is described by excavator James Adovasio of Mercyhurst University as “a late-Pleistocene Holiday Inn” — a place where early Americans camped for short periods.

Adovasio and his team have excavated 50 tools and 700 pieces of chipped stone, including some made from Ohio’s Flint Ridge flint, dating to about 15,000 years ago.

There have been several claims for sites even older than those considered in the Archaeology review.

It’s fun to contemplate an extreme antiquity for the peopling of America, but the history of the modern human migration out of Africa and the genetics of modern American Indians suggest that people did not enter this hemisphere much before 16,000 years ago.

Claims for older sites shouldn’t be dismissed, but they must be carefully evaluated.

In the current issue of the journal Antiquity, an international team of archaeologists working in South America argues that they have found evidence of people who had lived in eastern Brazil more than 20,000 years ago. The site of Vale da Pedra Furada is located at the base of a cliff where rocky debris has accumulated for thousands of years.

Although flint was locally available and used by later cultures at the site, all of the artifacts in the deepest layers are made from quartz.

Quartz cobbles occur naturally in the area, and some archaeologists have expressed the opinion that the so-called artifacts formed when quartz cobbles tumbled down the cliff, becoming broken and battered. A few might have ended up resembling tools.

The excavators believe they are able to tell the difference between natural breakage and the results of human manufacture. In spite of their confidence, many archaeologists aren’t convinced. If there were people there 20,000 years ago, why didn’t they use the nearby flint?

In a commentary on the article, Vanderbilt University archaeologist Tom Dillehay raises questions about the evidence.

He concedes that “the earliest human record in South America is more diverse and, in several ways, different from that in North America and should be viewed with more flexible standards and expectations.” But he said that some aspects of the research “need more detailed reporting.”

For example, what criteria did the excavators use to differentiate between naturally broken bits of quartz and those identified as artifacts? If they really are artifacts, do they occur together in activity areas? Can some of the quartz chips be refitted to the tools, which would show the tools were made on the spot?

I am open to the possibility of finding evidence for people in the Americas before 16,000 years ago, but I disagree with Dillehay.

It’s fine for the evidence to defy our expectations, but it must be held to the highest standards before we rewrite the opening chapter of America’s story.

Bradley T. Lepper is curator of archaeology at the Ohio History Connection.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.dispatch.com/content/stories/science/2014/09/28/facts-not-flexible-in-dating-earliest-americans.html 

El Museo Espontáneo - en CULTURA, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN. ·

“No hay nada como un sueño para crear el futuro”.
Víctor Hugo (Los Miserables)

En el verano de 2011 se cerraba una pequeña librería de libros y guías de viaje en el barrio de Notting Hill, Londres. Aquella pequeña librería no tenía realmente nada de especial, salvo que fue uno de los protagonistas de la comedia romántica Notting Hill (1999), acompañando los tira y afloja amorosos de Hugh Grant y Julia Roberts. Un pequeño negocio como muchos que se encuentran en nuestras ciudades, sin especial valor arquitectónico, ni vendía realmente productos estrella, pero aquella película hizo que la pequeña librería “The Travel Bookstore” fuera conocida por millones de personas en el mundo entero. Se convirtió en uno de los lugares más visitados de Londres incluso ahorque se ha convertido en una tienda de ropa de segunda mano. Esta tiendecita se convirtió en un lugar memorable, en una parte del “patrimonio” de recuerdos personales de muchas personas.

 
NATRI – IMAGINATION -white t-shirt – women: imagination is more important than knowledge – Albert Einstein

Muchos lugares tienen algo especial, porque allí se ha producido un hecho histórico relevante, una revelación mística, porque es el lugar de una leyenda, otorgándoles el poder detracción sobre multitud de personas. A veces incluso no importa que sea un lugar de ficción o real. Existen muchos y variados ejemplos sobre este poder de convocatoria que ejercen lugares como el Palacio de Verona donde se desató el amor entre Romeo y Julieta con su trágico final. A los visitantes no les importa que Romeo y Julieta sean personajes que nunca hayan existido en la realidad, es más, seguro que para muchos sí llegaron a existir y no solo en su imaginario. Acuden muchas parejas y suelen dejar testimonio de su visita con inscripciones en las paredes del palacio. El público de una manera espontáneo lo ha convertido en el Museo del Amor.

 
Imagen: Synaptic Stimuli

En Gettysburg, lugar donde ocurrió una de las batallas más nombradas de la guerra civil norteamericana, se recuerda con puntualidad el acontecimiento. Se ha mantenido el paisaje intocable, todo permanece igual que en los tiempos del suceso: cultivos, cercas. caminos, campos, el mismo aspecto que tenía en 1863. Es uno de los acontecimientos de re-enacment más conocidos del mundo. Los soldados de ahora, actores y voluntarios acampan en los claros de los bosques, realizan sus marchas estratégicas acarreando artillería y gritando mientras disparan al aire en los lugares de la conocida refriega. Todo esto produce en el visitante una impresionante sensación de viaje en el tiempo con el apoyo de la escenificación con características cinematográficas que se constituyen también un museo. En este caso el museo está dedicado a la unidad nacional de Estados Unidos, haciendo acto de contrición por la violencia y consiguiente vergüenza nacional que representa una guerra fratricida.

 
Imagen: Evgenia Arbugaeva

La tiendecita de guías de viaje de Notting Hill, el palacio de Julieta en Verona o los paisajes de Gettysburg son museos auténticos. Son los nuevos santuarios sagrados de nuestro tiempo que, de forma a veces inducida, a veces totalmente espontánea, se han elevado a lugares que representan ideas, recuerdos, valores, conceptos en los que la gente cree. Sin diseño, sin arquitectura, prácticamente de forma accidental, han sido señalados como museos por el público y eso son muchas, muchísimas visitas. Eso es mensurable, es un enorme número de visitas. El indicador que mide el reconocimiento de un museo, el parámetro que, cuando es así de impresionante en poder de convocatoria, provoca que todo tenga un sentido muy real.


  ·

Museu Amazônico expõe peças arqueológicas em mostra permanente

Cerca de 60 peças arqueológicas entre materiais de utensílios e de rituais compõem a exposição permanente `Encontrando a Amazônia Antiga’, do Museu Amazônico da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). As peças arqueológicas, que originalmente foram coletadas e catalogadas pela Divisão de Arqueologia, marca a presença humana na região há milhares de anos. O Museu Amazônico fica localizado na Rua Ramos Ferreira, 1036, Centro.


De acordo com a arqueóloga e curadora, professora Myrtle P. Shock, existem registros da ação humana na Amazônia há pelo menos 12 mil anos a.C, encontrados no Estado do Pará e, mais recentemente, no Amazonas, há 7 a 2 mil anos a.C. Segundo a curadora, a exposição é o resultado de 15 anos de trabalho que a Universidade vem desenvolvendo em vários sítios arqueológicos no Amazonas, como nas regiões dos municípios de Iranduba/Manacapuru, Itacoatiara, Presidente Figueiredo, Coari e Manaus.

 
 

Mytles Shock disse que o eixo orientador da exposição está voltado aos elementos da vida das pessoas que habitavam essas regiões, daí a origem do título da exposição `Encontrando a Amazônia Antiga’. "Queremos mostrar a vida diária das pessoas, como elas viviam e o que faziam; indo desde o preparo e cozimento de alimentos até os elementos de rituais e funerais", comenta a curadora.

Para ela, a fração mínima de material coletado é apenas uma `entrada ao conhecimento` de povos que viveram e consolidaram suas culturas, a partir da construção de sociedade que ocuparam espaços constituídos de até mil pessoas. Verdadeiras cidades, ressalta a pesquisadora.

 
Ela mostra artefatos encontrados no sítio arqueológico Dona Estella, entre os municípios de Iranduba/Manacapuru, referentes ao `Período da Pedra Lascada´ ou pré-história Cabralina na Amazônia, datados entre 7 a 6 mil anos a.C. São pedras pequenas e grandes, lapidadas com função para cortar, perfurar e raspar . "O amazonense deve ter orgulho do seu passado, pois existiram pessoas que já moravam na Amazônia antes mesmo das sociedades indígenas atuais que desenvolviam tecnologias para atividades do dia a dia, como construção de moradia, cestaria, armas para caça e pesca", comenta a arqueóloga.

A urna fúnebre é outra peça da exposição que chama atenção do visitante que é atraído pela forma antropomórfica, ou seja, uma representação humana para depósito de restos mortais, como cinzas ou ossos do morto. Ela informa que as urnas funerárias existentes na Amazônia servem como elemento para o segundo ritual fúnebre de morto.
 

Paralela à exposição das peças milenares, o visitante vai encontrar a exposição de fotos que mostra todo o processo de pesquisa de campo e a de laboratório desenvolvida pela equipe de pesquisadores da Divisão de Arqueologia, tendo à frente o arqueólogo Luciano Souza. A busca de vestígios nos sítios arqueológicos, a escavação do terreno, a logística de transporte e análise de materiais em laboratório compreendem as atividades do arqueólogo, profissional que contribui para compreensão de uma realidade histórica.

A diretora do Museu Amazônico, professora Maria Helena Ortolan, disse que a renovação da exposição "Encontrando a Amazônia Antiga" faz parte de um projeto de compreender o passado amazônico voltando para entender a contemporaneidade. Os arqueólogos podem pesquisar o passado, mas eles nos dão mais luz ao presente. Existiram povos que desenvolveram suas práticas e tecnologias que fazem da parte da historia dessa região e que deram margem para que pudéssemos ter a floresta preservada e todos às tecnologias, inclusive a social, finaliza a diretora.    
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ufam.edu.br/index.php/2013-04-29-19-37-05/noticia/2989-museu-amazonico-expoe-pecas-arqueologicas-em-exposicao-permanente
  

Museu do Coração ensina hábitos saudáveis a crianças e adolescentes

O aparato está montado no Centro de Convenções Ulysses Guimarães

Museu ensina o funcionamento do coração em tela interativa Reprodução/ TV Record

Um espaço interativo, montado no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, ensina crianças e adolescentes sobre o funcionamento do coração e ao alimentos que favorecem a vida prolongada de um dos órgãos mais importantes do corpo. O Museu do Coração foi criado pela Sociedade Brasileira do Coração e tem um caráter educativo.

Em uma das atividades interativas, os jovens podem montar um prato com opções de alimentos saudáveis, mas, nem sempre, são estas as escolhas dos visitantes.

— Eu como bastante fritura, diz um dos jovens que visitou o museu nesta sexta-feira (26). Quando o prato montado é aquele que faz bem ao coração, nem todos querem tê-lo como refeição no dia a dia.

— Eu não gosto de Arroz integral e nem de salada, diz um jovem estudante. O intuito do museu é convencer as pessoas de que, quanto mais cedo os hábitos mudam, a possiblidade de desenvolver doenças cardíacas é menor.


— Junto com essa conscientização de alimentação saudável desde pequenininho você tem que levar toda uma conscientização de mudança de hábito de vida porque você falar só para quem é adulto parece que não está funcionando muito. Então a gente acredita que se a gente levar pequenininho e mudar essa cultura desde baixo você vai conseguir interferir nisso de uma forma altamente produtiva, afirma o cardiologista Emílio César Zilli.

No local é possível acompanhar o funcionamento do coração e saber mitos e verdades sobre doenças cardíacas e aprender a preparar pratos com baixo teor de substâncias que fazem mal ao órgão. O Museu do Coração fica no Centro de Convenções até o dia 29 de setembro e funciona em horário comercial. A entrada é gratuita. 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://noticias.r7.com/distrito-federal/museu-do-coracao-ensina-habitos-saudaveis-a-criancas-e-adolescentes-29092014

Unesco: EI destrói locais históricos no Iraque e vende antiguidades

Estado Islâmico vende objetos de até 2 mil anos para se financiar. Diretor de museu diz que máfia internacional atua como intermediária.

O grupo Estado Islâmico (EI) destrói locais históricos no Iraque e vende antiguidades para se financiar, afirmaram especialistas e diplomatas durante um colóquio na Unesco sobre "patrimônio iraquiano em perigo".


ESTADO ISLÂMICO

"A Unesco pediu que o Conselho de Segurança (das Nações Unidas) adote uma resolução de proibição preventiva a qualquer comércio de objetos culturais iraquianos e sírios para lutar contra o comércio ilegal", indicou sua diretora-geral, Irina Bokova.

Bokova pediu aos Estados-membros, aos principais museus do mundo e ao mercado da arte que "intensifiquem a vigilância com relação aos objetos que poderiam proceder do atual saque do patrimônio iraquiano".

"Há máfias internacionais, que se ocupam dos vestígios (...), que informam o EI a respeito que pode ser vendido. Há intermediários mafiosos", destacou Qais Husen Rashied, diretor do museu de Bagdá.

O grupo Estado Islâmico, que considera as estátuas idolatria, dinamitou muitas igrejas e monumentos sagrados para cristãos, judeus ou muçulmanos, disseram vários participantes do colóquio.

Rashied e o diretor do Instituto Iraquiano para a Conservação das Antiguidades e do Patrimônio em Erbil, Abdullah Jorsed Qader, deram como exemplo a tumba do profeta Jonas e várias estátuas em Mossul, onde também foram destruídos palácios assírios.

As obras "são cortadas e vendidas. As peças são inestimáveis... Algumas têm 2 mil anos, podem custar muito caro", afirmou Rashied.

A diretora-geral da Unesco destacou que foram indicadas "as coordenadas e todas as informações pertinentes aos Estados-maiores envolvidos nos bombardeios" contra os jihadistas, para evitar que destruam esses locais históricos, muitos deles usados como bases pelo EI, segundo autoridades iraquianas.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/09/unesco-ei-destroi-locais-historicos-no-iraque-e-vende-antiguidades.html

 

População do Sumbe clama pela construção de um museu

Sumbe - Os cidadãos do Sumbe, capital da província do Cuanza Sul, manifestaram hoje (segunda-feira) o desejo de verem aberto, a curto ou médio prazo, um museu local para pesquisar e conservar a identidade dos povos da região.

Em declarações hoje à Angop, alguns populares disseram que essa infra-estrutura vai permitir a investigação cultural e a preservação dos hábitos e costumes do seu povo.

Segundo o estudante Alfredo Pedro, a falta de um museu local põe em risco os símbolos e outros valores culturais da região, bem com a transmissão do testemunho cultural às novas gerações.

“É através dos museus que as novas gerações vão receber conhecimentos sobre a formação das tribos, como lutavam, etnia de um determinado povo”,disse Alfredo Pedro.

Referiu que o museu é uma instituição de grande utilidade para a área académica e científica, por permitir a pesquisa sobre o modo de vida dos antepassados e onde são expostos vários materiais da história dos homens e da região.

Por sua vez, o professor Elísio Manuel disse que um museu ajuda na construção de noções contextuais da evolução cultural no tempo e espaço.

Referiu que a falta de um museu na província tem reflectido na vida dos estudantes e crianças que querem saber da natureza, da vida dos povos e não só.

De acordo com o director provincial da cultura no Kwanza-Sul, Manuel Rosa do Nascimento, o seu pelouro possui um programa já remetido a instâncias superiores para a construção de um museu local, tendo em conta o grande mosaico cultural da região, acrescentando que logo que o projecto seja aprovado será construído o empreendimento. 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/lazer-e-cultura/2014/8/40/Populacao-Sumbe-clama-pela-construcao-museu,8edb17df-ef7d-4939-b6c6-6ed5530db8d0.html
 

 

Nesta segunda-feira (29-09-2014), Dona Raimunda Rodrigues Frazão, ou simplesmente Dona Dica, como é conhecida, completa 94 anos, mantém museu de arte em sua casa, no Pará

Idealizadora e responsável pela manutenção do Museu de Arte Dica Frazão, que funciona em sua casa, em Santarém (PA), Dona Raimunda Rodrigues Frazão mantém o museu doméstico desde 1999. O local é também o ateliê onde a artesã utiliza-se de matérias-primas extraídas da flora amazônica para confeccionar roupas e acessórios: entrecascas de árvore, fibras extraídas de capim, palha de buriti, sementes, raízes de patchouli e outros materiais.
 
 

Vitrine do museu na casa de D.Dica:
dedicação pessoal

Dona Dica lembra que já presenteou a rainha da Bélgica, o Papa João Paulo II e outros chefes de estado com criações suas: “Pego a natureza e transformo em roupa, faço fibra virar pano. E minhas criações já ganharam o mundo!”, comenta.

O museu é uma das referências para turistas nacionais e estrangeiros que visitam a região, e Dona Dica se queixa da falta de recepcionista bilíngue para auxiliá-la no atendimento aos turistas que não falam português. Ela diz ainda que necessita de mais vitrines para a exposição de cerca de 20 peças que estão guardadas dentro de caixas. A artesã mantém o museu com o dinheiro da sua pensão.

Memória e reconhecimento

Segundo a paraense Sylvia Braga, arquiteta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que conheceu, ainda na infância, o trabalho de Dona Dica por meio dos leques que sua mãe usava, a estilista, artesã e bordadeira precisa ter seu valor reconhecido, especialmente pelo esforço pessoal em preservar a memória do trabalho feito à mão na região oeste do Pará.

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, Dona Dica é “exemplo de mulher guerreira, a qual devemos generosas lições de vida e uma criação artesanal de notável qualidade, internacionalmente reconhecida”.

Ele ressalta ainda que a valorização e a proteção desse acervo, por meio de programas públicos de fomento à cultura e ao turismo, podem em muito beneficiar Dona Dica e o próprio município de Santarém. Na cidade, existem ainda outros três museus mapeados pelo Cadastro Nacional de Museus.

Fonte: @edisonmariottio #edisonmariotti http://www.brasil.gov.br/cultura/2014/09/dona-dica-mantem-museu-de-arte-em-sua-casa-no-para Instituto Brasileiro de Museus
 
 

Nick Cave. Um museu virtual de tralha

Um cigarro cravado a Tom Waits, uma toalha com restos de uma pastilha de Nina Simone, o cartão de um serial killer ou um cordão umbilical. Para promover o seu filme, “20,000 Days on Earth” – parte ficção, parte realidade –, Nick Cave tornou-se curador de um museu virtual, o Museum of Important Shit. No site, toda a gente pode expor objectos importantes da sua vida e contar uma história – Clara Silva mostra-lhe alguns. A saga do 20 000.º dia na terra do músico chega ao cinema a 27 de Novembro


Alice, um cão de plástico que se quer “dead or alive” e que desapareceu devido a “problemas de coração partido, explica-se,” é outro dos objectos do museu. Mas, desta vez, um que se procura. Na fotografia, Alice nas últimas férias em Formentera


“This was Tom Waits Camel.” Uma beata de um cigarro cravado a Tom Waits durante um concerto de Chuck E. Weiss no Paradise Lounge de São Francisco. O dono da preciosidade guarda-a desde 1993. “Ele foi um cavalheiro e também me deu lume”, escreve


O cartão de John Wayne Gacy, “um pedaço de história negra”, conhecido como o “palhaço assassino”, um serial killer que se vestia de palhaço e matou pelo menos 29 rapazes. Este era o cartão que costumava dar às vítimas, supostamente para entrevistas de trabalho


Uma toalha com o que resta de uma pastilha que Nina Simone poisou no piano num incrível concerto e que Warren Ellis, violinista e compositor dos Bad Seeds, guardou numa toalha. Foi esta história e fotografia que deu a ideia para este Museum of Important Shit


O Nokia 3510i que Angelina Jolie usou no filme de 2007 “A Mighty Heart”, de Michael Winterbottom, que conta a história da viúva do jornalista Daniel Pearl. O dono do telemóvel, Joakim Sundström, é músico e editor de som de vários filmes e diz ter uma colecção de telemóveis antigos usados por celebridades


Kurt, o nome do baixo Fender de alguém. O baixo é de “72 ou 73” e está com o dono desde Setembro de 2002. “Foi amor à primeira vista. Na altura não tinha dinheiro e tive de deixar um depósito (...). Refiro--me a ele como o meu marido.”


“Fuck Art Let’s Dance”, a primeira cassete que Ian gravou para Jane, em 1993 – ainda estão juntos. Na cassete estava uma música de Nick Cave & The Bad Seeds, “The Ship Song”, do álbum “The Good Son”


Um dos objectos da colecção pessoal de Nick Cave no museu é este saco “Kylie Minogue”, encontrado durante uma digressão em Manchester, em 1992: “Deram-me uma droga que me fazia gostar de pessoas e andava sozinho pelas ruas, já muito tarde, quando alguém me levou para um quarto pequeno e escuro, onde estava pendurado este saco a tiracolo”, escreve. Kylie Minogue, com quem gravou “Where The Wild Roses Grow”, em 1996, também entra no filme


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.ionline.pt/artigos/lifestyle-liv/nick-cave-museu-virtual-tralha/pag/-1

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Museu Histórico conta a vida de Igarassu desde o século 17

Espaço cultural está localizado na área tombada da cidade e expoõe 266 peças, entre mobiliário, armas, arte sacra e calunga de marcatu nação


 
Museu Histórico de Igarassu tem 266 peças expostas ao público.O espaço conta com dois guias para receber os visitantes  Foto:Bobby Fabisak/JC Imagem

Igarassu, na Região Metropolitana do Recife, é quase sempre lembrada pela Igreja dos Santos Cosme e Damião, uma das mais antigas do Brasil, construída em 1535. Mas, a cidade oferece outras opções de passeios na área de 0,4 quilômetro quadrado tombada como patrimônio nacional desde 1972. O Museu Histórico, por exemplo, com seu acervo que vai do fim do século 17 ao início do 20, mantém as portas abertas ao público de domingo a domingo.

Fundado em 24 de janeiro de 1954, o Museu Histórico de Igarassu está instalado em três casas conjugadas do século 18, ao lado da famosa Igreja dos Santos Cosme e Damião. Para conhecer as 266 peças em exposição, é só subir os degraus de acesso aos imóveis, pagar uma taxa de R$ 2 e explorar as salas, revestidas com piso de tijoleira.

Cadeiras de palhinha de antigos moradores do município, decoram a recepção do museu. Parte delas servia à família de João Felipe de Barros Dias, prefeito de Igarassu na década de 50, conta o secretário-executivo de Patrimônio Histórico do município, Jorge Barreto. “Ele herdou dos pais, são móveis do século 19”, avaliza. As outras cadeiras foram cedidas pelo idealizador do museu, José Eduardo da Silva Brito, diz.


O Instituto Histórico comprou a primeira casa do museu em 1958. As outras duas foram adquiridas pela prefeitura posteriormente, de acordo com Jorge Barreto



O corredor central da casa separa um espaço dedicado às artes sacras e outro que reproduz a sala de estar de uma residência, batizada Barão de Vera Cruz, numa homenagem a Manoel Joaquim Carneiro da Cunha (o nome do barão), proprietário do Engenho Monjope. Mesinhas, armário, estante, escarradeira e quadros compõem o ambiente, com janelas voltadas para o Sítio Histórico.

Um jarro de porcelana francesa, apoiado numa das mesas, pertencia ao Engenho Monjope. “Foi usado na recepção oferecida pelo barão ao imperador dom Pedro II, que pernoitou em Monjope”, diz Jorge Barreto, ao explicar a importância da peça. Pedro II visitou Igarassu em 5 de dezembro de 1859, numa viagem pelo Nordeste brasileiro.

A sala da arte sacra exibe imagens de Jesus Cristo, São Benedito, São José de Botas, Santo Antônio, Nossa Senhora e dos Santos Cosme e Damião, festejados dia 27 de setembro. Completam a decoração oratórios dos séculos 18 e 19, de famílias tradicionais do município, e a lápide da sepultura do coronel João César Falcão, de 1758. “Era o líder político da povoação de Pasmado (distante 14 quilômetros da sede de Igarassu). Nesse lugar havia mais de 200 casas, hoje só resta a Igreja de Nossa Senhora de Boa Viagem, no meio do canavial”, relata Jorge Barreto.

O desmonte do povoado começou na década de 50, quando uma usina comprou a área, e se prolongou por cerca de 30 anos, acrescenta. No momento, o oratório mais velho está exposto, mas a capela doméstica do século 19 passa em obras de restauração, porque apresenta avarias. As duas peças são de cedro, policromado. O oratório mais antigo também será recuperado, até o fim deste ano, informa Jorge Barreto.





Em outra sala, o museu presta homenagem aos negros, com objetos de uso de escravos. Há jarra de água com cuia para colher o líquido, pilão, cadeiras, a Calunga do Maracatu Estrela do Norte (1894), um fuso da casa de farinha do Engenho Araripe do Meio (do engenho só sobrou a capela) e uma cana de leme de uma embarcação espano-portuguesa do fim do século 17.

O museu foi criado pelo Instituto Histórico municipal que, sem condições de manter o local, doou o prédio e o acervo à prefeitura, em 1972. “Temos armas, mobiliário, mapoteca, uma pequena pinacoteca, achados arqueológicos e documentos”, resume Jorge Barreto. “O Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano fez a microfilmagem dos inventários”, declara. Por enquanto, os 18 metros lineares de documentos não estão disponíveis para consulta.

Visitas em grupo (escolas) devem ser agendas com antecedência, pelo telefone 3543-0435, avisa o secretário-executivo. Estudantes de escolas públicas não pagam e aos alunos de colégios particulares é cobrada meia-entrada. O Museu Histórico de Igarassu abre de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, e aos sábados e domingos, das 9h às 12h, de acordo com o diretor do espaço cultural, Fernando Melo.



Galeria de imagens
Museu Histórico de Igarassu (PE) está instalado em três casas conjugadas do século 18
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2014/09/28/museu-historico-conta-a-vida-de-igarassu-desde-o-seculo-17-147793.php

 

Tropeirismo é tema de atividade no Casarão de Brigadeiro Tobias

Visitantes também podem apreciar exposição de telas sobre os ciclos históricos de Sorocaba

Termina neste domingo, no Casarão de Brigadeiro Tobias, com ações educativas e a mostra do artista plástico Rodnei Andrade, o roteiro local de atividades da 8ª edição da Primavera dos Museus, evento organizado pelo Instituto Brasileiro de Museus do Ministério da Cultura. A agenda será desenvolvida entre 10h e 16h e destaca a exposição de telas que retratam ciclos históricos do município a partir de personagens que ajudaram a construir sua identidade e forjaram o seu desenvolvimento econômico. Estão lá a tecelã, o agricultor, o comerciante, o ferroviário e o tecnólogo, entre outras profissões.

"Além do valor estético inegável, os trabalhos reforçam a importância de Sorocaba. Quem vier aqui saberá um pouco mais da sua própria história, já que os quadros resgatam o passado e projetam o futuro, o que não deixa de ser importante e até necessário", comenta a responsável pelo espaço, Sonia Nanci Paes.

O visitante tem também a oportunidade de saber mais sobre o tropeirismo a partir da intervenção do estudioso Álvaro Augusto Antunes de Assis. É ele quem conduz alunos da rede pública e explica o significado do ciclo, além de falar sobre curiosidades sobre peças e itens utilizados naquela época, como arreios, esporas, celas e, claro, mulas.

Neste sábado, uma roda de viola foi promovida por violeiros de Votorantim.

Com o tema "Museus Criativos", a Primavera dos Museus mobilizou instituições de todo o país. Ao propor o conceito, o Instituto Brasileiro de Museus, conforme divulgado, procurou focar o "estímulo à manutenção e ao desenvolvimento de cada museu na exploração de sua capacidade de inovar-se, modernizar a gestão, diversificar iniciativas, ampliar a presença no território em que se acha inserido e atrair público".

A atividade acabou, de quebra, abrindo caminho para que a importância do Casarão fosse abordada. Foi o que fez neste sábado a advogada Josefina Craveiro, segundo quem aquele espaço não tem merecido a atenção que deveria. Ela lembrou que o Casarão não foi aproveitado nem dentro da programação comemorativa à passagem do aniversário da cidade.

"Tivemos atrações durante os trinta e um dias de agosto, mas o Casarão de Brigadeiro passou batido. Ele é como um apêndice esquecido da cultura. A não ser pelas atividades fixas do calendário do município, nada mais acontece, o que é lamentável. Que essa Primavera sirva de alerta", disse. A coordenação do espaço preferiu não comentar as críticas.


O espaço recebeu violeiros de Votorantim neste sábado - Aldo V. Silva
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia/572537/tropeirismo-e-tema-de-atividade-no-casarao-de-brigadeiro-tobias

domingo, 28 de setembro de 2014

Museu da Imagem e do som pode se tornar referencia internacional

O Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro traçou para os próximos anos a meta de tornar-se referência mundial em cultura brasileira. O primeiro passo nessa direção foi dado com o anúncio da construção da nova sede do museu, em Copacabana, prevista para ser inaugurada no primeiro semestre de 2015. Ontem, 23 de setembro, a Secretaria de Estado da Cultura (SEC), à qual o MIS é vinculado, avançou em seus planos e lançou concurso nacional de arquitetura, organizado pelo IAB-RJ, para selecionar a melhor proposta de requalificação do prédio do MIS, na Lapa. As bases da competição estão disponíveis no site concursomispro.iabrj.org.br, e as inscrição abertas. O vencedor, além do prêmio de R$ 50 mil, será contratado para desenvolver os projetos executivos e complementares.


Para participar do concurso, o arquiteto precisa estar em situação regular no Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR). Os concorrentes poderão se inscrever individualmente ou em equipe. Os profissionais inscritos e os demais membros da equipe somente poderão se vincular a um único projeto. As inscrições serão feitas através da ficha disponível no site do concurso, que deverá ser encaminhada à sede do IAB-RJ por via postal, até o dia 31 de outubro, mediante o pagamento de taxa no valor de R$ 60. O prazo para entrega dos trabalhos é até o dia 24 de novembro, às 18h.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.caubr.gov.br/?p=31946

 

Prefeitura de Cuiabá anuncia licitação para revitalização do Museu do Rio

O Museu do Rio 'Hid Alfredo Scaff', na região do do Porto, em Cuiabá, deve passar por obras de revitalização. A prefeitura do município anunciou que a licitação para a contratação de uma empresa que irá executar o projeto está prevista para ser lançada na próxima semana. Na obra, devem ser gastos quase R$ 500 mil.


Museu do Rio deve passar por reforma (Foto: Marcos Bergamasco/ Secom-MT)

Segundo a prefeitura, a obra visa dar continuidade às melhorias na infraestrutura da cidade que foram previstas para a Copa do Mundo. Os recursos a serem investidos são oriundos do Ministério do Turismo.

A revitalização também faz parte das transformações previstas na região do bairro do Porto, por meio do projeto Porto Cuiabá. O projeto tem orçamento de R$ 28 milhões e prevê, além da revitalização do Museu, a construção de um calçadão de 1,3 km com ciclovias, área de contemplação, bares, restaurantes, praça, estacionamento e academias ao ar livre. Também deverá ser costruído um novo aquário municipal. A previsão é de que as obras no museu comecem ainda este ano.

 fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.cbnfoz.com.br/editorial/brasil/mato-grosso/27092014-208453-prefeitura-de-cuiaba-anuncia-licitacao-para-revitalizacao-do-museu-do-rio

Museu dedicado à Primeira Guerra Mundial abre nos arredores de São Petersburgo

Barco Quaraí volta a ser exposto no Ecomuseu

Parte da história de Itaipu,
embarcação passou os últimos cinco meses em reforma.


Fotos: Rubens Fraulini - O barco Quaraí, usado durante anos pela Segurança Empresarial de Itaipu Binacional para fiscalizar o reservatório da usina hidrelétrica, voltou a ser exposto no pátio do Ecomuseu, em Foz do Iguaçu, nesta quinta-feira (26).

A embarcação ficou os últimos cinco meses em reforma em uma metalúrgica de Itaipulândia, no Oeste do Estado. A intervenção foi necessária devido aos danos causados pela prolongada exposição ao tempo.

Dono da metalúrgica, Hermes Dallagnol relatou que a embarcação estava bastante danificada: muita ferrugem, tinta descascada, buraco no forro, piso estragado, portas que não fechavam. “Procuramos deixa-lo o mais original possível”, afirmou.
Ainda segundo ele, a reforma dará uma sobrevida de pelo menos mais 30 anos ao barco – um período ainda maior que o da última reforma, 13 anos atrás, feita pela mesma oficina de Itaipulândia.

 
A conservadora do Ecomuseu, Isabela da Costa Moreira, recebeu o Quaraí de volta – e aprovou o trabalho. “O barco estava muito descaracterizado, entrava água da chuva, tinha muita ferrugem. Agora ficou muito bom”, comentou.

 
Isabela disse ainda que a embarcação chama a atenção dos visitantes do museu, especialmente as crianças. “O Quaraí é parte da memória da empresa. Trata-se de um acervo para ser visitado e conhecido.”

Mymba Kuera

A história do Quaraí se confunde com a história da própria binacional. O barco foi utilizado, por exemplo, para dar suporte à operação Mymba Kuera, de resgate dos animais, ainda durante a formação do reservatório.

Aposentado, virou atração no pátio do Ecomuseu, ao lado de outros gigantes pioneiros de Itaipu – como o peso-pesado “Sansão”, apelido dado a um dos caminhões usados na construção da usina.

Complexo Turístico
O Ecomuseu faz parte dos atrativos turísticos de Itaipu – que incluem também a Visita Panorâmica, o Circuito Especial, o Test Drive Veículo Elétrico, o Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), a Iluminação da Barragem, o Polo Astronômico e o passeio de Kattamaram.
Mais informações sobre o turismo na Itaipu e compra de ingressos antecipados podem ser obtidas pelo telefone 0800-645-4645 ou no site do Complexo Turístico (www.turismoitaipu.com.br).

A Itaipu
Com 20 unidades geradoras e 14.000 MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é a maior geradora de energia limpa e renovável do planeta e foi responsável, em 2013, pelo abastecimento de 17% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 75% do Paraguai. Em 2013, superou o próprio recorde mundial de produção e estabeleceu a marca de 98.630.035 megawatts-hora (98,63 milhões de MWh). Desde 2003, Itaipu tem como missão empresarial “gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico e tecnológico, sustentável, no Brasil e no Paraguai”. A empresa tem ainda como visão de futuro chegar a 2020 como “a geradora de energia limpa e renovável com o melhor desempenho operativo e as melhores práticas de sustentabilidade do mundo, impulsionando o desenvolvimento sustentável e a integração regional”.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.jornalofarol.com.br/ver-noticia.asp?codigo=22410

York Museums Trust - Researchers Night at the Yorkshire Museum -


Huge Yorkshire Hyaenas, the secrets of Roman burials, the mysteries of ancient jewels and the colour of sea monsters will all be discussed by leading experts at the Yorkshire Museum and Gardens later this month as part of YorNight – European Researchers Night.
September 26, 5pm – 8.30pm – FREE, no need to book.




The family friendly and free event will consist of more than 40 different hands on activities, talks by experts and the chance to see up close the objects and artefacts which the researchers have been studying.

Some of the revelations include the colour of the Museum’s sea monsters, the traditions and ceremonies which surrounded Roman burials, the mysteries surrounding an Anglian gold ring and a talk on the hyaenas which once roamed and hunted in Yorkshire 120,000 years ago.

The York Observatory will also be open to look at the night sky, the museum’s Cosmodome will be running, there will be a host of craft activities to try and actors playing historical characters will be walking around the galleries to meet members of the public.

Amy Baggaley, learning manager for York Museums Trust, said:

“This is a very rare chance to come and meet leading experts on everything from dinosaurs to Romans, medieval jewels to moths all in the same place for one night only.

“The experts will be revealing the fascinating stories relating to objects in our collections and the techniques and skills they used to find out about them.

“All around the museum there will also be hands on activities, crafts and characters from history to meet, like the King who once owned the York Helmet, Oshere.

“Outside in the York Museum Gardens there will be further activities such as watching Fire Artists, storytelling and the chance to look at the night sky in our Observatory.”

The event is part of Yornight in association with the University of York. It is part European Researchers Night, which is being run in 300 cities across Europe.

All of the events are free for all, with no need to book.

The full list of events are:

Tempest Anderson Hall lectures (Aimed at adults):

  • 5.30pm – 6.15pm, Johan Gren A Colourful Past – How can we reconstruct the Colours of Extinct Animals?
  • 6.30pm-7.30pm, Professor Patrick Boylan – When Huge Hyaenas Hunted Big Game Across Yorkshire.
  • 7:45pm – 8:45pm, Patrick Ottaway – New Light on an Ancient City: The Archaeology of Roman York

Yorkshire Museum

Various family activities and experts scattered around the galleries, including:

Medieval Gallery:

  • Middleham Jewel – Rhian McLaughlin reveals what life was like for those living in high society at the time of Richard III and the Middleham Jewel
  • Fishergate Ring – come and learn why the ring has caused much confusion among leading experts.
  • St Mary’s Abbey – Anna Walter talks about the excavations of the abbey and what was found.
  • Tag Tool – paint the medieval arches inside the museum, using light.
  • Meet our actor in character as Oshere – the King who once owned the York Helmet.
  • Get closer to Viking objects with our Hands on Here Volunteers.
  • Meet an actor dressed as a medieval Monk and learn about life in St Mary’s Abbey.

Fairfax Room

Explore the universe in the Cosmodome.

Extinct Gallery

  • Learn about volcanoes and Tempest Anderson, York’s own volcanologist.
  • Ask your dinosaur questions to expert Will Watts
  • Get your hands on fossils with our Hands on Here volunteers.

Roman Galleries

  • Meet experts Rhea Brettal and Steph Leach and hear about their fascinating research into Roman burials.
  • Marvel at Roman glass with CHECK
  • Expert Kristy Jones will reveal the secrets of the Haxby Hoard
  • The Catterick coins will be on show with expert Dakota Bagley Sweet.
  • Coins crafts activities.
  • Facepainting

Balcony

Discover more about the people who called Yorkshire home thousands of years ago in a series of prehistory activities.

Finds Lab

Ancient reptile experts Dean Lomax, John Green and Johan Gren will be talking about the museum’s Ichthyosaurs, including how they know what colour they were, and how they can still be found today, if you know where to look. Dean will also be signing copies of his new book, ‘Dinosaurs of the British Isles’. .

Science Lab

Come and try your hand at being a forensic expert and work out which skeleton is which.

Library

  • Meet an actor playing William Smith, the founder of English Geology and look at some of Smith’s collections looked after by the museum.
  • See books from our Historic Library collection, never before available for public viewing.

York Museum Gardens

  • Fire Artists
  • Storytelling in the Storytelling Area
  • Portable Antiquities Scheme showing some of their latest archaeology finds
  • Crafts and Hands on Here Activities
  • York Observatory open for stargazing (weather dependent)
  • Moth trapping with experts from Shandy Hall.

fonte: @edisonmarioti #edisonmariotti http://www.yorkmuseumstrust.org.uk/news-media/latest-news/researchers-night-at-the-yorkshire-museum/

Volunteer programme at The Holburne Museum helps fine art graduate find a permanent job

Fine art graduate Oliver Adams has found a permanent job at a Bath gallery after completing volunteer work at The Holburne Museum.


The Holburne Museum runs a volunteer programme which offers the opportunity to gain valuable experience in museum work.



Oliver Adams

A short while ago, Bridget Sterling, gallery director at Bath Contemporary, approached The Holburne to find a full-time assistant.

Spencer Hancock, services and volunteer coordinator at the museum was able to help by putting together a shortlist of proposed candidates.

Mentoring each candidate through the whole process, Mr Hancock helped them with their CV and covering letter and discussed interview techniques.

Mr Adams has an MA in fine art from Bournemouth University. He was one of the first volunteers to take part in The Holburne’s work placement module, before being offered work as a freelance duty manager for the museum.

Mr Hancock said: “We are so pleased for Oliver and we know that he will make so much of his position at Bath Contemporary.

“There was really stiff competition amongst those we put forward but it was his commitment and passion for the arts that really shone through to secure this position.”

Bath Contemporary already work with Bath Spa University’s fine art students as part of their professional practice module.

The Holburne Museum’s volunteer programme constantly needs new members and is open to all ages and abilities.

For more information call the museum on (01225) 388569

Fonte: @edisonmariotti #edisonmarioti http://www.bathchronicle.co.uk/Volunteer-programme-Holburne-Museum-helps-fine/story-23000221-detail/story.html#sfVsMqXAEhrorEk9.99

sábado, 27 de setembro de 2014

ISSOS, TURKEY—Archaeologists working at the site of Issos in the province of Hatay, Turkey, a thriving city beginning in about 545 B.C. and ...



Ancient Musical Chamber Discovered in Turkey



(Wikimedia Commons)





ISSOS, TURKEY—Archaeologists working at the site of Issos in the province of Hatay, Turkey, a thriving city beginning in about 545 B.C. and lasting several millennia down to the Ottoman period, have discovered an ancient music chamber according to the Hurriyet Daily News. The room is shaped like a small odeon, and likely dates back to the Roman period when Issos was filled with good roads and plentiful shops. Excavators believe that the chamber may have been used at some point as a kind of healing center for treatment of the sick. In their eighth season of digging, the archaeological team from the Hatay Museum also found the remains of an ancient Roman theater, which they are continuing to uncover. Issos is notable for being very close to the location on the Plain of Issos where the Persian king Darius fought Alexander the Great. To read more about a remarkable fourth-century B.C. tomb unearthed in Turkey, go to ARCHAEOLOGY’S “The Tomb of Hecatomnus.” 
 
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.archaeology.org/news/2548-odeon-issos-turkey-alexander-the-great-darius-healing-center

5 Must-See Works of Art at the Metropolitan Museum, NYC

For you frequent NYC travellers out there, you probably have your personal must-see spots: a local restaurant, a public park, a rooftop bar; for me, that place is the Metropolitan Museum of Art (or the ‘Met’, if you want to sound like you know where you’re going!).





The Met is one of the largest art museums in the WORLD, and from the three times that I’ve been to there (of the 4 times that I’ve visited Manhattan), I can confidently say that more than half the Met’s collection on display is still brand new to me.
“Museum Mile”…miles on miles on miles of exhibits…

I mean, it’s such a massive museum that you really can’t go in there with a plan. Located on the eastern edge of Central Park along “Museum Mile”, you buy your ticket (or if you’re a Calculated Traveller like me, schedule your visit on a pay-what-you-want day) and literally, get lost. The Met is ENORMOUS, and if you’re a real museum-buff, then plan for spending at least a day here. As a general tip I would grab a couple of floor plans (just in case), set up a spot to meet up at a set time with your friends or family, and start exploring!

For those of you just starting to plan your first trip to the Met, here are five of the spots that seem to always catch my eye. Hopefully this will help you get an idea of the type of work that the Met has (which ranges from Contemporary Art to Ancient Art from around the world), and help try to plan your path through the galleries.
1. Tiffany Garden Landscape and Fountain




I find that the American Wing is a great starting place. I usually go the first thing in the morning – so I love getting some breakfast at the Café when everything is fresh and sit in the sculpture gallery. The museum opens at 10am, so it’s a great place to not only start your day, but to start off your visit to the Met!

Now, if you can get past the distraction (or marvel) of the famous sculptures in the center of the atrium, take a look at the side exhibitions on the first level, opposite the café. The Met holds quite the collection of early Louis C. Tiffany art glass (of Tiffany Studios) on the borders of the atrium. You might be familiar with the Tiffany contemporary clear glass that you most often see today, however early in his career, Tiffany began experimenting with iridescent glass and mosaics for architectural applications from churches to department stores, particularly in New York and Chicago. This fountain on display is said to have been a study for a commission in 1915.
2. Temple of Dendur






This one’s a given. It’s the work of art that is in all of the Google searches of the museum online; it’s also the biggest, most memorable spot in the Met. The Temple of Dendur is recreated in this grand light-filled space, giving you the chance to see what it’s like to walk through an Ancient Egyptian complex from 15 B.C. While the architecture is just something to marvel at, you might be asking – what makes this any different from any other Ancient Egyptian exhibit or temple recreation? Well, the most unique thing that I found about the Dendur complex is that it actually has 19th century graffiti visible, carved in by passersby to leave their mark. Take a close look at the walls and find the very familiar handwritten language carved into the stone!
3. Kwoma Ceiling





On the opposite side of the Met, the Kwoma Ceiling is hung above Asian-Pacific artifacts of New Guinea. The Kwoma people would build these ceremonial structures that would only consist of a roof on posts and beams. Villages would have one or two of these houses, and the roof would essentially span nearly to the ground level, as if it were a tent hovering over air. What’s really amazing about this is the amount of intricate details that were put into the ceiling structure; stories would be painted on the bark-like panels, representing people, animals or other natural phenomena associated with the village clans.
4. Armour of Henry II of France





The Met has an impressive collection of Arms and Armour, including this highly decorated Armour of Henry II of France from around 1555. Made of steel in various treatments, this is one of the most elaborate and complete French parade armours and retains much of its original colour. ‘Nuff said.
5. Panoramic View of the Palace and Gardens of Versailles


Couldn’t leave out a painting when talking about any Fine Arts museum. One that really caught my eye was the panoramic room of a 360 view of the Palace of Versailles. Completed in 1819 by John Vanderlyn, the painting offers the illusion of being smack in the middle of the famed palace gardens. Interestingly, this painting was essentially part of New York’s first “art museum”; the panoramic painting (166 feet in circumference) was displayed behind New York’s City Hall in a Rotunda built specifically for the painting.
BONUS: Rooftop Garden Café



This isn’t really a work of art, but it’s pretty enough of a view to consider it as such! Only accessible from a single elevator on the fifth floor in the middle of the European Sculpture and Decorative Arts gallery in the summer and fall seasons, the Met’s Rooftop Garden Café and Martini Bar is quite the hidden gem in the city. It offers some of the best views of Manhattan’s skyline with Central Park’s foliage in the foreground, and often has on display special contemporary art installations (past installations include those by Jeff Koons). Grab a drink and end your day off watching the sun set behind NYC’s tallest buildings!
What are your must see works of art at the Metropolitan Museum of Art in New York City? Share them in the comments below.By Jamie Kwan on September 25, 2014 in Destinations, United States fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti  http://www.calculatedtraveller.com/blog/5-must-see-works-art-metropolitan-museum-nyc/

Museu da Imprensa abre concurso de redação, desenho e artigo

Inscrições
Podem participar estudantes de todos os níveis de ensino, matriculados em escolas públicas e particulares de todo o país

A décima sétima edição do concurso nacional do Museu da Imprensa de Desenho, Redação e Artigo está com as inscrições abertas até 31 de dezembro. O concurso distribuirá R$ 30 mil em prêmios.

Podem participar estudantes de todos os níveis de ensino, regularmente matriculados em escolas públicas e particulares de todo o país. Os vencedores ganharão prêmios em caderneta de poupança, oferecidos pela Caixa Econômica Federal. Professores dos alunos vencedores também serão premiados.

Nessa edição, o desafio proposto na categoria Redação (Ensino Fundamental/6º ao 9º ano) é abordar o legado de Dorival Caymmi. Ainda em Redação, os estudantes do 1º ao 3º ano do ensino médio escreverão a respeito do sentimento nacional de Ary Barroso. Destaque também na categoria Artigo (Ensino Superior) para o tema “Importância dos museus na formação cultural do País”.

Os estudantes do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) podem concorrer na categoria Desenho trabalhando o tema “Ayrton Senna visita o Museu da Imprensa”. Como forma de incentivo, o professor indicado em cada um dos trabalhos dos alunos vencedores em 1º, 2º e 3º lugares, exceto na categoria Artigo, será premiado com uma caderneta de poupança da Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 700,00.
 
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.brasil.gov.br/cultura/2014/09/museu-da-imprensa-abre-concurso-de-redacao-desenho-e-artigo?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:%20Rss-Notcias%20%28RSS%20-%20Not%EDcias%29

Um Nouvel para seis séculos de arte chinesa


As novas instalações do Museu Nacional de Arte da China, em Pequim, é a mais ambiciosa das obras com construção prevista para o complexo de museus a nascer no parque das olimpíadas de 2008.


 
  PEDRO ARMESTRE/ AFP

Desconhecem-se tanto o custo do projecto como as datas previstas de arranque e conclusão de obra. As imagens, no entanto, já começaram a sua viagem internacional.

A partir do momento em que, no final da semana passada, o arquitecto francês Jean Nouvel apresentou em Pequim as simulações do que pretende que venham a ser as novas instalações do Museu Nacional de Arte da China (MNAC), a mais ambiciosa das obras com construção prevista para o complexo de museus a nascer no parque das olimpíadas de 2008.
Com uma área estimada de 130 mil metros quadrados na envolvente do Ninho de Pássaro da dupla suíça Herzog & de Meuron, o museu de Nouvel multiplicará por sete a área do museu actualmente sedeado junto à Cidade Proibida, no centro da capital. Deverá acolher obras correspondentes a seis séculos de criação artística, cobrindo um arco temporal que abre na pintura caligráfica da era Ming (1368-1644) e se prolonga até aos nossos dias.

Precisamente, ilustrando este programa expositivo, a sala central, terá um tecto trabalhado em dourado com o qual se ilustrará o desenvolvimento da arte e da cultura chinesas do século XV à actualidade. Mas são o jardim interior e o terraço panorâmico do projecto que mais têm chamado a atenção internacional.

Com uma longa fachada reticular perfurada, que filtrará a entrada do sol, Nouvel esconderá um jardim interior de grandes dimensões. Já o terraço, que parece reflectir o céu, terá ao centro um grande espelho de água cujas curvas orgânicas sublinham a sensação de imaterialidade de todo o edifício, um grande sólido rectangular de ângulos arredondados e aparentemente suspenso no ar sobre um anel metálico. “A nossa proposta é o resultado de um ano de catálise, imersão, diálogos e explorações para traduzir, sintetizar, simbolizar e materializar o espírito da civilização chinesa. O nosso objectivo é proteger os milagres criados a tinta através dos séculos, revelar a força da arte viva… acolher o artista de amanhã”, fez saber o Atelier Jean Nouvel, citado pelo site designboom.

No mesmo comunicado, o atelier explica ainda que o MNAC “está escrito no espaço como o fragmento de um ideograma dando intencionalmente a impressão de estar inacabado”: “Ao libertar-se do chão, impõe-se no céu. Assim, resiste às leis da gravidade ao mesmo tempo que afirma a sua presença.”

“O Museu Nacional de Arte da China representa uma incrível oportunidade para a mais ambiciosa materialização de um lugar de expressão… Um lugar que testemunha a vitalidade de uma civilização”, disseram, citadas pelo The Art Newspaper, as entidades oficiais chinesas. Segundo esta publicação, na conferência estavam ainda Nouvel e vários políticos chineses e franceses, entre os quais Laurent Fabius, o ministro dos negócios estrangeiros e desenvolvimento internacional.

Vencedor do Pritzker em 2008, Nouvel ganhou a obra depois de em 2012 as autoridades chinesas o terem convidado a apresentar projecto a par com arquitectos como Frank Gehry, Zaha Hadid e Moshe Safdie.

fonte: http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/um-nouvel-para-seis-seculos-de-arte-chinesa-1670625?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+PublicoRSS+%28Publico.pt%29

Museu Histórico e Artístico do MA recebe I Semana de Cultura de Moda

Evento promove o desenvolvimento da economia criativa local.




O Museu Histórico e Artístico do Maranhão, em São Luís, recebe até o dia 30 a I Semana de Cultura de Moda, evento que promove o desenvolvimento da economia criativa local, além de destacar a moda como um processo cultural e artístico. A programação faz parte do "Primavera dos Museus".

As peças em exposição sugerem transformação, criatividade e inovação, onde o antigo está em contraste com o contemporâneo. Os scarpins ganharam temas grafitados. Nas telas, os olhos sofisticados nos anos 30 deram um salto para o côncavo bem definido e marcado pelas cores escuras.

Há também bonecas com diversos figurinos, conforme cada época, da gótica a belle époque. No meio dessa cronologia da moda, o período rococó e seu volume e exagero, além das roupas do neoclássico, luxuosas, elegantes e discretas. O trabalho é fruto de um ano de pesquisa e três de execução. "O resultado foi bastante satisfatório", opinou Tallyson Vieira, pesquisador.

No local, uma oficina ao lado da exposição mostra como inovar, customizando aquelas peças antigas do guarda-roupas.Uma calça jeans, por exemplo, foi transformada em uma jardineira. A parte inferior da calça foi cortada. Uma das pernas virou a parte de cima da jardineira. O outro lado, aproveitado para alças. E os bolsos viraram detalhes. Para completar o look, os retalhos do jeans em formato de flor foram costurados em uma blusinha básica branca.

fonte: edisonmariotti #edisonmariotti http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2014/09/museu-historico-e-artistico-do-ma-recebe-i-semana-de-cultura-
Do G1 MA, com informações da TV Mirante
de-moda.html

Patrimônio cultural da Síria está em perigo

Nas regiões da Síria e do Iraque, ocupadas pelas forças extremistas, se assiste ao aniquilamento sistemático do patrimônio cultural desses dois países. As estatísticas avançadas pela UNESCO falam por si: ultimamente foram perdidas ou danificadas centenas de instalações históricas, bem como roubadas muitas amostras dos museus antigos.




Foto: RIA Novosti/Andrey Stenin
Foto de arquivo



O problema diz respeito não apenas à Síria e ao Iraque. A Primavera árabe veio afetar o legado cultural de outros países. As perdas sofridas por museus egípcios, sobretudo, nas zonas rurais, são bem conhecidas. Na Líbia, foram destruídas em parte as antigas vilas de Sabratha e Leptis Magna, fundadas por fenícios e consideradas “museus ao ar livre”.

Mas o maior prejuízo tem sido causado aos monumentos culturais da Síria e do Iraque. Nas últimas semanas foram devastados os museus de Mossul em que se encontravam coleções abrangendo os períodos históricos diversos – sumério, assírio, babilônico e islâmico. Foi igualmente demolida a maior parte do túmulo do profeta Yunus (Jonas) e da mesquita de Nabi Jonah.

Na Síria, segundo os dados do Fundo de Patrimônio Mundial, na sequência de operações militares e atos de vandalismo, foram danificados todos os objetos integrados na lista do Patrimônio Mundial. Cinco dos seis objetos dessa lista, incluindo a antiga cidade de Palmyra, o templo de cruzados Krak dos Cavaleiros e uns bairros de Antiga Aleppo foram igualmente afetados.

Os detalhes foram revelados à Voz da Rússia por Mamoon Abdul Karim, diretor-geral do Departamento de Patrimônio Cultural da Síria:

“A extinção do património cultural está cada vez mais iminente. Um exército de 2.500 funcionários e colaboradores do nosso departamento, trabalhando em diferentes províncias, têm arriscado suas vidas para inverter esta situação calamitosa. Nessa área, contudo, estamos sendo apoiados por entidades públicas e habitantes do país, apreensivos com o destino de monumentos antigos valiosos.

Infelizmente, hoje, no século XXI, vieram à tona as forças iletradas e malignas que podem, sem os remorsos de consciência, destruir legado cultural de um país inteiro. Eles querem que nós voltemos à época das trevas e barbaridades. Seus princípios dogmáticos e a mundividência menosprezam e desrespeitam as culturas antigas, motivo pelo qual foram destruídas várias regiões históricas da Síria, tendo sido atingidos os monumentos em Deir ez-Zor, os monumentos assírios no sul da vila de Al-Hasakah, a sepultura Shah Hamdan em Aleppo, construída no século I antes de Cristo e muitos outros monumentos”.

Os antigos artefatos procedentes de museus roubados e de escavações ilegais são transportados ilegalmente para o extrior. As amostras dos museus estão sendo procuradas em nível internacional. Algumas delas já foram repatriadas e devolvidas aos donos. Mas a “preza de arqueólogos negros” parece ter sido irrecuperável.

Apenas os esforços conjuntos da comunidade mundial podem vir a entravar estes processos negativos, prossegue Mamoon Abdul Karim:

“Apelamos a todos os países para, apesar de divergências políticas, se darem conta de uma enorme importância da civilização síria. Através dos esforços conjugados, compete-nos a nós, salvaguardar seus monumentos antigos”.

No melhor dos cenários, esta tarefa nobre ajudará, cedo ou tarde, a encontrar uma linguagem comum e estabelecer a paz na Síria. Enquanto a guerra não declarada continuar, a esfera cultural será a mais afetada.

Agendas Mundi LIII Ecuador - en CULTURA, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA,


“La naturaleza se complace con la sencillez: la naturaleza no es tonta”.
Isaac Newton



Nuestro periplo panamericano está a punto de concluir. En estos últimos tres meses hemos estado visitando los museos más importantes de Latinoamérica y hemos sacado conclusiones. De esta experiencia nos llevamos una idea principal: hay mucho, mucho trabajo que hacer en el campo de la museología y museografía en todos los países que hemos visitado, salvo escasas excepciones. Es un continente que debería ser un sueño para todos los profesionales y futuros profesionales de los museos, por todo el fantástico trabajo pendiente y que deberían afrontar con entusiasmo para renovar, construir, mejorar, planificar, promover, enseñar, impulsar, mantener, difundir los museos de sus respectivos países, eso para empezar. América tiene un patrimonio cultural, histórico, artístico, natural impresionante y los museos se quedan atrás. Uno de los tesoros fundamentales de todos y cada uno de los países del mundo es la preservación y difusión de sus raíces y forma de ser, en todas las expresiones del ser humano , contenidos que aportan saber y conocimiento al resto del mundo. Conocimientos que nos acercan a los demás pueblos, que es la manera más bonita de que haya paz. Los lugares donde es posible que el foráneo se encuentre con ese fantástico conocimiento está en los museos, no en los campos de fútbol, sentimos decirlo. Y otra cosa y acabamos con la reflexión que vuela en nuestras mentes. Señores promotores, gracias por hacer posible que haya nuevos museos en América, pero no se equivoquen, un gran edificio no hace museo, hace rico al arquitecto y al constructor, y…

Ecuador, nuestra puerta de salida de América hacia otros lugares con museos que visitar. La semana pasada dejamos atrás Lima para encarar el norte y llegarnos hasta Quito, parada y fonda. Como dato diferenciador, comentar que gracias a la campaña turística “Ecuador ama la vida”, la editora Lonely Planet consideró a Ecuador como uno de los lugares a visitar el año pasado, 2013. Ha sido seleccionado por varias instituciones internacionales, incluidas el diario español El País, TripAdvisor y la Asociación estadounidense de operadores turísticos, como el mejor del mundo para visitar; y la más reconocida Lonely Planet, considerada la biblia de los turistas, como el mejor destino en Latinoamérica y entre los 10 mejores del mundo para visitar. Mientras que World Travel lo calificó como el mejor destino verde a nivel mundial en 2012. También International Living lo calificó como el “Paraíso para jubilados retirados” y lo distinguió con el primer lugar en su Índice Anual de Retiro. Decir que el Camino Inca en la parte de Ecuador necesita que lo cuiden y mimen mucho más, aunque solo sea por respeto a El Inca. Vamos a ver que hay de los museos en Ecuador, que por cierto, están en red, enhorabuena. Comenzamos.

Museo Nacional de Quito (sin website) / Quito



El museo cuenta con la más completa muestra de la historia del arte ecuatoriano que permiten sus colecciones, y expuestas en cinco salas dedicadas al arte precolombino y oro prehispánico con 1241 piezas: arte colonial y decimonónico, con aproximadamente 500 obras de destacados artistas de la Escuela Quiteña como Miguel de Santiago, Bernardo de Legarda y del Arco, Caspicara, Pampite, etc. El arte decimonónico está representado por la dinastía de los Salas, Rafael Troya, Joaquín Pinto, Luis A. Martínez, etc. y el arte contemporáneo con alrededor de 170 obras de insignes artistas de la plástica ecuatoriana actual, como Kingman, Guayasamín, Viteri, Román, etc. En octubre del año 2010 el Museo Nacional del Banco Central pasa a formar parte del Ministerio de Cultura del Ecuador y se llama Museo Nacional Ministerio de Cultura del Ecuador.El museo se encuentra alojado dentro de las instalaciones del edificio de la Casa de la Cultura Ecuatoriana. Aunque no se encuentra del todo terminada, esta edificación estuvo incluida entre las obras a realizar en Quito con motivo de la XI Conferencia Interamericana de 1959. El edificio, contiguo a la antigua casa neocolonial que fuera la primera sede de la Casa de la Cultura, contrasta por su escala, estructura de hormigón armado y expresión moderna. El diseño es del arquitecto René Denis que invitado por Benjamín Carrión regresó de Francia con ese fin. Finalmente en 1975 se consiguió el apoyo gubernamental para concretar las áreas para museos, la Biblioteca Nacional y la radiodifusora. En 1984 se finalizó el Teatro Nacional con capacidad para 2.000 asistentes y en 1992 el Ágora para 4.000 personas y se adecuaron los espacios para los museos de la CCE y para el Museo Nacional.

Museo Camilo Egas (sin website) / Quito



Este museo ubicado en el Centro Histórico de Quito tiene como objetivo la conservación, promoción y difusión del valioso legado del artista moderno Camilo Egas. La casa colonial que alberga el museo fue edificada aproximadamente en el siglo XVIII y comenzó a funcionar como museo en la década del 80. La exposición permanente abarca varias etapas de la producción artística de Egas, entre la que se destacan distintos periodos, técnicas y temáticas. El legado de este artista, conocido por ser uno de los precursores del indigenismo ecuatoriano, se trae al presente a través de espacios educativos permanentes con la comunidad.. Este museo alberga la obra pictórica del artista moderno ecuatoriano, Camilo Egas, con el fin de poner en valor la trayectoria de este artista y a su vez educar en arte a la ciudadanía, debido a la versatilidad de la colección. Este artista es un icono en el arte ecuatoriano de inicios del S. XX y siendo el precursor del indigenismo es fundamental que se difunda su obra entre los ciudadanos ecuatorianos y los turistas extranjeros así como educar al público estudiantil de una manera innovadora (Fuentes: Museodata y Gobierno Ecuador).

Museo de Antropológico y Arte Contemporáneo de Guayaquil / Guayaquil



El objetivo que se ha planteado el Museo Antropológico y de Arte Contemporáneo Centro Cultural Libertador Simón Bolívar es reforzar el patrimonio cultural institucional, por medio de exhibiciones de una colección de 50.000 piezas arqueológicas nativas ecuatorianas y más de 3.000 obras de arte modernas.El MAAC ofrece muchos programas integrados que incluyen exhibiciones, conferencias, foros, proyecciones cinematográficas, arte escénico, a través del cual propone cubrir los retos de promoción del patrimonio cultural al servicio del desarrollo del país, y ayudar en educación cultural de la comunidad, en las bases de permanente intercambio, estimulando la consciencia crítica de una comunidad diversa (Fuente: Saltando Muros).

Museo Nahim Isaías / Guayaquil



El Museo Nahim Isaías, ubicado en la Plaza de la Administración de la Ciudad de Guayaquil, tiene como misión difundir el arte colonial. El museo posee alrededor de 2.500 piezas de la colección del filántropo Nahim Isaías Barquet, estudiado de la Escuela Colonial de Quito. Actualmente dichas piezas le pertenecen al Banco Central El Museo Nahim Isaías brinda servicios como: exposiciones permanentes de cosmogonías (los cuatro elementos, agua, fuego, tierra, aire), centro documental, centro de información turística, tienda de recuerdos, sala de usos múltiples, talleres, y programas de cultura. En la planta baja “Vientos de Ría” que tiene un carácter histórico y muestra el estudio de la antigua Provincia de Guayaquil y el surgimiento de la ciudad puerto, esta abarca los siglos XVI hasta el XIX. En el primer piso está la Sala de Exposiciones Temporales e Itinerantes. En el segundo, como muestra permanente dedicada al arte colonial, se exhibe“ Cosmogonías”, muestra de carácter iconográfica, integrada por obras representativas del fondo “Nahim Isaías” (Fuente: Fundación Nahim Isaías).

Museo y Parque Arqueológico Pumapungo (sin website) / Azuay, Cuenca



El museo ofrece varios componentes interesantes como: la sala etnográfica nacional, la sala arqueológica y museo de sitio donde se puede aprender sobre la historia de Pumapungo desde la época cañarí, inka y la actualidad, la exposición sobre el tejido patrimonial de Gualaceo “IKAT”, la exposición “Oro y Plata Milenarios”, hermosa exposición que ilustra la maestranza en el trabajo de los metales y su simbología para las culturas prehispánicas e Inca en el Ecuador, el Parque Ancestral Pumapungo conformado por el parque arqueológico de varias hectáreas, vestigios del majestuoso centro administrativo, militar y religioso que fue Pumapungo, el parque etnobotánico y chacra andina, que contienen más de 200 especies de plantas nativas, diariamente visitado por más de 30 especies de aves, y el centro de rescate y avifauna donde se pueden apreciar más de 50 aves que han sido rescatadas del tráfico ilícito de especies, loros, tucanes, águilas, pavas de monte, llamas, entre otros.

Museo de Loja (sin website) / Loja



El objetivo del museo es el de fomentar las artes y proporcionar al artista plástico, el espacio físico adecuado y moderno que permita fomentar las diversas manifestaciones culturales de artes plásticas, a través de exposiciones itinerantes de gran calidad. Ofrecer al visitante nacional y extranjero el disfrute y entretenimiento cultural con la exposición física de nuestra identidad local. El Museo fue construido en 1999 pero inicia su funcionamiento en el año 2001, cuenta con cuatro salas de exposición itinerantes las mismas que han acogido a artistas locales, nacionales y extranjeros quienes han deleitado a la colectividad con exposiciones de pintura, escultura y artesanías; es importante señalar que estas exposiciones se llevan a cabo mensualmente. La seguridad de las obras de arte que se exponen la realizan los miembros del a Unidad de Seguridad Urbana. El ingreso a las instalaciones del Museo Puerta de la Ciudad es totalmente gratuito (Fuente: Ayuntamiento de Loja).

Museo y Centro Cultural de Riobamba / Riobamba



El Museo Regional incluye una colección de bienes culturales de la época aborigen desde su etapa más temprana (Paleoindio), hasta la incursión Inca (siglo XV) en las actuales provincias de Bolívar y Chimborazo, y muestra las conexiones culturales con las provincias de Tungurahua, Cañar, Pastaza y Morona Santiago. La Muestra Permanente de Arqueología esta organizada en dos salas: La sala de Arqueología General, que presenta una síntesis de la arqueología ecuatoriana en sus distintos períodos: Paleo indio, Formativo, Desarrollo Regional, Integración e Inca. La sala de Arqueología Regional que muestra, cronológicamente, a los diferentes grupos humanos que se asentaron en la Sierra Central del país (provincias de Tungurahua, Bolívar y Chimborazo). La muestra Arte Colonial está destinada a la Mariología (¿Ciencia que estudia a la Virgen María?). La Sala de Exposiciones Temporales exhibe muestras de artistas contemporáneos y muestras itinerantes procedentes de la Dirección Cultural – Quito. (Fuente: Viajando x Ecuador).

Museo Regional Sierra Norte (sin website) / Ibarra



Museo Antropológico de Esmeraldas (sin website) / Esmeraldas



Se encuentra en el Centro Cultural Esmeradas del Banco Central contiene una muestra representativa relacionada con aspectos de la vida de algunos pueblos del siglo pasado, su dinámica y desarrollo social cultural a través del tiempo y espacio. El museo presenta los diferentes periodos de la época precolombina: Paleondio, Formativo, Desarrollo Regional e Integración, donde se visualiza la historia antigua de los primeros habitantes del territorio ecuatoriano. La colección alberga una muestra representativa de la cultura La Tolita (600 a.C-400 d.C.), que ocupó la zona costanera del norte del Ecuador. Con una antigüedad de 2.600 años, los pobladores de La Tolita fueron los primeros en trabajar el platino, metal cuya aleación con el oro requiere de altas temperaturas. En el museo se puede apreciar las diversas técnicas ancestrales de los objetos dedicados al culto y los adornos corporales. (Fuentes: varias).

Museo y Archivo Histórico de Portoviejo (sin website) / Portoviejo



El museo se originó con una colección de periódicos antiguos que en la actualidad se resguardan en el Archivo Histórico de la ciudad. Uno de los objetos emblemáticos durante el recorrido es la prensa tipográfica fabricada en 1903, en la que se imprimía el Semanario Eloy Alfaro en 1927, exhibido en la Sala Memorias del Archivo junto con otros diarios de la época. El museo alberga exposiciones temporales y una colección permanente de arte popular que contribuye a mantener vigente la cultura manabita a través de la promoción de la tradición artesanal de la zona. El espacio además cuenta con un área para la investigación científica, un centro documental y la Biblioteca Municipal Pedro Elio Cevallos. El recorrido por el Museo Portoviejo empieza en la planta baja y comprende: “La Tienda de Libros y Artesanías” donde se encuentran a la venta ediciones del Banco Central, objetos elaborados en tagua y réplicas de nuestras piezas arqueológicas; y la “Exposición En los Tiempos del Tren” que muestra -por medio de documentos y fotografías- la importancia que tuvieron las líneas férreas en Manabí a principios del siglo XX. (Fuentes: varias).

Museo de la Bahía de Caráquez / San Antonio de Caráquez



La creación del Museo Bahía de Caráquez estuvo motivada por la necesidad de disponer de un museo donde se pudieran conservar, clasificar y exponer los materiales arqueológicos, etnográficos, de artes decorativas del país. Muchos objetos reposan en colecciones privadas y públicas cuyo valor se reduce a lo puramente estético y poco aportan sobre el modo de vida de los pueblos pasados. Por tal razón, y por esfuerzo de los propios habitantes del cantón Sucre, se logro la creación del Museo de la Ciudad Bahía de Caráquez; sitio lleno de riqueza cultural, ancestral que no debe dejar de visitar. La colección con la posee el Museo Bahía de Caráquez contiene piezas arqueológicas de las diferentes periodos de desarrollo de la Arqueología ecuatoriana pero enfatiza a las culturas que se asentaron en la provincia de Manabí, donde se puede observar piezas milenarias de las Culturas Valdivia, Chorrera, Machalilla, Jama – Coaque I y II, Bahía y Manteña. (Fuente: Ecostravel).

Museo Arqueológico Amantes de Sumpa / Santa Elena



Al sur este de la ciudad de Santa Elena, en la provincia del Guayas, se encuentra el Museo Arqueológico Los Amantes de Sumpa. Este último vocablo identifica el nombre nativo de la Península de Santa Elena y el sitio arqueológico más antiguo de la costa ecuatoriana, donde se descubrieron los restos de un asentamiento precerámico con evidencias de viviendas, un basurero y un cementerio. La evidencia arqueológica más conocida de este sitio constituye el enterramiento formado por dos individuos jóvenes (hombre y mujer) depositados en posición flexionada y con los brazos entrelazados. Sobre los esqueletos se encontraron varias piedras ubicadas en diferentes lugares de los cuerpos, como si se tratara de las evidencias de un acto de lapidamiento o de algún rito funerario. Lo cierto es que este hallazgo causó gran admiración en la población de la zona que empezó a reconocerlos como “los amantes de Sumpa”. A pesar de que este testimonio resulta ser el más significativo de la excavación del sitio OGSE 80, la importancia del mismo sobrepasa este descubrimiento por cuanto el sitio Las Vegas es hasta hoy la única evidencia de un asentamiento paleoindio de la costa del Ecuador (aproximadamente 7000 años a.C). (Fuente: Gobierno de Ecuador).

Abandonamos el nuevo continente y abrimos las puertas a nuevas experiencias en otras tierras más allá de los mares. Nuestra primera etapa fuera del continente Americano será en Hawaii, tiramos hacia el oeste. Ya tenemos preparada la camisa floreada, la tabla de surf la alquilaremos en destino, resulta engorrosa para viajar con ella en avión. Mientras llegan las mavericks… ¡Feliz semana a todos!

BIBLIOGRAFÍA:

PRADO, B.
Ecuador: Poesía 1986 – 2001 y otros poemas
Editorial Hiperión, 2009
Resumen del libro: Benjamín Prado publicó en el siglo XX cinco libros de poemas: Un caso sencillo (1986), El corazón azul del alumbrado (1990), Asuntos personales (1991), Cobijo contra la tormenta (1995, Premio Hiperión) y Todos nosotros (1998). Posteriormente han aparecido Iceberg (2002) y Marea humana (2007). No se trata este volumen de una mera recopilación de sus primeras cinco obras pues no sólo muchos de los poemas han sido reescritos en su totalidad y presentan numerosas variantes sino que también se incorporan al libro gran cantidad de poemas inéditos. Prado es asimismo autor de múltiples novelas, libros de relatos y ensayos y su obra ha sido traducida a casi una docena de idiomas.

GARCÍA RIVADENEIRA, E. A.
De la A a la Z: Ecuador
Editorial Everest, 2014
Resumen del libro: La colección De la A a la Z dedica sus títulos más recientes a varios países de América. Siguiendo el abecedario, el autor de este libro, Edgar Allan García, ha elegido 28 palabras sobre diferentes temáticas: geografía física, política, humana, historia, deporte, arte, naturaleza, leyendas, fiestas, personajes famosos, gastroeconomía, folcloreque definen su país de origen, Ecuador, para ofrecernos un texto rimado que recrea cada tema dándonos a conocer la esencia de este bonito lugar. Además, el texto rimado se completa con breves textos en prosa, que añaden más información y nos proporcionan datos básicos sobre cada tema tratado.

SÁNCHEZ, P.
El brujo del viento
Ediciones SM, 2005
Resumen del libro: El indio no llegó desde el otro lado del mundo, de un país llamado Ecuador, al principio, Rollo, Zampa, Camaleón, Trepa e Inés no se fijaron mucho en él. Pero luego descubrieron que era un as del balón.. y mucho, mucho después, averiguaron que era nieto de un curandero.. y tenía poderes.

MELVILLE, H.
Las encantadas
Artemisa Ediciones, 2006
Resumen del libro: Los diez fragmentos descriptivos de las islas Galápagos, en Ecuador, que integran Las Encantadas, son una deliciosa colección de relatos sui generis que no veían la luz en castellano desde hace décadas y se presentan ahora, en la magnífica traducción de Ana Lima, para completar el reciente rescate de la narrativa breve de Melville.

fonte