sexta-feira, 18 de abril de 2014

Masp divulga propostas para novo estatuto

O Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand) divulgou nesta quinta-feira, 17, comunicado sobre sua parceria com o Banco Itaú Unibanco, que investirá capital próprio e recursos via Lei Rouanet no museu, atualmente, considerado inadimplente pelo Ministério da Cultura (MinC) e com dívida estimada em cerca de R$ 10 milhões. 

O texto apresenta as propostas de mudanças no estatuto da entidade, reforma a ser votada em assembleia com os conselheiros do museu, convocada para o dia 29.

O documento propõe que a nova diretoria-executiva do Masp seja formada por Heitor Martins, sócio diretor da McKinsey & Company, ex-presidente da Fundação Bienal de São Paulo (2009-2013); Alberto Fernandes, vice-presidente executivo do Banco Itaú BBA; pelo advogado Alexandre Bertoldi; pelo empresário Nilo Cecco; pelo cientista social Miguel Chaia; e pela consultora Flavia Velloso, ex-coordenadora do Núcleo Contemporâneo do Museu de Arte Moderna de São Paulo. O grupo seria "base de futura diretoria".

Como vem sendo noticiado, Heitor Martins assumiria a presidência do Masp no lugar de Beatriz Pimenta Camargo neste processo de "revitalização" do museu. O Masp está impedido de firmar contratos para captar recursos junto ao MinC.

O comunicado não apresenta os nomes dos novos membros que integrarão o conselho do museu, a ser ampliado, diz o texto. O comunicado afirma que o primeiro passo será a aprovação das mudanças do estatuto do Masp e que uma nova assembleia será convocada em até 60 dias para eleger conselheiros e a diretoria da instituição.

Entre as propostas apresentadas, está a "introdução, como regra geral, de uma contribuição financeira anual por parte de conselheiros e diretores, visando não apenas fortalecer o fluxo de caixa ao longo do tempo, mas especialmente reforçar o papel do gestor como servidor da instituição". Outros pontos colocados são "alteração das regras de admissibilidade de novos associados, limitando-se a apenas um novo associado por ano"; e a criação de comitê de gestão e de "comitê transitório dedicado exclusivamente ao processo de construção do novo prédio" (o Masp Vivo, na Avenida Paulista, um dos pivôs da crise do museu). O comunicado é assinado por Beatriz Pimenta Camargo e Adib Jatene, presidente do conselho da instituição. As informações são do jornal.

O Estado de S. Paulo.

Programa Ibermuseus realiza encontros internacionais em Brasília



Dois eventos reunirão representantes ibero-americanos para debater linhas de ação e projetos com foco no fortalecimento do Espaço Cultural Ibero-Americano



Entre os dias 22 e 25 de abril, o Programa Ibermuseus realiza, na sede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), em Brasília (DF), dois eventos que reunirão representantes ibero-americanos para debater linhas de ação e projetos com foco no fortalecimento do Espaço Cultural Ibero-Americano.

O primeiro evento, que acontece a partir do dia 22 de abril, é a reunião da Mesa Técnica de Formação e Capacitação de Museus com representantes de instituições de oito países da comunidade Ibero-Americana, responsáveis por programas de formação e capacitação nacionais. O objetivo será a discussão e a aprovação um documento-base para o desenvolvimento daquela linha de ação. A reunião é fechada para participantes e convidados.

Depois acontecerá a Reunião Extraordinária do Comitê Intergovernamental, com a participação de 10 dos 11 países membros: Argentina, Brasil, país que atualmente preside o comitê, Colômbia, Equador, Espanha, México, Paraguai, Peru, Portugal e Uruguai. A lista dos representantes está disponível.

Conduzida pelo presidente do Programa Ibermuseus e do Ibram, Angelo Oswaldo, conjuntamente com representantes da Secretaria Geral Ibero-Americana (Segib) e da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI), a abertura da reunião, no dia 24 às 9h, contará com a participação do público.

Às 9h, está programado o lançamento de três publicações sobre Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico: atas de dois seminários organizados pelo Ibermuseus e a Fundação Getty, em 2011 (Brasil) e 2012 (Colômbia); e uma cartilha realizada pelo Ibram e Ibermuseus.

As duas primeiras publicações estarão disponíveis em formato digital e a terceira será distribuída aos presentes.

Exposição e palestra

Também terá lugar na abertura do encontro o lançamento do edital V Prêmio Ibero-Americano de Educação em Museus , cujo objetivo é identificar e premiar práticas de ação educativa que promovam o desenvolvimento pessoal e a coesão social.

O público também poderá visitar a exposição "A Década do Patrimônio Museológico (2012-2022)", organizada pelo Ibermuseus, que celebra os 40 anos da Mesa Redonda de Santiago do Chile – ocorrida em 1972 e considerada um marco para as políticas públicas voltadas para o campo museal nos países Ibero-Americanos. Saiba mais.

Em seguida, às 10h, o diretor de Belas Artes e Bens Culturais do Ministério da Educação, Cultura e Esportes da Espanha, Jesús Prieto, ministra conferência com o tema "O Espaço Cultural Ibero-Americano". O evento é aberto ao público, mas limitado a 100 participantes. Saiba como se inscrever.

Doutor em Direito, Catedrático de Direito Administrativo e Titular da Cátedra Andrés Bello de Direitos Culturais, Prieto é especialista em Comunicação Cultural e Cooperação Territorial. Membro de diferentes conselhos acadêmicos em várias universidades ibero-americanas, tem ampla trajetória de colaboração com diversos organismos internacionais e administrações públicas.

Ele é co-criador da Carta Cultural Ibero-Americana, documento que introduz a ideia do Espaço Cultural Ibero-Americano, uma aposta que promove a integração regional da Comunidade Ibero-Americana de Nações, entendida como a primeira região cultural supranacional que aposta por unificar e compartilhar ideias e valores.
Saiba mais sobre os eventos e sobre o Programa Ibermuseus.

Hay museos que son un verdadero regalo para la vista al mostrar unos jardines maravillosos, o el propio museo se ha transformado en un jardín gigante

Dejando al margen la barrera del idioma cuando deambulemos más allá de Tokio, visitaremos los museos más vanguardistas de todo el país. Solo en Tokio hay docenas de museos, muchos de ellos dedicados al arte – los japoneses son grandes aficionados a todo lo relacionado con la plástica -. 

Hay museos que son un verdadero regalo para la vista al mostrar unos jardines maravillosos, o el propio museo se ha transformado en un jardín gigante. Como en el caso de China, vamos a hacer una selección que hoy no solo va a responder a la arquitectura. Seguro que nos dejamos alguno en el tintero, pero es que tienen muchos museos, muchísimos. También hay que tener en cuenta que grandes diseñadores provienen de allí, por lo que los japoneses ya se han acostumbrado desde hace años a disfrutar de edificios con fantásticos diseños y con interiores muy sofisticados. Pero no nos vamos a enrollar más, demos comienzo a nuestra visita.

1. Tokio / The National Art Center
 


El Centro Nacional de Arte de Tokio es la quinta institución para la difusión del arte promovida por el gobierno nacional, organizado bajo el paraguas de la Institución Administrativa Independiente de Arte. El Centro Nacional de Arte de Tokio es un centro de exposiciones de arte única e innovadora: en lugar de mantener una colección permanente se programan exposiciones de continuo. Con un total de 14.000 metros cuadrados de espacio de exposición, uno de los museos más grandes de Japón, se ha coinvertido en un lugar de referencia para seguir las nuevas tendencias artísticas nacionales. 

También el Centro promueve actividades de divulgación a través de programas educativos, algo parecido al Thyssen de Madrid, y la Biblioteca de Arte sirve para recoger y difundir información relacionada con el arte. Situado en Tokio, el centro ofrece a los visitantes la oportunidad de experimentar diferentes valores y contribuyendo a dar a luz a una nueva cultura basada en el idea de la comprensión mutua y la relación simbiótica (sic) (?).

2. Chiba / Hoki Museum
 


El Museo Hoki abrió el 3 de noviembre de 2010 como uno de los pocos museos en el mundo dedicados 100% a la pintura realista. Masao Hoki, fundador del museo, reunió una colección de aproximadamente 300 obras de pinturas realistas. El edificio del museo está situado al lado del frondoso bosque Showa-no-Mori Park, el mayor parque de la ciudad de Chiba, y consiste en un cuerpo en forma de sobre rasante con dos plantas que dan a las galerías un estilo muy peculiar. Dispone de un corredor con 500 metros de espacio expositivo. 

Una de las galerías se encuentra en el voladizo que parecen estar flotando en el espacio. Aproximadamente 160 obras de unos 40 artistas se exhiben allí, incluyendo 32 pinturas que forman la colección más grande de Japón de obras de Sousuke Morimoto, y otros por los artistas como Hiroshi Noda y Tadahiko Nakayama. Unas pantallas especiales cuentan con las obras de quince artistas que han producido obras de gran formato de la serie “My Best Work” del museo. 

Las galerías se han diseñado específicamente para la visualización óptima y apreciación de pinturas realistas, que ofrecen la imagen paredes-carril libre y la última tecnología LED con lámparas halógenas empotradas en el techo. Otras instalaciones incluyen un restaurante italiano japonés de prestigio (Hanau), una cafetería y una tienda de museo. El entorno de museo está formado de enormes e impresionantes jardines. Especialmente dedicado a los amantes del Feng Shui

3. Puerto de Tokio / Miraikan Science and Innovation Museum


 


El Museo Nacional de Ciencia Emergente e Innovación (Miraikan), es un lugar donde se explican las cosas que suceden en nuestro mundo de hoy desde un punto de vista puramente científico y, además, promociona discusiones sobre el futuro que nos espera. Además, muestra colecciones permanentes y exposiciones que proporcionan a los visitantes la oportunidad de disfrutar del contacto práctico y directo con ciencia y tecnología. Se dan charlas y cursos de todo tipo relacionados con el enunciado del museo. 

Al mismo tiempo se intercambian opiniones e ideas con los visionarios de la ciencia, así los visitantes pueden experimentar el progreso tecnológico actual obteniendo una visión de lo que nos viene, sobre las últimas tecnologías, el medio ambiente mundial y la exploración espacial.

4. Yamanashi / Museo de los Jardines y la Fruta
 


Encaramado en una alta meseta sobre las verdes colinas circundantes, este complejo gira entorno a la temática frutícola. Todo se expone bajo varios grandes domos geodésicos, así como en algunas áreas al aire libre. Al lado del Museo de la Fruta está el Teatro de Fruta – esperábamos ver un espectáculo con elaborada producción musical con actores vestidos de uvas y melocotones bailando, pero desafortunadamente se trataba de un pequeño cine proyectando una película educativa sobre la agricultura en Yamanashi. Lástima.

5. Osaka / Museo Nacional de Etnología
 


El Museo Nacional de Etnología (Minpaku), es un instituto de investigación y museo que ofrece formación de posgrado en Antropología y Etnología. Fue fundada en 1974 como un Instituto de investigación interuniversitario. Desde abril de 2004, ha sido miembro de los institutos nacionales para las Humanidades como parte del acuerdo Inter-University Research Institute Corporation. Con su lema, “hasta los confines de la tierra, a las profundidades del conocimiento”, la institución Minpaku está centrada en una búsqueda continua para explorar las culturas humanas. Su objetivo es el lanzamiento de proyectos de investigación de base, utilizando nuevos conceptos para transformar nuestra forma de percibir la Antropología y difundir información de manera dinámica y creativa. En los últimos años se han redoblado los esfuerzos para garantizar el mayor crecimiento y desarrollo de esta institución.

6. Hakone / Museo al Aire Libre de Hakone
 


Situado en el impresionante paisaje de la villa de Hakone, el Museo al Aire Libre Hakone fue inaugurado en 1969 como el primer museo de arte al aire libre en Japón. Constantemente cambiando de luz y color con las estaciones, los espectaculares jardines Hakone son el refugio permanente para aproximadamente 120 obras de escultores modernos y contemporáneos muy conocidos. 

También cuentan con cinco salas de exposición, incluyendo el pabellón Picasso, así como piezas escultóricas gigantes con las que los niños pueden jugar: un pediluvio alimentado por manantiales naturales, y gran variedad de diferentes instalaciones donde los visitantes al museo exterior pueden relajarse y disfrutar del esplendor del arte combinada con la la naturaleza. Podréis ver más de 100 piezas, obras maestras que son mostradas en un recinto abierto de 70.000 metros cuadrados, incluyendo esculturas de artistas de todo el mundo y épocas, como Rodin, Bourdelle, Miró y Moore. Muy recomendable si hace buen tiempo.

7. Naoshima / Benesse Museo de Arte
Benesse Museo de Arte, abrió sus puertas en 1992 como un centro donde se integraba un museo con un hotel, basado en el concepto “La coexistencia de la naturaleza, arte y arquitectura” (?). La instalación consta de cuatro edificios, todos ellos diseñados por Tadao Ando: Museo, Oval (inaugurado en 1995) y parque y playa (ambos abiertos en 2006). 


El Museo de Arte, cuya función principal del complejo es exhibir obras de artistas locales, es una imponente estructura abierta al exterior, para que los visitantes pueden sentir la presencia de la naturaleza aún dentro del edificio. Además de obras de arte de su colección, el museo Benesse también contiene las instalaciones permanentes que artistas han creado especialmente para este edificio. Se han diseñado las obras específicamente para esos espacios. De hecho, las obras de arte del museo se encuentran no sólo dentro de sus galerías, sino también en todas las partes del edificio, así como repartidas en localidades localizadas a lo largo de la orilla del mar que bordea el complejo y el bosque cercano. 

Uno de los placeres de visitar el Museo Benesse es encontrar inesperadamente obras de arte, no sólo dentro de las paredes del museo, sino paseando por los maravillosos alrededores, disfrutando de la abundante belleza natural de la región japonesa del mar interior. Si no hablas japonés, allí, mala cosa.

8. Imabari / Museo de Arquitectura Toyo Ito
 


Para explicar la esencia de este museo vamos a usar un extracto del discurso de inauguración del museo por el propio Toyo Ito, arquitecto creador del edificio: “El primer paso en nuestro proceso de diseño fue la selección de un lugar para construir el museo. Esto resultó ser más fácil de decir que de hacer. Desde lo alto de una ladera cubierta con árboles de mandarinas, el punto de vista de la isla al mar interior de Seto, crea un lugar espectacular. Pero no había prácticamente ninguna tierra plana sobre la que erigir un edificio. Mientras que el diseño atravesó muchos cambios, el pueblo de Omishima se fusionó con la ciudad de Imabari. 

Este también fue un período durante el cual he hablado con el Sr. Tokoro y Sr. Hasegawa sobre mis sueños acerca del futuro de la arquitectura. Cuando les dije que quería abrir una escuela para educar a jóvenes arquitectos, inmediatamente dijo: “¿por qué no lo haces aquí?”. Como decimos la esencia del sitio es lo que dice su arquitecto de él, no hay más.

9. Aomori / Museo Nebuta Warasse
 


El Nebuta Warasse es un interesante museo dedicado a la famosa ciudad Nebuta Matsuri, lugar que celebra anualmente un gran festival a principios de agosto, muy conocido en todo Japón. El museo está ubicado en un único edificio cubierto de listones de metal rojos con sus soportes a lo largo de la longitud del puerto de Aomori, justo al norte de la estación de tren desde donde se llega si se viaja desde Tokio. el museo Aomori Nebuta Warasse intenta captar al espíritu de ese festival y ofrece a los visitantes una muestra de su animado ambiente, historia y tradiciones. 

Al entrar por el segundo acceso de la planta a las exposiciones, los visitantes se encuentran con los lugares de interés del festival a lo largo de un corredor rojo forrado con fotos e imágenes de la Nebuta Matsuri en sus 300 años de historia. Faroles en forma de pez rojo, otro símbolo del festival, cuelgan del corredor donde los sonidos grabados de tambores taiko, flautas y voces de juego. Francamente bonito.

10. Nagasaki / Museo de Arte de Nagasaki
 


El Museo de Arte de Nagasaki Prefectural, está situado en el parque costero de Nagasaki. Las paredes de cristal del Museo permiten la entrada de un sol brillante que invade el interior (gafas de sol si hace bueno obligatorias), creando un ambiente muy luminoso y amplio. Cerca del museo nos encontraremos el mar. Con un maravilloso diseño y añadiendo la bonita ubicación del edificio, se convierten en elementos representativos del concepto que el museo quiere mostrar. 

Desde su inauguración, el museo se ha basado en el concepto de “Museo de la respiración” como su tema principal (?). Al compartir experiencias diarias de los visitantes, el museo pretende ofrecer oportunidades para la comunicación basada en el encuentro en la amistad entre las personas. Todos los miembros del personal del museo son muy amables y protocolarios como buenos japoneses que son, deseándote continuamente que quieren volver a verte por allí en el futuro. Algunos denominamos al siglo XXI “el siglo de artes culturales y de la información” o “el siglo de la cultura y economía”, también con conceptos que tienen su expresión artística, y se muestran en el museo. Aquí la cultura juega un papel esencial en el desarrollo de habilidades para que las ciudades superen sus dificultades y para seguir prosperando – un objetivo muy oriental -. El museo se esfuerza por ser lo suficientemente popular para ser visitado informalmente por casi todas las edades, desde niños hasta ancianos, y pretende evolucionar valorando sus posibilidades en el futuro.

Como os decíamos al comienzo de la entrada de hoy, hay muchos, muchísimos museos en Japón que merecen una visita, y no solo por su contenido, sino también porque muestran un diseño arquitectónico espectacular. Lástima que esté tan lejos – para algunos de nosotros – y sea tan carísimo estar allí, sin mencionar lo del problema del idioma. Hoy ha sido verdaderamente difícil hacer una selección que haga justicia a los museos de Japón en Agendas Mundi XXI. Nosotros vamos a seguir viajando para conocer de mano nuevos museos. A ver a donde nos lleva el viento del oeste. Próxima parada: Estados Unidos.


fonte:
 http://evemuseografia.com/2014/04/18/agendas-mundi-xxi/

via tradutor do ggogle
 

Deixando de lado a barreira da língua quando deambulemos além Tóquio, visitar os museus mais modernos em todo o país . Apenas em Tóquio , há dezenas de museus, muitos deles dedicados à arte - os japoneses são grandes fãs de todas as coisas relacionadas ao plástico - . Há museus que são um verdadeiro deleite para os olhos para mostrar belos jardins , ou o museu em si , foi transformado em um jardim gigante. Tal como no caso da China , vamos fazer uma seleção de hoje , não só responder à arquitetura. Claro que deixou alguns na calha, mas eu tenho muitos museus, muitos. Também tenha em mente que grandes designers vêm de lá , de modo que os japoneses já têm sido usados ​​há anos para desfrutar de prédios com projetos fantásticos e interiores sofisticados. Mas não vamos rolar , vamos começar a nossa visita .
1. Tokyo / O Centro Nacional de ArteDSCF0600El National Art Center de Tóquio é a quinta instituição para a difusão da arte promovido pelo governo nacional , organizada sob a égide da Instituição Administrativa Independente do art. O Centro de Exposições Centro Nacional de Arte de Tóquio é uma arte única e inovadora : em vez de manter uma contínua exposições permanentes de coleta estão programadas . Com um total de 14.000 metros quadrados de espaço de exposição , um dos maiores museus do Japão, tem coinvertido em uma referência a seguir as novas tendências artísticas nacionais. Centro também promove a divulgação através de programas educacionais , algo como a Thyssen em Madrid e da Biblioteca de Arte serve para recolher e divulgar informação relacionada com o art. Em Tóquio , o centro oferece aos visitantes a oportunidade de experimentar diferentes valores e ajudando a dar a luz a uma nova cultura baseada na idéia de compreensão mútua e relação simbiótica (sic) (?) .
Dois. Chiba / Hoki Museu01The Hoki Museu abriu em 3 de novembro de 2010, como um dos poucos museus do mundo dedicados 100% pintura realista. Masao Hoki , fundador do museu, reuniu uma coleção de cerca de 300 obras de pinturas realistas. O edifício do museu está situado ao lado da exuberante floresta Showa -no- Mori Park, o maior parque da cidade de Chiba, e consiste de um corpo em forma com duas plantas na encosta que levam às galerias de um estilo muito peculiar. Tem um corredor com 500 metros de espaço de exposição . Uma das galerias está em cantilever , que parece estar a flutuar no espaço . Aproximadamente 160 obras de cerca de 40 artistas estão expostas lá, incluindo 32 pinturas que compõem a maior coleção do Japão de obras de Sousuke Morimoto , e outros por artistas como Hiroshi Noda e Tadahiko Nakayama .  


Apresentações especiais apresentam as obras de quinze artistas que produziram obras de grande formato séries museu "meu melhor trabalho". As galerias são projetados especificamente para melhor visualização e apreciação de pinturas realistas , que caracterizam a imagem da ala paredes livres ea mais recente tecnologia LED com lâmpadas halógenas embutidas no teto. Outras instalações incluem um prestigiado restaurante japonês italiano ( Hanau ) , um café e uma loja de museu. O ambiente do museu é composto por jardins enormes e impressionantes . Especialmente dedicado aos amantes do Feng Shui
Três. Puerto Tokyo / Ciência Emergente e Inovação Museu da CiênciaMuseu Nacional da Emerging MiraikanEl e Inovação ( Miraikan ) A ciência é um lugar onde as coisas que acontecem no nosso mundo de hoje , de um ponto de vista puramente científico e também promove discussões sobre o futuro que nos espera explicar. Ele também exibe coleções permanentes e exposições proporcionar aos visitantes a oportunidade de desfrutar da comodidade e contato direto com a ciência e tecnologia. Palestras e cursos de todos os tipos relacionados com a declaração dada museu. Enquanto opiniões e idéias são trocados com os visionários da ciência , para que os visitantes podem experimentar o progresso tecnológico atual obter um vislumbre do que vem sobre as mais recentes tecnologias, o ambiente global e exploração espacial.
Abril. Yamanashi / Museu Jardins e Fruit20081007133657957Encaramado em um platô elevado acima das colinas verdes envolventes , este resort gira em torno do tema da fruta. Tudo discutido em várias grandes cúpulas geodésicas , bem como algumas áreas ao ar livre. Ao lado do museu está o Teatro Fruta Fruta - esperava ver um show com produção musical elaborada com atores vestidos como uvas e pêssegos dança, mas , infelizmente, foi um pequeno cinema projetando um filme educativo sobre a agricultura em Yamanashi . Piedade.
Pode . Osaka / Museu Nacional de Etnologiaa0074197_13533732El Museu Nacional de Etnologia ( Minpaku ) é um instituto de pesquisa e museu que oferece treinamento de pós-graduação em Antropologia e Etnologia . Foi fundada em 1974 como um instituto de pesquisa inter- universitária. Desde abril de 2004, ele tem sido um membro dos Institutos Nacionais de Ciências Humanas , como parte do acordo de Inter- University Institute Research Corporation. Com o seu lema , " até os confins da terra , das profundezas do conhecimento", a instituição Minpaku está focada em uma busca contínua de explorar as culturas humanas . Seu objetivo é lançar base de projetos de pesquisa, utilizando novos conceitos para transformar a maneira como percebemos o Antropologia e disseminar informações de forma dinâmica e criativa. Nos últimos anos tem havido um maior esforço para garantir o crescimento e desenvolvimento da instituição.
6. Hakone / Open Air Museum em Hakoneimg_0023Situado no cenário deslumbrante da cidade de Hakone, o Hakone Open Air Museum foi inaugurado em 1969 como o primeiro museu de arte ao ar livre no Japão . Constantemente mudando luz e cor com as estações, os jardins espectaculares Hakone são abrigo permanente para cerca de 120 obras de escultores modernos e contemporâneos amplamente conhecidos.  


Também tem cinco salas de exposições , incluindo a bandeira Picasso e esculturas gigantes com os quais as crianças podem brincar : footbath alimentada por nascentes naturais e uma variedade de diferentes instalações onde os visitantes do museu podem relaxar do lado de fora e apreciar a esplendor da arte combinados com a natureza. Ye pode ver mais de 100 peças , obras-primas são exibidos em uma área aberta de 70 mil metros quadrados, incluindo esculturas de artistas de todo o mundo e os tempos , como Rodin, Bourdelle , Miro e Moore. Altamente recomendado se o bom tempo .
7. Museu de Arte Naoshima / BenesseTeshima -Art- Museu - Noboru - Morikawa - 1Benesse Museu de Arte , inaugurado em 1992 como um centro onde um museu com um hotel , com base no conceito de " coexistência de natureza , arte e arquitetura " foi integrado (?) . A instalação é composta por quatro edifícios, todos desenhados por Tadao Ando : Museu , Oval (inaugurado em 1995) e do parque e praia (ambos abertos em 2006). O Museu de Arte , cuja principal função é exibir as complexas obras de artistas locais , é uma imponente estrutura aberta para o exterior , de modo que os visitantes podem sentir a presença da natureza ainda dentro do prédio. Além de obras de arte de sua coleção , o museu também contém Benesse instalações permanentes que os artistas têm especialmente criados para este edifício. 


 Obras foram projetados especificamente para esses espaços. Na verdade, as obras de arte de museus não são apenas dentro de suas galerias , mas também em todas as partes do edifício e se espalhou por cidades localizadas ao longo do mar que faz fronteira com o resort ea floresta próxima. Um dos prazeres de visitar o Museu Benesse é inesperadamente encontrar obras de arte , não apenas dentro das paredes do museu, mas caminhando pelos belos cenários , apreciando a beleza natural abundante da região do Mar Interior japonês . Se você não fala japonês , não , coitado .
8. Imabari / Toyo Ito Museu de Arquitetura6239816750_c09af220b9_zPara explicar a essência deste museu , vamos utilizar um trecho do discurso do museu por Toyo Ito próprio criador arquiteto do edifício de abertura: " O primeiro passo no nosso processo de design foi a seleção de um local para a construção do museu. Isto provou ser mais fácil de dizer do que fazer. Do alto de uma colina coberta de árvores de tangerina , a vista da ilha do mar interno de Seto , cria um lugar espetacular.  


Mas não havia praticamente nenhuma terra plana sobre a qual construir um edifício . Enquanto o projeto passou por muitas mudanças , o povo de Omishima fundiu-se com a cidade de Imabari . Este foi também um período em que eu falei com o Sr. Tokoro e Sr. Hasegawa sobre os meus sonhos sobre o futuro da arquitetura. Quando eu disse que queria abrir uma escola para educar os jovens arquitetos , ele imediatamente disse: "Por que você não faz aqui? " . Como dizemos a essência do local é o que diz seu arquiteto, não mais.
9. Aomori / Museu Nebuta Warasse6122920812_67f95fcd3eEl Nebuta Warasse é um interessante museu dedicado ao famoso cidade Nebuta Matsuri , coloque um grande festival realizado anualmente no início de agosto , conhecido em todo o Japão . O museu está instalado em uma coberta com tiras de metal vermelho está ao longo do comprimento do porto de Aomori, ao norte da estação de trem de onde você chega , se viajar de edifício de Tóquio . Aomori Museum Nebuta Warasse tenta capturar o espírito do festival e oferece aos visitantes uma amostra do seu ambiente animado , história e tradições.  


Ao entrar no segundo andar de acesso a exposições , os visitantes encontram os locais do festival ao longo de um corredor vermelho forrado com fotos e imagens do Nebuta Matsuri em sua história de 300 anos. Lanternas em forma de peixe vermelho , outro símbolo do festival, pendurado no corredor onde os sons gravados de tambores taiko , flautas e vozes jogando . Francamente agradável .
10. Nagasaki / Nagasaki Museu de Artenagasaki_art_museum_b270510El Museu de Arte da Prefeitura de Nagasaki , está localizado na Coastal Park Nagasaki. As paredes de vidro do museu permitir a entrada de um sol brilhante que invade dentro (faz óculos de sol obrigatórias se bem), criando uma sensação luminosa e arejada . Perto do museu , vamos encontrar o mar. Com um design maravilhoso e adicionando agradável localização do edifício , tornam-se elementos representativos do conceito de que o museu quer mostrar. Desde a sua inauguração , o museu foi baseado no conceito de " Museu de respiração ", como seu tema principal (?) .  

Ao compartilhar experiências cotidianas de visitantes , o museu tem como objetivo proporcionar oportunidades de comunicação com base na amizade de encontro entre pessoas. Todos os membros da equipe do museu são muito simpáticos e bom protocolo japonês como eles estão continuamente desejando-lhe que quero vê-lo em torno do futuro . Alguns chamam o século XXI "o século das artes e informações culturais " ou " o século da cultura e da economia", também com os conceitos que têm a sua expressão artística , e exibido no museu.  

Aqui a cultura desempenha um papel essencial no desenvolvimento de competências para as cidades de superar suas dificuldades e continuar a prosperar - um objetivo muito oriental - . O museu se esforça para ser popular o bastante para ser visitada informalmente para quase todas as idades, desde crianças a idosos , e destina-se a evoluir avaliando suas chances no futuro.
Como eu disse no início do post de hoje , há muitos, muitos museus no Japão, que valem a pena visitar , não só pelo seu conteúdo, mas também porque eles mostram um design arquitetônico espetacular. Pena que é tão longe - para alguns de nós - e é tão caro para estar lá , para não mencionar o problema da linguagem . Hoje foi realmente difícil fazer uma seleção que faz justiça aos museus do Japão Agendas Mundi XXI . Vamos continuar viajando saco de novos museus. Para ver onde o vento leva-nos a oeste . Próxima parada : os Estados Unidos .