sábado, 10 de maio de 2014

Royal Air Force Museum

The Royal Air Force Museum is Britain’s only national museum dedicated wholly to aviation. With a world-class aircraft collection, integrated with special exhibitions, films, interactives, artwork, engines, missiles, photographs, uniforms, medals and research and education facilities, the Museum takes an innovative approach while keeping with tradition.




While offering an insight into aviation technology, it focuses on the people who made it possible – from daredevil early aviators, through wartime heroes, to the thousands of Service men and women whose contribution shaped the world we live in today.

Our London site is situated on what used to be RAF Hendon. It holds over 100 aircraft in five themed aircraft halls. Our museum at Cosford, is acknowledged as one of the leading public attractions in the Midlands and displays over 70 aircraft. It is home to the National Cold War Exhibition which focuses on the Cold War story from a national, international and social/political angle, as well as cultural perspectives. Plan a day out to remember at the Royal Air Force Museum. 
fonte:http://www.rafmuseum.org.uk/
@edisonmariotti - #edisonmariotti

Aquedutos portugueses expostos no Metropolitan Waterworks, em Boston

O público norte-americano pode ficar a conhecer melhor, até Abril de 2015, o património histórico português através da exposição "Aquedutos de Portugal", patente no museu "Metropolitan Waterworks", em Boston.




A exposição do levantamento fotográfico dos aquedutos nacionais, feito por Pedro Inácio, acontece no âmbito do 9.º Festival Português de Boston, que promove Portugal nos Estados Unidos com dezenas de eventos culturais, desportivos e religiosos entre os meses de Abril, Maio e Junho.

O património fotografado, de norte a sul do país, evidencia um importante legado relacionado com a história do abastecimento de água em Portugal, construído principalmente entre os séculos XVI e XIX.

"Portugal tem uma tradição de mover água durante distancias consideráveis, para uso em agricultura e uso da comunidade, pelo menos desde a época dos romanos. Os 15 aquedutos aéreos, com vários arcos, que foram selecionados para esta exposição abasteceram fortes, cidades, universidades, mosteiros, palácios, jardins e fabricas", explicou o director do museu, Dennis De Witt.

Pedro Inácio começou este levantamento em 2011.

"Este trabalho começou como um projeto que apresentei à EPAL [a Empresa Portuguesa de Águas Livres] e que foi publicado durante dois anos na revista da empresa", explicou à agência Lusa.

Pedro Inácio disse que realizou este trabalho por três motivos: "curiosidade pessoal, dever histórico e noção de serviço público".

"Portugal é um dos países com mais aquedutos no mundo, em proporção com a sua dimensão, e tem algumas estruturas únicas a nível europeu. Achei que era oportuno fazer esta espécie de roteiro e chamar a atenção para um património esquecido muito importante", declarou.

O trabalho foi primeiro exposto nas ruínas romanas de Milreu, no Algarve, e seguiu depois pelo país, terminando com uma exposição no Museu da Água, em Lisboa, e a publicação de um livro, em 2011.

Pedro Inácio é Coordenador do Museu da Água da EPAL e Vice-Presidente da APOM - Associação Portuguesa de Museologia. Tem três livros publicados com fotografias da sua autoria: "O Silêncio das Cegonhas", "Aquedutos de Portugal, arte e património" e "Galerias Subterrâneas e Chafarizes de Lisboa".

Iniciou a sua actividade fotográfica em 1985. A sua primeira exposição aconteceu no Museu do Pão, em Seia, e desde então tem exposto em diversos museus nacionais.

Internacionalmente, com o apoio do Instituo Camões, realizou a exposição "Pedras: A Paz Perpétua" (2010), no Centro Cultural Korea Foundation, e em 2012, apresentou "Aquedutos de Portugal", no Museu Nacional da História da Roménia, em Bucareste.
 
fonte:http://www.hardmusica.pt/cultura/museus/25778-aquedutos-portugueses-expostos-no-metropolitan-waterworks-em-boston.html

Hospital de Caridade participará da 12ª Semana de Museus em Florianópolis

Museu Sacro da Capela Menino Deus integra rede de atividades promovidas em todo o Brasil pelo Instituto Brasileiro de Museus

Centenas de museus em todo o país participam de 12 a 18 de maio da 12ª Semana de Museus, cujo tema é Museus: as coleções criam conexões. Em Florianópolis, o Museu Sacro da Capela Menino Deus, anexo ao Imperial Hospital de Caridade) está entre os participantes dessa edição.

Durante o evento, o Museu Sacro da Capela Menino Deus promoverá diariamente visitas guiadas das 8h30 às 9h30, com grupos de até 15 pessoas. O passeio será acompanhado por uma historiadora que falará sobre as peças que compõem o acervo da Capela Menino Deus e o seu significado para a população local. A visitação é gratuita.

Em 2014, cerca de 1.337 museus e instituições culturais de todos os Estados e no Distrito Federal estão participando da Semana, que terá no total 4.268 atividades.

Sobre a Semana Nacional de Museus

A Semana Nacional de Museus acontece anualmente para comemorar o Dia Internacional de Museus (18 de maio), quando os museus brasileiros, convidados pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), desenvolvem uma programação especial em prol dessa data. O tema norteador dos eventos é proposto pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM). Nesse ano, a sua 12ª edição ocorrerá entre os dias 12 e 18 de maio, quando instituições museológicas de todo o país promoverão atividades em torno do tema Museus: as coleções criam conexões.

Serviço
12ª Semana Nacional de Museus
Onde: Museu Sacro da Capela Menino Deus - rua Menino Deus, nº 376,  Centro, em Florianópolis.
Quando: 12 a 18 de maio, das 8h30 às 9h30.
Quanto: Gratuito

Museu na Alemanha fez o autor de Blowing in the Wind dar um passo além. "Seu conceito era pegar os rascunhos e torná-los maiores, porque eram muito pequenos, e também acrescentar-lhes cor",


Desenhos estão expostos em galeria de arte em Nova York e renda das vendas será destinada à organização que luta contra câncer e aids


Quadros da exposição 'Drawn Blank Series', de Bob Dylan (Reprodução)

Ícone da música, Bob Dylan também desenha e inaugurou na quinta-feira passada sua primeira exposição de arte em solo americano, na galeria Ross Art Group, em Nova York..

Uma série de quase cinquenta desenhos e rascunhos intitulada Drawn Blank Series, feitas entre 1989 e 1992 em plena estrada de suas várias turnês, compõe a mostra que estará aberta para admiradores da arte e da música até o dia 30 de maio.

As obras expostas estão à venda e seus preços oscilam entre os 2.500 dólares (cerca de 5.540 reais) a 425.000 dólares (cerca de 941.000 reais). O valor arrecadado será destinado à organização T.J. Martell Foundation, que luta contra o câncer e a aids.


Foto 1 / 20
Ampliar Fotos
Bob Dylan posa para foto em terraço, na cidade de Nova York, 1962
Bob Dylan posa para foto em terraço, na cidade de Nova York, 1962 - John Cohen/Getty Images

Embora Dylan tenha começado no desenho como uma "válvula de escape", há oito anos o cantor entendeu que a atividade podia se transformar em algo mais, motivo pelo qual decidiu publicá-los em um livro há 15 anos, sob o mesmo nome da exposição.

Em 2007, um museu na Alemanha fez o autor de Blowing in the Wind dar um passo além. "Seu conceito era pegar os rascunhos e torná-los maiores, porque eram muito pequenos, e também acrescentar-lhes cor", explicou Mike Ross, diretor da galeria Ross Art Group, em comunicado. "O que Bob Dylan quer é que cada pessoa que veja a mostra tenha sua própria percepção das artes expostas", concluiu.

(Com agência EFE)