Listen to the text.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Museu de História Natural pretende abrir cinco cofres



O Museu de História Natural e da Ciência de Lisboa, com 400 anos de vida, tem intactos cinco cofres que poderão ser abertos brevemente para investigação, disse à Lusa Marta Lourenço, investigadora daquela instituição.


(notícia corrigida às 15:30, por indicação da agência Lusa)

O Museu da antiga Escola Politécnica portuguesa, pertencente à Universidade de Lisboa, está a pesquisar todos os documentos que existem na casa e que possam estar dispersos, esquecidos ou à espera de ser encontrados, para os divulgar, incluindo material que está num cofre dos Jesuítas datado do século XVII.

Recentemente, o Museu encontrou numa das gavetas fechadas à chave um espólio contendo desenhos e manuscritos inéditos do naturalista Francisco Arruda Furtado, famoso cientista português, oriundo dos Açores, que manteve correspondência com Charles Darwin, o naturalista britânico que defendeu a teoria da evolução das espécies através da seleção natural.

Apesar de descrever a descoberta como uma «mina para a História», dada a importância que representa para a ciência, a investigadora adiantou à Lusa que, «nos quatro hectares do Museu no centro de Lisboa, que tem vários edifícios dispersos, com muita gente a trabalhar com coisas sempre diferentes e durante quase 400 anos», ainda existem «cinco cofres por abrir, um deles do século XVI».

Em 1978, o edifício foi consumido por chamas que destruíram parcialmente o espólio científico-cultural, resultado em grande parte da investigação do próprio Museu, de várias expedições científicas, bem como de doações.

fonte:
http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=3805547

Museu não se manifesta sobre os problemas.

Procurado pela reportagem da Folha por telefone, e-mail e mensagens de texto, o Masp informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não se manifestaria ontem sobre atrasos nos pagamentos de funcionários, nem sobre negociações para mudar a diretoria e possíveis parcerias com outras empresas.

Em nota oficial, a Vivo afirma que "cumpriu e está cumprindo todas as suas
obrigações com o Masp".

fonte:
Folha

Masp busca parceria para sair da crise financeira

A crise financeira do Museu de Arte de São Paulo (Masp) levou a instituição a
buscar apoio na iniciativa privada, em busca de uma saída para o pagamento das dívidas assumidas para sua manutenção e administração.


Com uma dívida em torno de R$ 10 milhões, a direção do Masp iniciou conversas com os diretores do Banco Itaú em busca de parceiros que garantam o pagamento os compromissos assumidos e a sustentabilidade do museu, sem dinheiro para reformas ou bancar grandes mostras em parceria com instituições internacionais.

A diretoria do Masp confirma que procurou várias instituições "que têm se mostrado sensíveis à causa do Masp, pleiteando a participação abrangente de grupos empresaria is neste novo modelo de sustentabilidade que estamos construindo para o museu, também buscando apoio de pessoas físicas nesta empreitada de fortalecimento do museu".

Uma das pessoas chamadas a prestar consultoria sobre a precária situação financeira do museu foi Heitor Martins, ex-presidente da Bienal Internacional de São Paulo, consultor financeiro e um dos sócios da McKinsey & Company, que está em Nova York a negócios. Por causa dessa análise financeira, o nome de Martins era apontado nesta quarta-feira, 09, por várias pessoas do meio cultural como o provável candidato a substituir a atual presidente do Masp, Beatriz Pimenta Camargo, o que não foi confirmado pela instituição. "Heitor, sem dúvida, é um nome a ser considerado, em razão do trabalho excepcional realizado à frente da Bienal, porém ainda não há nenhuma decisão concreta sobre este tema até o momento", segundo a diretoria do Masp. A reportagem, até o fechamento desta edição, não conseguiu falar com Martins em Nova York.

Em 2008, quando a Fundação Bienal acumulava uma dívida de R$ 4,7 milhões e quase perdera a credibilidade entre produtores culturais, Martins surgiu como o super-homem capaz de salvar a instituição, conseguindo realizar uma mostra memorável e corajosa em 2009, ao bancar um elenco de 150 artistas, entre eles Nuno Ramos, que apresentou uma instalação polêmica, com urubus, embargada pelo Ibama.

Não sem razão, o nome de Heitor Martins circula extraoficialmente como o provável candidato à direção do Masp. A dívida do museu deve ser paga com verba não incentivada, o que levou a direção do museu a buscar parceiros privados como o Itaú para constituir um pool de pessoas jurídicas capaz de sanear sua crise financeira.

A captação de recursos para o Masp associada ao nome do Itaú levou a
especulações sobre o papel do banco na gestão da instituição. Pouco provável.

Para isso, seria necessária uma revisão da governança, dos estatutos e dos
quadros de liderança do museu. A direção da instituição não anunciou nenhuma medida nesse sentido.

Com mais de 7 mil peças num acervo avaliado em US$ 1 bilhão, o museu vem
enfrentando uma crise financeira há anos. Chegou a ter linhas telefônicas
bloqueadas por falta de pagamento, atrasou contas de luz com a Eletropaulo e entrou em confronto jurídico com a Vivo por causa do anexo que está sendo
construindo num prédio vizinho, cujas reformas estão paralisadas há anos.

As informações são do jornal: O Estado de S. Paulo.

Miss Mundo Surda Thaisy Payo é a convidada especial para exposição de arte

A surda mais bonita do mundo Thaisy Payo foi a convidada especial para o coquetel do Vernissage no Hebraica em São Paulo nesta terça-feira(8), na galeria de arte Carré D`Artistes para a exposição "Art for All".

A exposição fica até 05 de Maio e conta com a presença diária de artistas, grandes empresários e políticos, Thaisy Payo que é a atual Miss Mundo Surda, recebendo seu título na República Tcheca ganhou a admiração da consuleza francesa Alexandra Baldeh Loras, esposa do consul Damien Loras que apoiam o evento e fizeram o convite a Miss, Thaisy Payo que é muito reconhecida na Europa, não possui o mesmo valor no Brasil, a paranaense que negou ser a embaixatriz surda no leste Europeu para tentar colocar seus ideais e causas no Brasil em prática, onde vem encontrando diversas dificuldades, uma delas é de apoio, patrocínio e trabalho.

Em conversa com Thaisy ela diz que recebe muitos convites para eventos em diversos estados do Brasil principalmente quando tem apoio estrangeiro. - "Meu assessor sempre me manda eventos que recebe convite para minha presença, tento ir nos que acontecem em São Paulo, pois vivo aqui, mais geralmente até para mídia passo despercebida, quando na Europa pediam autógrafos na rua". Disse Thaisy.


fonte:
http://entretenimento.surgiu.com.br/noticia/146990/miss-mundo-surda-thaisy-payo-e-a-convidada-especial-para-exposicao-de-arte.html


SP terá maior intervenção de grafite a céu aberto da América Latina.

Nos próximos dias, as pessoas que passarem pela Radial Leste, na altura da estação Patriarca, poderão conferir os primeiros 60 metros do Projeto 4KM. Ação inédita traçará uma nova galeria de arte até a estação Corinthians-Itaquera, na zona leste da capital. A região vai receber a abertura da Copa do Mundo 2014. A obra será a maior intervenção de grafite a céu aberto da América Latina e é uma ação do Governo do Estado. 






Serão 70 artistas, famosos ou não, que assinarão a obra. Para participar, os interessados podem se inscrever no site Turismo em São Paulo até o dia 15 deste mês. A avaliação será feita por uma comissão técnica que levará em conta os seguintes critérios: criatividade, qualidade, adequação ao meio e ao tema proposto. Os artistas serão escolhidos até o dia 16 de abril, e a execução dos 4 km de grafitagem será concluída em três meses.

Todos os escolhidos terão a oportunidade de criar uma obra sobre temas referentes a cidade de São Paulo, o futebol e a torcida brasileira. Além disso, receberão toda a infraestrutura e material para desenvolver seus grafites. Cada artista receberá 50 latas de spray, mais uma cota de látex.

O Projeto vem sendo estruturado há dois anos e meio pela Secretaria de Turismo e pelo Comitê Paulista para a Copa do Mundo 2014 com apoio da Secretaria da Cultura e do Metrô. Aprovado pela Comissão de Proteção à Paisagem Urbana da Prefeitura de Sâo Paulo, a obra também terá patrocínio da iniciativa privada, mas as marcas de patrocinadores terão exposição institucional temporária, em cumprimento à Lei Cidade Limpa.


Do Portal do Governo do Estado

Dia Internacional dos Museus 2014 - “Museus: as coleções criam conexões”

O Comité Consultivo do ICOM propôs o tema Museus: as coleções criam conexões para as comemorações do Dia Internacional dos Museus. 

A Direção-Geral do Património Cultural, como habitualmente, vai participar ativamente na organização do 18 de maio e da Noite dos Museus (17 de maio), dinamizando um conjunto variado de atividades e iniciativas nos seus museus, momumentos e palácios nacionais. 

[Vai ainda articular com os espaços museológicos integrados na Rede Portuguesa de Museus a celebração destas datas, procurando afirmar o papel das instituições museológicas na vida cultural e na dinamização das comunidades em que estão inseridos. 


A DGPC irá em breve divulgar a plataforma onde os museus poderão fazer o carregamento da programação a organizar no âmbito da celebração do Dia Internacional dos Museus e da Noite Europeia dos Museus.

 
fonte:
http://www.imc-ip.pt/pt-PT/iniciativas/actividades_imc/ContentDetail.aspx?id=5337

Patrimónios para uma cultura democrática

O Dia Internacional dos Museus, 18 de Maio, criado para divulgar o trabalho museológico junto do grande público, é este ano, por decisão do Conselho Internacional de Museus (ICOM), organismo da UNESCO, dedicado ao tema: Museus: As colecções criam conexões.


Nesta frase está plasmada a ideia da comunicação privilegiada que o museu desenvolve com os seus públicos através do património móvel que integra o respectivo acervo. Não importa se o diálogo se estabelece através do conhecimento objectivo e racional, ou se através de relacionamento emocional. Em qualquer caso, o veículo de comunicação é o real, o factual. A linguagem das coisas afinal é a palavra dos homens, na sua expressão mais sintética, mais depurada e abrangente, a poética.

Os museus nascem com a primordial função de conservar as memórias do Passado, materializadas nos mais diversos suportes. Constituem arquivos indispensáveis à preservação do nossa história colectiva e dos referenciais de memória que nos permitem a qualquer momento uma localização nas escalas espaciais do universo, cruzadas com a dimensão temporal. Podemos imaginar o que seria a nossa sociedade sem estas e outras fontes de memória, se pensarmos na doença de Alzheimer que retira aos pacientes a consciência de si próprios e por conseguinte todas as capacidades de decisão. 


Há muitos anos, tive como colega de mestrado em museologia a então directora do “Museu da Pessoa”, em S. Paulo, um museu virtual de primeira geração; um dos constrangimentos que mais a inquietava era, sem dúvida, a volatilidade do acervo. Confidenciou-me que ficava sem palavras quando algum utente do museu lhe telefonava a pedir uma visita. Muito tempo decorreu desde essa data; o património imaterial foi reconhecido pela Unesco e objecto de regulamentação pelos países membros; novas formas de registo e de conservação patrimoniais e o reconhecimento da criação de memória futura por intervenção qualificada do Presente são hoje conceitos genericamente assimilados.





Nos quarenta anos de vida da nossa jovem democracia, houve um importante movimento de criação de museus, associado à legitimação cultural do Poder Local; um deles, pioneiro, o Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal (MAEDS), verdadeiro barómetro dos avanços e recuos do novo regime democrático, tem árdua e persistentemente lutado pela defesa do património, contra o esquecimento, contra a intolerância e o atraso civilizacional.

Assim, no domingo dia 18 de Maio, as portas do MAEDS abrir-se-ão gratuitamente para todos, no respeito pelo direito universal à fruição cultural, em convite para mais uma aventura pelos caminhos do património azulejar de Setúbal. O azulejo é uma marca inconfundível da nossa paisagem urbana, conquistando nos finais do século XIX e inícios do XX, uma extraordinária proximidade e convivialidade com as gentes da cidade. Desde os novos bairros Salgado e Santos Nicolau, aos Passeios do Lago e da Praia, as fachadas modernistas exibem esse saber estar no seu tempo, tão característico das cidades portuárias, abertas à inovação.

fonte:
http://www.setubalnarede.pt/content/index.php?action=articlesDetailFo&rec=21248

Programa de Educação Museal realiza encontros no País

Documento preliminar do programa deve ser apreciado por museus, educadores, secretarias de cultura e demais interessados na área


Museus e instituições de educação e cultura realizam, desde março, debates e encontros sobre o documento preliminar do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM)

Constituir diretrizes para as ações de educadores e profissionais dos museus na área educacional, fortalecer o campo profissional e garantir condições mínimas para a realização das práticas educacionais nos museus e processos museais são alguns dos objetivos do PNEM.

Por isso, é importante que o documento seja apreciado e pensado por museus, redes de educadores, cursos de Museologia, secretarias de cultura e demais entes interessados no desenvolvimento do programa.

Para realizar uma atividade em uma cidade/estado, basta entrar em contato com a equipe do PNEM pelo endereço eletrônico pnem@museus.gov.br para que sejam enviadas todas as informações necessárias para a realização de encontros.

Segue abaixo a agenda de atividades já marcadas para os meses de abril e maio:

Rio de Janeiro
2º Momento
Data: 14 de abril
Local: Museu da República/Ibram – Espaço Educação (Rio)
Horário: 9h às 17h
Informações e inscrições: cintya.callado@museus.gov.br

Bahia
2º Momento
Data: 28 de abril
Local: Museu Eugênio Teixeira Leal (Salvador)
Horário: 9h às 12h e 14h às 17h
Informações: rem.bahia2010@gmail.com

Santa Catarina
Encontro regional
Data: 28 de abril
Cidade: Florianópolis (local a definir)
Horário: 9h às 17h
Informações: rita.coitinho@museus.gov.br

Pernambuco
Encontro regional
Data: 12 de maio
Local: Museu da Abolição/Ibram (Recife)
Horário: 14h às 17h
Informações: andersonpinheiro@ymail.com

Minas Gerais
Debate na 12ª Semana de Museus
Data: 13 de maio
Local: Museu de Arte Murilo Mendes (Juiz de Fora)
Horário: 9h às 17h
Informações: dsadaniele@yahoo.com.br

Encontro Regional
Data: 13 de maio
Local: Museu do Ouro/Ibram (Sabará)
Horário: 9h às 17h
Informações: isabella.menezes@museus.gov.br

Paraíba
Debate PNEM – Desafios e Perspectivas para Paraíba
Data: 15 de maio
Local: Auditório da PBTur (João Pessoa)
Horário: 9h às 17h
Informações: fernanda.castro@museus.gov.br

Rio Grande do Norte
Encontro regional
Data: 22 de maio
Local: Museu Câmara Cascudo (Natal)
Horário: 9h às 17h
Informações: museucc@mcc.ufrn.br

São Paulo
Encontro Vale do Paraíba e Litoral
Data: 26 de maio
Local: Universidade de Taubaté (Unitau)
Horário: 9h às 17h
Informações: ozias.soares@museus.gov.br

Bienal do Barro: arte contemporânea em Caruaru-PE

Caruaru, no agreste de Pernambuco tem sua primeira Bienal do Barro. O lugar não poderia ser melhor: terra de Mestre Vitalino, que utilizou o barro como matéria-prima e criou assim o maior centro de arte figurativa das Américas, de acordo com a Unesco.

Inédita no Brasil, a I Bienal do Barro irá ocupar a Fábrica Caroá (local abandonado). Desde 2006, o artista Carlos Mélo matuta a ideia. Ele aposta que a realização deve perpetuar o barro como uma marca cultural do Agreste.

Com a curadoria do carioca Raphael Fonseca, a primeira Bienal de Barro Brasileira surge com o tema “água mole, pedra dura” e se concentra nas atividades de 16 artistas – entre eles, Presciliana Nobre, José Rufino e Daniel Murgel. O objetivo é discutir a produção e incorporar a cidade no circuito de Artes Visuais para além da tradicional arte figurativa do Alto do Moura, em Caruaru.

Todos os artistas da Bienal fizeram residência artística na região e tiveram contato com o barro do Vale do Ipojuca. No núcleo histórico havera exposição de Pierre Verger que fotografou artistas do Alto do Moura em 1947.

Bienal do Barro: 12 de abril a 19 de maio

Fábrica Caroá – Praça Coronel José de Vasconcelos, 100
SESC de Caruaru – Rua Rui Limeira Rosal, s/n, Petrópolis


Veja a programação completa da I Bienal do Barro neste link.

Produção em barro será discutida no Agreste (Foto: Beto Figueiroa / Divulgação)

fonte: babeldasartes