sexta-feira, 30 de maio de 2014

Agendas Mundi XXVII

Hoy vamos un poco justos de tiempo – al “salto la mata” dicho en romano paladín -, ya que los viernes se desmarcan del resto de días con el cargamento de asuntos pendientes de toda la semana, y no damos abasto con todo aunque lo intentamos. Nos sabe mal, porque lo suyo es que os narremos el viaje desde Cuba con todo lujo de detalles, muy tranquilamente, al ritmo del Caribe que aun llevamos en el cuerpo. Todo ello, por supuesto, con la ayuda de la imaginación que es la que más alto vuela. A ver la próxima vez si nos podemos extender un poco más…






Foto: Design Boom






Mil disculpas os pedimos a todos por lo escueto. Pues eso, sin más preámbulo que hay estrés, nos ponemos a informar de todo lo bueno que hay en El Salvador el país de los parques naturales, sintiendo en el rostro la brisa del Pacífico. Hay mucho que ver en El Salvador, como probablemente ya sabréis, por lo que no vamos a perder ni un minuto más en diatribas “sin sustancia”. Caminando que es gerundio…

1. Museo Nacional de Antropología Dr. David J. Guzmán / San Salvador







Ubicado en la colonia San Benito, muy cerca de la conocida Zona Rosa, es un museo que alberga una valiosa colección de piezas arqueológicas desde la era pre-clásica (1500 a.C.- 250 d.C.). También cuenta con reliquias pertenecientes a la época colonial y los diferentes elementos que han constituido la civilización salvadoreña a lo largo de la historia.



Conocido también como MUNA, persigue la visión de propiciar el acercamiento y reflexión de los salvadoreños sobre su identidad cultural a través de exposiciones, constantes investigaciones, publicaciones y programas didácticos en los campos de arqueología y antropología que sirven de testimonio de los procesos sociales que se han dado en El Salvador. El museo cuenta con cinco salas de exhibición permanente y una sala temporal en el que se presenta la historia de nuestro país. En ellas encontrará tres épocas culturales diferentes: la prehispánica, colonial y contemporánea. Cada una está diferenciada por los colores café, amarillo y verde respectivamente .(Foto: Cámaro27 / texto: http://www.elsalvador.travel).

2. Museo de Arte de El Salvador (MARTE)/ San Salvador







El Museo de Arte de El Salvador (MARTE) fue inaugurado el 22 de mayo de 2003. Es una institución privada, sin fines de lucro, cuyo funcionamiento es responsabilidad de la Asociación Museo de Arte de El Salvador, la cual se creó con ese propósito y cuya personería jurídica se obtuvo mediante Acuerdo Ejecutivo No. 338 publicado en el Diario Oficial 89 Tomo 347 del 6 de mayo del año 2000. En corto tiempo, y gracias al trabajo desarrollado por la asociación, el museo se ha convertido en un referente obligado en la vida cultural del área centroamericana.



El MARTE exhibe una muestra permanente de arte salvadoreño con obras de su colección, de colecciones privadas y préstamos de artistas. Esta exposición brinda un amplio panorama del arte salvadoreño de mediados del siglo XIX hasta la época contemporánea. Así mismo, MARTE mantiene un programa de exhibiciones temporales, que han permitido que, por primera vez en El Salvador, se presenten obras de los grandes maestros del arte universal. Sus exhibiciones se complementan con un programa educativo que incluye visitas guiadas dirigidas principalmente a los estudiantes de las escuelas públicas del país, un programa de capacitación docente y un variado programa de actividades complementarias vinculadas directamente a las exhibiciones. (Fuente y foto: web del museo).

3. Museo de Escultura Enrique Salaverría / San Salvador







El Museo de la Escultura es un sitio acogedor y cálido, ubicado en la 59» Avenida Norte, entre la 1» Calle Poniente y la Alameda Juan Pablo II, en San Salvador. Desde noviembre de 1999 funciona en la ciudad este rincón cultural, muy poco conocido por las personas amantes del arte. En el amplio salón, que da la bienvenida a los visitantes, se observa una variedad de esculturas de diferente tamaño, posición y estilo Aunque todas tienen algo en común, han sido elaboradas por uno de los artistas salvadoreños que más han destacado en el área de la escultura y la cerámica: el señor Enrique Salaverría, originario de Juayúa, Sonsonate. (Foto: Camaro27 / Texto: Diario El Salvador).

4. Museo de la Televisión y el Cine Salvadoreño / San Salvador







Presentación histórica y documental de la actividad televisiva en El Salvador y recreación de estudios de televisión. Abierto de lunes a viernes de 9:00 a.m. a 5:00 p.m. No hay más (lo de la foto es un helicóptero, o lo que queda de él). (Info: es-turismopuro.blogspot.com.es).

5. Museo de la Palabra y de la Imagen de El Salvador / San Salvador









El MUPI posee un acervo excepcional representado en fotos, audio, cine, video, afiches, objetos, publicaciones, pinturas y dibujos, periódicos, manuscritos y libros donados a la institución por la entusiasta colaboración de la sociedad,algunos pertenecieron a personajes como Salarrué, Claudia Lars, Roque Dalton, María de Baratta, Prudencia Ayala, Hugo Lindo, Pedro Geoffroy Rivas, Matilde Elena López, entre otros. Este apoyo ha respondido al llamamiento de la campaña permanente “Contra el caos de la desmemoria”, que desde 1996 invita a donar o prestar algún objeto o documento con algún valor cultural, histórico o artístico. Además cuenta con una biblioteca especializada en temática social con mas de dos mil ejemplares para consulta.



El MUPI formó parte del Comité que erigió el Monumento a las Víctimas Civiles de Violaciones a los Derechos Humanos durante el conflicto armado. Tiene su sede en la capital salvadoreña y lleva a cabo exposiciones itinerantes, charlas, talleres y cine foros sobre cultura, memoria y Derechos Humanos en los lugares más apartados del país. Igualmente mantiene una línea de producción de libros y audiovisuales. (Foto y texto: web del museo).

6. Museo de Arte Popular de El Salvador / San Salvador









El Museo de Arte Popular de El Salvador, abre sus puertas a nuevos públicos a través de esta página, con el propósito de compartir la riqueza y singularidad del arte popular y las tradiciones de esta nación centroamericana. Diversas expresiones del arte popular salvadoreño, producto de prácticas populares tradicionales o de expresiones artísticas emergentes, son las que el Museo de Arte Popular exhibe en sus instalaciones y en exposiciones itinerantes. Como resultado de las actividades de investigación y conservación ha organizado más de 25 exhibiciones, algunas fuera del país, y ha logrado acumular una colección de más de 1,100 objetos y valiosos documentos. En el año 2001 inauguró su sede en la ciudad de San Salvador, donde mantiene la exposición permanente dedicada al reconocido arte de la miniatura en barro de Ilobasco, denominada – Sala de la Miniatura Dominga Herrera – en honor a la insigne creadora de este arte; y otras tres salas donde organiza exposiciones temporales.



Por las formas innovadoras de trabajo y difusión desplegadas, artistas y artesanos populares han comenzado a salir del anonimato característico adquiriendo prominencia nacional, como es el caso de don Ángel Mendoza Alvarado, destacado pintor, escultor y restaurador galardonado con el Premio Nacional de Cultura del año 2000. Es así como el Museo contribuye al reconocimiento y valoración del arte popular y las tradiciones como componentes culturales fundamentales para el desarrollo integral de nuestra sociedad. (Fuente y foto: web del museo).

7. Museo de la Ciudad de San Salvador / Santa Tecla







Museo en construcción, de ahí la naturaleza del texto que proviene del el Diario de El Salvador. El objetivo de todo museo de la ciudad es contar y describir el desarrollo histórico, cultural, arquitectónico y económico de la localidad. Por ejemplo, “la empresa La Constancia podría patrocinar el salón con la historia de la cerveza en el país. Con detalles sobre el proceso de elaboración y la maquinaria que usan”, explicó Espinosa. A la municipalidad también le interesa el primer carro Jeep que ingresó a El Salvador y que rodó por primera vez, en San Salvador.



De esa manera podrían llenar los espacios en los diferentes salones, con el apoyo de las empresas privadas, que a la vez, han sido protagonistas de la historia urbana. (Fuente y foto: Diario El Salvador).

8. Museo Regional de Occidente / Santa Ana







Santa Ana posee mucha identidad cultural y en ella podemos encontrar un lugar que nos cuenta la historia de la moneda en El Salvador. Nos referimos al Museo Regional de Occidente que ofrece una galería de monedas antiguas que han marcado la historia salvadoreña ya que estas circularon en las manos de los salvadoreños uno o dos siglos atrás. Las monedas que podemos encontrar en el Museo Regional de Occidente son de oro, plata y otros metales de antaño, siendo la moneda más antigua que encontramos en el museo, una moneda de “dos reales” que data del año 1828.



En el museo hay dos salas temporales en donde puede encontrar diversas exposiciones, pero existe la sala permanente en donde siempre podrá encontrar la exposición de monedas. También encontrará una biblioteca, cafetería y tienda de regalos para que se lleve un recuerdo de la visita al museo. Si usted desea visitar el museo de Occidente, podrá visitarlo en los horarios de martes a sábado de 9:00 am a 12:00 del mediodía y de 1:00 de la tarde a 5:00 p.m. (Fuente y foto: elsalvadoreshermoso.com).

9. Museo de la Revolución / Perquin – Morazán







El tema violencia, sea como sea, se exprese como se exprese, nunca nos gustará ni aunque se muestre en un museo. Lo sentimos, nos da igual que se el Imperial War Museum que el Museo de la Revolución de El Salvador, nos dan todos lo mismo y no nos gusta. Pero, para El Salvador , este es un museo importante y por eso vamos a mencionarlo aquí, mirando hacia otro lado. El municipio de Perquin ademas de contar con un gran potencial turístico, es el único municipio que cuenta con una gran reseña histórica. En Perquin se pueden visitar viviendas con gran legado del pasado de El Salvador, ya que sus paredes aun mantienen la esencia de lo que pasó en el conflicto armado. El Museo de la Revolución Salvadoreña, Homenaje a los Héroes y Mártires, fue fundado en diciembre de 1992 en el municipio de Perquin, Morazán, por un grupo de guerrilleros.



Este lugar cuenta una auténtica historia de los 12 años de conflicto armado en El Salvador a través de la recopilación de objetos, documentos, imágenes, información y testimonios de episodios relacionados con la guerra civil que vivió El Salvador durante la década de los ochenta. El museo está dividido en cinco salas diferentes, destinadas a recrear las causas que originaron la guerra: la vida en los campamentos, la solidaridad internacional, armas convencionales y acuerdos de paz y la Radio Venceremos.



Esta última se encuentra en el lugar desde donde se transmitía la señal de radio guerrillera durante gran parte del conflicto. El museo también muestra los restos de bombas, proyectiles, el helicóptero en el que falleció el Coronel Domingo Monterrosa, comandante del Batallón Atlacatl, durante la masacre de El Mozote. (Fuente y foto: perquinelcorazondemorazan.es.tl).

10. Parque de La Joya de Cerén / La Libertad







Joya de Cerén es un sitio único en Mesoamérica por tratarse de un asentamiento cubierto en plena vida por la ceniza de una repentina erupción volcánica, y por su importancia ha sido incluido en el Listado de Patrimonio Mundial (también conocido como Patrimonio de la Humanidad). La UNESCO (Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura) mantiene un catálogo de sitios naturales y/o culturales de destacada importancia mundial, el cual se denomina el Listado de Patrimonio Mundial (también conocido como el Listado de Patrimonio de la Humanidad).



Los gobiernos de los diferentes países del mundo pueden proponer el nombramiento de sus sitios. La UNESCO evalúa las propuestas presentados por los países en reuniones periódicas, aplicando criterios estrictos para decidir si se incluye un sitio en el listado. En 1992, CONCULTURA inició las gestiones para nombrar Joya de Cerén como Patrimonio Mundial, encargando a sus entonces empleados Manuel López y Paul Amaroli la tarea de llenar formularios y reunir la información necesaria (sic). La propuesta fue aceptada por la UNESCO en 1993. (Fuente y foto: fundar.org.sv).

11. Museo de San Andrés / La Libertad (Parque Maya Joya de Cerén)







San Andrés está situado en las riberas del río Sucio, hacia el centro del valle de Zapotitán. Hoy en día, esta región es famosa por su fertilidad, un factor también importante para las comunidades agrícolas que se desarrollaron en tiempos prehispánicos. Esta circunstancia se refleja en la alta densidad de sitios arqueológicos en el valle, con un número total estimado en unos 350. Uno de ellos es Joya de Cerén, el cual queda a cinco kilómetros en línea recta al noreste de San Andrés. San Andrés es uno de los centros prehispánicos más grandes de El Salvador. Habría constituido una capital regional entre los años 600 a 900 d.C. en el periodo Clásico Tardío.



Esta antigua comunidad cubría un total de 200 hectáreas o más y consistía en un centro monumental rodeado por una amplia zona residencial común. Se cree que San Andrés llegó a señorear el valle de Zapotitán, y algunas zonas vecinas, como el valle de las Hamacas donde se encuentra San Salvador. Este mismo lugar vio ocupación humana mucho antes de su apogeo como capital maya. Las investigaciones indican la existencia de un pueblo agrícola desde quizás 900 antes de Cristo hasta alrededor de 420 d.C., cuando la gigantesca erupción de Ilopango causó el abandono de la región. (Fuente y foto: fundar.org.sv).

12. Museo del Tazumal / Chalchuapa







Tazumal fue el primer parque arqueológico en El Salvador, y se encuentra entre los más antiguos de la región centroamericana. El sitio toma su nombre de la finca Tazumal que antes existió en este lugar. Aunque es generalmente aceptado que “Tazumal” es una palabra de origen indígena, su significado no está claro, y ni siquiera hay consenso acerca de a cuál idioma pertenece. En vísperas de la conquista española (que se inició en 1524), Chalchuapa era una comunidad Poqomam, un grupo maya muy extendida desde el valle de Guatemala hasta la zona fronteriza con el territorio salvadoreño. En años muy recientes (especialmente desde los 1980) se ha empezado a referirse al sitio como “El Tazumal”, probablemente derivado de “El Parque Tazumal”.



Esto es, sin embargo una clara aberración que afecta el nombre autóctono del sitio arqueológico. Las primeras noticias de Tazumal son de 1892, cuando el estudioso guatemalteco-salvadoreño Santiago Barberena hizo transportar al Museo Nacional tres esculturas del sitio. La más conocida es la estela de Tazumal, que hoy se exhibe en el Museo Nacional de Antropología “Dr. David J. Guzmán. (Fuente y foto: fundar.org.sv).

13. Museo Casa Blanca / Chalchuapa





Casa Blanca tiene un área de 6 hectáreas, que representa un fragmento de un sitio mucho mayor, ahora en gran parte destruido debido al crecimiento de la ciudad de Chalchuapa. Junto con la vecina zona de El Trapiche (fuera del parque), Casa Blanca llegó a ser el centro de un importante señorío maya temprano, de finales del período pre-clásico Tardío (aproximadamente entre 200 a.C. y 250 d.C.). La pirámide más grande conocida en El Salvador fue construida en el sector de El Trapiche, y frente a ella se colocó una estela cuyo texto fue borrado en la remota antigüedad. Otra estructura de esa época (investigada antes de su destrucción) contenía los restos de más de 30 personas, aparentemente sacrificados; es posible que hayan sido cautivos de una de las campañas de guerra conducidas por este antiguo reino.



Aunque esto fue el auge de Casa blanca, el sitio ha aportado evidencia de actividad humana anterior y posteriormente. Las primeras evidencias se remontan a casi 5,000 años, y consisten en el registro de polen de una pequeña laguna en la zona que indican la destrucción del bosque primario seguido por el cultivo de maíz, señalando de forma dramática la introducción de agricultura intensiva en la región, y el establecimiento de vida en aldeas que dio pie a las civilizaciones mesoamericanas. Los hallazgos más tardíos en Casa Blanca son de entierros con ofrendas, del período que cierre con la invasión de los españoles. El Gobierno compró el área de Casa Blanca en 1977. Después de varios años de labores en la creación de infraestructura por el Proyecto Arqueológico de El Salvador de la Universidad de Nagoya, Casa Blanca fue inaugurado como parque en 2004. (Fuente y foto: fundar.org.sv).



BIBLIOGRAFÍA:

MARTÍNEZ PEÑANTE, O.

Diccionario de personajes de El Salvador

Editorial Nuevo Enfoque, San Salvador (2000).



KARDE, J.

El descubrimiento y conquista de El Salvador

Dirección de publicaciones de El Salvador (2000).



BARRAZA, M. A.

Selección de escritores del istmo centro

Editorial Clásico Roxil, (2003).



ESCALANTE ARCE, P.

Los Tlaxcaltecas en Centro América

Editorial Dirección de Publicaciones, (2001).



MARTÍNEZ PEÑATE, O.

Historia de El Salvador

Editorial Nuevo Enfoque, (2003).



BARBA, J.

Mujeres en el rincón

Istmo editores, (2000).

fonte: · en MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, VIAJES. @edisonmariotti #edisonmariotti
Filho ilustre da Ilha da Madeira, CR7 vira museu e dá nome a novo estádio
Craque português não esquece laços com Funchal e torna-se inspiração a meninos que iniciam trajetória no futebol com a camisa do Nacional, clube que revelou o astro




Na lista dos destinos mais procurados de Portugal, a Ilha da Madeira é outra desde 5 de fevereiro de 1985. Em 29 anos, mudou de uma cidade com paisagem visualmente agradável para a terra de um dos maiores astros do planeta. Filho ilustre de Funchal, capital da ilha, Cristiano Ronaldo é rei por lá. Admirado por conterrâneos, copiado por garotos, procurado por turistas. No município de pouco mais de 100 mil habitantes, o camisa 7 do Real Madrid e da seleção lusa é, literalmente, mais do que um jogador. É o que mostra a quarta reportagem da série "Destino Copa", produzida pelos repórteres Caio Maciel e Carlos Velardi e o produtor Maiko Magalhães, da EPTV.

Entre o azul do oceano Atlântico, o verde das árvores e as fachadas típicas das casas viradas para o mar, a capital da Ilha da Madeira trata com orgulho o filho que mais se destaca mundo afora. Exemplo disso é o Estádio Cristiano Ronaldo Campus Futebol, usado pelas categorias de base do Nacional, clube em que o atacante despontou para Portugal. Atualmente, mais de 600 garotos utilizam a estrutura batizada pelo craque e sonham um dia seguir os passos na Europa.

Estádio com nome do craque é usado pelas categorias de base: CR7 não cobrou nada (Foto: Carlos Velardi / EPTV)


A ligação de CR7 com o Nacional é imensa. Filho de mãe cozinheira, iniciou a carreira no time amador do Andorinha, em que o pai era roupeiro. O imenso talento, porém, precisava de um lugar maior. Foi aí que o padrinho Fernão Souza o levou ao time da Ilha da Madeira para testes. Ganhou espaço e só saiu por causa de uma dívida de 30 mil euros com o Sporting, um dos grandes clubes de Portugal – quantia desprezível em relação aos milhões que vale hoje. Foi lá que deslanchou.


– Lembro como se fosse hoje. Disse: "Ronaldo, joga o que tu sabes". No fim do treino, cheguei para o treinador e perguntei o que tinha achado. Ele falou: "É um diamante, só falta lapidar" – lembra Fernão Souza.

A partir daí, o mundo todo conhece a história. Cristiano Ronaldo trocou Portugal pelo Manchester United e ganhou de Campeonato Inglês à Liga dos Campeões e Mundial de Clubes. Há cinco anos no Real Madrid, coleciona gols e títulos (o mais recente, justamente a Liga dos Campeões). Todas as lembranças da carreira de sucesso estão expostas no "Museu CR7", ilha particular aberta ao público no centro de Funchal.

Museu Cristiano Ronaldo guarda todas as conquistas individuais e coletivas do atacante (Foto: Carlos Velardi / EPTV)



Com 30 mil visitantes em apenas três meses de funcionamento, o museu guarda as duas Bolas de Ouro da Fifa, conquistadas em 2008 (Manchester United) e 2013 (Real Madrid), chuteiras de ouro, prêmios por artilharia, réplicas de troféus mais badalados, fotos desde o início da carreira e camisas importantes utilizadas a partir da base do Nacional da Madeira.

– É para as pessoas verem tudo que ele já conquistou – afirma o primo do craque, Nuno Viveiros, que toma conta do local.

Se Messi não existisse, ou existisse em uma outra época, Ronaldo seria o melhor jogador do mundo todos os anos. É curioso que, talvez pela primeira vez na história do futebol, existam dois números 1 do mundo"

Luis Miguel Pereira, jornalista


O único detalhe não exposto no museu é a rivalidade mais intensa da carreira de Cristiano Ronaldo. Se o português tem um calcanhar de Aquiles, ele chama Lionel Messi. O atacante argentino do Barcelona, eleito quatro vezes o melhor jogador do mundo no duelo particular com o luso, é o principal adversário de CR7. É, também, a motivação para objetivos futuros.

– É um obstáculo para o Ronaldo, sem dúvida. Se Messi não existisse, ou existisse em uma outra época, Ronaldo seria o melhor jogador do mundo todos os anos, e vice-versa. É curioso que, talvez pela primeira vez na história do futebol, existam dois números 1 do mundo – diz o jornalista Luis Miguel Pereira.


Na Ilha da Madeira, não há lugar para questionamento. Cristiano Ronaldo ganha de Lionel Messi por goleada. Isso, apostam os portugueses, também deve acontecer no futuro. O atacante luso, maior esperança de bons resultados na Copa do Mundo, é o protótipo de jogador de sucesso para os próximos anos.


– Messi e Neymar são talentos puros, de rua. Mas o futebol será dominado por atletas fabricados como Ronaldo, que são verdadeiras máquinas de futebol – aposta Pereira.

Cristiano Ronaldo e Messi travam duelo particular por prêmios individuais no futebol mundial (Foto: Agência Getty Images)
 
fonte>Por GloboEsporte.comCampinas, SP @edisonmariotti #edisonmariotti

Museu guarda troféus, conquistas e lembranças dos cem anos do Ceará

Pesquisador fala sobre acervo do Vovô e diz que ainda há peças faltando nas prateleiras. Historiador explica que torcida pode ajudar com doações.

Um lugar para guardar memórias. Com menos de quatro anos de fundação, o Centro Cultural Ceará Sporting Club tem a responsabilidade de acumular cem anos de história do Alvinegro em um único espaço. Troféus, conquistas e ídolos são reunidos em Porangabuçu, sede do clube, em Fortaleza.

O pesquisador Eugênio Fernandes é um dos administradores do museu do Vovô. Mesmo tendo chegado no local há apenas um ano, ele ressalta a importância de preservar a memória do clube, coisa que não era feita no início da história do Alvinegro.


- Antigamente, as pessoas não guardavam esses objetos que, hoje, são históricos. Não se tinha esse hábito de conservar. Hoje, com essa iniciativa, daqui a dez, vinte ou trinta anos, teremos um arsenal muito maior de peças que retratem a história do Ceará - explicou.

Os cerca de 200 troféus dividem espaço com faixas de títulos estaduais, medalhas e até outros objetos que não necessariamente têm a ver com futebol, como telefones antigos e máquinas de escrever. A coleção, no entanto, está longe de terminar.

- Sempre há algo novo do passado. Estamos catalogando tudo, ainda. O museu, inclusive, ainda não é aberto ao público, mas será. Não temos o conhecimento total de quantas peças temos guardadas aqui no museu do Ceará. Mas posso estimar 200 troféus - pontuou.


Boas lembranças

Os troféus conquistados são as maiores recordações que um time pode ter em sua história. Dos quase 200 conquistados pelo Alvinegro de Porangabuçu, segundo o pesquisador Eugênio, faltam alguns na contagem do clube para compor as estantes do memorial. Ele explica que o troféu mais antigo de títulos cearenses data de 1939, portanto, faltam os dos títulos anteriores.

- Acho que faltam cerca de dez troféus, ao todo. Há alguns que não estão com a plaquinha de identificação. Por isso, creio que alguns dos que estão faltando podem estar entre esses que ainda não catalogamos - explicou.

De todas, o xodó do pesquisador é a taça que marca o título Norte/Nordeste do Ceará sobre o Remo, conquistado em 1969.

- Acho que o mais memorável é o título do Nordestão sobre o Remo. Não foi uma competição local, para começo de conversa. O Ceará havia perdido o primeiro jogo e, no segundo, perdia até os minutos finais por 2 a 0, mas aí acabou conseguindo a virada. Foi inesquecível para quem estava lá, tenho certeza.

Além do Nordestão, as lembranças do vice-campeonato da Copa do Brasil contra o Grêmio, em 1994 e o acesso à Série A, em 2009, conquistado pelo Vovô, estão entre os momentos inesquecíveis eleitos pelo pesquisador na história do Ceará. No entanto, o feito mais incrível para o historiador é a presença dos mais antigos troféus.

- Nós temos quatro troféus dos anos de 1920. Nem sei como conseguiram, inclusive. Mas só o fato de terem conservado por 90 anos, já é muito. Acho isso incrível. Alguém guardou e conservou, como se faz com livros, jornais. A maneira como se preserva a história é algo louvável - declarou.

Galeria de troféus guarda inúmeras relíquias da história do Alvinegro (Foto: Cearasc.com/Divulgação)

Sem memória, sem história

Embora ainda não esteja aberto ao público, o Museu do Vovô conta com doações dos torcedores para formar o seu acervo. Eugênio relembrou o episódio em que um jogador enviou

- Se a pessoa tiver um livro antigo, uma revista, e quiser doar para o memorial, pode ficar à vontade. Inclusive, há um ex-jogador dos anos de 1980 que colaborou com um troféu. À época, elegia-se a seleção do mês e ele acabou ganhando um troféu por fazer parte do grupo. Então ele entrou em contato com o clube, anos depois, e doou sua conquista. Hoje faz parte do nosso acervo - rememorou.



Museu do Vovô ainda não está aberto ao público, mas em breve ficará (Foto: Christian Alekson/CearaSC.com)

Eugênio, que faz a contagem, por si só, de vários jogos e dados do Vovô, lamenta a ausência de camisas, chuteiras e outros artigos esportivos de épocas distintas do Alvinegro de Porangabuçu. No entanto, ele crê que, a partir de agora, com a iniciativa da criação do museu, o acervo cresça mais a cada dia.

- É importante preservar a memória de um clube. Um povo sem memória não tem história - finalizou.


fonte:http://globoesporte.globo.com/futebol/times/ceara/noticia/2014/05/museu-guarda-trofeus-conquistas-e-lembrancas-dos-cem-anos-do-ceara.html @edisonmariotti #edisonmariotti

Museu de cera abre em Pequim com grande presença de celebridades chinesas

O famoso museu de cera londrino Madame Tussauds inaugurou nesta quinta-feira em Pequim uma galeria na qual Leonardo DiCaprio e Brad Pitt dividem espaço com diversas estrelas chinesas.

O museu, localizado na antiga rua turística Qianmen, é a 16ª filial do Madame Tussauds no mundo e a terceira na China.

Contém figuras perfeitamente talhadas em cera de astros internacionais do cinema ou da música pop, de George Clooney a Madonna, passando por Johnny Depp e Lady Gaga, que são muito populares na China.

Também estão presentes atores de Hong Kong, como Jackie Chan, ou cantores como Cui Jian, o "pai" do rock chinês, além de Yang Liwei, primeiro astronauta chinês a ir ao espaço, a jogadora de tênis Li Na e o jogador de basquete da NBA aposentado Yao Ming.

"A ideia é poder ver de perto as estrelas. Há líderes internacionais, como Obama, mas não há autoridades chinesas", indicou à AFP Craig Dunkerley, diretor das novas filiais do grupo Merlin Entertainment, proprietário da franquia Madame Tussauds.

Ele garantiu ainda que novas celebridades serão incluídas no futuro.

A galeria em Pequim encontra-se a 500 metros da praça Tiananmen, símbolo do poder central.
 
fonte:http://diversao.terra.com.br/arte-e-cultura/museu-de-cera-abre-em-pequim-com-grande-presenca-de-celebridades-chinesas,fb2b3957bc746410VgnCLD200000b0bf46d0RCRD.html @edisonmariotti #edisonmariotti

Ibermuseus participa do Encontro Anual da Aliança Americana de Museus

A participação no encontro celebrado em Seattle (EUA) é um exemplo dos trabalhos de diplomacia cultural do Programa
 
O encontro celebrado na cidade do Seattle, nos Estados Unidos, ocorreu entre os dias 18 e 21 de maio com a sua temática centrada na vantagem da inovação (“The innovation edge”). O evento teve a participação de profissionais e instituições de todos os estados norte-americanos e de mais de 50 países. Também tiveram representação, em 268 stands, expositores de museus, universidades, organizações públicas e privadas e diversas instituições ligadas à Economia dos Museus, como empresas fornecedoras de produtos e serviços (expografia, maquetes, acondicionamento, guias interativos, produtos para lojas de museus, exposições itinerantes etc.).

O Programa Ibermuseus foi convidado para divulgar as suas atividades em um stand onde foi exposto e distribuído o seu material de comunicação, além de explicadas as suas atividades nas políticas públicas ibero-americanas de museus e realizado o contato com organizações e profissionais dos EUA e de todo o mundo.

A participação no evento é mais uma ação da estratégia do Ibermuseus para estabelecer parcerias com instituições não ibero-americanas, ampliando, assim, a abrangência de seus trabalhos e da promoção dos princípios da museologia social que possibilitem futuros projetos conjuntos.

Atividades desenvolvidas pelo Programa

O Programa manteve uma reunião com responsáveis da AAM para estabelecer futuras colaborações. Além disso, a AAM ofereceu espaço para que o Ibermuseus participe do próximo encontro, a ser realizado em Atlanta, em 2015, e que terá como tema “O Papel Social dos Museus”.

Ibermuseus também participou de vários eventos com a Latino Network (Rede de Trabalho Latina), onde trocou informações com outras instituições ibero-americanas e representantes de instituições norte-americanas de temática latina, como o Smithsonian Latino Center, com os quais foram identificadas sinergias e possibilidades de atuação conjunta para o futuro.

Vale destacar a apresentação de experiências de instituições internacionais, como a mexicana Muna Cann Cagigas, do Museu Universitário de Arte Contemporânea do México, que mostrou o projeto “El MUAC en tu casa”, ganhador de uma Menção Honrosa no IV Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus do Ibermuseus, que propõe uma renovação da experiência museal com novos formatos, através do link da arte contemporânea com a comunidade de estudantes, que, aceitando expor temporariamente uma peça de arte na casa própria, foram envolvidos nos processos museiais de documentação, gestão, exibição, educação e estratégias de comunicação.
 
fonte:http://www.ibermuseus.org/noticias/ibermuseus-participa-do-encontro-anual-da-alianca-americana-de-museus/ @edisonmariotti #edisonmariotti

Academia de Ciências da Califórnia serve de cenário para o Regenera


Local é considerado um dos dez maiores museus de história natural do mundo
A Academia de Ciências é um dos dez maiores museus naturais do mundo (Foto: Aline Kras/TV Globo)Academia de Ciências é um dos dez maiores museus naturais do mundo (Foto: Aline Kras/TV Globo)
 
Uma obra-prima da arquitetura sustentável, localizado em um dos pulmões verdes da cidade São Francisco, o Golden Gate Parke. A Academia de Ciência da Califórnia é um dos dez maiores museus de história natural do mundo e é um dos cenários de Geração Brasil. Lá foram gravadas várias cenas da Regenera, instituto do famoso guru pop Brian Benson (Lázaro Ramos).

O museu é composto por áreas muito originais como um aquário que abriga tubarões, planetário, além de galerias exposição  (Foto: Aline Kras/TV Globo)museu é composto por áreas muito originais como um aquário que abriga tubarões, planetário, além de galerias exposição (Foto: Aline Kras/TV Globo)

Criado pelo arquiteto Renzo Piano em um edifício de 1934, a obra levou cerca de 10 anos para ficar pronta e custou US$ 500 milhões. O museu é composto por áreas muito originais como um aquário que abriga tubarões, planetário, além de galerias de exposição projetadas para receber muita luz natural. Um dos grandes destaques é o enorme telhado verde de cerca de 100.000 metros quadrados. Uma homenagem às colinas de São Francisco, ele é coberto com 1,7 milhão de plantas nativas.

A equipe de Geração Brasil durante as gravações no Academia de Ciências da Califórnia (Foto: Aline Kras/TV Globo)equipe de Geração Brasil durante as gravações no Academia de Ciências da Califórnia (Foto: Aline Kras/TV Globo)
 


Só um lugar assim para representar toda a grandeza de Brian Benson e da Regenera!

Saiba tudo sobre novelas, programas de variedades e reality shows da TV Globo! E veja também receitas, dicas de estilo e conteúdos exclusivos só para a web. Conheça o Gshow!
 
 
@edisonmariotti #edisonmariotti http://gshow.globo.com/novelas/geracao-brasil/extras/noticia/2014/05/academia-de-ciencias-da-california-serve-de-cenario-para-o-regenera.html

Museu Puskin quer promover a arte russa no exterior

Irina Antonova propôs a promoção de eventos no formato mostras e debates


A presidente do Museu Estatal Pushkin de Belas Artes, Irina Antonova, acredita que os programas culturais públicos do país devem concentrar-se mais na promoção da arte russa no exterior. Durante um discurso no Ministério da Cultura, ela afirmou que é "muito importante promover as conquistas da cultura russa no espaço artístico global”, lembrando que quando perguntou ao diretor do Louvre que pintores russos ele conhecia, o chefe do museu parisiense só soube lhe dar dois nomes: Repin e Vereshchaguin.

Antonova propôs ainda, como ferramenta possível para a promoção da arte russa, um formato de mostras e debates. Segundo a diretora do instituto moscovita, quando as galerias estrangeiras pedem um quadro ao Museu Pushkin, “se referem principalmente a um ícone ou a algum trabalho de vanguarda”, não solicitam outras telas “porque não as conhecem”.

@edisonmariotti #edisonmariotti http://www.diariodarussia.com.br/cultura/noticias/2014/05/30/museu-puskin-quer-promover-a-arte-russa-no-exterior/

Museu do Palácio vira cenário para gravação de documentário

Filme “Memórias de Sangue’ contará história do jornalista Jayme Miranda

O Museu Palácio Floriano Peixoto (Mupa) foi cenário, na quinta-feira (28), de uma das cenas do documentário ‘Memórias de Sangue’, do jornalista e historiador João Marcos Carvalho e com direção de fotografia de André Feijó.

O documentário será lançado em sessão especial na próxima terça-feira (3) de junho, às 20 horas, no Cine Arte Pajuçara (Cine Sesc) e a entrada gratuita.

O documentário de produção alagoana conta a história do advogado, jornalista e militante comunista alagoano Jayme Miranda, sequestrado e assassinado pela ditadura militar e cujo corpo está desaparecido desde fevereiro de 1975.

Diante das várias versões sobre o desaparecimento de Jayme Miranda, o filme cobra informações oficiais do Estado brasileiro sobre o paradeiro de Jayme e de outros 163 opositores da ditadura que ainda estão na condição de desaparecidos.

Recheado com imagens raras de fatos que agitaram a vida política e social brasileira - somada a depoimentos de historiadores, amigos, familiares e ex-companheiros de Miranda -, o filme traz também momentos da história política em Alagoas.

Uma das cenas gravadas na sacada do Mupa, por exemplo, se passa na época do governo de Silvestre Péricles. O ator Delson Rocha Braga representa Péricles em situação tensa.

Produção

Para o historiador João Marcos Carvalho, o documentário é uma ferramenta para tentar manter viva na memória nacional. “É a saga de um homem que sacrificou uma vida que poderia ser tranquila e sem atropelos pelas agruras da luta revolucionária que acabou lhe tirando a vida”, afirma.

Olga Miranda, filha de Jayme Miranda, conta que a produção do filme foi uma surpresa para ela e que está ansiosa para ver o resultado. “Foi surpresa saber do filme e estou muito feliz de ver que meu pai está sendo lembrado como uma pessoa do bem, assim como ele era. Sua história está sendo recontada da maneira correta, não como falaram antes, como está nos arquivos do DOI-CODI. Ele era um humanista que amava sua pátria e seu povo”, ressaltou Olga.

O personagem

Militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desde o início dos anos 40 do século passado, Jayme Miranda sumiu em uma rua do Rio de Janeiro, quando foi ao encontro de um companheiro de partido que deveria entregar-lhe documentos para que pudesse fugir do País por causa das perseguições da política.




Naquela época, a ditadura militar brasileira, implantada em 1º de abril de 1964, era comandada pelo general Ernesto Geisel. Depois de eliminar inúmeras facções da esquerda que haviam optado pela luta armada contra o regime, o alvo seguinte foi o Partido Comunista Brasileiro (PCB), o chamado Partidão, que, por sua vez, escolhera a luta revolucionária pacífica para derrotar o sistema militarista.

Na caça aos comunistas, dez membros do Comitê Central do PCB, órgão máximo partidário, foram capturados, entre eles Jayme Miranda, que vivia clandestinamente no Rio de Janeiro, sendo, na época, o terceiro homem na hierarquia nacional da agremiação vermelha.

No filme, o autor procura situar o militante Jayme Miranda no contexto histórico nacional dos últimos cem anos, enfocando sua trajetória desde o nascimento, em 1926, até a ascensão como um dos principais líderes do PCB, no final dos anos 60.



fonte @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.tribunahoje.com/noticia/104621/cidades/2014/05/30/museu-do-palacio-vira-cenario-para-gravaco-de-documentario.html

Danças árabes são tema da Virada Cultural no Museu do Café

Danças árabes são tema da Virada Cultural no Museu do Café.Serão duas apresentações de danças características da região, que serão realizadas em meio às comemorações ao Ano do Catar no Brasil


A Virada Cultural paulista acontece entre os dias 31 de maio e 01 de junho, e o Museu do Café, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, participa das atividades com uma programação especial voltada à cultura árabe, em homenagem ao Ano do Catar no Brasil. Serão duas apresentações de danças características da região, que enfatizam a elegância predominante nas manifestações culturais local, ambas ministradas pelo Espaço Artístico Malaika.

No dia 31, às 19h, o Museu recebe uma apresentação de Dança do Ventre Clássica, famosa por seu estilo único. Na performance, duas bailarinas aliam técnicas que envolvem todo o corpo, utilizando vibrações, ondulações e rotações - movimentos sempre ligados aos ritmos da música árabe.

No dia seguinte, às 16h, outra modalidade de Dança do Ventre será demonstrada ao público. O estilo folclórico Rhassa, uma variação da dança tradicional, inclui a participação de um homem junto às bailarinas. Essa formação permite também coreografias da Dança Dabke, originalmente masculina. Ambas as atividades são gratuitas e acontecem na Cafeteria do Museu.

O Museu do Café fica à rua XV de Novembro, 95, no Centro Histórico de Santos. Seu horário de funcionamento é de terça a sábado das 9h às 17h, e aos domingos entre 10h e 17h. Os ingressos para visitação custam R$ 5, estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada. Já a Cafeteria do Museu funciona de segunda a sábado das 9h às 18h, e aos domingos entre 10h e 18h.
 
fonte @edisonmariot #edisonmariotti
 
Danças árabes serão tema da Virada Cultural no Museu do Café neste ano (Foto: Arquivo/DL)
Danças árabes serão tema da Virada Cultural no Museu do Café neste ano (Foto: Arquivo/DL)


Outras informações estão disponíveis no site www.museudocafe.org.br.

Pinacoteca Benedicto Calixto será museu referência em evento estadual

O Encontro Paulista de Museus reúne, anualmente, mais de 1000 participantes, entre prefeitos, secretários de cultura, dirigentes, profissionais de museus do estado de São Paulo e de todo o país e convidados internacionais, como Georgina Young, do Museum of London, com o objetivo de debater aspectos da gestão e da política das instituições museológicas brasileiras, bem como ampliar a rede de interlocução e de colaboração dos museus paulistas.



A Pinacoteca Benedicto Calixto será citada como o único museu da América Latina a disponibilizar um livro interativo para iPads (Foto: Divulgação/PMS)

Na sexta edição do evento, marcada para os próximos dias 02, 03 e 04 de junho, a Pinacoteca Benedicto Calixto será citada como o único museu da América Latina a disponibilizar um livro interativo para iPads, com acesso gratuito para download e consulta. Nem mesmo instituições como a Pinacoteca do Estado ou o Masp, que é o museu mais visitado do Brasil, desenvolveram um projeto tão avançado até o momento.

Em uma área especial, onde apenas 25 instituições vão mostrar projetos nas áreas estruturantes ou educativas, a Pinacoteca Benedicto Calixto vai ocupar um dos espaços e apresentar para o público do Encontro o Calixto Digital.

“Recebemos com orgulho e satisfação o convite para integrar um grupo tão seleto. É o reconhecimento de um trabalho sério, que tem como principal objetivo avançar, democratizar e e valorizar ainda mais o museu e a obra de Calixto”, diz a vice-presidente da Pinacoteca, Silvia Teixeira Penteado.

Calixto Digital coloca a Pinacoteca a frente do seu tempo

A Pinacoteca Benedicto Calixto é, hoje, o único museu da América Latina a dispor de um livro interativo para iPads. Com tecnologia multi-touch (multi-toque), “Calixto Digital” permite ao usuário interagir de maneira simultânea com textos, imagens, vídeos e sons. Criada, produzida e editada pela equipe da BITCOM Comunicação Digital, a obra está disponível para iPads a partir da 2ª geração e computadores com o sistema MAC OS.

Com aproximadamente 100 páginas, o livro é ilustrado com fotos em alta resolução,vídeos e trilha sonora exclusiva. Animações criadas pela empresa oferecem ao leitor um passeio sensorial pelas obras de Benedicto Calixto em exposição permanente no histórico Casarão Branco que abriga a Pinacoteca.

As fotos foram clicadas pelo fotógrafo André Luiz Salibi e revelam detalhes do antigo imóvel e das obras de Calixto nunca antes destacados. Os textos, conduzidos pelos jornalistas Maurício Businari e Maria Cecília Rodrigues, abordam o contexto da época em que viveu o artista e sua trajetória, desde a infância até sua consagração como um dos maiores ícones da pintura paulista. E recontam a história do Casarão, revelando as experiências vividas por sua antiga moradora, Edith Pires, na Era de Ouro do café.

Com a tecnologia empregada, é possível aproximar as imagens e destacar detalhes das obras quase imperceptíveis a olho nu. O leitor consegue notar desde a profusão de cores usadas pelo artista em cada obra até o volume de suas pinceladas, demonstrando a tridimensionalidade do ser, paisagem ou objeto que o pintor intencionava retratar.

Os vários recursos - que possibilitam a manipulação das fotos com os dedos, aumentando, diminuindo ou aproximando-as - permitem ainda, por exemplo, que as vozes dos entrevistados sejam ouvidas ao toque de um botão. Outro ponto fundamental da plataforma é que ela permite fazer anotações, que podem ser realizadas como “post-its” (lembretes) em páginas individuais ou em fichas para revisão. Para selecionar um texto é só deslizar o dedo pela tela, em um movimento tão simples quanto intuitivo. Isso sem falar no glossário para esclarecer os termos mais difíceis.

A trilha sonora é uma atração à parte. Produzida eletronicamente com softwares de última geração, ela foi composta especialmente pelos artistas do HI-BRAZIL para dar ambiência sonora aos vídeos e animações que acompanham a narrativa. Para chegar aos arranjos finais, o grupo pesquisou a história e os ritmos e sonoridades da época em que viveu Benedicto Calixto, como o maxixe, o chorinho, e o lundu.

Calixto Digital” pode ser baixado diretamente no site da Pinacoteca (www.pinacotecadesantos.org), no formato iBooks 2, para iPads e computadores que operam com o sistema MAC OS. A boa surpresa é que ele também poderá ser baixado no formato PDF, sem animações, porém mantendo a qualidade das imagens, com fotos de alta resolução e textos elucidativos sobre a Pinacoteca e a trajetória do pintor.
Para ler mais notícias, curta a página do Diário do Litoral no Facebook, siga nosso Twitter ou adicione ao Google+
@edisonmariotti #edisonmariotti 

Terceira edição da Bienal da Bahia contará com exposição do conselheiro de cultura Almandrade

A fim de retomar o elo perdido entre as bienais de 1966 e 1968, quando houve censura de obras pela ditadura militar, o conselheiro de cultura Almandrade participa de exposição que traz à tona objetos geométricos e conceituais que dialogam com arte barroca insinuando um discurso político que vai além da nostalgia. Intitulado A Reencenação – 3ª Bienal da Bahia, o projeto terá abertura neste sábado, 31, às 19 horas, no coro da Igreja do Mosteiro de São Bento.
Obra de Almandrade

Com curadoria de Fernando Oliva, a exposição ficará aberta até 7 de setembro. Serão dez trabalhos assinados pelo conselheiro, que explora a geometria e o conceitual da arte contemporânea com peças produzidas desde a década de 70 até os dias atuais. “Meus objetos passeiam entre dois tempos, do mais antigo ao mais recente, ou melhor, são atemporais. São obras contemporâneas que contrastam com o estilo Barroco que pode ser encontrado no Mosteiro de São Bento”, conta o artista.
Crédito: Divulgação

Exposição em cartaz até 7 de setembro

Almandrade foi escolhido para o projeto como um dos destaques artísticos da Bahia. “Ele é um grande artista e merecia mais representatividade. Queremos mostrar como são seus trabalhos e valorizá-lo”, conta o curador Fernando Oliva.

A Bienal também promete a execução em praça pública de uma obra do artista e conselheiro, como um legado da 3ª Bienal para a cidade do Salvador. Uma escultura que segue a tendência construtiva em aço pintado para interagir com o transeunte de forma lúdica e racional, ao mesmo tempo. Será a sua primeira obra em espaço público. Desde o final da década de 1970 que Almandrade projeta escultura pública e não teve ainda oportunidade de ver uma delas executadas.

Satisfeito com o convite de participar da 3ª Bienal da Bahia, o conselheiro de cultura acredita que esta será uma oportunidade de participar de um circuito de arte, com trabalhos produzidos em décadas passadas e que continuam atual. “O evento mobiliza o mercado, além de ser essencial à cultura da cidade. É uma referência para todo o Brasil”, afirma Almandrade.

Na ocasião serão apresentadas também obras de Juarez Paraiso, Sante Scaldaferri, Pierre Verger, Arthur Scovino, Pedro Marighella, Lia Cunha, Ana Verana, Daniel Lisboa, Lenio Braga, Charbel Boutros, Thiago Martins de Melo, Anizio de Carvalho, Tetine, Gaio e Rodrigo Matheus.

EVENTO – A exposição A Reencenação tem como objetivo resgatar obras confiscadas na época pelo governo militar e recriar, nas condições possíveis, projetos que não tiveram seu potencial plenamente realizados. “Buscamos um diálogo entre forças muito distintas que não se dão só nas formas, mas também na política entre direita e esquerda”, finaliza o curador Fernando Oliva.
Serviço

O quê: exposição A Reencenação – 3ª Bienal da Bahia

Quando: inauguração 31 de maio, sábado, às 19h. Aberta ao público de 2 de junho a 7 de setembro. Das 9h às 11h30 e das 13h30 às 17h30, de segunda a sexta-feira.

Onde: Largo de São Bento , S/N , Barroquinha.

Mais informações: (71) 2106-5200 por Ascom CEC-BA
- See more at: http://conselho.cultura.ba.gov.br/almandradenabienal/#sthash.KFmzogaV.dpuf

@edisonmariotti #edison.mariotti

0

Crédito: Divulgação
Obra de Almandrade (clique e amplie)
A fim de retomar o elo perdido entre as bienais de 1966 e 1968, quando houve censura de obras pela ditadura militar, o conselheiro de cultura Almandrade participa de exposição que traz à tona objetos geométricos e conceituais que dialogam com arte barroca insinuando um discurso político que vai além da nostalgia. Intitulado A Reencenação – 3ª Bienal da Bahia, o projeto terá abertura neste sábado, 31, às 19 horas, no coro da Igreja do Mosteiro de São Bento.
Com curadoria de Fernando Oliva, a exposição ficará aberta até 7 de setembro. Serão dez trabalhos assinados pelo conselheiro, que explora a geometria e o conceitual da arte contemporânea com peças produzidas desde a década de 70 até os dias atuais. “Meus objetos passeiam entre dois tempos, do mais antigo ao mais recente, ou melhor, são atemporais. São obras contemporâneas que contrastam com o estilo Barroco que pode ser encontrado no Mosteiro de São Bento”, conta o artista.
Crédito: Divulgação
Exposição em cartaz até 7 de setembro (clique e amplie)
Almandrade foi escolhido para o projeto como um dos destaques artísticos da Bahia. “Ele é um grande artista e merecia mais representatividade. Queremos mostrar como são seus trabalhos e valorizá-lo”, conta o curador Fernando Oliva.
A Bienal também promete a execução em praça pública de uma obra do artista e conselheiro, como um legado da 3ª Bienal para a cidade do Salvador. Uma escultura que segue a tendência construtiva em aço pintado para interagir com o transeunte de forma lúdica e racional, ao mesmo tempo. Será a sua primeira obra em espaço público. Desde o final da década de 1970 que Almandrade projeta escultura pública e não teve ainda oportunidade de ver uma delas executadas.
Satisfeito com o convite de participar da 3ª Bienal da Bahia, o conselheiro de cultura acredita que esta será uma oportunidade de participar de um circuito de arte, com trabalhos produzidos em décadas passadas e que continuam atual. “O evento mobiliza o mercado, além de ser essencial à cultura da cidade. É uma referência para todo o Brasil”, afirma Almandrade.
Na ocasião serão apresentadas também obras de Juarez Paraiso, Sante Scaldaferri, Pierre Verger, Arthur Scovino, Pedro Marighella, Lia Cunha, Ana Verana, Daniel Lisboa, Lenio Braga, Charbel Boutros, Thiago Martins de Melo, Anizio de Carvalho, Tetine, Gaio e Rodrigo Matheus.
EVENTO – A exposição A Reencenação tem como objetivo resgatar obras confiscadas na época pelo governo militar e recriar, nas condições possíveis, projetos que não tiveram seu potencial plenamente realizados. “Buscamos um diálogo entre forças muito distintas que não se dão só nas formas, mas também na política entre direita e esquerda”, finaliza o curador Fernando Oliva.

Serviço

O quê: exposição A Reencenação – 3ª Bienal da Bahia
Quando: inauguração 31 de maio, sábado, às 19h. Aberta ao público de 2 de junho a 7 de setembro. Das 9h às 11h30 e das 13h30 às 17h30,  de segunda a sexta-feira.
Onde: Largo de São Bento , S/N , Barroquinha.
Mais informações: (71) 2106-5200
- See more at: http://conselho.cultura.ba.gov.br/almandradenabienal/#sthash.KFmzogaV.dpuf

0

Crédito: Divulgação
Obra de Almandrade (clique e amplie)
A fim de retomar o elo perdido entre as bienais de 1966 e 1968, quando houve censura de obras pela ditadura militar, o conselheiro de cultura Almandrade participa de exposição que traz à tona objetos geométricos e conceituais que dialogam com arte barroca insinuando um discurso político que vai além da nostalgia. Intitulado A Reencenação – 3ª Bienal da Bahia, o projeto terá abertura neste sábado, 31, às 19 horas, no coro da Igreja do Mosteiro de São Bento.
Com curadoria de Fernando Oliva, a exposição ficará aberta até 7 de setembro. Serão dez trabalhos assinados pelo conselheiro, que explora a geometria e o conceitual da arte contemporânea com peças produzidas desde a década de 70 até os dias atuais. “Meus objetos passeiam entre dois tempos, do mais antigo ao mais recente, ou melhor, são atemporais. São obras contemporâneas que contrastam com o estilo Barroco que pode ser encontrado no Mosteiro de São Bento”, conta o artista.
Crédito: Divulgação
Exposição em cartaz até 7 de setembro (clique e amplie)
Almandrade foi escolhido para o projeto como um dos destaques artísticos da Bahia. “Ele é um grande artista e merecia mais representatividade. Queremos mostrar como são seus trabalhos e valorizá-lo”, conta o curador Fernando Oliva.
A Bienal também promete a execução em praça pública de uma obra do artista e conselheiro, como um legado da 3ª Bienal para a cidade do Salvador. Uma escultura que segue a tendência construtiva em aço pintado para interagir com o transeunte de forma lúdica e racional, ao mesmo tempo. Será a sua primeira obra em espaço público. Desde o final da década de 1970 que Almandrade projeta escultura pública e não teve ainda oportunidade de ver uma delas executadas.
Satisfeito com o convite de participar da 3ª Bienal da Bahia, o conselheiro de cultura acredita que esta será uma oportunidade de participar de um circuito de arte, com trabalhos produzidos em décadas passadas e que continuam atual. “O evento mobiliza o mercado, além de ser essencial à cultura da cidade. É uma referência para todo o Brasil”, afirma Almandrade.
Na ocasião serão apresentadas também obras de Juarez Paraiso, Sante Scaldaferri, Pierre Verger, Arthur Scovino, Pedro Marighella, Lia Cunha, Ana Verana, Daniel Lisboa, Lenio Braga, Charbel Boutros, Thiago Martins de Melo, Anizio de Carvalho, Tetine, Gaio e Rodrigo Matheus.
EVENTO – A exposição A Reencenação tem como objetivo resgatar obras confiscadas na época pelo governo militar e recriar, nas condições possíveis, projetos que não tiveram seu potencial plenamente realizados. “Buscamos um diálogo entre forças muito distintas que não se dão só nas formas, mas também na política entre direita e esquerda”, finaliza o curador Fernando Oliva.

Serviço

O quê: exposição A Reencenação – 3ª Bienal da Bahia
Quando: inauguração 31 de maio, sábado, às 19h. Aberta ao público de 2 de junho a 7 de setembro. Das 9h às 11h30 e das 13h30 às 17h30,  de segunda a sexta-feira.
Onde: Largo de São Bento , S/N , Barroquinha.
Mais informações: (71) 2106-5200
- See more at: http://conselho.cultura.ba.gov.br/almandradenabienal/#sthash.KFmzogaV.dpuf