Listen to the text.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Dia Internacional dos Museus 2014 - Museus: as coleções criam conexões - ( .pt )

O tema proposto pelo ICOM Internacional para as comemorações do Dia
Internacional dos Museus 2014, Museus: coleções criam conexões recorda-nos
que estes espaços são instituições vivas que ajudam a criar laços entre visitantes, gerações e culturas em todo o mundo.

O Museu é uma instituição que preserva e comunica o passado, mas que se enraíza no presente, adaptando as suas formas de comunicação e mediação com os públicos para responder às necessidades do mundo contemporâneo. Cria uma ponte entre gerações porque possibilita que as comunidades do presente e as do futuro compreendam melhor as suas origens e a sua história.

Como habitualmente, a Direção-Geral do Património Cultural vai participar
activamente na organização do Dia Internacional dos Museus, 18 de Maio, e da Noite Europeia dos Museus, 17 de Maio, dinamizando um conjunto variado de actividades e iniciativas nos seus museus e palácios nacionais, articulando também a celebração destas datas com os espaços museológicos integrados na Rede Portuguesa de Museus.

A DGPC disponibiliza uma plataforma online para carregamento das iniciativas dos museus participantes:

http://www.patrimoniocultural.pt/museus/

As entidades interessadas podem contactar a DGPC através do endereço de email
18demaio@dgpc.pt para obter o “Nome de utilizador” e a “Palavra-passe”
indispensáveis para o acesso àquela plataforma.

Para saber mais

Regulamentação da política dos museus

Principais ações na área de cultura são apresentadas no Senado

No encontro, ainda esteve em pauta a política de museus no País, tema que foi aprofundado pelo presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Ângelo Oswaldo defendeu que o decreto 8.124, que regulamenta o Estatuto dos Museus, interfere positivamente sobre a conservação do patrimônio cultural. 
Segundo o presidente do Ibram, o decreto tem como objetivo principal preservar o patrimônio cultural brasileiro que já está nos museus ou que é passível de ser musealisado. A importância do decreto se dá em seu apoio para que seja possível saber o paradeiro de nossos bens culturais e se eles estão sendo cuidados.
Oswaldo disse ainda que, atualmente, vivemos um momento positivo para os museus. Pesquisa da Embratur mostrou que quase 50% dos fluxos turísticos durante a Copa das Confederações tiveram como opção a visita a museus. Na sua edição Primavera/Verão 2014, a publicação em língua inglesa The Art Newspaper lança, como faz anualmente, reportagem especial na qual apresenta e analisa números de visitação a museus e exposições em todo o mundo em 2013. O Brasil aparece em quatro das 20 exposições mais populares de 2013, de acordo com o número diário de visitantes.

mais:
http://www.brasil.gov.br/cultura/2014/04/ministerio-apresenta-projecoes-para-2014

ARQUEOLOGÍA Y MUSEOS


Leyendo la excelente entrada de Francisco Javier Tostado en su blog, titulada“Perry Fawcett, el verdadero Indiana Jones”, nos ha inspirado para recuperar una antigua reflexión sobre los orígenes de la arqueología y su relación con los museos. Aunque como toda reflexión personal se hace discutible, lo que sí es cierto es que la historia nos ha regalado el personaje de William Petty (siglo XVII), una explosiva mezcla de pastor protestante, mujeriego y mercenario, que dedicó toda su vida a viajar, a la incesante búsqueda de belleza en forma de mármoles helénicos enterrados, así como especímenes ancestrales de toda clase y condición.



 
Hacía su trabajo fundamentalmente por Levante: Grecia, Turquía, Creta, etc., para que, una vez encontrados y desenterrados, se los llevaba por barco a su señor, un noble de la corte inglesa que los coleccionaba con verdadera obsesión. Aquel lord inglés, ahora no recordamos su nombre, con la inestimable ayuda de maese Petty, habilitó salas enteras de su castillo palacio para acomodar toda la obra expoliada por el mercenario y así mostrarla para deleite y envidia de sus amigotes. Su esposa coleccionaba tizianos , no reparando en gastos ni malas artes para que Petty se los llevara a casa, donde lucían privadamente en paredes enormes. Hubo un momento que ya no había espacio dentro del castillo para tanta escultura, por lo que el jardín se convirtió también en espacio expositivo. ¿Fueron Petty y su señor los primeros estudiosos de restos materiales de la vida humana ya desaparecida? ¿Fue ese el origen del primer museo de arqueología?

 
El libro de Alexandra Lapierre retrata la vida de William Petty, primer “arqueólogo” conocido de la historia. Hay quien duda que fuera un personaje real

El descubrimiento de las ciudades de Pompeya y Herculano en el siglo XVIII, provocó que comenzara un enorme interés generalizado por las culturas mediterráneas y una carrera abierta en búsqueda de vestigios arqueológicos. Hasta Napoleón comenzó una expedición militar entre los años 1798 y 1800, motivado por ese naciente interés por las cultura antiguas y que supuso el hallazgo de importantes nichos arqueológicos, entre los que se puede mencionar la Piedra de Rosetta. Entre los años 1822 y 1890, Heinrich Schliemann descubrió los restos de la ciudad de Troya. La carrera ya era imparable hasta que la arqueología se certificó como ciencia a mediados del siglo XIX. Fue el resultado de la combinación de intereses científicos concretos, entre los que sobresalen el reconocimiento de la gran antigüedad del hombre, la demostración de la teoría de la evolución y, además, el sistema de las tres edades propuesto por Thomsen. Este último publicó en 1848 una guía del Museo Nacional de Copenhague, en el que exponía el criterio seguido en la ordenación de las colecciones antiguas del ya transformado lugar de muestra de colecciones a museo nacional danés propiamente dicho, clasificándolas genéricamente en: Edad de Piedra, Edad del Bronce y Edad de Hierro. Esta clasificación fue seguida por la mayoría de los museos europeos.

 
El Museo Nacional de Copenhague es el considerado primer museo arqueológico del mundo por ordenar sus colecciones en tres etapas de la historia del hombre (1848). Hay quien asegura que el primero fue el Museo Británico (1759), la diferencia estriba quizá en el orden científico del primero y en el desorden del segundo

Antes de finalizar el siglo XIX se inician las primera excavaciones metodológicas, como las que realizó Pitt-Rivers, en las que se intentaba recuperar el registro arqueológico completo y no solo los objetos valiosos. A partir de se momento, se desarrolla lo que se conoce como etapa de la gran clasificación o método tipológico, que proporciona las bases para elaborar las distintas secuencias cronológicas con el objetivo de buscar respuestas para las grandes y fundamentales preguntas sobre la época de los objetos recuperados. La preocupación por la tipología está presente en las exposiciones de los museos prácticamente hasta mediados de lo que llevamos de siglo XXI.

 
Es indiscutible la importancia que el Museo Británico ha tenido y tiene en las grandes expediciones de estudios arqueológicos. Por el respeto que sentimos hacia la institución como tal, hoy no mencionaremos la palabra expolio

Todo artefacto creado por el hombre, que ha sido un instrumento para su uso cotidiano, centra todo la investigación y saber de la arqueología. Cuando estos objetos entran en un museo, en la mayoría de los casos – gran error en la mayoría de los casos, incluidos museos de enorme prestigio – lo único que se pretende es su exposición para la contemplación. Sin embargo, tenemos que decir también que la investigación arqueológica está evolucionando para dar paso a una visión didáctica que es importantísima para el entendimiento, por toda clase de público, porque los objetos comienzan a adquirir contexto gracias a una nueva museografía aplicada. Porque en definitiva, la arqueología sí es divertida; los arqueólogos y museógrafos didácticos lo saben bien.

fonte: http://evemuseografia.com/2014/04/24/arqueologia-y-museos/
 
 Imagen principal para redes sociales: California’s Cultural Heritage 

Museu do Sabão - Belver/Gavião

A antiga escola primária de Belver deixou de dar aulas mas continua a ensinar miúdos e graúdos. Agora, é a história do sabão que se conta num dos raros museus mundiais dedicados a este produto. Das origens milenares aos tempos em que foi estrela da publicidade, sem esquecer a memória coletiva da vila, revela o bê-á-bá do sabão e até explica como fazê-lo em casa.






Nem só de batalhas e conquistas se escreve a história de Belver. Esta vila secular, hoje pertencente ao concelho de Gavião, também chegou a ser um importante centro de produção de sabão. No século XVI foi lá instalada uma Real Fábrica do Sabão e, mesmo depois do fim monopólio régio (em 1858) o ofício manteve-se vivo graças a várias indústrias artesanais ou casas de Sabão Mole, como eram designadas na altura.

A tradição durou até à primeira metade do século XX mas desses tempos só restaram algumas ruínas (e as histórias dos mais velhos) por isso a autarquia decidiu construir um espaço que perpetuasse a memória coletiva dos saboeiros de Belver. O local escolhido foi a antiga escola primária que, depois de totalmente remodelada, ganhou uma nova vida como Museu do Sabão. Um ano depois da inauguração (abril de 2013) fomos espreitar o que agora se aprende por lá.

Da Mesopotâmia a Belver

Tal como o conceito do museu, também o edifício que o alberga é uma mistura entre antigo e moderno. Visto por fora, tanto faz lembrar as escolas do Estado Novo como surpreende pelas linhas contemporâneas e pelas amplas janelas que entretanto se acrescentaram nas paredes brancas. Lá dentro, qualquer semelhança com o passado é pura coincidência e o espaço torna-se até um pouco vanguardista, com expositores negros iluminados por dezenas de focos de luz.

Embora seja composto, sobretudo, por uma grande sala (com alguns recantos) apresenta vários espaços distintos, cada qual com a sua temática. Ao início começa por explicar a composição do sabão (estrutura molecular de átomos de carbono, oxigénio, hidrogénio e sódio ou potássio) e como atua na sujidade, socorrendo-se mais uma vez da química para o demonstrar. Da teoria à prática, revela também a receita de um sabonete de glicerina que os visitantes (com marcação) poderão experimentar no final da visita ou fazer mais tarde em casa.

Depois de uma pirâmide de sabão, segue-se uma viagem pela história deste produto, cujas origens remontam à Mesopotâmia e ao Egito, na altura ainda utilizado com fins medicinais. Um salto no tempo leva-nos depois ao século XVII quando a rainha Elisabete de Inglaterra começou o hábito de tomar banho… de quatro em quatro semanas.

O sabão em Portugal e, especificamente em Belver, também tem direito a expositores próprios, destacando a Real Fábrica do Sabão que existiu na localidade (século XV) e a revolta de saboeiros (século XIX) que ditou o fim do monopólio régio a este produto. Num recanto com vistas para o castelo há, inclusive, um teatro de fantoches que explica este episódio aos mais novos e dois manequins com trajes típicos do saboeiro e da saboeira.

Memórias que lavam mais branco

A área seguinte do museu oferece uma experiência mais interativa, a começar por uma maquete que mostra a localização das antigas saboarias. Ali ao lado fica uma pequena sala com objetos antigos, como colheres, facas de cortar sabão e vasilhas que serviam para misturar os ingredientes. É nesta altura que nos explicam por que razão esta indústria ganhou tanta relevância em Belver: tudo graças à abundância da matéria-prima (como o azeite e a cinza) essencial para o fabrico do sabão.

Um passo adiante depara-se com um ecrã tátil que desafia os visitantes a rebentarem bolinhas de sabão (as crianças adoram), um painel multimédia e um vídeo que mostra como se fazia o produto na localidade. Curiosamente este sabão nunca chegava a atingir o estado sólido (era mole) porque utilizava potassa e não soda cáustica como a maioria.

Por fim é tempo de admirar uma grande montra que ocupa o centro do museu. Dedicada às principais fábricas de sabão em Portugal – como a Confiança e a Ach Brito - mostra alguns dos sabonetes e detergentes que marcaram o imaginário do século passado, caso do Musgo, do Lux, do Rexina ou do OMO. Autênticas relíquias de infância para muitos visitantes que aqui matam saudadas dos produtos e slogans da época. Lembra-se do “Lava no tanque, ainda mais branco”?


fonte:
http://www.lifecooler.com/artigo/generico/museu-do-sabao/437854/reportagem/

II Seminário Internacional Arte e Natureza

Início: 28/04/2014 17:30
Fim: 30/04/2014 17:30 
 
Olhar e discutir a natureza, promovendo diálogos entre arte e ciência buscando novas alternativas para o desenvolvimento sustentável é o objetivo do  II Seminário Internacional Arte e Natureza. A arte, como forma de conhecimento sensível, oferece sua contribuição para a tomada de consciência das possibilidades e das dificuldades de relacionamento do homem com o meio ambiente. 

Participam  artistas e especialistas de diferentes países como Inglaterra, Estados Unidos, Alemanha e Colômbia, além de professores de diversas universidades brasileiras, como a USP, UFRGS, UFSC, UNB, UFBA, UFPEL e UFPA.

Como parte do seminário serão realizadas ainda duas exposições, uma no Paço das Artes e outra na Biblioteca Brasiliana, na USP. O Seminário conta com o apoio da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo.

Seminário
Data: 28 a 30 de abril
Hora:  abertura às 17h30
Local: Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin USP - Sala BNDES
Inscrições gratuitas
Exposição Naturantes
Paço das Artes: 24/04 a 04/05 – Abertura 24/04 às 19h
Biblioteca Brasiliana USP [Sala BNDES] : 28/04 a 12/05 - Abertura 28/04 às 17h30



Confira a programação do seminário aqui.

fonte:





http://www3.eca.usp.br/eventos/ii-semin-rio-internacional-arte-e-natureza