segunda-feira, 28 de abril de 2014

Museu da Cultura Popular, em Natal, é pichado após revitalização

Prefeitura pintou o prédio na quinta-feira (24), pichação foi no fim de semana. Prejuízo será de R$ 3 mil aos cofres públicos, diz secretaria.

3 comentários
Museu da Cultura Popular foi alvo de vandalismo  (Foto: Divulgação/Prefeitura de Natal)Museu da Cultura Popular foi alvo de vandalismo (Foto: Divulgação/Prefeitura de Natal)
Museu da Cultura Popular de Natal, localizado no bairro da Ribeira, foi alvo de pichadores neste final de semana. O espaço passou por uma revitalização em sua pintura na última quinta-feira (24). As imagens da pichação foram divulgadas pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) nesta segunda-feira (28). A pintura terá que ser refeita e, segundo a Semsur, custará um prejuízo de R$ 3 mil aos cofres públicos.

O espaço conta com 12 boxes de lojas, no piso inferior, que são de responsabilidade da Semsur, e o Museu da Cultura Popular, no piso superior, de responsabilidade da Fundação Cultural Capitania das Artes (Funcarte). Valério Max, diretor do departamento de operações da Semsur, explica que a secretaria está dando continuidade à revitalização do espaço, fazendo a pintura interna do prédio. A recuperação contempla o lixamento, recuperação da alvenaria e a pintura, que incluindo a mão de obra, custará o valor de R$ 40 mil. Devido ao ocorrido, o serviço só será concluído no final da próxima semana.

De acordo com o diretor do Departamento de Feiras e Mercados da Semsur, Jonas Gregório Mendes, há segurança particular no local apenas nos turnos matutino e vespertino, o que teria facilitado a ação dos vândalos. O titular da pasta, Raniere Barbosa, entrou em contato com a Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social (Semdes) para intensificar as rondas realizadas pela Guarda Municipal e evitar que ações como esta se repitam.

Depredação ao patrimônio público é crime, previsto no Art. 163 do Código Penal, qualificado pelo inciso III, que prevê detenção mais multa. A secretaria está verificando as imagens das câmeras de segurança instaladas no local para tentar identificar e punir os responsáveis pela depredação do espaço.

fonte:http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2014/04/museu-da-cultura-popular-em-natal-e-pichado-apos-revitalizacao.html

Memorial ao Mineiro - Extração do Carvão em Charqueadas/RS.

Um período significativo na História de Charqueadas! 




Alunos da turma 63/2011 entrevistaram a funcionária do Memorial, Sra. Cleoni da Silva Ribeiro. 

Alunos: Jéssica Chagas Pacheco, San Bittencourt de Avila Lima e Suzan Bittencourt de Avila Lima. Prof. José Edimilson Kober.

Veja o vídeo da entrevista no link abaixo:

http://charqueadashistoria.blogspot.com.br/

http://charqueadashistoria.blogspot.com.br/2011/06/memorial-ao-mineiro-charqueadasrs.html?q=Cleoni+da+Silva+Ribeiro

endereço acima do link é em substituição do link abaixo que foi removido. ok


Postado por Museu





É de conhecimento da Comunidade que o "esqueleto" (ruínas) do Poço 4 foi demolido.

A estrutura estava comprometida e a Copelmi obteve autorização para demolir o "esqueleto" do Poço 4 e minerar a céu aberto no local.
Antes (2012)


Depois (2014). Crédito: Simone Lemos.

Entretanto, em contrapartida, a Copelmi está investindo no Museu Estadual do Carvão, principalmente na restauração dos prédios e na preservação dos acervos e ruínas. 

Dois prédios já foram restaurados (antigo Laboratório e antigo Escritório, na frente do Museu), o prédio branco será o Arquivo Histórico da Mineração (AHM) e a prédio amarelo será o Administrativo do Museu. Ainda faltam quatro a serem restaurados (Usina, Almoxarifado, Oficinas e Casa Branca da Vigilância).

A médio e longo prazo, o Museu terá:
- Exposição de longa duração em ambiente adequado (climatização e acessibilidade, com elevador para o segundo pavimento);
- Arquivo Histórico para pesquisa histórica e ações educativas com a Comunidade Escolar;
- Telecentro Comunitário do Museu Estadual do Carvão ampliado e modernizado;
- Cine-Auditório com 60 lugares;
- Teatro tipo italiano entre 200 e 300 lugares;
- Cinco espaços para oficinas culturais diversas;
- Quiosque e restaurante;
- Projetos culturais diversos, inclusive de preservação e ampliação dos acervos, com destaque para o "acervo CADEM", documentação histórica sobre as empresas mineradoras, trabalhadores (mineiros) e o cotidiano da mineração, principalmente nas décadas de 1910 até 1960.

Tudo formalizado através de Acordo de Cooperação Técnica entre a SEDAC/RS, IPHAE/RS, Museu do Carvão e a Copelmi Mineração Ltda.


Estamos à disposição para maiores informações!
Att.
Equipe do Museu Estadual do Carvão.

Museu Aeroespacial incorpora caça Mirage M-2000 ao acervo

As aeronaves Mirage M-2000 e SEPECAT Jaguar GR.1 foram incorporadas, nessa sexta-feira (25), à coleção do Museu Aeroespacial (Musal). O Jaguar, desativado pela Real Força Aérea Britânica, foi doado ao Musal em 2012, e o MIRAGE M-2000, do 1º Grupo de Defesa Aérea (1º GDA), realizou seu último voo no dia 31 de dezembro do ano passado, quando pousou no lendário Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro, sede do museu.
 Durante a cerimônia, a unidade também recebeu a doação de 50 telas com temática aviação, oferecidas por artistas plásticos da antiga Associação Brasileira da Aviation Art (Abrarta).
Dentre as autoridades e convidados que participaram da cerimônia estavam o Tenente-Brigadeiro do Ar Paulo Roberto Cardoso Vilarinho, Diretor do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica, o Chefe do Gabinete do Comandante da Aeronáutica, Major-Brigadeiro do Ar José Magno Resende de Araújo, o Comandante da Universidade da Força Aérea, Major-Brigadeiro do Ar Paulo João Cury, o Adido de Defesa do Reino Unido e o Adido Aeronáutico da França.
Exposição
O Museu Aeroespacial participou das comemorações do Dia da Aviação de Caça, celebrado no dia 22 de abril, na Base Aérea de Santa Cruz (Basc). A unidade promoveu uma exposição sobre o Patrono da Aviação de Caça, o Brigadeiro do Ar Nero Moura e a apresentação de uma maquete interativa da Aeronave P-47, com matrícula D-4, a mesma que o então Tenente Aviador Rui Moreira Lima operou na Itália, na Segunda Guerra Mundial.
Musal
Inaugurado em 18 de outubro de 1976 a instituição tem o objetivo de preservar e divulgar o material aeronáutico e documentos históricos para as futuras gerações
Essa e outras exposições importantes para aviação no Brasil seguem disponíveis na sede do MUSAL.
Aeronaves foram incorporadas à coleção do Museu Aeroespacial
Aeronaves foram incorporadas à coleção do Museu Aeroespacial
Mais informações no site: www.musal.aer.mil.br

O Museu Regional do Dundo é fonte indicada para conhecer o passado dos povos Lunda.

Espaço modernizado, o Museu comporta mais de dez salas de exposição de peças utilizadas no passado como vestuário, amuletos e para a execução das actividades diárias dos povos. A Lunda Norte é conhecida pelas suas obras de escultura, olaria, tecelagem, cestaria e de metais, com destaque para o lutengo (forno de fundição e tratamento do ferro). 

O Museu mostra isso. “Mucanda”, uma pequena casa típica da região construída para a circuncisão dos jovens, está exposto em pequena dimensão. Ela servia para instruir os jovens a caçar e fazer outros trabalhos considerados masculinos. Possuía uma esteira, pente de pau e outros utensílios. Em grande plano, está exposta numa sala do Museu regional uma foto de um rei sentado na tradicional cadeira “Muata” e cadeiras para as pessoas que integram o elenco. 

O Mufuca é um deles. Há, entre os objectos expostos, o abano, utilizado para afugentar insectos voadores, e “Lucano”, pulseira passada de geração em geração que todos os reis usavam no pulso. Entre os diversos instrumentos expostos, constam igualmente as armadilhas para caça miúda e grossa, assim como outros meios mais sofisticados, como o arco e flecha e armas de espoleta. O responsável da área de educação cultural, André Ilunga, contou à equipa do para os povos lunda o espírito dos antepassados tem força e poder de curar doenças e ajudar as pessoas com problemas. “Quando as pessoas têm vida, adquirem um ‘Hamba’, amuleto usado para ajudar as pessoas a invocar o espírito dos antepassados. ‘Hamba ya kusema’ é também utilizado para ajudar mulheres com problemas de fertilidade.” 

Na sala de exposição denominada “Caça e vida Doméstica”, estão em exibição os instrumentos utilizados para várias actividades económicas, como enxadas, pontas de flecha, lanças, facas, adagas e catanas e alguns amuletos como “Kapikula ka jita”, usado para proteger o homem na guerra, pois existiam crenças de que afastava as flechas para o homem não morrer durante o combate. 

Neste espaço está também exposta, em miniatura, o “Shopa”, antigo tribunal em cujas sessões era dispensada a presença das mulheres. O funcionário da área de museologia, Baptista Bento, disse que na sala de exposição da exploração mineira existem materiais usados pela administração da antiga empresa Diamang, hoje Endiama. “Há uma miniatura da fábrica utilizada nas zonas de exploração mineira, pequenas jóias (brincos e colares) com pedras de diamantes, máquinas de dactilografia e materiais domésticos utilizados pelo primeiro administrador da Diamang.”

fonte:http://www.pressdisplay.com/pressdisplay/pt/viewer.aspx
)

Museu reúne peças que representam a cultura do vaqueiro no Piauí

Museu reúne mil peças sobre a vida do homem do campo no interior.
Local é mantido com incentivos da lei de apoio à cultura no estado.

Museu do Vaqueiro em Alto Longá reúne peças que representam a cultura do homem do campoO vaqueiro faz parte da história do piaui. ele representa bem a nossa cultura e a coragem do homem do campo. No município de Alto Longá, há 80 km de Teresina, um museu resgata essa cultura e reúne mil peças sobre a vida no interior.

Segundo Edivaldo Lira, que cumpre essa rotina diária há quase 40 anos. a profissão de vaqueiro é tão reconhecida que o vaqueiro ganhou até museu. “Essa é uma forma de valorizar, desde cedo, uma atividade que se confunde com a história do sertanejo. nessa profissão eu vou lutar até quando suportar”, contou.

O gibão de couro, a perneira e o chapéu ganham destaque. Afinal, é com eles que o vaqueiro enfrenta os espinhos na mata para reunir o gado. Uma lida que encantou desde cedo, o estudante Bruno Marques.

“É uma atividade bonita e quem experimentar montar em um cavalo nunca mais quer sair de cima dele. Na hora que saio da escola a primeira coisa que faço é procurar o cavalo para desenvolver a atividade de vaqueiro”, disse Bruno.

O acervo do museu tem também, cerca de mil peças que fazem referência à vida na zona rural do Piauí. Mantida com incentivos da lei de apoio à cultura, a casa promove oficinas e mantém um coral, que grava em estúdio próprio, homenagens ao vaqueiro.

Mas homenagem maior talvez seja o interesse das próximas gerações pela profissão. Edvaldo ensina os segredos do bom vaqueiro ao filho de sete anos. Na sela do cavalo, o garoto mostra que leva jeito. Para orgulho do pai.

fonte: 
http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2014/04/museu-reune-pecas-que-representam-cultura-do-vaqueiro-no-piaui.html

MUSEOS Y MUJERES

En la actualidad, podemos visitar museos de todo tipo y condición: museos del agua, de cucharas, de las banderas, de los carromatos, de los helados, de aves, de los ordenadores / computadoras, etc. En definitiva, los museos muestra un sinfín de temas al público que los quiera visitar. Solo con colocar en el buscador de sitios en internet la palabra “museo” aparecerán ante vuestra vista docenas y docenas de museos en todo el mundo, cada descubrimiento nuevo será tan único como el anterior. Sin embargo, no hay muchos museos dedicados a la mujer como contenido monográfico.


 

Los museos que muestran contenidos monográficos responden a la necesidad de mostrar elementos específicos del tema objeto de análisis científico e histórico. Museos dedicados al hombre hay muchos, desde el que fue Museo del Hombre del Trocadero de París, ahoraMuseo Quai Branly, o como el Museo del Hombre de San Diego, etc. El globo ofrece una gran variedad de museos dedicados a la parte masculina de la Historia pero, ¿No hay nada específico que contar y enseñar sobre las mujeres?


Lo femenino, desde el punto de vista museológico, ofrece un contenido inmenso

Podemos establecer un paralelismo – una vez superada esta intriga sobre la casi inexistencia de museos monográficos dedicados a la mujer -, para descubrir las razones de esta grave ausencia, y más que grave: son las mismas que explican que la Historia del Arte haya apartado sistemáticamente a las mujeres de su trayectoria existencial, porque el Arte, como el coñac Soberano, parecía ser cosa de hombres… El tratamiento de lo femenino en la museología es un hecho pendiente y debería urgir encontrar una solución para esta imperdonable ausencia generalizada. Para muchos no debe ser tan urgente porque ni siquiera son conscientes del vacío. Los que mandan suelen ser hombres, y ya se sabe. Es por este vacío el que queramos construir una solución museológica sobre el contenido de género y en especial, el de lo femenino.


Si las mujeres hubieran gobernado el planeta desde la noche de los tiempos, ¿habría habido guerras?

Lo femenino es un planteamiento que abarca multitud de variantes y enfoques museológicos diferentes, pero lo que más nos interesaría ahora es responder a las preguntas y enunciados que podrían ser contestados desde ese museo ahora imaginado. Son muchas, muchísimas las cuestiones a formular y que necesitan mostrar respuestas universales claras y adaptadas a toda condición de entendimiento, para todos los públicos. Quizá, lo más importante de todo este esfuerzo que habría que hacer inmediatamente, sería explicar porqué se ha dado a lo largo de la historia del hombre esa insistente marginación desde lo masculino a lo femenino. ¿Porqué a las mujeres se les ha negado sistemáticamente su protagonismo o ausencia del mismo en la Historia? El Museo de la Mujer, llamémosle así, debe intentar difundir un conocimiento más preciso y riguroso de cómo las diferencias y las semejanzas biológicas entre ambos sexos han sido siempre la base sobre la cual se ha estructurado toda la evolución inducida por el propio hombre. En resumen, en este museo, ahora imaginado, insistimos, es necesario en todos los lugares del mundo. Es necesario generar un discurso museológico por el cual podamos entender el papel desempeñado por la mujer en la evolución de la especie, hasta llegar al lugar que ocupa ahora en la Historia. Y cada lugar del mundo debería ser justo a la hora de explicar esa situación (no es el mismo lugar el que ocupan las mujeres de Finlandia que las de Senegal en sus respectivos países, ¿o sí?). En definitiva, estos museos sobre las mujeres del mundo, deberían ser de obligada construcción en todos y cada uno de los países, y tendrían la misión fundamental de explicar a los niños, y para todos los que quieran aprender, que los hombres y las mujeres somos iguales en todo, salvo, evidentemente, en el papel biológico que cada uno desempeña en el mantenimiento de la especie (reproducción).


Un museo que sin estridencias nos explique a todos (sobre todo a los que tienen dificultades para enterarse), que papel desempeña la mujer en el mundo del siglo XXI en todos los lugares del planeta

Los museos tienen una enorme responsabilidad formativa universal. Todas estas instituciones deben asumir el compromiso ineludible de provocar reflexión a sus visitantes sobre la vida, lo humano y, a su vez, sobre el conocimiento necesario para que todos nosotros seamos conscientes y hacer de este mundo un lugar mejor para vivir en igualdad. Da igual de que museo se trate, el objetivo debe ser siempre el mismo: humanizar – hacer que los hombres y mujeres seamos mejores personas cuando salgamos a la calle después de visitarlos -. Hay cuestiones, como son el lugar que ha ocupado y ocupa la mujer en el mundo, que necesitan ser abordados individualmente por su complejidad, y porque necesitan un gran esfuerzo de sensibilidad y delicadeza. Una museología que quiera centrar su atención en lo femenino, debe contemplar otros muchos temas colaterales, tales como la relación de las mujeres y el poder, así como mostrar qué cambios están ocurriendo en la actualidad en los diferentes lugares del mundo en relación al rol que la mujer desempeña: que está ocurriendo en Abu Dhabi y que ocurre en Holanda o Canadá en la actualidad, por ejemplo. O como, por ejemplo, las diferencias ideológicas, no solo políticas, sino también religiosas relacionadas con provocar diferencias entre el hombre y la mujer, existen hoy en día. La breve descripción de este Museo de la Mujer imaginado debería ser, ya para terminar: un lugar donde comencemos a desembarazarnos, ya y para siempre, de los estereotipos de genero (quien los tenga) ajustando nuestra cultura y nuestra capacidad de razonamiento para lograr que la igualdad entre ambos sexos se haga posible y, aprovechando ya que estamos, insuflar respeto hacia todo lo diferente.


Ésta de hoy, ha sido la entrada número 200. Estamos muy orgullosos de haber llegado hasta aquí, pero aun lo estamos más al comprobar que hay personas ahí fuera que nos seguís. Y no solo eso, muchos nos animáis con vuestras palabras y continuo apoyo para que lo sigamos haciendo, que insistamos en difundir la cultura de los museos. Por todo ello, a todos vosotros: ¡Gracias!



fonte:

--
tradutor google
--

Hoje, podemos visitar museus tudo caminha museus água, colheres, bandeiras dos vagões, sorvete , pássaros, computadores / computadores etc . Em suma , o museu exibe uma infinidade de questões que o público quer visitar. Só colocar nos sites do motor de busca da Internet na palavra " museu " aparecerá diante de seus dezenas e dezenas de museus vista em todo o mundo , cada nova descoberta vai ser tão único quanto a última. No entanto, não há muitos museus dedicados a mulheres como conteúdo monográfico .


 

Os museus que exibem conteúdo de caso corresponde a necessidade de mostrar elementos específicos do objeto de análise científica e histórica. Museus dedicado ao homem que muitos , já que era o Museu do Trocadero do Homem em Paris , Quai Branly ahoraMuseo , ou como o Museu do Homem , em San Diego, etc . O balão oferece uma variedade de museus dedicados à parte masculina da história, mas não há nada específico para dizer e ensinar sobre as mulheres?



O feminino , a partir do ponto de vista museu oferece um conteúdo enorme

Podemos traçar um paralelo - uma vez que esta intriga sobre a quase ausência de museu monográfico dedicado à mulher - para descobrir as razões para esta falta grave , e mais grave: eles são os mesmos que explicou que a história da arte tem consistentemente parágrafo mulheres de sua experiência existencial , porque as artes, como o conhaque Soberano , parecia ser uma coisa cara ... o tratamento do feminino em museologia é um fato excepcional e deveria instar uma solução para esta falta generalizada imperdoável. Para muitos não deve ser tão urgente , porque eles não estão mesmo cientes de ainda. Os poderes que são homens , e você sabe . É esta lacuna que queremos construir uma solução museológico sobre o conteúdo do género e especialmente o feminino .



Se as mulheres tinham governado o planeta desde o início dos tempos , teria sido guerras?

O feminino é uma abordagem que engloba diversas variantes e abordagens museológicas , mas o que nos interessa agora é responder às perguntas e afirmações que poderiam ser respondidas a partir do museu agora imaginado. Há muitas, muitas questões que precisam formular e apresentam respostas universais e apropriadas claras para todas as condições de entendimento , todos. Talvez o mais importante , esse esforço deve ser feito imediatamente , seria explicar por que foi dado ao longo da história do homem que a exclusão insistente de masculino para feminino . Por que as mulheres tem negado consistentemente qualquer papel ou a falta dela na história ? O Museu das Mulheres, chamá-lo bem, você deve tentar espalhar a mais precisa e rigorosa como as diferenças e semelhanças entre os sexos biológicos sempre foram a base sobre a qual toda a evolução tem estruturado pelo conhecimento induzida homem . Em resumo, neste museu , agora imaginado , insisto, é necessário em todas as partes do mundo. É necessário gerar um discurso museológico pelo qual entendemos o papel desempenhado pelas mulheres na evolução da espécie, até o lugar que hoje ocupa na história. E cada parte do mundo deve ser apenas no tempo para explicar a situação (não o mesmo lugar ocupado pelas mulheres na Finlândia do que no Senegal, em seus respectivos países , não é? ) . Em suma, estes museus sobre as mulheres do mundo, deve ser uma obrigação na construção de cada país , e poderia explicar a missão fundamental dos filhos , e para todos os que querem aprender, que homens e mulheres somos iguais em tudo, exceto, claro, no papel biológico cada um desempenha na manutenção das espécies ( reprodução ) .



Um museu sem alarde , explicamos a todos ( especialmente aqueles com dificuldades de aprendizagem ) , qual o papel que as mulheres desempenham no mundo do século XXI em todas as partes do mundo

Os museus têm uma enorme responsabilidade universal formativa. Todas estas instituições deverão ter o reflexo compromisso inevitável levar a seus visitantes sobre a vida, humana e , por sua vez , do conhecimento de todos nós para estar atento e fazer deste mundo um lugar melhor para viver em igualdade. Não importa que o museu está em causa , o objetivo deve ser sempre a mesma: humanizar - tornar os homens e as mulheres se tornarem pessoas melhores quando saímos para a rua depois de visitar - . Há questões, como ocorreu e posição das mulheres no mundo que precisam ser abordadas individualmente pela sua complexidade, e eles precisam de uma grande dose de sensibilidade e delicadeza . A museologia quer se concentrar no sexo feminino, deve-se considerar muitas outras garantias , como a relação entre as mulheres e as questões de poder e mostrar quais são as mudanças que ocorrem hoje em diferentes partes do mundo em relação ao papel as mulheres desempenham : está acontecendo em Abu Dhabi e ocorre na Holanda ou no Canadá hoje , por exemplo. Ou, por exemplo , os ideológicos, não só as diferenças políticas , mas também religiosas relacionadas com a causa entre homens e mulheres existem hoje. A breve descrição deste Museum of Women imaginava que deveria ser, e para terminar, um lugar para começar a livrar , agora e para sempre , os estereótipos de gênero ( quem ) ajustar a nossa cultura e da nossa capacidade de raciocínio para fazer igualdade entre os sexos e é possível , aproveitando como somos, respirar respeito por tudo diferente.



Isto hoje foi o número de entrada 200. ' Re muito orgulhosos de ter chegado tão longe , mas mesmo assim estamos mais para ver que há pessoas lá fora que você pode nos seguir. Não só isso, muitos que você encorajar-nos com suas palavras e apoio contínuo para continuar fazendo isso , insistimos na disseminação da cultura de museus. Portanto, todos vocês : Obrigado!