Listen to the text.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Para evitar crise, centros culturais de São Paulo oferecem de música eletrônica a aulas de ginástica

Veja o raio X de seis grandes instituições da capital paulista e o que cada uma oferece


Em busca de aumentar o número de visitantes, os principais centros culturais e museus da capital paulista estão encaixando nas programações outros atrativos que vão além das exposições. O R7 fez um raio X de seis grandes instituições e o que cada uma oferece.

Um dos exemplos mais claros desse reposicionamento é o caso do MIS (Museu da Imagem e do Som). Desde 2009, a instituição investe em diversas atividades para todos os tipos de público.

Renata Vieira da Motta, responsável pela área de museus da Secretaria Estadual da Cultura de SP, explica que o acervo do MIS foi repensado para se adequar às mudanças tecnológicas na área audiovisual. O prédio também passou por reforma, concluída em 2008.

— Quando o museu foi reaberto, entendeu-se a partir de uma avaliação, que atuar em uma frente de experimentação digital permanece como sendo importante, mas o museu também tinha que se abrir para uma programação mais diversificada e que atraísse um público mais significativo. E aí houve uma mudança importante na programação cultural da instituição.

Atualmente, as atividades do MIS incluem desde o público adulto, com as sunset parties — festas com música eletrônica a partir do fim da tarde —, até crianças, com as maratonas infantis — um domingo por mês em que há exibição de filmes, oficinas, circo, teatro, narração de histórias, shows e outras atividades.

O Memorial da América Latina tem, desde março de 2012, o projeto Praça do Memorial, que busca popularizar a programação. São oferecidas atrações musicais, lúdicas e recreativas com entrada gratuita. Também para atrair famílias, foi construído um parque infantil, pista de caminhada e circuito de ginástica para a terceira idade. Na feira cultural, o visitante encontra tendas de comidas e bebidas típicas latino-americanas, bazar de livros, discos e brinquedos.

Inaugurado em 2001, no centro da capital, o CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) já abriu as portas com o conceito de um espaço com atrações diversificadas. Atualmente, a instituição abriga grandes exposições, peças de teatro, apresentações musicais e cinema.

O diretor Marcos Mantoan conta que, desde o início, o centro cultural quis atrair um público diverso.

— Sempre mantivemos uma grade com linguagens e formatos variados. Tudo é gratuito, exceto cinema e teatro, que têm preço popular, para manter a organização da sala e a qualidade para o espectador.


fonte:
http://noticias.r7.com/sao-paulo/para-evitar-crise-centros-culturais-de-sao-paulo-oferecem-de-musica-eletronica-a-aulas-de-ginastica-16022014

 

História e arte a um ‘clique’ de distância






Dois grandes museus colocam à disposição dos internautas 155 mil imagens e 474 títulos para download gratuito
[ i ]


Manaus - O ‘Metropolitan Museum of Art’, de Nova York, um dos maiores e mais importantes museus do mundo, disponibilizou parte de suas publicações para download gratuito. São 474 livros. As obras disponibilizadas foram publicadas entre 1964 e 2013 e compreendem todo o período da história da arte — ressaltando as características artísticas distintivas e influentes, classificando as diferentes formas de cultura e estabelecendo a sua periodização.

Além de estudos críticos, o acervo também contempla estudos biográficos de artistas como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Van Gogh, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rembrandt, Claude Monet, Rosa Bonheur, Georgia O’Keeffe, John Singer Sargent e Utagawa Hiroshige. Os livros estão disponíveis para download no formato PDF ou podem ser lidos online.

Obra de arte acessível

O museu holandês Rijksmuseum, um dos maiores museus da Europa, dedicado a artes e história, também disponibilizou para apreciação, online ou download, parte de seu gigantesco acervo. São aproximadamente 155 mil obras.

Durante a era de ouro das navegações, período da História compreendido entre 1584 e 1702, quando navios holandeses dominavam as rotas mercantes do globo e o país se transformou na primeira potência capitalista do ocidente, a crescente burguesia demandava uma vasta produção de retratos e pinturas, florescendo o comércio, a ciência e, sobretudo, as artes. Poucos países tiveram tamanha produção artística e com tal qualidade como a Holanda desse tempo.

A coleção de pinturas do Rijksmuseum inclui trabalhos dos principais mestres do século 17. Nomes como Jacob van Ruysdael, Frans Hals,Fra Angelico, Vermeer e Rembrandt fazem parte do acervo. Obras como ‘A Noiva Judia’ (1665), ‘A Ronda Noturna’ (1642), ‘De Staalmeesters’ (1662), de Rembrandt; ‘A Leiteira’ (1660), de Johannes Vermeer; ‘Paisagem de Inverno’ (1608), de Hendrick Avercamp; ‘Retrato do Casal Isaac Abrahamsz Massa e Beatrix van der Laen’ (1622), de Frans Hals; e ‘Retrato de Adolf en Catharina Croeser’ (1655), de Jan Steen, estão disponíveis para download gratuito.

Os usuários podem explorar toda a coleção por artista, tema, estilo ou semelhança. Todas as imagens estão disponíveis em alta resolução. Para fazer o download, é necessário um registro simples no site www.rijksmuseum.nl/en/explore-the-collection ou logar-se usando a conta do Facebook. Em seguida, basta clicar sobre a opção (download image) localizada abaixo da obra selecionada e mandar salvar.

fonte:
http://www.d24am.com/plus/artes-shows/historia-e-arte-a-um-clique-de-distancia/106344