quinta-feira, 13 de março de 2014

Museu Histórico de Santa Catarina promove discussões no aniversário de Florianópolis


Em virtude do aniversário de Florianópolis, no dia 23 de março, a equipe do Núcleo de Ação Educativa do Museu Histórico de Santa Catarina – Palácio Cruz e Sousa, espaço administrado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC) no centro de Florianópolis, contribuirá com o calendário de eventos da cidade com discussões que pretendem fomentar o diálogo e o fortalecimento da temática das relações sociais na capital do Estado.






Na programação, estão previstas a mesa redonda "Escola x Cidadania x Cidade" e o evento Conversas no Museu, com o tema "Florianópolis: olhares sobre a cidade", respectivamente nos dias 19 e 20 de março, no auditório do Museu, com entrada gratuita.

Confira a programação:

Dia 19/03 (quarta-feira)
14h: Mesa Redonda “Escola x Cidadania x Cidade"
Participantes:
Rodolfo Joaquim Pinto da Luz (secretário municipal de educação de Florianópolis);
Nara Regina Lange Livramento (coordenadora do Projeto Câmara de Vereadores Mirins da Câmara Municipal de Vereadores);
Raquel Terezinha Todeschini (representante da Secretaria Estadual de Educação);
Um representante da Escola do Legislativo.
Mediação: Alfredo Balduino Santos (Coordenador de Extensão da Udesc).

Dia 20/03 (quinta-feira)
14h: Conversas no Museu “Florianópolis: olhares sobre a cidade”.
Participantes:
Sandra Regina Born, com o tema “Falas na cidade de Florianópolis: Relações de poder e formação de redes sociais (1945-1964)". Sandra é funcionária da Secretaria de Estado da Educação, coordena línguas estrangeiras Alemão na Diretoria de Educação Básica e Profissional. Graduada em História. Mestre em Educação, Sociedade e Cultura (Universidade do Estado de Santa Catarina Udesc).
Maria da Graças Maria, com o tema “Imagens invisíveis de Áfricas presentes” (sobre as experiências cotidianas das populações afrodescendentes em Florianópolis / 1930-1940). Maria é graduada em História e Mestre em História (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC). Atualmente é professora colaboradora da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC).
Mediação: Renilton Roberto da Silva Matos de Assis (museólogo da Fundação Catarinense de Cultura - FCC).


fonte:
http://www.portaldailha.com.br/noticias/lernoticia.php?id=21465

Yoko Ono realiza performances no Museu Guggenheim de Bilbao

Ela mostrou 'Sky piece to Jesus Christ', 'Promise piece' e 'Action painting'. Exposição retrospectiva de sua obra é inaugurada na Espanha.
 


A artista plástica, cantora e performer Yoko Ono realizou nesta quarta-feira (12) três performances no Museu Guggenheim de Bilbao, na Espanha, onde foi acompanhada por um auditório inteiramente lotado. No entanto, essas encenações serviram apenas como um aperitivo para a exposição retrospectiva "Yoko Ono. Half-A-Wind Show", que será inaugurada amanhã na pinacoteca da cidade espanhola e aparece como uma das mais esperadas dos últimos anos.

A viúva de John Lennon realizou duas de suas principais performances: "Sky Piece to Jesus Christ" e "Promise Piece", assim como a recente "Action Painting", em uma nova versão criada especificamente para o Guggenheim Bilbao.

Na primeira representação, "Sky Piece to Jesus Christ", voluntários ataram Yoko entre os integrantes de uma orquestra de câmara até que os mesmos não conseguissem mais tocar. O público interagia e achava graça, enquanto os músicos, transformados em casulos, tentavam tocar entre as frestas que restavam, ação que, segundo ela, representa a luta contra as ataduras cotidianas.

Na sequência, Yoko deu início a "Action Paiting", executada pela primeira vez há dois anos. Em Bilbao, a obra contou com um número maior de telas que sua versão anterior - 11, no total. Nestas, a artista pintou com tinta "sumi", preto sobre branco, alguns caracteres de caligrafia japonesa.

Depois, tomou a palavra para explicar a ação: "Na escola elementar, todas as crianças japonesas cantavam uma oração na qual um guerreiro queria atravessar sete desgraças e oito sofrimentos para contribuir com um mundo melhor. "Me parecia algo incrível. Eu queria ser assim", lembrou.

"Com o tempo, eu me esqueci dessa oração e muitas desgraças me aconteceram. Até que, em certo momento, achei que isso já era demais e disse "basta!". Transformei essas sete desgraças e oito sofrimentos em sete felicidades e oito tesouros, aqui representados" (nos caracteres da caligrafia japonesa), completou. "Essa é minha contribuição a esta bela cidade do País Basco que é Bilbao", concluiu a artista.

A terceira e última "performance" se tratava de um clássico: "Promess Piece", executada pela primeira vez em Londres em 1966. Naquela ocasião, Yoko Ono quebrou uma jarra no palco e pediu ao público que pegasse os pedaços, prometendo reuni-los depois de dez anos para recompor a jarra. Em Bilbao, está representação incluiu duas jarras, uma que permaneceu intacta e outra que se repartiu em diversos pedaços sob a mesma promessa de voltá-los a reunir dentro de uma década.

A atuação da artista, que durou cerca de meia hora, serviu como uma espécie de prelúdio para a inauguração da exposição "Yoko Ono. Half-A-Wind Show", que reúne cerca de 200 obras que esmiúçam o complexo universo artístico da artista em quase seis décadas de produção.

fonte:
http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2014/03/yoko-ono-realiza-performances-no-museu-guggenheim-de-bilbao.html