sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Museu do Louvre redescobre tetos palacianos de Paris

Museu inaugura exposição que busca reconstruir população de míticos heróis e deuses que reinavam em Paris no século XVII a partir dos tetos de seus palácios




Museu do Louvre: exibição explora quatro lugares emblemáticos da capital francesa

Paris - O Museu do Louvre inaugura ao público nesta quinta-feira a exposição "Peupler les cieux", uma espécie de reconstrução da seleta população de míticos heróis e deuses que reinavam em Paris no século XVII a partir dos tetos de seus palácios mais luxuosos.



"Os autores das 88 obras selecionadas também se encontram entre os maiores de seu tempo, de Le Sueur a Le Brun, Perrier e La Fosse, já que aquele fastuoso ornamento palaciano foi um dos setores mais importantes da produção artística do "Grande Século" em Paris", explicou à Agência Efe a curadora da mostra, Benédicte Gady.

Fruto de um trabalho de décadas de pesquisa e de um projeto cultural aprovado em 2011, a exibição explora, até o próximo dia 19 de maio, quatro lugares emblemáticos da capital francesa, o Louvre, o desaparecido Palácio das Tulherias, incendiado em 1871, o de Mazarin e o Palácio Lambert.

De acordo com a curadora da mostra, esses espaços eram ocupados por grandes pintores, escultores e, às vezes, também por artistas anônimos sem vocação para celebridade. Eles "faziam obras maravilhosas", muitas delas desaparecidas hoje, a não ser, por definição, os "objetos de museu", explicou.

As obras em questão foram criadas para "lugares particulares" e, por isso, seguiam sua própria sorte, salvo quando estas ocupavam museus como o Louvre - onde a Galeria de Apolo pintada por Charles Le Brun é um teto e um espaço museográfico ao mesmo tempo - ou quando abrigavam palácios reais e palácios museus, como Versalhes, lembrou a curadora.

fonte:
http://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/noticias/museu-do-louvre-redescobre-tetos-palacianos-de-paris

 

Património: Tese de mestrado sobre os museus eclesiásticos e a sua missão pastoral

Lisboa, 20 fev 2014 (Ecclesia) – O investigador André Afonso defendeu esta quarta-feira, na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, a dissertação de mestrado em Museologia e Museografia intitulada ‘Os Museus Eclesiásticos e a sua Missão Pastoral: Obstáculos e necessidades no Patriarcado de Lisboa’.

“Partindo das vastas e criativas potencialidades dos museus eclesiásticos ao serviço da evangelização, missão fundamental da Igreja, pretende-se analisar, no presente trabalho, a forma como esta dimensão pastoral se encontra desenvolvida no contexto do tecido museal do Patriarcado de Lisboa, investigando os obstáculos e necessidades que se colocam na operacionalização desse determinante vetor”, refere o autor na apresentação da dissertação de mestrado, citada pelo Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja.

André Afonso, que obteve a classificação final de “Excelente” desenvolveu o trabalho abordando “algumas problemáticas associadas aos bens culturais e aos museus da Igreja, procurando enquadrar teórica e concetualmente estas temáticas, relacionando-as, por um lado, com a missão e ação da Igreja e, por outro, com determinados aspetos da teoria e da prática museológicas”.

Num segundo momento o investigador procedeu a um diagnóstico à realidade museal do Patriarcado de Lisboa, “identificando as unidades de natureza museal existentes, procedendo à sua análise crítica individual, bem como analisando o tecido diocesano no seu todo”.

O objetivo final da dissertação foi formular uma proposta de qualificação do setor através da criação de uma “Rede de Museus e Coleções visitáveis do Patriarcado de Lisboa”.


fonte:
http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?&id=99149